Primeira Leitura (At 22,30; 23,6-11)


Leitura dos Atos dos Apóstolos.

Naqueles dias, 30querendo saber com certeza por que Paulo estava sendo acusado pelos judeus, o tribuno soltou-o e mandou reunir os chefes dos sacerdotes e todo o conselho dos anciãos. Depois fez trazer Paulo e colocou-o diante deles.

23,6Sabendo que uma parte dos presentes eram saduceus e a outra parte eram fariseus, Paulo exclamou no conselho dos anciãos: “Irmãos, eu sou fariseu e filho de fariseus. Estou sendo julgado por causa da nossa esperança na ressurreição dos mortos”. 7Apenas falou isso, armou-se um conflito entre fariseus e saduceus, e a assembleia se dividiu.

8Com efeito, os saduceus dizem que não há ressurreição, nem anjo, nem espírito, enquanto os fariseus sustentam uma coisa e outra. 9Houve, então, uma enorme gritaria. Alguns doutores da Lei, do partido dos fariseus, levantaram-se e começaram a protestar, dizendo: “Não encontramos nenhum mal neste homem. E se um espírito ou anjo tivesse falado com ele?” 10E o conflito crescia cada vez mais. Receando que Paulo fosse despedaçado por eles, o comandante ordenou que os soldados descessem e o tirassem do meio deles, levando-o de novo para o quartel. 11Na noite seguinte, o Senhor aproximou-se de Paulo e lhe disse: “Tem confiança. Assim como tu deste testemunho de mim em Jerusalém, é preciso que tu sejas também minha testemunha em Roma”.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 15)


— Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio!

— Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio!

— Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio! Digo ao Senhor: “Somente vós sois meu Senhor”. Ó Senhor, sois minha herança e minha taça, meu destino está seguro em vossas mãos!

— Eu bendigo o Senhor, que me aconselha, e até de noite me adverte o coração. Tenho sempre o Senhor ante meus olhos, pois se o tenho a meu lado não vacilo.

— Eis por que meu coração está em festa, minha alma rejubila de alegria, e até meu corpo no repouso está tranquilo; pois não haveis de me deixar entregue à morte, nem vosso amigo conhecer a corrupção.

— Vós me ensinais vosso caminho para a vida; junto a vós, felicidade sem limites, delícia eterna e alegria ao vosso lado!

 


Evangelho (Jo 17,20-26)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo João. 

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, Jesus ergueu os olhos ao céu e rezou, dizendo: 20“Pai santo, eu não te rogo somente por eles, mas também por aqueles que vão crer em mim pela sua palavra; 21para que todos sejam um como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, e para que eles estejam em nós, a fim de que o mundo creia que tu me enviaste. 22Eu dei-lhes a glória que tu me deste, para que eles sejam um, como nós somos um: 23eu neles e tu em mim, para que assim eles cheguem à unidade perfeita e o mundo reconheça que tu me enviaste e os amaste, como me amaste a mim. 24Pai, aqueles que me deste, quero que estejam comigo onde eu estiver, para que eles contemplem a minha glória, glória que tu me deste porque me amaste antes da fundação do universo. 25Pai justo, o mundo não te conheceu, mas eu te conheci, e estes também conheceram que tu me enviaste.

26Eu lhes fiz conhecer o teu nome, e o tornarei conhecido ainda mais, para que o amor com que me amaste esteja neles, e eu mesmo esteja neles”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Construamos amor e unidade entre nós

“Pai santo, eu não te rogo somente por eles, mas também por aqueles que vão crer em mim pela sua palavra; para que todos sejam um como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, e para que eles estejam em nós” (João 17,20-21).

A prece do coração de Jesus é por todos aqueles que hão de crer no Seu nome. Creio no nome de Jesus, e se você está me ouvindo, é porque também crê n’Ele, se não você não perderia tempo de ler nem ouvir isso.

