“É maravilhoso, Senhor, ter braços perfeitos, quando há tantos mutilados!
Os meus olhos perfeitos, quando há tantos sem luz!
A minha voz que canta, quando tantas emudeceram!
As minhas mãos que trabalham, quando tantas mendigam!
É maravilhoso voltar para casa, quando tantos não têm para onde ir!
É Maravilhoso: Amar, viver, sorrir, sonhar, quando há tantos que choram, odeiam, revolvem-se em pesadelos, morrem antes de nascer!
É maravilhoso ter um Deus para crer, quando há tantos que não têm, o consolo de uma criança!
É maravilhoso, Senhor, sobretudo, ter tão pouco a pedir e tanto a agradecer”.

Pe. Michel Quoist