Apresentação

Em comemoração dos 10 anos do Pocket Terço em 2021, preparamos esta coletânea de orações e instruções espirituais que irão lhe ajudar a crescer em intimidade com DEUS.

O título do devocionário foi inspirado na frase da fundadora do Movimento dos Focolares, a Serva de Deus Chiara Lubich: "Serei santa, se for santa já". Essa mesma frase foi muito meditada também pela Beata Chiara Luce, membro do mesmo movimento.

Desejamos que com o coração inflamado de caridade possas todos os dias exclamar: "Serei Santo!"

 Instruções

Este devocionário está dividido em categorias. Para acessá-las, use o botão de índice (localizado na barra superior à direita).

 Para santificar o dia

1. Levanta-te à hora marcada;

2. Veste-te com toda modéstia possível;

3. Apenas acabes de te vestir, ajoelha-te e põe-te na presença de DEUS em oração;

4. Se possível, vá à Santa Missa e comungue. Do contrário, faze ao menos a Comunhão Espiritual;

5. Antes do trabalho ou estudo, faça a devida oração;

6. Procurai durante o dia ter sempre em mente trabalhar vosso defeito dominante e a virtude que lhe opõe, evitando assim, todo pecado deliberado, e mesmo leve.

7. Fazei ao menos dez minutos de uma leitura espiritual;

8. Sempre que lhe for possível visite Nosso Senhor no Santíssimo Sacramento;

9. Rezai o Santo Terço;

10. Lembrai sempre que em vossa companhia está o Anjo que DEUS enviou para salvar tua alma;

11. Fazei cada dia a oração mental, e nunca omiti-la;

12. Antes de dormir, fazei o exame de consciência, e nunca omiti-lo.
1ª dezena

 Orações da manhã

"Saciai-nos de manhã com vosso amor, e exultaremos de alegria todo o dia!" (Sl 89, 14)

 As 3 Ave Marias

Ó Maria, fazei meu coração tão puro quanto o vosso

1. Pelo poder que vos deu o Deus Pai
Ave Maria...

2. Pela sabedoria que vos deu o Deus Filho
Ave Maria...

3. Pela misericórdia que vos deu o Espírito Santo
Ave Maria...

 Oferecimento do dia

Eterno Pai, deposito, pelas mãos puríssimas de MARIA, no cálice que cada sacerdote eleva hoje sobre o Altar, meus pensamentos e palavras, meu trabalho, minhas penas e sofrimentos, meu presente, passado e futuro; todas as minhas boas ações, mas também os meus pecados, todos os meus queridos, todas as almas, as almas do Purgatório e a própria morte.

Ofereço-Vos cada batida do meu coração, cada respiração, cada passo, cada som na intenção de que cada uma destas minhas ações seja transformada por Vós em tantos atos de amor em expiação pelos pecados do mundo.

Concedei que em união com Vosso FILHO JESUS CRISTO meu dia seja uma Missa contínua, um sacrifício constante, uma comunhão eterna, para satisfazer a Vossa justiça Divina. Amém.

 Oração para pedir a pureza

Santa Maria, pela vossa imaculada conceição, purificai o meu coração, a minha alma e o meu corpo, em nome de Deus Pai de quem sois Filha, em nome de Deus Filho de quem sois Mãe, em nome do Espírito Santo de quem sois Esposa, em nome da Santíssima Trindade de quem sois e eternamente sereis templo escolhido.

 Consagração à Nossa Senhora

Ó minha Senhora, ó minha Mãe, eu me ofereço todo a Vós, e em prova de minha devoção para convosco, eu vos consagro neste dia meus olhos, meus ouvidos, minha boca, meu coração e inteiramente todo o meu ser. E como assim sou vosso, ó incomparável Mãe, guardai-me e, defendei-me como coisa e propriedade vossa.
Amém.

 Oração da manhã ao Anjo da Guarda

Meu grande e querido Santo Anjo, logo pela manhã quero saudar-vos cheio de amor! Andareis comigo, rezareis comigo, ajudar-me-eis a ter ânsia de Deus, fareis com que eu descubra em toda a parte o que é bom e ajudar-me-eis a ter somente bons pensamentos, e depois também as palavras apropriadas. Assim o dia será grande, porque vós estais comigo, meu bom Anjo. Amém!

 Santo Anjo do Senhor

Santo Anjo do Senhor, meu zeloso guardador, se a ti me confiou a piedade divina sempre me rege, guarda, governa e ilumina.

