Primeira Leitura (Is 7,1-9)


Leitura do Livro do Profeta Isaías.


1No tempo de Acaz, filho de Joatão, filho de Ozias, rei de Judá, aconteceu que Rason, rei da Síria, e Facéia, filho de Romelias, rei de Israel, puseram-se em marcha para atacar Jerusalém, mas não conseguiram conquistá-la. 2Foi dada a notícia à casa de Davi: “Os homens da Síria estão acampados em Efraim”. Tremeu o coração do rei e de todo o povo, como as árvores da floresta diante do vento.


3Então disse o Senhor a Isaías: “Vai ao encontro de Acaz com teu filho Sear-Iasub (isto é, ‘um resto voltará’) até a ponta do canal, na piscina superior, na direção da estrada do Campo dos pisadores; 4e dirás ao rei: Procura estar calmo; não temas nem estremeça o teu coração por causa desses dois pedaços de tição fumegantes, diante da ira furiosa de Rason e da Síria, e do filho de Romelias, 5por terem a Síria, Efraim e o filho de Romelias conjurado contra ti, dizendo: 6‘Vamos atacar Judá, enchê-lo de medo e conquistá-lo para nós, e nomear novo rei, o filho de Tabeel’. 7Isto diz o Senhor Deus: ‘Este plano fracassará, nada disso se realizará! 8Que seja Damasco a capital da Síria e Rason o chefe de Damasco; dentro de sessenta e cinco anos deixará Efraim de ser povo; 9que seja a Samaria capital de Efraim e o filho de Romelias chefe de Efraim. De resto, se não confiardes, não podereis manter-vos firmes’.


Responsório (Sl 47)


— O Senhor estabelece sua cidade para sempre.


— O Senhor estabelece sua cidade para sempre.


— Grande é o Senhor e muito digno de louvores na cidade onde ele mora; seu Monte santo, esta colina encantadora é a alegria do universo.


— Monte Sião, no extremo norte situado, és a mansão do grande Rei! Deus revelou-se em suas fortes cidadelas um refúgio poderoso.


— Pois eis que os reis da terra se aliaram, e todos juntos avançaram; mal a viram, de pavor estremeceram, debandaram perturbados.


— Como as dores da mulher sofrendo parto, uma angústia os invadiu; semelhante ao vento leste impetuoso, que despedaça as naus de Társis.


Evangelho (Mt 11,20-24)


— O Senhor esteja convosco.


— Ele está no meio de nós.


— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.


— Glória a vós, Senhor.


Naquele tempo, 20Jesus começou a censurar as cidades onde fora realizada a maior parte de seus milagres, porque não se tinham convertido.


21“Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se os milagres que se realizaram no meio de vós, tivessem sido feitos em Tiro e Sidônia, há muito tempo elas teriam feito penitência, vestindo-se de cilício e cobrindo-se de cinza.


22Pois bem! Eu vos digo: no dia do julgamento, Tiro e Sidônia serão tratadas com menos dureza do que vós. 23E tu, Cafarnaum! Acaso serás erguida até o céu? Não! Serás jogada no inferno! Porque, se os milagres que foram realizados no meio de ti tivessem sido feitos em Sodoma, ela existiria até hoje! 24Eu, porém, vos digo: no dia do juízo, Sodoma será tratada com menos dureza do que vós!”


Homilia: O grande milagre é ter a vida transformada por Deus

As pessoas querem milagres, curas e coisas mágicas, mas o maior milagre é a conversão e a mudança de vida

Jesus começou a censurar as cidades onde fora realizada a maior parte de seus milagres, porque não se tinham convertido” (Mateus 11,20).

As pessoas querem milagres, curas e coisas mágicas, mas o maior milagre é a conversão e a mudança de vida. O milagre não é o espetáculo realizado em nome da fé, mas a nossa vida transformada.

Olhamos para a vida dos santos e queremos os milagres. Muitas vezes, as pessoas procuram santos que nem conhecem a história, mas sabem que ele realiza milagres, a causa dos impossíveis, as causas difíceis. Entretanto, precisamos olhar o milagre que Deus realizou na vida daquele santo, daquele homem e daquela mulher. Quando olhamos para a vida deles e vemos o que Deus fez, dizemos: “Realiza-se em mim, Senhor”.

O nosso impossível, as nossas causas difíceis estão projetadas, muitas vezes, em conquistas materiais, são dívidas que temos para pagar, situações que temos para resolver, curas que temos de alcançar. Às vezes, até conseguimos essas coisas, mas o essencial não se realizou.

Jesus está censurando as cidades onde Ele realizou boa parte de Seus milagres, pois as pessoas não compreenderam nem mergulharam na essência dos Seus milagres. Por isso, Jesus vai realizar pouquíssimos prodígios nessas cidades, como muitas vezes Ele não vai os realizar no nosso meio como muitos querem que aconteça.

Nossos olhares querem coisas mágicas no Céu, nossos olhares estão em busca de coisas extraordinárias. E não há nada mais extraordinário do que vidas convertidas e transformadas!

Quando eu olho para Francisco de Assis, nunca pedi uma graça para ele, mas eu só olho para ele e fico admirado, fico olhando e penso: “Que milagre é esse homem! O que ele era e o que se tornou depois que se encontrou com Jesus!”. Quando eu olho para Inácio de Loyola ou para Paulo, que era Saulo e se transformou.

Quando olho para a minha vida, encontro nela o milagre de Deus? Ele tem feito o milagre da transformação na minha vida? Eu vejo muitas convicções mudadas, mas eu sei que preciso que Deus realize o Seu milagre em mim. Eu não peço nada de material, não peço para Ele nada que seja focado em necessidades humanas. A minha humanidade tem sede de conversão, de santidade e mudança de santidade de vida. É esse milagre que eu quero e preciso a cada dia da minha vida.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
fb.com/rogeraraujo.cn

Santo do Dia:

Bem-aventurado Inácio de Azevedo e companheiros mártires

Quarenta mártires. Entre eles 2 padres, 24 estudantes e 14 irmãos auxiliares. Portugueses e espanhóis. Todos pertenciam à Companhia de Jesus.

Inácio de Azevedo nasceu no Porto em 1526. Aos 23 anos, já tinha entrado na Companhia de Jesus ocupando vários serviços. Era ardoroso pelas missões além fronteiras.

Foi quando o Superior Geral o enviou para o Brasil e, ao retornar, testemunhou a necessidade de mais missionários. Saíram por isso, 3 naus missionárias. Em uma delas estavam Inácio de Azevedo e os 39 companheiros. A nau foi interceptada por 5 navios de inimigos da fé católica que queriam a morte de todos.

Por amor à Igreja ele aceitou o martírio, exortou e consolou seus filhos espirituais. Foi morto e lançado ao mar e todos foram martirizados, alcançando a coroa da glória na eternidade.

Inácio e seus companheiros foram assassinados por serem católicos e missionários. Estamos no tempo das novas missões, a começar na nossa casa e onde convivemos. Ali, é o primeiro lugar onde devemos testemunhar o amor a Cristo e, se preciso, sofrer por Ele.

Bem-aventurado Inácio de Azevedo e companheiros mártires, rogai por nós!