Antífona de entrada

O Senhor fala de paz a seu povo e a seus amigos e a todos os que se voltam para ele. (Sl 84, 9)

Oração do dia

Levantai, ó Deus, o ânimo dos vossos filhos e filhas, para que, aproveitando melhor as vossas graças, obtenham de vossa paternal bondade mais poderosos auxílios. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura (Ap 14, 1-3. 4b-5)


Leitura do Livro do Apocalipse de São João


Eu, João, 1tive esta visão: O Cordeiro estava de pé sobre o monte Sião. Com ele, os cento e quarenta e quatro mil que tinham a fronte marcada com o nome dele e o nome do seu Pai. 2Ouvi uma voz que vinha do céu; parecia o barulho de águas torrenciais e o estrondo de um forte trovão. O ruído que ouvi era como o som de músicos tocando harpa. 3Estavam diante do trono, diante dos quatro Seres vivos e dos Anciãos, e cantavam um cântico novo. Era um cântico que ninguém podia aprender; só os cento e quarenta e quatro mil marcados, que foram resgatados da terra. 4bEles seguem o Cordeiro aonde quer que vá. Foram resgatados do meio dos homens, como primeira oferta a Deus e ao Cordeiro. 5Na sua boca nunca foi encontrada mentira. São íntegros!

Salmo Responsorial (Sl 23)


R. É assim a geração dos que buscam vossa face, ó Senhor, Deus de Israel.


— Ao Senhor pertence a terra e o que ela encerra, o mundo inteiro com os seres que o povoam; porque ele a tornou firme sobre os mares, e sobre as águas a mantém inabalável. R.

— “Quem subirá até o monte do Senhor, quem ficará em sua santa habitação?” “Quem tem mãos puras e inocente coração, quem não dirige sua mente para o crime. R.

— Sobre este desce a bênção do Senhor e a recompensa de seu Deus e Salvador”. “É assim a geração dos que o procuram, e do Deus de Israel buscam a face”. R.


Aclamação ao Evangelho

R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Vigiai, diz Jesus, vigiai, pois, no dia em que não esperais, o vosso Senhor há de vir. (Mt 24, 42a. 44) R.

Evangelho (Lc 21, 1-4)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Lucas 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo, 1Jesus ergueu os olhos e viu pessoas ricas depositando ofertas no tesouro do Templo. 2Viu também uma pobre viúva que depositou duas pequenas moedas. 3Diante disto, ele disse: “Em verdade vos digo que essa pobre viúva ofertou mais do que todos. 4Pois todos eles depositaram, como oferta feita a Deus, aquilo que lhes sobrava. Mas a viúva, na sua pobreza, ofertou tudo quanto tinha para viver”.

Sobre as Oferendas

Acolhei, ó Deus, estes dons que nos mandastes consagrar em vossa honra e, para que eles nos tornem agradáveis aos vossos olhos, dai-nos guardar sempre os vossos mandamentos. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

Cantai louvores ao Senhor, todas as gentes; povos todos, festejai-o! Pois comprovado é seu amor para conosco, para sempre ele é fiel! (Sl 116, 1-2)

Ou:


Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos, diz o Senhor. (Mt 28, 20)

Depois da Comunhão

Fazei, ó Deus todo-poderoso, que nunca nos separemos de vós, pois nos concedeis a alegria de participar da vossa vida. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 23/11/2020
Meçamos a generosidade do nosso coração

“Em verdade vos digo que essa pobre viúva ofertou mais do que todos. Pois todos eles depositaram, como oferta feita a Deus, aquilo que lhes sobrava. Mas a viúva, na sua pobreza, ofertou tudo quanto tinha para viver” (Lucas 21,3-4).

A generosidade e a bondade de Deus não é medida pela forma quantitativa que, muitas vezes, usamos na nossa relação com Deus. Não valemos por aquilo que damos materialmente, valemos pela intensidade da alma, do coração e da doação.

Pode ser que alguém dê sempre muita coisa, oferte dinheiro, oferte os bens que tem, mas ali não foi a generosidade da alma e do coração. O exemplo da pobre viúva do Evangelho de hoje deve ser um modelo para o nosso coração. Quem é generoso se dá por inteiro, quem é generoso dá tudo o que tem porque dá de coração aberto, porque dá em primeiro lugar para Deus.

