Antífona de Entrada:
Clamo por vós, meu Deus, porque me atendestes; inclinai vosso ouvido e escutai-me. Guardai-me como a pupila dos olhos, à sombra das vossas asas abrigai-me. (Sl 16, 6.8)

Oração do Dia:
Deus eterno e todo-poderoso, dai-nos a graça de estar sempre ao vosso dispor, e vos servir de todo o coração. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (Ef 2, 1-10)


Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios


Irmãos, 1vós estáveis mortos por causa de vossas faltas e pecados, 2nos quais vivíeis outrora, quando seguíeis o deus deste mundo, o príncipe que reina entre o céu e a terra, o espírito que age agora entre os rebeldes. 3Nós éramos deste número, todos nós. Outrora nos abandonávamos às paixões da carne; satisfazíamos os seus desejos, seguíamos os seus caprichos e éramos por natureza como os demais, filhos da ira. 4Mas Deus é rico em misericórdia. Por causa do grande amor com que nos amou, 5quando estávamos mortos por causa das nossas faltas, ele nos deu a vida com Cristo. É por graça que vós sois salvos! 6Deus nos ressuscitou com Cristo e nos fez sentar nos céus em virtude de nossa união com Jesus Cristo. 7Assim, pela bondade, que nos demonstrou em Jesus Cristo, Deus quis mostrar, através dos séculos futuros, a incomparável riqueza da sua graça. 8Com efeito, é pela graça que sois salvos, mediante a fé. E isso não vem de vós; é dom de Deus! 9Não vem das obras, para que ninguém se orgulhe. 10Pois é ele quem nos fez; nós fomos criados em Jesus Cristo para as obras boas, que Deus preparou de antemão para que nós as praticássemos.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 99)


R. O Senhor mesmo nos fez, e somos seus.


— Aclamai o Senhor, ó terra inteira, servi ao Senhor com alegria, ide a ele cantando jubilosos! R.

— Sabei que o Senhor, só ele, é Deus, Ele mesmo nos fez, e somos seus, nós somos seu povo e seu rebanho. R.

— Entrai por suas portas dando graças, e em seus átrios com hinos de louvor, dai-lhe graças, seu nome bendizei! R.

— Sim, é bom o Senhor e nosso Deus, sua bondade perdura para sempre, seu amor é fiel eternamente! R.


R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Felizes os humildes de espírito, porque deles é o Reino dos Céus. (Mt 5, 3) R.


Evangelho (Lc 12, 13-21)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Lucas 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo, 13alguém, do meio da multidão, disse a Jesus: “Mestre, dize ao meu irmão que reparta a herança comigo”. 14Jesus respondeu: “Homem, quem me encarregou de julgar ou de dividir vossos bens?” 15E disse-lhes: “Atenção! Tomai cuidado contra todo tipo de ganância, porque, mesmo que alguém tenha muitas coisas, a vida de um homem não consiste na abundância de bens”. 16E contou-lhes uma parábola: “A terra de um homem rico deu uma grande colheita. 17Ele pensava consigo mesmo: ‘O que vou fazer? Não tenho onde guardar minha colheita’. 18Então resolveu: ‘Já sei o que fazer! Vou derrubar meus celeiros e construir maiores; neles vou guardar todo o meu trigo, junto com os meus bens. 19Então poderei dizer a mim mesmo: Meu caro, tu tens uma boa reserva para muitos anos. Descansa, come, bebe, aproveita!’ 20Mas Deus lhe disse: ‘Louco! Ainda nesta noite, pedirão de volta a tua vida. E para quem ficará o que tu acumulaste?’ 21Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico diante de Deus”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Retiremos do nosso coração toda ganância e avareza

“E disse-lhes: ‘Atenção! Tomai cuidado contra todo tipo de ganância, porque, mesmo que alguém tenha muitas coisas, a vida de um homem não consiste na abundância de bens’” (Lucas 12,15).

Quando Jesus está nos dizendo: “Cuidado”, é porque realmente precisamos cuidar porque é uma tentação, durante toda a nossa vida, a cobiça pelos bens e pelo ter. Não há problema em ter, mas há um grande problema sermos guiados pela sede desenfreada dos bens materiais, das posses e das riquezas.

“Porque onde estiver o seu tesouro, aí estará o seu coração” (cf. Lucas 12,34). O coração humano está mutilado, desenfreado, desajustado por uma sede apaixonada por dinheiro, posses, bens, pelo enriquecimento. E, muitas vezes, esse desejo, essa cobiça, essa posse passa por cima da razão e dos afetos do coração.

A pessoa se lança para cobiçar o que ela quer e, muitas vezes, perde a direção do sentido da vida. A nossa vida não consiste na abundância dos bens materiais, aliás, a nossa vida não consiste nos bens que temos, porque os bens podem se tornar um grande mal para a nossa vida.

Ás vezes, olhamos a vida das pessoas, tudo o que elas falam e conversam se resume em dinheiro, se resume nos seus valores financeiros; e as finanças se tornam o grande valor da vida humana, as coisas começam a desandar numa casa, numa família, no nosso coração, quando o valor primeiro se chama “dinheiro”.

