Primeira Leitura (1Sm 1,9-20)


Leitura do Primeiro Livro de Samuel.

Naqueles dias, 9Ana levantou-se, depois de ter comido e bebido em Silo. Ora, o sacerdote Eli estava sentado em sua cadeira à porta do templo do Senhor. 10Ana, com o coração cheio de amargura, orou ao Senhor, derramando copiosas lágrimas. 11E fez a seguinte promessa, dizendo: “Senhor todo-poderoso, se olhares para a aflição de tua serva e te lembrares de mim, se não te esqueceres da tua escrava e lhe deres um filho homem, eu o oferecerei a ti por todos os dias de sua vida, e não passará navalha sobre a sua cabeça”.

12Como ela demorasse nas preces diante do Senhor, Eli observava o movimento de seus lábios. 13Ana, porém, apenas murmurava; os seus lábios se moviam, mas não se podia ouvir palavra alguma. Eli julgou que ela estivesse embriagada; 14por isso lhe disse: “Até quando estarás bêbada? Vai curar essa bebedeira!”

15Ana, porém, respondeu: “Não é isso, meu senhor! Sou apenas uma mulher muito infeliz; não bebi vinho, nem outra coisa que possa embebedar, mas desafoguei a minha alma na presença do Senhor. 16Não julgues a tua serva como uma mulher perdida, pois foi pelo excesso da minha dor e da minha aflição que falei até agora”.

17Eli então lhe disse: “Vai em paz, e que o Deus de Israel te conceda o que lhe pediste”. 18Ela respondeu: “Que tua serva encontre graça diante dos teus olhos”. E a mulher foi embora, comeu e o seu semblante não era mais o mesmo. 19Na manhã seguinte, ela e seu marido levantaram-se muito cedo e, depois de terem adorado o Senhor, voltaram para sua casa em Ramá. Elcana uniu-se a Ana, sua mulher, e o Senhor lembrou-se dela. 20Ana concebeu e, no devido tempo, deu à luz um filho e chamou-o Samuel, porque – disse ela – “eu o pedi ao Senhor”.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (1Sm 2,1s.)


— Meu coração se alegrou em Deus, meu Salvador.

— Meu coração se alegrou em Deus, meu Salvador.

— Exulta no Senhor meu coração, e se eleva a minha fronte no meu Deus; minha boca desafia os meus rivais porque me alegro com a vossa salvação.

— O arco dos fortes foi dobrado, foi quebrado, mas os fracos se vestiram de vigor. Os saciados se empregaram por um pão, mas os pobres e os famintos se fartaram. Muitas vezes deu à luz a que era estéril, mas a mãe de muitos filhos definhou.

— É o Senhor quem dá a morte e dá a vida, faz descer à sepultura e faz voltar; é o Senhor quem faz o pobre e faz o rico, é o Senhor quem nos humilha e nos exalta.

— O Senhor ergue do pó o homem fraco, e do lixo ele retira o indigente, para fazê-lo assentar-se com os nobres num lugar de muita honra e distinção.


Evangelho (Mc 1,21b-28)


— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.

— Glória a vós, Senhor.

21bEstando com seus discípulos em Cafarnaum, Jesus, num dia de sábado, entrou na sinagoga e começou a ensinar. 22Todos ficavam admirados com o seu ensinamento, pois ensinava como quem tem autoridade, não como os mestres da Lei.

23Estava então na sinagoga um homem possuído por um espírito mau. Ele gritou: 24“Que queres de nós, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus”. 25Jesus o intimou: “Cala-te e sai dele!”

26Então o espírito mau sacudiu o homem com violência, deu um grande grito e saiu. 27E todos ficaram muito espantados e perguntavam uns aos outros: “Que é isso? Um ensinamento novo dado com autoridade: Ele manda até nos espíritos maus, e eles obedecem!” 28E a fama de Jesus logo se espalhou por toda parte, em toda a região da Galileia.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Precisamos de autoridade para expulsar o maligno de nossa vida

Jesus o intimou: “Cala-te e sai dele! Então o espírito mau sacudiu o homem com violência, deu um grande grito e saiu” (Marcos 1,25-26).

A verdade é que os espíritos malignos estão perturbando o mundo, a nossa vida, as nossas casas e nossas famílias. Os espíritos malignos são perturbadores mesmo. O espírito mau que tomou conta da vida desse homem tirou dele o sentido e a razão de viver.

Se deixarmos os espíritos maus morarem em nós, eles também agirão em nossa vida. Não podemos negar quanta coisa do mal está reinando no meio de nós, porque o espírito do mal não é só aquela possessão diabólica, mas são os sentimentos diabólicos que tomam conta da vida e dos relacionamentos humanos.

