Primeira Leitura (2Cor 9,6-10)


Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios


Irmãos, 6“Quem semeia pouco colherá também pouco e quem semeia com largueza colherá também com largueza”. 7Dê cada um conforme tiver decidido em seu coração, sem pesar nem constrangimento; pois Deus “ama quem dá com alegria”.


8Deus é poderoso para vos cumular de toda sorte de graças, para que, em tudo, tenhais sempre o necessário e ainda tenhais de sobra para toda obra boa, 9como está escrito: “Distribuiu generosamente, deu aos pobres; a sua justiça permanece para sempre”.


10Aquele que dá a semente ao semeador e lhe dará o pão como alimento, ele mesmo multiplicará as vossas sementes e aumentará os frutos da vossa justiça.


Responsório (Sl 111)


— Feliz o homem caridoso e prestativo!


— Feliz o homem caridoso e prestativo!


— Feliz o homem que respeita o Senhor e que ama com carinho sua lei! Sua descendência será forte sobre a terra, abençoada a geração dos homens retos!


— Feliz o homem caridoso e prestativo, que resolve seus negócios com justiça. Porque jamais vacilará o homem reto, sua lembrança permanece eternamente!


— Ele não teme receber notícias más: confiando em Deus, seu coração está seguro. Seu coração está tranquilo e nada teme, e confusos há de ver seus inimigos.


— Ele reparte com os pobres os seus bens, permanece para sempre o bem que fez, e crescerão a sua glória e seu poder.


Evangelho (Jo 12,24-26)


— O Senhor esteja convosco.


— Ele está no meio de nós.


— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.


— Glória a vós, Senhor.


Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos: 24“Em verdade, em verdade vos digo: Se o grão de trigo que cai na terra não morre, ele continua só um grão de trigo; mas se morre, então produz muito fruto.


25Quem se apega à sua vida, perde-a; mas quem faz pouca conta de sua vida neste mundo conservá-la-á para a vida eterna. 26Se alguém me quer servir, siga-me, e onde eu estou estará também o meu servo. Se alguém me serve, meu Pai o honrará”.


Homilia: Permitamos que o homem novo floresça em nós

Só nasce um homem novo quando permitimos que o homem velho morra a cada dia

Se o grão de trigo que cai na terra não morre, ele continua só um grão de trigo; mas se morre, então produz muitos frutos” (João 12,24).

O grão precisa cair por terra, ele precisa morrer para florescer, para que dele venha o fruto de que precisamos. Somos um grão de trigo lançado neste mundo, e a própria vida vai nos mostrando que precisamos morrer em cada época, em cada etapa da nossa vida.

Aquela criança que eu era “morreu”, ficaram os valores de uma época maravilhosa na minha vida, mas não pude ficar preso em meu ser criança, não pude ficar brincando de carrinho o tempo inteiro. Eu precisei deixar morrer coisas que eu gostava. Depois, fui virando um adolescente, e aquele adolescente também foi morrendo para que esse homem pudesse nascer. Na idade em que estou, reconheço que preciso deixar morrer muitas coisas em mim, para que o homem novo floresça.

Há uma coisa que precisa morrer em nós em todas as etapas da nossa vida, desde o bebê que nasce até o idoso, precisamos deixar que morra em nós o egoísmo. Uma criança não pode ser egoísta, uma mãe não pode cultivar o egoísmo de uma criança, como o idoso também não pode ser egoísta.

O egoísmo vem por meio de diversas fantasias, fantasia do orgulho, da soberba, das vantagens próprias e das vaidades. Só nasce um homem novo quando permitimos que o homem velho morra a cada dia.

Não tenhamos medo de morrer para a inveja, para o ciúmes, não tenhamos medo de morrer para aquele sentimento ruim que tínhamos em relação àquela pessoa, que cresceu, apoderou-se de nós e fez de nós uma pessoa rabugenta, orgulhosa, amarga e azeda. É preciso morrer o azedume, a amargura, o ressentimento e a mágoa.

Só sou um homem novo quando deixo morrer o que é velho em mim. Que caia, todos os dias, por terra, esse grão de trigo, para que nasça um homem novo. Que você seja uma mulher nova a cada dia, não tenha medo de morrer para o seu orgulho, só tenha medo de morrer uma pessoa orgulhosa, porque no Reino dos Céus não tem lugar para o orgulho.

Que morra, a cada dia, esses sentimentos depravados do orgulho que nos cegam e entorpecem a nossa vista, a nossa vida e a nossa mente. Que caia por terra e nasça sempre um homem novo a cada dia.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
fb.com/rogeraraujo.cn

Santo do Dia:

São Lourenço, servia a Deus na Igreja de Roma

Festejamos, neste dia, a vida de santidade e martírio do Diácono que nem chicotes, algozes, chamas, tormentos e correntes puderam contra sua fé e amor ao Cristo. Lourenço, espanhol, natural de Huesca, foi um Diácono de bom humor que servia a Deus na Igreja de Roma durante meados do Século III.

Conta-nos a história que São Lourenço como primeiro dos Diáconos tinha grande amizade com o Papa Sisto II, tanto assim que ao vê-lo indo para o martírio falou: “Ó pai, aonde vais sem o teu filho? Tu que jamais ofereceste o sacrifício sem a assistência do teu Diácono, vais agora sozinho, para o martírio?”. E o Papa respondeu: “Mais uns dias e te aguarda uma coroa mais bonita!”. São Lourenço era também responsável pela administração dos bens da Igreja que sustentava muitos necessitados.

Diante da perseguição do Imperador Valeriano, o prefeito local exigiu de Lourenço os tesouros da Igreja, para isto o Santo Diácono pediu um prazo, o qual foi o suficiente para reunir no átrio os órfãos, os cegos, os coxos, as viúvas, os idosos… todos os que a Igreja socorria, e no fim do prazo – com bom humor – disse: “Eis aqui os nossos tesouros, que nunca diminuem, e podem ser encontrados em toda parte”.

Sentindo-se iludido, o prefeito sujeitou o santo a diversos tormentos, até colocá-lo sobre um braseiro ardente; São Lourenço que sofreu o martírio em 258, não parava de interceder por todos, e mesmo assim encontrou no Espírito Santo força para dizer no auge do sofrimento na grelha: “Vira-me que já estou bem assado deste lado”.

Roma cristã venera o santo espanhol com a mesma veneração e respeito com que honra seus primeiros Apóstolos. Depois de São Pedro e São Paulo, a festa de São Lourenço foi a maior da antiga liturgia romana. O que foi Santo Estevão em Jerusalém, isso mesmo o foi São Lourenço em Roma.

São Lourenço, rogai por nós!