Não tem sentido nenhum colocar o nosso coração na posse dos bens materiais

O valor fundamental da nossa vida se chama “amor”, amor a Deus, amor ao próximo, amor à família, mas jamais amor ao dinheiro. Vamos trabalhar duro, dar o melhor de nós para ganharmos o pão de cada dia, para termos uma vida digna, para termos o sustento para a nossa casa, para crescermos, evoluirmos... Do que adianta juntarmos, termos, mostrarmos que temos isso e aquilo e, daqui a pouco, termos que dar conta da nossa vida e não levarmos nada, não levarmos sequer um centavo? E, talvez, o que fica seja para pagar o nosso velório, que pouco importará se foi grande, pequeno, porque nos apresentamos diante de Deus do jeito que viemos.

Viemos nus; voltaremos nus para a terra e nus nos apresentaremos diante de Deus. Não tem sentido nenhum colocar o nosso coração na posse dos bens materiais, deixar o nosso coração ser consumido, tomado pela avareza e pela ganância. A ganância é justamente isto: querer ganhar, ganhar, ganhar... E quem ganha os bens materiais, quem ganha dinheiro de forma justa ou injusta, honesta ou desonesta, nunca está satisfeito com o que tem. A gana é o desejo de ganhar sempre mais.

Leve uma vida modesta, honesta, batalhe por tudo que você possa ter. Não desperdice jamais qualquer coisa em sua vida, mas também não esbanje, jamais. Muita gente não tem e esbanja o que não tem; e muita gente tem e não divide o que tem, não compartilha o que tem, sinal de que o que tem é só dinheiro, não tem valor sobrenatural nem valor humano os próprios bens que ela possui.

Que Deus liberte a nossa alma de toda ganância, avareza e cobiça.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Memória de São Pedro de Alcântara

Muita gente não sabe, mas, além de Nossa Senhora Aparecida, o Brasil tem como Padroeiro e protetor o franciscano São Pedro de Alcântara, sacerdote de origem espanhola que, com uma vida de penitência e mortificação, conseguiu converter inúmeros nobres da corte portuguesa. Sua austeridade, sua pregação rude e viril, sua caridade ardentíssima e apostólica foram instrumentos nas mãos de Deus para consertar o coração de homens e mulheres hostis à dureza e ao sacrifício de uma vida realmente cristã. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta segunda-feira, dia 19 de outubro, e aprendamos hoje desse grande santo a crescer espiritualmente pelo estímulo da devoção!





Santo do Dia:

São Paulo da Cruz

Nasceu em Ovada (Itália) em 1694, de piedosos pais, que muito o educaram no Cristianismo. Foi o segundo de 16 filhos. Quando jovem de oração e contemplativo, fez uma aliança com colegas, a fim de meditarem a Paixão e morte de Jesus.

De início, trabalhou com o pai e não sentia o chamado ao sacerdócio, mas ao apostolado. Aos 19 anos, ouvido uma exortação do pároco, sentiu-se profundamente comovido e resolveu entregar-se inteiramente ao serviço de Deus. Assim, partilhou com um bispo o impulso de propagar a devoção à Paixão e morte daquele que morreu por amor à humanidade e pela salvação de cada um.

Enviado pelo bispo, tornou-se instrumento de conversão para milhares, até que o bispo ordenou-o sacerdote e, mais tarde, o Papa deu a licença para aceitar candidatos em seu noviciado.

Nasceu assim a Congregação dos Padres Passionistas, com a finalidade de firmar nos corações dos fiéis um grande amor à Paixão e morte de nosso Senhor, através das missões populares. Além da Congregação dos Passionistas, São Paulo da Cruz fundou também um instituto feminino de estrita clausura: as Irmãs Passionistas.

Profundo devoto da Sagrada Paixão, o fundador São Paulo da Cruz, desde que começou sozinho o apostolado, não abandonou o hábito preto, a cruz branca e as duras penitências, como a de alimentar-se a pão e água e dormir no chão. Depois de muito evangelizar (também através de seus muitos escritos) e alcançar milagres para o povo, associou-se à Cruz e à nossa Senhora das Dores, para entrar como vitorioso no Céu em 1775, somando 81 anos de idade. O Papa Pio IX canonizou-o em 1867. O seu corpo venera-se na basílica dos Santos João e Paulo.


São Paulo da Cruz, rogai por nós!


Oração sobre as Oferendas:
Dai-nos, ó Deus, usar os vossos dons servindo-vos com liberdade, para que, purificados pela vossa graça, sejamos renovados pelos mistérios que celebramos em vossa honra. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
Eis que o Senhor pousa o olhar sobre os que o temem e que confiam esperando em seu amor, para da morte libertar as suas vidas e alimentá-los quando é tempo de penúria. (Sl 32, 18-19)

Ou:


O Filho do homem veio dar a sua vida para a salvação dos homens. (Mc 10, 45)

Oração depois da Comunhão:
Dai-nos, ó Deus, colher os frutos da nossa participação na Eucaristia para que, auxiliados pelos bens terrenos, possamos conhecer os valores eternos. Por Cristo, nosso Senhor.