Quando não é um sentimento de possessão, as pessoas estão possuindo umas às outras no sentido de posse. O maligno faz mais, porque ele lança o espírito do ciúme, da inveja, da competição, e vai articulando, vai jogando e semeando entre nós discórdias, espírito de disputa, colocando-nos uns contra os outros. Ele semeia a discórdia e a maledicência, por isso estamos falando mal uns dos outros.

O maligno é perturbador na nossa própria mente. Quando deixamos que ele violentamente aja em nós, não conseguimos controlar a nossa ira, a nossa raiva, simplesmente explodimos uns contra os outros, dizemos coisas pesadas.

Precisamos ter autoridade para que o mal não mande em nossa vida

Há bocas que já foram consagradas ao maligno, porque facilmente falam palavrões, palavras feias, palavras torpes, pesadas, palavras de maldição.

Como ele é invocado em palavras tão malditas que saem da boca de muitos de nós! Vemos pais gritando com filhos, e filhos que estão gritando com seus pais. Não podemos deixar que um filho fale alto com seu pai. Um pai e uma mãe não podem fazer da sua casa uma gritaria, onde tudo é resolvido no grito, na pancadaria, porque o maligno quer que a nossa casa seja um inferno.

Quando estou escutando alguém dizer: “A minha vida está um inferno”. Se a sua vida está um inferno, é porque o maligno está fazendo festa dentro de você, perto de você. Nas nossas relações de trabalho e convivência humana, precisamos da autoridade de Jesus para expulsar esses espíritos malignos, inclusive, intimando: “Cala-te. Sai dele”.

Não permitamos que esses espíritos malignos falem em nós, ajam em nós, mas se calem e saiam da nossa vida, ainda que cause um rebuliço e uma violência, como neste homem, mas que sejamos libertos na autoridade de Jesus.

Quem não tem autoridade sobre a sua própria vida, sobre seus sentimentos e pensamentos, não terá autoridade na sua casa, na sua família, em nada que você for empreender. Eles admiravam Jesus, porque Ele ensinava com autoridade, mas Ele tinha autoridade sobre o poder do mal, por isso precisamos ter autoridade, para que o mal não mande em nossa vida.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


O demônio quer passar despercebido

O demônio, desgraçadamente, conseguiu induzir boa parte dos homens, e sobretudo de católicos, a acreditar em uma de sua mais perversas mentiras: a de que ele não existe. Contudo, ninguém pode dizer-se verdadeiramente católico se não crê na existência dos espíritos malignos, não só porque se opõe assim ao ensinamento perene da Igreja, mas também porque torna incompreensível e, no fundo, quase sem sentido toda a missão redentora de Nosso Senhor Jesus Cristo. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta terça-feira, dia 14 de janeiro, e entenda por que a vinda do Filho de Deus a este mundo está intimamente vinculada ao dogma da existência do demônio e do pecado.





Santo do Dia:

Santa Elisabete Ana Bayley Seton, obediente ao Senhor

Primeira norte-americana a ser canonizada. Em 1975, sob o pontificado do papa Paulo VI, nasceu nos Estados Unidos, no ano de 1774 dentro de uma família cuja mãe era uma cristã não católica e o pai, conhecido como médico muito atarefado e famoso. A mãe faleceu e, infelizmente, a madrasta fazia sofrer Santa Elisabete. Seu refúgio era a oração e a Palavra de Deus. Era alguém que buscava cumprir os mandamentos do Senhor, responder como Cristo respondeu aos sofrimentos do seu tempo.

Santa Elisabete Ana Bayley Seton chegou a casar-se, teve vários filhos, mas, por falência de seu esposo, tiveram que entrar no ritmo da migração dos Estados Unidos para a Itália. Com as dificuldades da viagem e a fragilidade de seu esposo, ele faleceu. Ela continuou até chegar à Itália e ser acolhida por uma família amiga. Era uma família feliz porque seguiam a Cristo como católicos praticantes. Tudo aquilo foi mexendo com o coração de Santa Elisabete e ela quis se tornar católica. Não se sabe ao certo tornou-se católica ali na Itália ou nos Estados Unidos, mas o fato é que retornou para os Estados Unidos, foi acolhida pela Igreja Católica, mas pelos familiares que eram cristãos não-católicos não foi bem acolhida; foi até perseguida.

De fato, o ecumenismo é uma conquista de cada dia e em todos os tempos. Santa Elisabete Ana Bayley teve uma dificuldade (como uma minoria católica nos Estados Unidos) de tal forma, pois não encontrava espaço para a educação dos filhos, que inspiradamente começou uma obra que chegou a ser uma Congregação das Irmãs de São José, com o objetivo de formar as crianças numa fé cristã e católica.

Santa Elisabete, com apenas 47 anos, faleceu; mas deixou para todos os cristãos católicos do mundo inteiro o testemunho de um coração que buscou, em tudo, a obediência ao Senhor.

Santa Elisabete Ana Bayley, rogai por nós!