Primeira Leitura (2Cor 3,4-11)


Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios.

Irmãos, 4é por Cristo que temos tal confiança perante Deus, 5não porque sejamos capazes por nós mesmos, de ter algum pensamento, como de nós mesmos, mas essa nossa capacidade vem de Deus. 6Ele é que nos tornou capazes de exercer o ministério de uma aliança nova. Esta não é uma aliança da letra, mas do Espírito. Pois a letra mata, mas o Espírito comunica a vida. 7Se o ministério da morte, gravado em pedras com letras, foi cercado de tanta glória, que os israelitas não podiam fitar o rosto de Moisés, por causa do seu fulgor, ainda que passageiro, 8quanto mais glorioso não será o ministério do Espírito? 9Pois, se o ministério, da condenação foi glorioso, muito mais glorioso há de ser o ministério ao serviço da justificação. 10Realmente em comparação com uma glória, tão eminente, já não se pode chamar glória o que então tinha sido glorioso. 11Pois se o que era passageiro foi marcado de glória, muito mais glorioso será o que permanece.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Responsório (Sl 98)


— Santo é o Senhor nosso Deus!

— Santo é o Senhor nosso Deus!

— Exaltai o Senhor nosso Deus, e prostrai-vos perante seus pés, pois é santo o Senhor nosso Deus!

— Eis Moisés e Aarão entre os seus sacerdotes. E também Samuel invocava seu nome, e ele mesmo, o Senhor, os ouvia.

— Da coluna de nuvem falava com eles. E guardavam a lei e os preceitos divinos, que o Senhor nosso Deus tinha dado.

— Respondíeis a eles, Senhor nosso Deus, porque éreis um Deus paciente com eles, mas sabíeis punir seu pecado.

— Exaltai o Senhor nosso Deus, e prostrai-vos perante seu monte, pois é santo o Senhor nosso Deus!


Evangelho (Mt 5,17-19)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo; disse Jesus aos seus discípulos: 17”Não penseis que vim abolir a Lei e os Profetas. Não vim para abolir, mas para dar-lhes pleno cumprimento. 18Em verdade, eu vos digo: antes que o céu e a terra deixem de existir, nem uma só letra ou vírgula serão tiradas da Lei, sem que tudo se cumpra. 19Portanto, quem desobedecer a um só destes mandamentos, por menor que seja, e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será considerado o menor no Reino dos Céus. Porém, quem os praticar e ensinar será considerado grande no Reino dos Céus”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: O amor é o fundamento de todas as coisas

Portanto, quem desobedecer a um só destes mandamentos, por menor que seja, e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será considerado o menor no Reino dos Céus” (Mateus 5,19).

Numa sociedade relativista como a nossa, é comum percebermos nos meios onde estamos, as pessoas relativizarem a própria fé, os próprios mandamentos e ensinamentos de Jesus. As pessoas estão sempre dizendo: “Não é bem assim. Não é daquele jeito”.

É claro que há aqueles que exageram, não têm os pés no chão, não têm caridade nem misericórdia, mas isso não justifica distorcer ou, quanto menos, desconsiderar a Palavra de Deus e os mandamentos do Senhor.

Não matar é não matar, não roubar é não roubar, não cometer adultério é não cometer adultério, não pecar é não pecar. É claro que levamos em consideração a nossa fragilidade humana, mas ela nunca pode ser a justificativa para nos acomodarmos em nossos pecados, nos nossos erros, e partir sempre daquela primícia: “Porque Deus é bom e misericordioso”. Deus será sempre bom e misericordioso, mas isso não pode fazer de nós pessoas sem vergonha ou sem atitudes de mudanças.

O Deus bom e misericordioso nos dá a graça de nos formar e nos alimentar na fé, de nos ajudar a crescer na vivência dessa fé. O que não podemos, em nome de um certo relaxo, de uma sociedade laxista, que tudo facilita, tudo concorda, dizer que tudo está bom e maravilhoso.

O importante é só o amor, pois ele é o fundamento de todas as coisas, ele jamais pode faltar, mas não podemos simplesmente relativizar, tornar o que é importante menos importante, tornar o que é grave como se fosse insignificante e, assim, não corrigirmos uns aos outros, não modificarmos o nosso comportamento, não revermos as nossas atitudes, e vamos levando a vida de qualquer jeito. Por isso, não só temos de cuidar de não desobedecer os mandamentos de Deus como também cuidar para não ensinar os outros a fazer a mesma coisa.


Precisamos crescer no zelo, no amor, na observância, precisamos crescer na conversão a cada dia

Precisamos crescer no zelo, no amor, na observância, precisamos crescer na conversão a cada dia, porque senão vivemos uma conversão relaxada.

Há aquela conversão primeira onde aderimos a Deus, ao Evangelho, e talvez tenhamos nos convertido, porque nascemos numa religião, porque os nossos pais nos deram [ensinamentos cristãos], mas não cuidamos de nossa conversão diária, da nossa revisão de vida, não cuidamos de olhar no espelho da fé e ver como está a vivência dos mandamentos do Senhor na nossa própria vida.

Meus irmãos, nada de relativizar, nada de diminuir ou desconsiderar a Palavra de Deus em vista da sociedade em que estamos, onde tudo pode, tudo é permitido e o que é importante é o amor.

Que o amor seja o fundamento de tudo que vivemos e realizamos. Ele só não pode ser justificativa para relaxarmos, relativizarmos nem desconsiderarmos a ação de Deus que transforma a nossa vida.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Santo do Dia:

São Gaspar de Búfalo

Gaspar nasceu no dia 6 de janeiro de 1786, em Roma. Filho de Antônio e Anunciata Quarteroni. Foi companheiro de Vicente Strambi nas missões, o qual o definia como “terremoto espiritual”. O povo o chamava de “anjo da paz”, devido suas pregações serem pacíficas e caridosas. Com estas armas da paz e da caridade conseguiu conter os bandidos que proliferavam nas periferias de Roma.

O Papa Leão XII recorreu a Gaspar de Búfalo devido a proliferação do banditismo, o qual, conseguiu amansar os mais temíveis bandidos. O Papa João XXIII definiu-lhe como: “Glória toda resplandecente do clero romano, verdadeiro e maior apóstolo da devoção ao Preciosíssimo Sangue de Jesus no mundo”. Em 1810, uma piedosa religiosa dizia que surgiria um zeloso sacerdote que sacudiria o povo da sua indiferença, mediante a propagação da devoção ao Precioso Sangue de Cristo. Naquele ano Gaspar de Búfalo, com dois anos de sacerdócio, tinha sido preso por ter rejeitado o juramento de fidelidade a Napoleão. Libertado do cárcere, após a queda de Napoleão, Gaspar recebeu de Pio VII a incumbência de se dedicar às missões populares pela restauração religiosa e moral do Estado Pontifício. Ele empreendeu essa nova cruzada em nome do Precioso Sangue de Jesus, tornando-se o ardoroso apóstolo desta devoção.

Faleceu no dia 28 de dezembro de 1837, em Roma, em um quarto em cima do Teatro Marcelo, São Vicente Palloti, seu contemporâneo, teve a visão de sua alma que subia ao encontro de Cristo, como uma estrela luminosa. A fama de sua santidade não demorou a atingir o mundo todo. Beatificado em 1904, foi canonizado por Pio XII em 1954.

São Gaspar de Búfalo, rogai por nós!