Primeira Leitura (Dt 34,1-12)


Leitura do Livro do Deuteronômio.

Naqueles dias, 1Moisés subiu das estepes de Moab ao monte Nebo, ao cume do Fasga que está defronte de Jericó. E o Senhor mostrou-lhe todo o país, desde Galaad até Dã, 2o território de Neftali, a terra de Efraim e Manassés, toda a terra de Judá até o mar ocidental, 3o Negueb e a região do vale de Jericó, cidade das palmeiras, até Segor. 4O Senhor lhe disse: “Eis aí a terra pela qual jurei a Abraão, Isaac e Jacó, dizendo: “Eu a darei à tua descendência. Tu a viste com teus olhos, mas nela não entrarás”.

5E Moisés, servo do Senhor, morreu ali, na terra de Moab, conforme a vontade do Senhor. 6E ele o sepultou no vale, na terra de Moab, defronte de Bet-Fegor. E ninguém sabe até hoje onde fica a sua sepultura. 7Ao morrer, Moisés tinha cento e vinte anos. Sua vista não tinha enfraquecido, nem seu vigor se tinha esmorecido. 8Os filhos de Israel choraram Moisés nas estepes de Moab, durante trinta dias, até que terminou o luto por Moisés. 9Josué filho de Nun estava cheio do espírito de sabedoria, porque Moisés lhe tinha imposto as mãos. E os filhos de Israel lhe obedeceram e agiram, como o Senhor tinha ordenado a Moisés.

10Em Israel nunca mais surgiu um profeta como Moisés, a quem o Senhor conhecesse face a face, 11nem quanto aos sinais e prodígios que o Senhor lhe mandou fazer na terra do Egito, contra o Faraó, os seus servidores e todo o seu país, 12nem quanto à mão poderosa e a tantos e tão terríveis prodígios, que Moisés fez à vista de todo Israel.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Responsório (Sl 65)


— Bendito seja o Senhor Deus que me escutou, é ele que dá vida à nossa vida.

— Bendito seja o Senhor Deus que me escutou, é ele que dá vida à nossa vida.

— Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, cantai salmos a seu nome glorioso, dai a Deus a mais sublime louvação! Dizei a Deus: “Como são grandes vossas obras!”

— Vinde ver todas as obras do Senhor: seus prodígios estupendos entre os homens! Todos vós que a Deus temeis, vinde escutar: vou contar-vos todo bem que ele me fez! Quando a ele o meu grito se elevou, já havia gratidão em minha boca!


Evangelho (Mt 18,15-20)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 15“Se teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, mas em particular, a sós contigo! Se ele te ouvir, tu ganhaste o teu irmão. 16Se ele não te ouvir, toma contigo mais uma ou duas pessoas, para que toda a questão seja decidida sob a palavra de duas ou três testemunhas. 17Se ele não vos der ouvido, dize-o à Igreja. Se nem mesmo à Igreja ele ouvir, seja tratado como se fosse um pagão ou um pecador público. 18Em verdade vos digo, tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu. 19De novo, eu vos digo: se dois de vós estiverem de acordo na terra sobre qualquer coisa que quiserem pedir, isto vos será concedido por meu Pai que está nos céus. 20Pois onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome eu estou ali, no meio deles”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Façamos da correção fraterna uma norma de vida

Se teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, mas em particular, a sós contigo! Se ele te ouvir, tu ganhaste o teu irmão” (Mateus 18,15).

Todos nós temos necessidade de correção, todos nós precisamos ser corrigidos e precisamos corrigir uns aos outros. Aliás, eu não conheço obra maior de caridade e amor do que a correção. A correção é para nos ajudar a ser melhor, correção é para ajudar uns aos outros a ver o que não estão vendo.

Eu vou arrumar a minha blusa e o botão foi colocado na frente do outro, foi abotoado de forma errada, abotoado muito rápido; então, vem o meu irmão e me corrige. “Que bênção! Obrigada, meu irmão”. Às vezes, saio de casa com o sapato trocado, meu irmão viu, ele vai lá e me corrige. Ele não vai querer que eu passe vexame, porque nem presto atenção no sapato que arrumei. Em casa, crescemos com a mãe nos corrigindo. Que bênção, que abençoado o pai e a mãe que corrigem os seus filhos! E ai daquele pai e daquela mãe que não corrige os seus filhos.

