Primeira Leitura (Gn 46,1-7.28-30)


Leitura do Livro do Gênesis.

Naqueles dias, 1Israel partiu com tudo o que tinha. Ao chegar a Bersabeia, ofereceu sacrifícios ao Deus de seu pai, Isaac. 2Deus falou a Israel em visão noturna, dizendo-lhe: “Jacó! Jacó!” Ele respondeu: “Aqui estou!” 3E Deus lhe falou: “Eu sou Deus, o Deus de teu pai: não tenhas medo de descer ao Egito, pois lá farei de ti uma grande nação. 4Eu mesmo descerei contigo ao Egito e te reconduzirei de lá quando voltares; e é José que te fechará os olhos”.

5Jacó levantou-se e deixou Bersabeia, e seus filhos o puseram, com as crianças e as mulheres, sobre os carros que o Faraó enviara para os transportar. 6Levaram, também, tudo o que possuíam na terra de Canaã; e foram para o Egito, Jacó com toda a sua família, 7com seus filhos e netos, suas filhas e toda a sua descendência.

28Jacó enviou Judá na frente para avisar José e fazê-lo vir ao seu encontro em Gessen. E chegaram à terra de Gessen. 29José mandou atrelar seu carro e subiu a Gessen ao encontro do pai. Logo que o viu, lançou-se ao seu pescoço e, abraçado a ele, chorou longamente. 30Israel disse a José: “Agora, morrerei contente, porque vi a tua face e te deixo com vida”.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Responsório (Sl 36)


— A salvação vem de Deus!

— A salvação vem de Deus!

— Confia no Senhor e faze o bem, e sobre a terra habitarás em segurança. Coloca no Senhor tua alegria, e ele dará o que pedir teu coração.

— O Senhor cuida da vida dos honestos, e sua herança permanece eternamente. Não serão envergonhados nos maus dias, mas nos tempos de penúria, saciados.

— Afasta-te do mal e faze o bem, e terás tua morada para sempre. Porque o Senhor Deus ama a justiça, e jamais ele abandona os seus amigos. Os malfeitores hão de ser exterminados, e a descendência dos malvados destruída.

— A salvação dos piedosos vem de Deus; ele os protege nos momentos de aflição. O Senhor lhes dá ajuda e os liberta, defende-os e protege-os contra os ímpios, e os guarda porque nele confiaram.


Evangelho (Mt 10,16-23)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 16“Eis que eu vos envio como ovelhas no meio de lobos. Sede, portanto, prudentes como as serpentes e simples como as pombas. 17Cuidado com os homens, porque eles vos entregarão aos tribunais e vos açoitarão nas suas sinagogas.

18Vós sereis levados diante de governadores e reis, por minha causa, para dar testemunho diante deles e das nações. 19Quando vos entregarem, não fiqueis preocupados como falar ou o que dizer. Então naquele momento vos será indicado o que deveis dizer. 20Com efeito, não sereis vós que havereis de falar, mas sim o Espírito do vosso Pai é que falará através de vós.

21O irmão entregará à morte o próprio irmão; o pai entregará o filho; os filhos se levantarão contra seus pais, e os matarão. 22Vós sereis odiados por todos, por causa de meu nome. Mas quem perseverar até o fim, esse será salvo. 23Quando vos perseguirem numa cidade, fugi para outra. Em verdade vos digo, vós não acabareis de percorrer as cidades de Israel, antes que venha o Filho do Homem.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Precisamos ser pessoas simples

“Eis que eu vos envio como ovelhas no meio de lobos. Sede, portanto, prudentes como as serpentes e simples como as pombas” (Mateus 10,16).

Estamos no mundo maldoso, perverso, enganador e cercado de lobos ferozes, mas isso não é para nos atemorizar, pelo contrário, é para nos manter alertas, vigilantes, atentos e cuidadosos.

Um discípulo de Jesus não pode ser uma pessoa ingênua,isto é, viver com ingenuidade. Precisamos ser simples como as pombas, não podemos nem precisamos complicar a vida. Algumas pessoas têm o dom de tudo complicar: um problema ela transforma em vários problemas; uma coisa que é pequena ela torna grande; uma situação que pode se resolver com paciência e entrega, a pessoa já fica desesperada, cria todo um pânico, pavor, faz um alarde.

Sabemos que monstros não existem, mas criamos muitos deles, pois transformamos "bichinhos, lagartinhos" em verdadeiras monstruosidades para a nossa vida, assustamo-nos com coisas pequenas. Não são as coisas lá fora que estão complicadas, é dentro de nós que as coisas se complicam. Por isso, o Reino de Deus quer e precisa fazer de nós pessoas simples. Não é a simplicidade do simplório, daquela pessoa que não se cuida, é a simplicidade de enxergar o mundo com humildade, com os pés no chão, com a simplicidade necessária. 


É a simplicidade de enxergar o mundo com humildade, com os pés no chão, com a simplicidade necessária

Ao mesmo tempo, precisamos ser prudentes. Não podemos deixar a ingenuidade tomar conta do nosso coração. Precisamos estar vivos, ligados à esperteza, mas não é a esperteza de passar a perna nos outros, é a esperteza daquele que sabe usar a prudência, daquele que está atento com as coisas que estão acontecendo, que não se deixa levar por qualquer conversa e situação; não se deixa envolver em coisas complicadas; daquele que examina, coloca prudência, temperança naquilo que faz. Pois, simplesmente diz: “É Deus que fará. Deus que dirá”.

A pessoa precisa saber se determinar na vida. O Reino de Deus cria têmpera em nós para sabermos lidar com as situações adversas e complicadas da vida.

Peçamos, hoje, essa graça ao Senhor, em meio aos "lobos" com os quais convivemos, no meio do mundo onde nós vivemos, precisamos ser simples, prudentes, determinados e atentos, mas jamais ingênuos diante das situações da vida.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


A história dos membros é a da cabeça (Homilia Diária 1210)



Santo do Dia:

São João Gualberto, tornou-se pai dos monges e modelo

Com muita alegria nos deparamos com a santidade de vida de São João Gualberto, que pertenceu a uma nobre família de Florença, a qual muito bem o educou na cultura, porém, deixou falhas no essencial, ou seja, na vida religiosa. Por isso, facilmente, ele foi se entregando às liberdades perigosas e às vaidades do mundo.

Aconteceu que, com o assassinato do seu irmão, João Gualberto – como o pai – revoltou-se a ponto de jurar o causador de morte; mas um certo dia, numa estreita estrada, Gualberto encontrou-se com o assassino desarmado, por isso arrancou sua espada para vingar o irmão, quando de repente a súplica: “Por amor de Jesus que neste dia morreu por nós, tem piedade de mim, não me mates!”.

Era uma Sexta-feira Santa, e assim, tocado pela misericórdia de Deus, João Gualberto não só acolheu o malvado com seu perdão, mas também ao entrar numa igreja, recebeu aos pés do Crucificado a graça do perdão e a vida nova.

No processo de conversão de São João Gualberto, Deus o encaminhou à vida religiosa, à vida eremítica e depois à fundação de uma nova Ordem, chamada de Vallombrosa, na qual São João Gualberto tornou-se pai do monges e modelo, já que, antes de entrar na Vida Eterna em 1073, com 73 anos partilhou para os irmãos: “Quando quiserem eleger um abade, escolham entre os irmãos o mais humilde, o mais doce, o mais mortificado”.

São João Gualberto, rogai por nós!