O QUE DIZ O MAGISTÉRIO ECLESIÁSTICO SOBRE A NECESSIDADE DA REDENÇÃO DO GÊNERO HUMANO?

Cristo, Verbo Encarnado, como bem sabemos, derramou o seu preciosíssimo sangue por toda a humanidade. Mistério insondável esse, por onde um Deus faz-se homem, um Criador torna-se também criatura, e, ainda por cima, suspende a sua própria lei para que, mesmo isento de qualquer mancha, pudesse sofrer como um simples ser humano. Ele tomou sobre Si a nossa culpa, todos os pecados cometidos por nós até o fim do mundo e nos resgatou de maneira dolorosa, não poupando sequer a Sua própria vida. Como diz a liturgia da Igreja, “como a morte, venceu a morte!”.

Hoje o mundo vai caminhando hipnotizado pelos avanços tecnológicos, pelas vãs promessas de uma felicidade terrena. Infelizmente, fruto de tanto secularismo, o valor da Redenção vai se apagando das mentes. Poucos são aqueles que vivem a Quaresma como recomenda a Santa Madre Igreja. Nesse sentido, vale sempre lembrar o que diz o Magistério Eclesiástico sobre a necessidade da redenção do gênero humano. Abaixo transcrevemos um trecho do Catecismo da Igreja Católica a respeito:

  • 613 A morte de Cristo é ao mesmo tempo o sacrifício pascal, que realiza a redenção definitiva dos homens pelo “cordeiro que tira o pecado do mundo”, e o sacrifício da Nova Aliança, que reconduz o homem à comunhão com Deus, reconciliando-o com ele pelo “sangue derramado por muitos para remissão dos pecados”. (Parágrafos Relacionados 1366, 2009)
  • 614 Este sacrifício de Cristo é único. Ele realiza e supera todos os sacrifícios. Ele é primeiro um dom do próprio Deus Pai: é o Pai que entrega seu Filho para reconciliar-nos consigo. É ao mesmo tempo oferenda do Filho de Deus feito homem, o qual, livremente e por amor, oferece sua vida a seu Pai pelo Espírito Santo, para reparar nossa desobediência. (Parágrafos Relacionados 529, 1330, 2100)

JESUS SUBSTITUI NOSSA DESOBEDIÊNCIA POR SUA OBEDIÊNCIA

  • 615 Como pela desobediência de um só homem todos se tornaram pecadores, assim, pela obediência de um só, todos se tornarão justos” (Rm 5, 19). Por sua obediência até a morte, Jesus realizou a substituição do Servo Sofredor que “oferece sua vida em sacrifício expiatório”, “quando carregava o pecado das multidões”, “que ele justifica levando sobre si o pecado de muitos”. Jesus prestou reparação por nossas faltas e satisfez o Pai por nossos pecados. (Parágrafos Relacionados 1850, 433, 411)

Fonte: Catecismo da Igreja Católica – Versão Portuguesa. Link: https://www.vatican.va/archive/cathechism_po/index_new/prima-pagina-cic_po.html

Marcos A. Fiorito

Teólogo e historiador

(Autoriza-se reprodução do artigo com citação da fonte e autor.)

Está acompanhando os nossos artigos? Escreva-nos e sugira algum tema católico de seu interesse. Deixe o seu comentário logo abaixo!

Comente aqui

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *