Primeira Leitura (Jz 9,6-15)


Leitura do Livro dos Juízes.

Naquele tempo, 6todos os habitantes de Siquém e os de Bet-Melo se reuniram junto a um carvalho que havia em Siquém e proclamaram rei a Abimelec. 7Informado disso, Joatão foi postar-se no cume do monte Garizim e se pôs a gritar em alta voz, dizendo: “Ouvi-me, moradores de Siquém, e que Deus vos ouça.

8Certa vez, as árvores resolveram ungir um rei para reinar sobre elas, e disseram à oliveira: ‘Reina sobre nós’. 9Mas ela respondeu: ‘Iria eu renunciar ao meu azeite, com que se honram os deuses e os homens, para me balançar acima das árvores?’

10Então as árvores disseram à figueira: ‘Vem e reina sobre nós’. 11E ela lhes respondeu: ‘Iria eu renunciar à minha doçura e aos saborosos frutos, para me balançar acima das outras árvores?’

12As árvores disseram então à videira: ‘Vem e reina sobre nós’. 13E ela lhes respondeu: ‘Iria eu renunciar ao meu vinho, que alegra os deuses e os homens, para me balançar acima das outras árvores?’

14Por fim, todas as árvores disseram ao espinheiro: ‘Vem tu reinar sobre nós’. 15O espinheiro respondeu-lhes: ‘Se deveras me constituís vosso rei, vinde e repousai à minha sombra; mas se não o quereis, saia fogo do espinheiro e devore os cedros do Líbano!’


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Responsório (Sl 20)


— Ó Senhor, em vossa força o rei se alegra.

— Ó Senhor, em vossa força o rei se alegra.

— Ó Senhor, em vossa força o rei se alegra; quanto exulta de alegria em vosso auxílio! O que sonhou seu coração, lhe concedestes; não recusastes os pedidos de seus lábios.

— Com bênção generosa o preparastes; de ouro puro coroastes sua fronte. A vida ele pediu e vós lhe destes, longos dias, vida longa pelos séculos.

— É grande a sua glória em vosso auxílio; de esplendor e majestade o revestistes. Transformastes o seu nome numa bênção, e o cobristes de alegria em vossa face.


Evangelho (Mt 20,1-16a)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos esta parábola: 1“O Reino dos Céus é como a história do patrão que saiu de madrugada para contratar trabalhadores para a sua vinha. 2Combinou com os trabalhadores uma moeda de prata por dia, e os mandou para a vinha. 3Às nove horas da manhã, o patrão saiu de novo, viu outros que estavam na praça, desocupados, 4e lhes disse: ‘Ide também vós para a minha vinha! E eu vos pagarei o que for justo’. 5E eles foram. O patrão saiu de novo ao meio-dia e às três horas da tarde, e fez a mesma coisa. 6Saindo outra vez pelas cinco horas da tarde, encontrou outros que estavam na praça, e lhes disse: ‘Por que estais aí o dia inteiro desocupados?’ 7Eles responderam: ‘Porque ninguém nos contratou’. O patrão lhes disse: ‘Ide vós também para a minha vinha’. 8Quando chegou a tarde, o patrão disse ao administrador: ‘Chama os trabalhadores e paga-lhes uma diária a todos, começando pelos últimos até os primeiros!’

9Vieram os que tinham sido contratados às cinco da tarde e cada um recebeu uma moeda de prata. 10Em seguida vieram os que foram contratados primeiro, e pensavam que iam receber mais. Porém, cada um deles também recebeu uma moeda de prata. 11Ao receberem o pagamento, começaram a resmungar contra o patrão: 12‘Estes últimos trabalharam uma hora só, e tu os igualaste a nós, que suportamos o cansaço e o calor o dia inteiro’.

13Então o patrão disse a um deles: ‘Amigo, eu não fui injusto contigo. Não combinamos uma moeda de prata? 14Toma o que é teu e volta para casa! Eu quero dar a este que foi contratado por último o mesmo que dei a ti. 15Por acaso não tenho o direito de fazer o que quero com aquilo que me pertence? Ou estás com inveja, porque estou sendo bom?’ 16aAssim, os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: A graça de Deus conquista a todos

Ao receberem o pagamento, começaram a resmungar contra o patrão: ‘Estes últimos trabalharam uma hora só, e tu os igualaste a nós, que suportamos o cansaço e o calor o dia inteiro’” (Mateus 20,11-12).

