Antífona de entrada

A vós, meu Deus, elevo a minha alma. Confio em vós, que eu não seja envergonhado! Não se riam de mim meus inimigos, pois não será desiludido quem em vós espera. (Sl 24, 1-3)

Oração do dia

Ó Deus todo-poderoso, concedei a vossos fiéis o ardente desejo de possuir o reino celeste, para que, acorrendo com as nossas boas obras ao encontro do Cristo que vem, sejamos reunidos à sua direita na comunidade dos justos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura (Is 63, 16b-17. 19b; 64, 2b-7)


Leitura do Livro do profeta Isaías


16bSenhor, tu és nosso Pai, nosso redentor; eterno é o teu nome. 17Como nos deixaste andar longe de teus caminhos e endureceste nossos corações para não termos o teu temor? Por amor de teus servos, das tribos de tua herança, volta atrás. 19bAh! se rompesses os céus e descesses! As montanhas se desmanchariam diante de ti.

64, 2bDesceste, pois, e as montanhas se derreteram diante de ti. 3Nunca se ouviu dizer nem chegou aos ouvidos de ninguém, jamais olhos viram que um Deus, exceto tu, tenha feito tanto pelos que nele esperam. 4Vens ao encontro de quem pratica a justiça com alegria, de quem se lembra de ti em teus caminhos. Tu te irritaste, porque nós pecamos; é nos caminhos de outrora que seremos salvos.

5Todos nós nos tornamos imundície, e todas as nossas boas obras são como um pano sujo; murchamos todos como folhas, e nossas maldades empurram-nos como o vento. 6Não há quem invoque teu nome, quem se levante para encontrar-se contigo; escondeste de nós tua face e nos entregaste à mercê da nossa maldade.

7Assim mesmo, Senhor, tu és nosso pai, nós somos barro; tu, nosso oleiro, e nós todos, obra de tuas mãos.

Salmo Responsorial (Sl 79)


R. Iluminai a vossa face sobre nós, convertei-nos, para que sejamos salvos!


— Ó Pastor de Israel, prestai ouvidos. Vós que sobre os querubins vos assentais, aparecei cheio de glória e esplendor! Despertai vosso poder, ó nosso Deus e vinde logo nos trazer a salvação! R.

— Voltai-vos para nós, Deus do universo! Olhai dos altos céus e observai. Visitai a vossa vinha e protegei-a! Foi a vossa mão direita que a plantou; protegei-a, e ao rebento que firmastes! R.

— Pousai a mão por sobre o vosso protegido, o filho do homem que escolhestes para vós! E nunca mais vos deixaremos, Senhor Deus! Dai-nos vida, e louvaremos vosso nome! R.


Segunda Leitura (1Cor 1, 3-9)


Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios


Irmãos: 3Para vós, graça e paz, da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo.

4Dou graças a Deus sempre a vosso respeito, por causa da graça que Deus vos concedeu em Cristo Jesus: 5Nele fostes enriquecidos em tudo, em toda palavra e em todo conhecimento, 6à medida que o testemunho sobre Cristo se confirmou entre vós. 7Assim, não tendes falta de nenhum dom, vós que aguardais a revelação do Senhor nosso, Jesus Cristo.

8É ele também que vos dará perseverança em vosso procedimento irrepreensível, até ao fim, até ao dia de nosso Senhor, Jesus Cristo. 9Deus é fiel; por ele fostes chamados à comunhão com seu Filho, Jesus Cristo, Senhor nosso.

Aclamação ao Evangelho

R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Mostrai-nos, ó Senhor, vossa bondade, e a vossa salvação nos concedei! (Sl 84, 8) R.

Anúncio do Evangelho (Mc 13, 33-37)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Marcos 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 33“Cuidado! Ficai atentos, porque não sabeis quando chegará o momento. 34É como um homem que, ao partir para o estrangeiro, deixou sua casa sob a responsabilidade de seus empregados, distribuindo a cada um sua tarefa. E mandou o porteiro ficar vigiando.

35Vigiai, portanto, porque não sabeis quando o dono da casa vem: à tarde, à meia-noite, de madrugada ou ao amanhecer. 36Para que não suceda que, vindo de repente, ele vos encontre dormindo. 37O que vos digo, digo a todos: Vigiai!”

Sobre as Oferendas

Recebei, ó Deus, estas oferendas que escolhemos entre os dons que nos destes, e o alimento que hoje concedeis à nossa devoção torne-se prêmio da redenção eterna. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

O Senhor dará a sua bênção, e nossa terra, o seu fruto. (Sl 84, 13)

Depois da Comunhão

Aproveite-nos, ó Deus, a participação nos vossos mistérios. Fazei que eles nos ajudem a amar desde agora o que é do céu e, caminhando entre as coisas que passam, abraçar as que não passam. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 29/11/2020
Sejamos sempre vigilantes

“Vigiai, portanto, porque não sabeis quando o dono da casa vem: à tarde, à meia-noite, de madrugada ou ao amanhecer. Para que não suceda que, vindo de repente, ele vos encontre dormindo. O que vos digo, digo a todos: Vigiai!” (Marcos 13,35-37).