Muitas vezes, até em nossas igrejas, queremos valorizar os ricos, os poderosos, aqueles que fazem grandes ofertas, e cada um oferta o que tem e o que pode dar, sem precisar julgar e condenar a ninguém. Diante de Deus, cada um deve examinar a si mesmo, não precisa ser examinado por ninguém, cada um deve olhar a si mesmo e medir qual é o tamanho da generosidade do seu coração. Não se sinta jamais orgulhoso e exaltado porque faz isso e aquilo, porque o que damos não é para ser visto e nem reconhecido. O que doamos o fazemos na generosidade, de forma escondida.


A generosidade e a bondade de Deus não é medida pela forma quantitativa

Muitas vezes, os grandes daquela época faziam questão de fazerem suas ofertas para serem vistos e reconhecidos por aquilo que doavam e faziam. A pobre viúva envergonhada não tinha nada para dar, pegava sua pobre moeda e dava de coração.

Hoje, mais do que nunca, como precisamos valorizar, amar, respeitar e venerar as pessoas muito simples, muito humildes que fazem o Reino de Deus acontecer. Se doando em nossas paróquias, comunidades e capelas, muitas vezes, ganhando pouquíssimo e tirando do pouco que têm para dar com muito amor, para ajudar e fazer o Reino de Deus acontecer.

Cada moedinha, cada real que uma pessoa doa para as obras de Deus, para as obras de misericórdia, para os trabalhos sociais, quanta importância, quanto valor sagrado tem para o coração de Deus! Seja quem doa um real, e não importa a quantia, o que vale é a sua generosidade, o que vale é você doar-se de coração, o que não vale é a pessoa simplesmente fazer pouco-caso.

Às vezes, olhamos os ofertórios de nossas igrejas e têm pessoas que simplesmente abaixam a cabeça, fecham os olhos e não dão importância nenhuma. Não precisa ninguém estar vendo o que está doando, mas é importante mesmo que você esteja com as mãos vazias por não ter nada, porque não está tendo o que dar, mas é importante que você se doe, que não faça pouco-caso, é importante que você esteja ali inteiro. “Aqui estou, Senhor, para me doar naquilo que sou”.

Não seja apenas uma pessoa espectadora, seja um protagonista do Reino de Deus, faça o Reino de Deus acontecer dando-se e doando-se de todo o coração.

Deus abençoe você!    

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco

A riqueza da pobre viúva

Naquela pobre viúva que hoje vemos depositar no cofre do Templo tudo o que tinha para viver cumpre-se o que Deus tanto sonhava ao dizer ao povo de Israel: “Amarás o Senhor com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as tuas forças”, pois o que Ele quer não são barganhas nem reservas técnicas, mas que nos entreguemos ao seu amor por inteiro, sem divisões. Assista à homilia do Pe. Paulo Ricardo para esta segunda-feira, dia 23 de novembro, e aprendamos com o exemplo dos santos a dar a Deus tudo quanto temos, seja muito ou pouco, pequeno ou grande, mas que seja dado com amor!




Santo do dia 23/11/2020

São Clemente I

São Clemente I assumiu a Cátedra de Pedro, depois de Lino, Anacleto e com muito empenho regeu a Igreja de Roma dos anos 88 até 97.

Sobressai no seu pontificado um documento de primeira grandeza, fundamental a favor do primado universal do Bispo de Roma: a carta aos Coríntios, escrita no ano de 96.

Perturbada por agitadores presumidos e invejosos, a comunidade cristã de Corinto ameaçava desagregação e ruptura.

São Clemente escreve-lhe então uma extensa carta de orientação e pacificação, repassada de energia persuasiva, recomendando humildade, paz e obediência à hierarquia eclesiástica já então definida nos seus diversos graus: Bispos, Presbíteros e Diáconos.

Esta sua intervenção mostra que Clemente, para além de Bispo de Roma, sentia-se responsável e com autoridade sobre as outras Igrejas.

E saliente-se que, nessa altura, vivia ainda o Apóstolo São João, o que nos permite concluir que o Primado não foi de modo algum uma ideia meramente nascida de circunstâncias favoráveis, mas uma convicção clara logo desde o início. Se assim não fosse, nunca São Clemente teria ousado meter-se onde, por hipótese, não era chamado.

João, como Apóstolo de Cristo, era sem dúvida uma figura venerável. Mas era ao Bispo de Roma, como sucessor de São Pedro, que competia o governo da cristandade.

Uma tradição, que remonta ao fim do século IV, afirma que São Clemente terminou sua vida com o martírio. Seu nome ficou incluído no Cânon Romano da Missa.

São Clemente I, rogai por nós!