Primeira Leitura (Zc 2,14-17)


Leitura do Profeta Zacarias.

14“Rejubila, alegra-te, cidade de Sião, eis que venho para habitar no meio de ti, diz o Senhor. 15Muitas nações se aproximarão do Senhor, naquele dia, e serão o seu povo. Habitarei no meio de ti, e saberás que o Senhor dos exércitos me enviou a ti.

16O Senhor entrará em posse de Judá, como sua porção na terra santa, e escolherá de novo Jerusalém. 17Emudeça todo mortal diante do Senhor, ele acaba de levantar-se de sua santa habitação”.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Responsório (Lc 1,46-55)


— O Poderoso fez por mim maravilhas, e Santo é o seu nome.

— O Poderoso fez por mim maravilhas, e Santo é o seu nome.

— A minh’alma engrandece ao Senhor, e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador.

— Pois, ele viu a pequenez de sua serva, desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita. O Poderoso fez por mim maravilhas e santo é o seu nome!

— Seu amor, de geração em geração, chega a todos os que o respeitam. Demonstrou o poder de seu braço, dispersou os orgulhosos.

— Derrubou os poderosos de seus tronos e os humildes exaltou. De bens saciou os famintos e despediu, sem nada, os ricos.

— Acolheu Israel, seu servidor, fiel ao seu amor, como havia prometido aos nossos pais, em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.


Evangelho (Mt 12,46-50)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 46enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele. 47Alguém disse a Jesus: “Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo”. 48Jesus perguntou àquele que tinha falado: “Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?” 49E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: “Eis minha mãe e meus irmãos. 50Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Como Maria, façamos a vontade do Pai

“Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos? E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: ‘Eis minha mãe e meus irmãos’. Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe” (Mateus 12,48-50).

Hoje, celebramos a Mãe de Jesus. Celebramos Maria sobre o título de Nossa Senhor do Carmo. Nossa Senhora do Monte Carmelo faz parte da devoção do povo de Deus desde quando ela apareceu, no século XII, naquele eremitério, no monte carmelo para São Simão Stock e, depois, para todos aqueles que o acompanharam na missão.

O mais importante é que São Simão subiu aquele monte, que representa o Cristo, para ali buscar a luz e a graça de Deus. Recebeu das mãos da Mãe de Jesus a graça e a proteção, a partir do santo escapulário.

Maria foi Aquela que fez na sua vida a vontade de Deus; na Sua absoluta vontade, na sua maneira mais concreta de viver. Maria foi absoluta de Deus, toda d’Ele. Por isso, Jesus está aponta Ela como modelo, não é simplesmente porque ela O gerou, mas Maria gerou Jesus "humanamente falando". Jesus nasceu de Maria, mas Ela se tornou a mais perfeita discípula de Jesus.

Quem é minha mãe? É Maria, porque Ela fez a vontade do Pai que está nos Céus. Mas você também pode ser como mãe, podemos ser como irmãos, se fizermos, na nossa vida, a vontade do Senhor.


Não basta rezarmos, termos o terço na mão ou no carro, se não procuramos fazer a vontade do Pai

Quando Maria, a Mãe de Jesus, entrega em nossas mãos o santo escapulário, Ela está dizendo: “Faça tudo o que Ele disser”, em outras palavras, para sermos como Ela ou estarmos na escola d'Ela, precisamos fazer tudo aquilo que o Senhor nos disser.

A beleza de quando nos colocamos na presença de Deus, Ele ilumina, instrui, dirige e direciona o nosso coração. Precisamos querer nos colocar na presença de Deus. Maria se colocou toda na presença de Deus. São Simão Stock se colocou todo na presença de Deus e, através da sua mãe, Deus instruiu o seu coração.

Não basta carregar o escapulário, não basta ter uma medalhinha de Nossa Senhora, não basta rezarmos, termos o terço na mão ou no carro, se não procuramos fazer a vontade do Pai.

O que caracteriza um discípulo de Jesus não é o que ele carrega de forma externa, não são símbolos ou sinais externos; o que o caracteriza é fazer a vontade do Pai, que está nos Céus, com toda a vontade da alma e do coração. Maria a fez, e está nos ensinando a fazer tudo o que Jesus nos disser.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Festa de Nossa Senhora do Carmo



Santo do Dia:

Nossa Senhora do Carmo

Ao olharmos para a história da Igreja encontramos uma linda página marcada pelos homens de Deus, mas também pela dor, fervor e amor à Virgem Mãe de Deus: é a história da Ordem dos Carmelitas, da qual testemunha o cardeal Piazza: “O Carmo existe para Maria e Maria é tudo para o Carmelo, na sua origem e na sua história, na sua vida de lutas e de triunfos, na sua vida interior e espiritual”.

Carmelo (em hebraico, “carmo” significa vinha; e “elo” significa senhor; portanto, “Vinha do Senhor”): este nome nos aponta para a famosa montanha que fica na Palestina, donde o profeta Elias e o sucessor Elizeu fizeram história com Deus e com Nossa Senhora, que foi prefigurada pelo primeiro numa pequena nuvem (cf. I Rs 18,20-45).

Estes profetas foram “participantes” da Obra Carmelita, que só vingou devido à intervenção de Maria, pois a parte dos monges do Carmelo que sobreviveram (século XII) da perseguição dos muçulmanos, chegaram fugidos na Europa e elegeram São Simão Stock como seu superior geral; este, por sua vez, estava no dia 16 de julho intercedendo com o Terço, quando Nossa Senhora apareceu com um escapulário na mão e disse-lhe: “Recebe, meu filho, este escapulário da tua Ordem, que será o penhor do privilégio que eu alcancei para ti e para todos os filhos do Carmo. Todo o que morrer com este escapulário será preservado do fogo eterno”.

Vários Papas promoveram o uso do escapulário e Pio XII chegou a escrever: “Devemos colocar em primeiro lugar a devoção do escapulário de Nossa Senhora do Carmo – e ainda – escapulário não é ‘carta-branca’ para pecar; é uma ‘lembrança’ para viver de maneira cristã, e assim, alcançar a graça duma boa morte”.

Neste dia de Nossa Senhora do Carmo, não há como não falar da história dos Carmelitas e do escapulário, pois onde estão os filhos aí está a amorosa Mãe.

Nossa Senhora do Carmo, rogai por nós!