Primeira Leitura (Gn 37,3-4.12-13a.17b-28)



Leitura do Livro do Gênesis.


3Israel amava mais a José do que a todos os outros filhos, porque lhe tinha nascido na velhice. E por isso mandou fazer para ele uma túnica de mangas longas. 4Vendo os irmãos que o pai o amava mais do que a todos eles, odiavam-no e já não lhe podiam falar pacificamente.


12Ora, como os irmãos de José tinham ido apascentar o rebanho do pai em Siquém, 13adisse Israel a José: “Teus irmãos devem estar com os rebanhos em Siquém. Vem, vou enviar-te a eles”.


17bPartiu, pois, José atrás de seus irmãos e encontrou-os em Dotaim. 18Eles, porém, tendo-o visto ao longe, antes que se aproximasse, tramaram a sua morte. 19Disseram entre si: “Aí vem o sonhador! 20Vamos matá-lo e lançá-lo numa cisterna, depois diremos que um animal feroz o devorou. Assim veremos de que lhe servem os sonhos”.


21Rúben, porém, ouvindo isto, disse-lhes: 22“Não lhe tiremos a vida!” E acrescentou: “Não derrameis sangue, mas lançai-o naquela cisterna do deserto, não o toqueis com as vossas mãos”. Dizia isto, porque queria livrá-lo das mãos deles e devolvê-lo ao pai. 23Assim que José chegou perto dos irmãos, estes despojaram-no da túnica de mangas longas, pegaram nele 24e lançaram-no numa cisterna que não tinha água. 25Depois, sentaram-se para comer. Levantando os olhos, avistaram uma caravana de ismaelitas, que se aproximava, proveniente de Galaad. Os camelos iam carregados de especiarias, bálsamo e resina, que transportavam para o Egito.


26E Judá disse aos irmãos: “Que proveito teríamos em matar nosso irmão e ocultar o seu sangue? 27É melhor vendê-lo a esses ismaelitas e não manchar nossas mãos, pois ele é nosso irmão e nossa carne”. Concordaram os irmãos com o que dizia.


28Ao passarem os comerciantes madianitas, tiraram José da cisterna, e por vinte moedas de prata o venderam aos ismaelitas: e estes o levaram para o Egito.


Responsório (Sl 104,16-21)



— Lembrai sempre as maravilhas do Senhor!


— Lembrai sempre as maravilhas do Senhor!


— Mandou vir, então, a fome sobre a terra e os privou de todo pão que os sustentava; um homem enviara à sua frente, José que foi vendido como escravo.


— Apertaram os seus pés entre grilhões e amarraram seu pescoço com correntes, até que se cumprisse o que previra, e a palavra do Senhor lhe deu razão.


— Ordenou, então, o rei que o libertassem, o soberano das nações mandou soltá-lo; fez dele o senhor de sua casa, e de todos os seus bens o despenseiro.



Evangelho (Mt 21,33-43.45-46)



— O Senhor esteja convosco.


— Ele está no meio de nós.


— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.


— Glória a vós, Senhor.


Naquele tempo, dirigindo-se Jesus aos chefes dos sacerdotes e aos anciãos do povo, disse-lhes: 33“Escutai esta outra parábola: Certo proprietário plantou uma vinha, pôs uma cerca em volta, fez nela um lagar para esmagar as uvas e construiu uma torre de guarda. Depois arrendou-a a vinhateiros, e viajou para o estrangeiro. 34Quando chegou o tempo da colheita, o proprietário mandou seus empregados aos vinhateiros para receber seus frutos.


35Os vinhateiros, porém, agarraram os empregados, espancaram a um, mataram a outro, e ao terceiro apedrejaram. 36O proprietário mandou de novo outros empregados, em maior número do que os primeiros. Mas eles os trataram da mesma forma. 37Finalmente, o proprietário, enviou-lhes o seu filho, pensando: ‘Ao meu filho eles vão respeitar’.


38Os vinhateiros, porém, ao verem o filho, disseram entre si: ‘Este é o herdeiro. Vinde, vamos matá-lo e tomar posse da sua herança!’ 39Então agarraram o filho, jogaram-no para fora da vinha e o mataram. 40Pois bem, quando o dono da vinha voltar, que fará com esses vinhateiros?”


41Os sumos sacerdotes e os anciãos do povo responderam: “Com certeza mandará matar de modo violento esses perversos e arrendará a vinha a outros vinhateiros, que lhe entregarão os frutos no tempo certo”.


42Então Jesus lhes disse: “Vós nunca lestes nas Escrituras: ‘A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular; isto foi feito pelo Senhor e é maravilhoso aos nossos olhos’? 43Por isso eu vos digo: o Reino de Deus vos será tirado e será entregue a um povo que produzirá frutos”.