Estamos, hoje, começando este tempo da graça, que se chama Advento. É o tempo da espera e do aguardo. Assim como o povo esperou a primeira vinda de Jesus — mas muitos não estavam preparados, não estavam vigilantes na Palavra e não reconheceram o Senhor na Sua primeira vinda —, o Senhor continua vindo ao nosso encontro. Ele virá de uma forma definitiva para se encontrar conosco. Podemos estar totalmente despreparados porque não estamos vigilantes, não estamos cuidando do nosso interior.

Para esse tempo de graça que estamos começando neste domingo, há uma palavra-chave que precisa estar em nossa geladeira, na sala, no nosso computador, no nosso espelho, é a palavra vigilância.

Vigiar significa cuidar; olha para o vigia que cuida da segurança do banco, da segurança de qualquer lugar. A responsabilidade dele é cuidar daquele lugar, é estar atento, porque, se algo acontecer de errado, a responsabilidade é dele. Ele não pode dormir, não pode cochilar, não pode dizer: “Não vai acontecer nada”, porque, na hora em que ele menos esperar, acontecerá.


Precisamos vigiar o que comemos, o que bebemos e vestimos

Não podemos cair nessa imprudência! E estamos sendo, muitas vezes, imprudentes na vida, estamos levando a vida de qualquer jeito, estamos deixando a vida ir à deriva e não estamos vigiando.

Vigia é aquele que coloca ordem naquilo que vai cuidar, e colocar em ordem é ter atenção com as mínimas coisas, porque, às vezes, um detalhe faz toda a diferença.

É hora de pararmos, buscarmos o juízo da cabeça que, muitas vezes, perdemos, buscar a sobriedade dos pensamentos, dos sentimentos e atitudes, para olhar o que precisamos colocar em ordem em nossa vida. O que não estamos cuidando e vigiando?

Vigiar sobre o olhar, sobre o pensar, o sentir e o falar. Como somos imprudentes naquilo que sai da nossa boca, naquilo que falamos para o outro! Como, muitas vezes, deixamos os nossos pensamentos soltos, pensar o que queremos e o que podemos! Como somos imprudentes até em nossos relacionamentos! Tem amizades que edificam, outras não, pois nos roubam e nos tiram até da presença de Deus.

Vigia! O que edificar precisamos levar adiante, o que não edificar precisamos cortar. Precisamos vigiar o que comemos, o que bebemos e vestimos, é preciso vigiar o que vemos na televisão, o que procuramos na internet.

O homem vigilante é aquele que cuida. Assim como um pai e uma mãe é vigilante no cuidado da saúde, do bem-estar e crescimento do seu filho, não seja diferente consigo. Cuide-se, seja responsável e não deixe a imprudência tomar conta dos seus atos e atitudes.

Deus abençoe você!  

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco

Um Advento de esperança

Ao exortar seus discípulos, no Evangelho deste domingo, à vigilância, Nosso Senhor nos introduz no espírito do Advento, que é, por excelência, o tempo da espera por Deus. Em que consiste, no entanto, a virtude cristã da esperança? E que lugar ela ocupa, ao lado da fé e da caridade, em nosso crescimento espiritual? É o que Padre Paulo Ricardo explica nesta primeira homilia em preparação para o santo Natal do Senhor.




Santo do dia 29/11/2020

São Francisco Antônio Fasani

O santo de hoje nasceu em Lucera (Itália), a 6 de agosto de 1681, e lá morreu a 29 de novembro de 1742. Foi beatificado no dia 15 de abril de 1951 e canonizado a 13 de abril de 1986 pelo Papa João Paulo II. Fez os estudos no convento dos Frades Menores Conventuais. Sentindo o chamamento divino, ingressou no noviciado da mesma Ordem. Fez a profissão em 1696 e a 19 de setembro de 1705 recebeu a Ordenação Sacerdotal. Doutorou-se em Teologia e tornou-se exímio pregador e diretor de almas. Exerceu os cargos de Superior do convento de Lucera e de Ministro Provincial.

"Ele fez do amor, que nos foi ensinado por Cristo, o parâmetro fundamental da sua existência. O critério basilar do seu pensamento e da sua ação. O vértice supremo das suas aspirações", afirmou o Papa João Paulo II a respeito de São Fasani.

São Fasani apresenta-se a nós, de modo especial, como modelo perfeito de Sacerdote e Pastor de almas. Por mais de 35 anos, no início do século XVIII, São Francisco Fasani dedicou-se, em Lucera, e também nos territórios ao redor, às mais diversificadas formas de ministério e do apostolado sacerdotal.

Verdadeiro amigo do seu povo, ele foi para todos irmão e pai, eminente mestre de vida, por todos procurado como conselheiro iluminado e prudente, guia sábio e seguro nos caminhos do Espírito, defensor dos humildes e dos pobres. Disto é testemunho o reverente e afetuoso título com que o saudaram os seus contemporâneos e que ainda hoje é familiar ao povo de Lucera: ele, outrora como hoje, é sempre para eles o "Pai Mestre".

Como Religioso, foi um verdadeiro "ministro" no sentido franciscano, ou seja, o servo de todos os frades: caridoso e compreensivo, mas santamente exigente quanto à observância da Regra, e de modo particular em relação à prática da pobreza, dando ele mesmo incensurável exemplo de regular observância e de austeridade de vida.

São Francisco Antônio Fasani, rogai por nós!