O marido tem que corrigir a sua esposa. A esposa tem que corrigir o seu marido, é obra de amor e de caridade. Até os filhos, muitas vezes, corrigem os pais. “Pai, não é assim. Pai, o senhor está dando mal exemplo”. Que beleza os filhos que podem corrigir os seus pais. Que beleza os irmãos que corrigem uns aos outros. Dentro de casa, como os meus irmãos me ajudaram, como me corrigiram!


A correção fraterna é evangélica e a maior obra de amor que podemos ter de uns para com os outros

O problema é quando o orgulho está dentro de nós, quando a soberba toma conta de nós e não aceitamos ser corrigidos por nada. É uma tristeza para a nossa vida não sermos corrigidos, não termos irmãos para nos corrigir. E o pior que pode acontecer em nossa vida é Deus não nos corrigir.

Façamos da correção fraterna uma norma de vida, inclusive, corrigirmos se estivermos pecando, errando e falhando. Apenas não podemos nos esquecer que a correção tem que ser fraterna e evangélica.

Não se corrige na grosseria e na brutalidade. Não se corrige expondo os outros e nem nas redes sociais. Se você quer corrigir o seu irmão, vá em particular, a sós.

Se algum dia, precisarmos corrigir alguém, e isso pode acontecer todos os dias, que ninguém saiba que corrigimos o irmão, porque cometemos um pecado maior se corrigimos alguém e dizemos para os outros que corrigimos. Ninguém precisa saber que você corrigiu o seu marido, seu irmão, ou seja lá quem for.

Se você quer ganhar o seu irmão, aprenda a se corrigir primeiro na forma de falar, na forma de tratar, na forma de ser discreto. Não podemos ficar expondo uns aos outros, inclusive, até ridicularizando os outros e achando que isso é correção.

A correção fraterna é evangélica e a maior obra de amor que podemos ter de uns para com os outros.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Memória de São Maximiliano Maria Kolbe



Santo do Dia:

São Maximiliano Maria Kolbe, mártir da caridade

Raimundo Kolbe nasceu em 1894, na Polônia, numa família operária que o introduziu no seguimento de Cristo e, mais tarde, ajudou-o entrar para a família franciscana, onde tomou o nome de Maximiliano Maria.

Ao ser mandado para terminar sua formação em Roma, Maximiliano, inspirado pelo seu desejo de conquistar o mundo inteiro a Cristo por meio de Maria Imaculada, fundou o movimento de apostolado mariano chamado ‘Milícia da Imaculada’. Como sacerdote foi professor, mas em busca de ensinar o caminho da salvação, empenhou-se no apostolado através da imprensa e pôde, assim, evangelizar em muitos países, isto sempre na obediência às autoridades, tanto assim que deixou o fecundo trabalho no Japão para assumir a direção de um grande convento franciscano na Polônia.

Com o início da Segunda Grande Guerra Mundial, a Polônia foi tomada por nazistas e, com isto, Frei Maximiliano foi preso duas vezes, sendo que a prisão definitiva, ocorrida em 1941, levou-o para Varsóvia, e posteriormente, para o campo de concentração em Auschwitz, onde no campo de extermínio heroicamente evangelizou com a vida e morte. Aconteceu que diante da fuga de um prisioneiro, dez pagariam com a morte, sendo que um, desesperadamente, caiu em prantos:

“Minha mulher, meus filhinhos! Não os tornarei a ver!”. Movido pelo amor que vence a morte, São Maximiliano Maria Kolbe dirigiu-se ao Oficial com a decisão própria de um mártir da caridade, ou seja, substituir o pai de família e ajudar a morrer os outros nove e, foi aceita, pois se identificou: “Sou um Padre Católico”.

A 10 de Outubro de 1982, o Papa João Paulo II canonizou este seu compatriota, já beatificado por Paulo VI em 1971.

São Maximiliano Maria Kolbe, rogai por nós!