Nós cremos em Jesus, e temos também tantos outros que creem e levam a vida no nome d’Ele. No entanto, não conseguimos viver aquilo que Ele nos pede, porque a grande súplica do coração de Jesus é para que nos amemos.

Já deu para perceber, sem ilusão e sem engano, que o amor entre nós é uma realidade muito distante. Amamos quem queremos, quem escolhemos, quem é da nossa grei, quem está de acordo com o que pensamos, com o que falamos, com o que cremos, em quem votamos. Amor seletivo e escolhido; e o amor quando não é vivido, vai criando divisões, separações, vai partindo para os lados. E veja de quantos lados Jesus já foi dobrado, dividido e quebrado!

Não preciso nem falar da quantidade de igrejas que professam o nome de Jesus. No Brasil, encontramos mais de 50 mil nomes diferentes de nominações ditas cristãs. Se, no entanto, falarmos de todo o âmbito da nossa fé, mesmo católica, que beleza há nas diversas expressões de fé! Não é essa questão das expressões diferentes de fé ou dos diversos movimentos, pastorais, congregações, porque são belezas, riquezas, é a diversidade do Espírito.

Onde não se constrói amor e unidade é difícil, ali, Jesus permanecer

A diversidade é do Espírito, a divisão é do diabo. O diabo nos quer divididos, e Jesus sabe que o diabo entrou no mundo para dividir, roubar, destruir e nos ver uns contra os outros.

É por isso que Jesus está numa súplica chorando e ardendo no coração do Pai: “Eu te peço para que, assim como nós somos um, eles também sejam um, ou seja, vivam a unidade”. É a unidade da fé e do amor. Mesmo tendo diversidades de pensamentos, opiniões e até convicções, mas do amor e da fé não podemos abrir mão de viver a unidade.

Precisamos, realmente, colocar os joelhos no chão, dobrar esse coração para entendermos que nós, muitas vezes, falamos de Jesus, mas não vivemos o que Ele pediu: não construímos unidade e amor. Cada um constrói o seu mundo de fé, vive suas convicções pessoais, faz do seu jeito, como querem e ainda arrotam: “Eu faço em nome de Jesus”, “Jesus que me mandou fazer”.

Tantas coisas falam de Jesus, mas Ele só abaixa a cabeça, chora e silencia. Onde não se constrói amor e unidade é difícil, ali, Jesus permanecer.

Que o nosso coração esteja unido ao de Jesus, para que possamos construir amor e unidade em tudo aquilo que realizarmos.

Deus abençoe você!  

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


A unidade dos membros da Igreja

A Igreja é, por sua própria natureza, una e indivisível; são os seus membros que podem estar mais ou menos unidos a ela. Sim, são parte da Igreja os que creem e professam, a mesma fé católica, mas são membros mais perfeitos os que, além de terem fé, estão animados pelo amor do Espírito Santo. E são membros perfeitissimos os que, tendo vencido a batalha deste mundo, entraram vitoriosos na Igreja triunfante, onde todos são um, por ser Deus tudo em todos. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta quinta-feira, dia 28 de maio, e medite conosco mais uma página do santo Evangelho





Santo do Dia:

São Germano, homem de oração e escuta

Seu nome quer dizer 'irmão'. Nasceu em 378 na França. Foi muito cedo para os estudos e acabou estudando Direito em Roma. Mas, seu grande desejo, era o de viver o Santo Evangelho. E foi pautando a sua vida na Palavra do Senhor.

Homem de oração e escuta, era dócil e pronto para renunciar a si mesmo e optar pelo querer de Deus. Germano foi visitado pela Divina Providência. Foi eleito governador da alta Itália mas, de repente, com a morte do Bispo em sua terra natal, o povo e o clero o escolheram Bispo.

São Germano renunciou à sua vontade e quis a vontade de Deus para sua vida. Promoveu a vida monástica e a evangelização na França. Foi um apóstolo de Jesus Cristo, cheio do Espírito Santo. Com o exemplo deste santo, aprendemos que precisamos viver como verdadeiros irmãos.

São Germano, rogai por nós!