A parábola do administrador que contratou operários para a sua vinha remete-nos aos acontecimentos finais da humanidade. Durante toda a história do ser humano,  Deus vai chamando os Seus. Alguns vêm na primeira hora, outros vêm na metade do dia, outros vêm quase no final do dia, e a cada tempo a graça de Deus vai chegando nos corações.

O importante é que a graça de Deus chegue. O importante é que a graça de Deus conquiste o maior número possível de pessoas, porém, existem as intempéries humanas presentes, não só nas questões religiosas, mas nas questões cotidianas da nossa vida.

Queremos entender que justiça é sermos todos iguais quando, na verdade, não somos. A justiça é dar o tratamento que cada um merece, de modo que ser injusto é não dar ao outro o que ele merece.

O amor de Deus é para com todos, ainda que ele não chegue a todos ao mesmo tempo, por diversas situações, mas o desejo do Pai é chegar ao coração de todos.


Na mão de Deus ninguém é injustiçado, na mão de Deus ninguém fica sem receber Sua graça e Seu amor

O nosso coração humano é movido pela inveja, pelo ciúmes, e, nos últimos tempos, têm acelerado, cada vez mais, o processo de competição entre as pessoas. Competir quer dizer sentir-se inferior ao outro, mais importante e mais valorizado que o outro.

Deus valoriza aquilo que ninguém valoriza, Ele reconhece aquilo que não reconhecemos, Ele faz justiça de acordo com o Seu coração e não de acordo com os critérios do coração humano, que faz acepção de pessoas, coloca pessoas mais importantes que outras.

Deus vai começando dos últimos para tratar a cada um conforme o seu coração. Uma coisa podemos ter certeza: na mão de Deus ninguém é injustiçado, na mão de Deus ninguém fica sem receber Sua graça e Seu amor. O que acontece é que o egoísmo, o orgulho e a soberba humana não se satisfazem, muitas vezes, com o que têm, querem sempre mais, por isso entregam a alma à tristeza, entregam o coração à competição e não se conformam com a situação que têm.

Quando recebemos uma coisa, ficamos satisfeitos com o que temos. A insatisfação toma conta de nós quando começamos a nos comparar com o outro: “O outro é melhor”, e começamos a desgostar do que é nosso.

Uma criança recebe um presente e está muito feliz, mas ela começa a se desfazer do presente quando sabe que o outro tem um presente melhor que o dela. Esses operários que receberam o seu salário estavam satisfeitos com o que foi combinado, mas eles começaram a murmurar e a reclamar quando souberam que outros funcionários ganharam igual a ele, porém, eles receberam o que foi combinado.

O sentimento humano é assim, quando começamos a nos comparar, começamos a invejar e a criar outros sentimentos, porque vão nos deprimindo e nos comparando sempre com os outros.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Memória de São Pio X, Papa



Santo do Dia:

São Pio X, favoreceu a comunhão diária

Celebramos, hoje, um Papa que mereceu ser reconhecido por santo, embora na humildade típica das almas abençoadas, José Sarto respondia àqueles que o chamavam de santo: “Não santo, mas Sarto”.

Nascido em 1835 ao norte da Itália e de família muito simples e religiosa, o pequeno José, com muito esforço e sacrifício conseguiu – com o apoio dos pais – estudar e entrar para o Seminário. Com sua permanente autodefinição: “um pobre vigário da roça”, José Sarto percorreu com simplicidade o caminho que o Espírito Santo traçou da responsabilidade de vigário de uma pequena aldeia até o Papado.

Tomando o nome de Pio X, chamava a atenção pela modéstia e pobreza que o possibilitava à vivência da sua ideia-força: “Restaurar todas as coisas em Cristo”. São Pio X foi Papa de 1903 a 1914. Ocupado com a pastoral, São Pio X realizou reformas na liturgia, favoreceu a comunhão diária e a comunhão das crianças, sendo que no campo doutrinal rebateu por amor à Verdade o relativismo moderno.

Sorridente, pai e pastor, São Pio X entrou no Céu com 79 anos, deixando para a Igreja o seu testemunho de pobreza, pois conta-se o fato, tomou dinheiro emprestado para comprar as passagens de ida e volta rumo ao conclave que o teria escolhido Papa, pois não acreditava num erro do Espírito Santo.

São Pio X, rogai por nós!