Antífona de Entrada:
Senhor, tudo o que fizestes conosco com razão o fizestes, pois pecamos contra vós e não obedecemos aos vossos mandamentos. Mas honrai o vosso nome, tratando-nos segundo vossa misericórdia. (Dn 3, 31. 29. 30. 43. 42)

Oração do Dia:
Ó Deus, que mostrais vosso poder sobretudo no perdão e na misericórdia, derramai sempre em nós a vossa graça, para que, caminhando ao encontro das vossas promessas, alcancemos os bens que nos reservais. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (Ez 18, 25-28)


Leitura da Profecia de Ezequiel


Assim diz o Senhor: 25“Vós andais dizendo: ‘A conduta do Senhor não é correta’. Ouvi, vós da casa de Israel: É a minha conduta que não é correta, ou antes é a vossa conduta que não é correta?

26Quando um justo se desvia da justiça, pratica o mal e morre, é por causa do mal praticado que ele morre. 27Quando um ímpio se arrepende da maldade que praticou e observa o direito e a justiça, conserva a própria vida. 28Arrependendo-se de todos os seus pecados, com certeza viverá, não morrerá”.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 24)


R. Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura e compaixão!


— Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos, e fazei-me conhecer a vossa estrada! Vossa verdade me oriente e me conduza, porque sois o Deus da minha salvação; em vós espero, ó Senhor, todos os dias! R.

— Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura e a vossa compaixão que são eternas! Não recordeis os meus pecados quando jovem, nem vos lembreis de minhas faltas e delitos! De mim lembrai-vos, porque sois misericórdia e sois bondade sem limites, ó Senhor! R.

— O Senhor é piedade e retidão, e reconduz ao bom caminho os pecadores. Ele dirige os humildes na justiça, e aos pobres ele ensina o seu caminho. R.


Segunda Leitura (Fl 2, 1-11)


Leitura da Carta de São Paulo aos Filipenses


Irmãos: 1Se existe consolação na vida em Cristo, se existe alento no mútuo amor, se existe comunhão no Espírito, se existe ternura e compaixão, 2tornai então completa a minha alegria: aspirai à mesma coisa, unidos no mesmo amor; vivei em harmonia, procurando a unidade.  3Nada façais por competição ou vanglória, mas, com humildade, cada um julgue que o outro é mais importante, 4e não cuide somente do que é seu, mas também do que é do outro. 5Tende entre vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus.

6Jesus Cristo, existindo em condição divina, não fez do ser igual a Deus uma usurpação, 7mas esvaziou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e tornando-se igual aos homens. Encontrado com aspecto humano, 8humilhou-se a si mesmo, fazendo-se obediente até à morte, e morte de cruz. 9Por isso, Deus o exaltou acima de tudo e lhe deu o Nome que está acima de todo nome.

10Assim, ao nome de Jesus, todo joelho se dobre no céu, na terra e abaixo da terra, 11e toda língua proclame: “Jesus Cristo é o Senhor!” — para a glória de Deus Pai.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus. 


Ou mais breve:


Irmãos: 1Se existe consolação na vida em Cristo, se existe alento no mútuo amor, se existe comunhão no Espírito, se existe ternura e compaixão, 2tornai então completa a minha alegria: aspirai à mesma coisa, unidos no mesmo amor; vivei em harmonia, procurando a unidade.  3Nada façais por competição ou vanglória, mas, com humildade, cada um julgue que o outro é mais importante, 4e não cuide somente do que é seu, mas também do que é do outro. 5Tende entre vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Assista a Santa Missa pela internet ou TV. Sugestões:



R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Minhas ovelhas escutam a minha voz, minha voz estão elas a escutar; eu conheço, então, minhas ovelhas, que me seguem, comigo a caminhar! (Jo 10, 27)


Anúncio do Evangelho (Mt 21, 28-32)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Mateus 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo, Jesus disse aos sacerdotes e anciãos do povo: 28“Que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Dirigindo-se ao primeiro, ele disse: ‘Filho, vai trabalhar hoje na vinha!’ 29O filho respondeu: ‘Não quero’. Mas depois mudou de opinião e foi. 30O pai dirigiu-se ao outro filho e disse a mesma coisa. Este respondeu: ‘Sim, senhor, eu vou’. Mas não foi. 31Qual dos dois fez a vontade do pai?”

Os sumos sacerdotes e os anciãos do povo responderam: “O primeiro”.

Então Jesus lhes disse: “Em verdade vos digo que os cobradores de impostos e as prostitutas vos precedem no Reino de Deus. 32Porque João veio até vós, num caminho de justiça, e vós não acreditastes nele. Ao contrário, os cobradores de impostos e as prostitutas creram nele. Vós, porém, mesmo vendo isso, não vos arrependestes para crer nele”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Mudar de opinião é a capacidade de rever os próprios conceitos

“Um homem tinha dois filhos. Dirigindo-se ao primeiro, ele disse: ‘Filho, vai trabalhar hoje na vinha!’ O filho respondeu: ‘Não quero’. Mas depois mudou de opinião e foi” (Mateus 21,28-29).

Quando olhamos o Evangelho de hoje, com certeza ele é muito provocativo a todos nós, mas ele é provocação para a nossa acomodação e, sobretudo, para as aparências que, muitas vezes, demonstramos ter e fazer em todas as realidades da vida.