45Os sumos sacerdotes e fariseus ouviram as parábolas de Jesus, e compreenderam que estava falando deles. 46Procuraram prendê-lo, mas ficaram com medo das multidões, pois elas consideravam Jesus um profeta.


Homilia: Cuidemos da vinha do Senhor

Somos os vinhateiros, e temos de cuidar da vinha do Senhor, que é a Terra

“O proprietário, enviou-lhes o seu filho, pensando: ‘Ao meu filho eles vão respeitar’. Os vinhateiros, porém, ao verem o filho, disseram entre si: ‘Este é o herdeiro. Vinde, vamos matá-lo e tomar posse da sua herança!’” (Mateus 21,37-38).

A parábola que Jesus conta, hoje, é de um certo proprietário que plantou uma vinha e deu o cuidado dela aos vinhateiros. Ele pediu que os vinhateiros tomassem conta da sua vinha, mas ele depois viria para ver o resultado. De fato, o proprietário mandou representantes, e os vinhateiros rejeitaram os enviados do proprietário, mandou outros e também foram rejeitados, até mortos e desprezados.

É óbvio que o proprietário disse: “Agora, tenho que mandar meu próprio filho. O meu próprio filho eles vão respeitar. É o meu sangue. Sou eu mesmo”. Mandou o próprio filho e com ele foi pior, eles disseram: “É o herdeiro. Vamos, então, matá-lo para que a propriedade seja nossa”. E mataram o herdeiro.

Olhando a parábola, vamos compreender que esse proprietário se refere àquele que é o senhor; e proprietário de todo o mundo criado, que é Deus nosso Pai, Ele é o Senhor e dono de toda a Terra.

Somos aqueles a quem foi confiado o cuidado, somos os vinhateiros, e temos de cuidar da vinha do Senhor, que é a Terra. Precisamos cuidar daquilo que é de Deus, mas para Ele. Queremos cuidar do que é de Deus como se fosse nosso, apropriamo-nos, tomamos conta, e o nosso instinto egoísta e orgulhoso nos leva, muitas vezes, a tomar aquilo só para nós.

Não cuidamos bem do que é de Deus, porque somos egoístas na visão do que temos e rejeitamos, muitas vezes, a correção, a prestação de contas que temos de dar a Deus sobre a nossa própria vida. Mas o que é pior: eles rejeitaram o Filho de Deus, que é Jesus. Todas as vezes que somos indiferentes a Ele, todas as vezes que não O acolhemos, todas as vezes que não O amamos nas formas e maneiras que Ele se manifesta em nossa vida, estamos rejeitando o próprio Senhor da vinha, estamos rejeitando o Deus criador de todas as coisas.

Neste tempo da graça, somos convidados a refletir como estamos acolhendo Jesus em nossa vida. Ele veio para que nós possamos prestar contas da vida, do mundo, da família e de tudo aquilo que Deus nos confiou, porque tudo é do Pai, tudo é de Deus.

Não podemos, simplesmente, nos apoderar do que é de Deus e não fazer da vida e do mundo aquilo que bem entendemos.

Examinar a nossa consciência é nos colocarmos numa atitude de retidão, de reflexão diante dos atos, atitudes e escolhas que temos para com o mundo, para com Deus, para com as coisas de Deus, e para com a nossa própria vida.

Que Deus nos dê a graça de refletirmos bem as nossas escolhas para sabermos cuidar bem daquilo que Ele nos confiou.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
fb.com/rogeraraujo.cn

Santo do Dia:

São Zacarias, Papa

Filho de pai grego, residente na Calábria, foi eleito Papa em 741 e morreu em 752.

Ao contrário do seu predecessor Gregório III, relativamente a Liutprando, rei dos Lombardos, julgou ser melhor partido inaugurar com ele relações amistosas. Concluiu assim um acordo bastante vantajoso, recuperando quatro fortalezas e vários patrimônios; estipulou também com ele uma trégua de trinta anos. Mas não conseguiu impedir os Lombardos de tirarem aos Bizantinos o exarcado de Ravena.

Zacarias soube tornar favorável à Igreja romana o imperador Constantino V e recebeu mesmo territórios como dádiva. Em 747 aprovou a mudança de regime na França, com a proclamação de Pepino, o Breve.

Foi um bom administrador das terras da Igreja, as quais progrediram no seu tempo. Restaurou o palácio de Latrão e embelezou, no sopé do Palatino, a igreja de Santa Maria Antiga, onde se conserva ainda o seu retrato, pintado quando ele ainda vivia.

São Zacarias, rogai por nós!