Aparentemente, todo mundo é bom, todo mundo é disposto, santo e evangélico, no sentido de viver o Evangelho. Aparentemente, dizemos sim para todo mundo ou até para as coisas cotidianas da vida, alguém me pede um favor: “Pode deixar! Conta comigo” ou “Vai lá em casa” e respondemos: “Logo, logo estarei indo lá”. Temos muito daquela coisa de "dizer com a boca e fazer pouco com o coração e com a verdade".

Primeiro, porque não refletimos sobre aquilo que falamos, gostamos da boa aparência, gostamos de manter as coisas na aparência. Então, falamos bem das coisas de Deus, pregamos, anunciamos, exaltamos, mas, na hora de fazer mesmo, nem sempre corresponde. É aquilo que chamamos de incoerência entre o que se fala e o que se faz, entre o que se propõe e o que se pratica.


Mudar de opinião significa reflexão, capacidade de rever os próprios conceitos e direção

O segundo filho foi coerente no sentido de que ele deixou mudar os seus próprios conceitos e sua visão. Quando ele foi chamado pelo pai, ele respondeu que não queria ir, era a sinceridade do seu coração, mas, depois, mudou de opinião e foi.

Mudar de opinião não significa fraqueza, mudar de opinião significa reflexão, capacidade de rever os próprios conceitos e direção, o que nós, muitas vezes, não fazemos e, por isso, vivemos todas as incoerências da vida. Temos até opiniões erradas sobre muitas coisas, mas preferimos manter naquela dureza nossa: “Foi o que eu falei”. “Foi o que eu pensei”. “Foi o que eu achei”. Ficamos naquela dureza e não mudamos.

Você foi grosso com alguém, então, você prefere ficar justificando a sua grosseria do que mudar de opinião e admitir. Por mais que você tenha razão e precise dizer: “Realmente, eu fui sem educação. Fui grosso. Fui orgulhoso e soberbo”. Você prefere justificar toda a sua agressão, mas não muda de opinião e, por isso, não vivemos a conversão porque estamos sempre justificando as nossas situações e ficando nelas.

O convertido de verdade é aquele que é capaz de rever seus conceitos, suas opiniões; é aquele que é capaz de dizer: “Olha, ontem eu disse assim, mas eu sentei, refleti, pensei, meditei e deixei que a graça de Deus falasse mais alto do que meus próprios conceitos e opiniões”. Esse é um convertido, e o que mais precisamos é nos convertermos de verdade.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Soberba, “rainha de todos os vícios”

A afirmação de Nosso Senhor feita no Evangelho deste domingo, de que os cobradores de impostos e as prostitutas precederiam os sumos sacerdotes e anciãos do povo no Reino de Deus, parece dura a um primeiro olhar e até exagerada. Mas a verdade é que, muito pior que a avareza ou a luxúria, é o pecado da soberba. Por ela caiu Lúcifer, caíram Adão e Eva, e correm o risco de cair até as pessoas que venceram seus pecados mais grosseiros e começaram a ter uma vida espiritual.





Santo do Dia:

São Vicente de Paulo

"Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e espírito e amarás ao teu próximo como a ti mesmo" (Mat 22,37.39).

Se não foi o lema da vida deste santo, viveu como se fosse. O santo de hoje, São Vicente de Paulo, nasceu na Aquitânia (França) em 1581. No seu tempo a França era uma potência, porém convivia com as crianças abandonadas, prostitutas, pobreza e ruínas causadas pelas revoluções e guerras.

Grande sacerdote, gerado numa família pobre e religiosa, ele não ficou de braços cruzados mas se deixou mover pelo espírito de amor. Como padre, trabalhou numa paróquia onde conviveu com as misérias materiais e morais; esta experiência lhe abriu para as obras da fé. Numa viagem foi preso e, com grande humildade, viveu na escravidão até converter seu patrão e conseguiu depois de dois anos sua liberdade.

A partir disso, São Vicente de Paulo iniciou a reforma do clero, obras assistenciais, luta contra o jansenismo que esfriava a fé do povo e estragava com seu rigorismo irracional. Fundou também a "Congregação da Missão" (lazaristas) e unido a Santa Luísa de Marillac, edificou as "Filhas da Caridade" (irmãs vicentinas).

Sabia muito bem tirar dos ricos para dar aos pobres, sem usar as forças dos braços, mas a força do coração. Morreu quase octogenário, a 27 de setembro de 1660.

São Vicente de Paulo, rogai por nós!


Oração sobre as Oferendas:
Ó Deus de misericórdia, que esta oferenda vos seja agradável e possa abrir para nós a fonte de toda bênção. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
Lembrai-vos da promessa ao vosso servo, pela qual me cumulastes de esperança! O que me anima na aflição é uma certeza: Vossa palavra me dá a vida, ó Senhor. (Sl 118, 49-50)

Ou:


Nisto conhecemos o amor de Deus: Jesus deu sua vida por nós; por isso nós também devemos dar a nossa vida pelos irmãos. (1Jo 3,16)

Oração depois da Comunhão:
Ó Deus, que a comunhão nesta Eucaristia renove a nossa vida para que, participando da paixão de Cristo neste mistério, e anunciando a sua morte, sejamos herdeiros da sua glória. Por Cristo, nosso Senhor.