Eu te dou a minha mão e prometo de coração que por ti me deixo guiar
com docilidade, para, no Céu, alcançar a eterna felicidade. Amém!
2ª dezena

 Orações para diversas horas do dia

"Trabalhe como se tudo dependesse de ti. Reze como se tudo dependesse de DEUS." (Santo Inácio de Loyola)

 Oração para antes de navegar na Internet

Deus eterno e todo-poderoso, que nos criou à Sua imagem e nos mandou buscar tudo o que é bom, verdadeiro e belo, especialmente na pessoa divina do Teu Filho unigênito, Nosso Senhor Jesus Cristo, concedei que, através da intercessão do Bem-Aventurado Carlo Acutis, confessor, durante nossas viagens pela internet, dirijamos nossas mãos e nossos olhos somente àquilo que é agradável a Vós e tratemos com caridade e paciência todas aquelas almas que encontrarmos. Por Cristo, Nosso Senhor. Amém.

 Oração a São José para o trabalho

Ó glorioso S. José, modelo e mestre de todos que se dedicam ao trabalho! Alcançai-me a graça de trabalhar com espírito de penitência, em expiação dos meus numerosos pecados; de trabalhar com consciência, pondo o cumprimento do meu dever acima das minhas naturais inclinações; de trabalhar com agradecimento e alegria, olhando como uma honra o poder de desenvolver por meio do trabalho os dons recebidos por Deus. Alcançai-me a graça de trabalhar com ordem, constância, paciência, intensidade e presença de Deus, sem jamais retroceder ante o cansaço e as dificuldades; de trabalhar, acima de tudo, com pureza de intenção e desapego de mim mesmo, tendo sempre diante dos meus olhos a morte e a conta que prestarei a Deus do tempo perdido, das habilidades inutilizadas, do bem omitido e das estéreis vaidades em meus trabalhos, tão contrárias à obra de Deus.

Tudo por Jesus, tudo por Maria, tudo à vossa imitação, ó Patriarca São José! Este será o meu lema na vida a na morte.

Glorioso São José, modelo e mestre de todas as almas fervorosas, dai-me cada vez maior amor ao Divino Menino Jesus, à Vossa Esposa santíssima e a vós. Assim seja. Ave Maria...

 Oração de São Tomás de Aquino para pedir a luz nos estudos

Criador Inefável,
Vós que sois a fonte verdadeira da luz e da ciência,
derramai sobre as trevas da minha inteligência um raio da vossa claridade.

Dai-me inteligência para compreender,
memória para reter,
facilidade para aprender,
sutileza para interpretar
e graça abundante para falar.

Meu Deus, semeai em mim a semente da vossa bondade.

Fazei-me pobre sem ser miserável,
humilde sem fingimento,
alegre sem superficialidade,
sincero sem hipocrisia;
que faça o bem sem presunção,
que corrija o próximo sem arrogância,
que admita a sua correção sem soberba;
que a minha palavra e a minha vida sejam coerentes.

Concedei-me, Verdade das verdades,
inteligência para conhecer-Vos,
diligência para Vos procurar,
sabedoria para Vos encontrar,
uma boa conduta para Vos agradar,
confiança para esperar em Vós,
constância para fazer a Vossa vontade.

Orientai, meu Deus, a minha vida;
concedei-me saber o que me pedis
e ajudai-me a realizá-lo
para o meu próprio bem
e de todos os meus irmãos.

Amém.

 Oração antes das refeições

Abençoai, Senhor, o alimento que vamos tomar para melhor Vos servir e amar. + Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
Amém.

 Oração depois das refeições

Nós vos damos graças, Deus Onipotente, por todos os nossos benefícios, Vós que viveis e reinais por todos os séculos dos séculos. Amém.

 Oração nas tentações

(Quando sentir alguma tentação, benza-se ou reze uma Ave Maria e diga:)

Meu Jesus, misericórdia. Ó Maria, concebida sem pecado original, rogai por nós que recorremos a vós.

Senhor, dai-me a graça para nunca mais Vos ofender.

(Se cair em pecado ou tiver dúvidas de ter ou não consentido, arrependa-se quanto antes e entoe o Ato de Contrição:)

Senhor meu Jesus Cristo, Deus e homem verdadeiro, Criador e Redentor meu, por serdes Vós quem Sois, sumamente bom e digno de ser amado sobre todas as coisas, pesa-me, Senhor, de todo o meu coração de Vos ter ofendido; pesa-me também, por ter perdido o céu e merecido o inferno; e proponho firmemente, ajudado com a Vossa divina graça, emendar-me e nunca mais Vos tornar a ofender e espero alcançar o perdão pela Vossa infinita misericórdia. Amém.

 Angelus (06h, 12 e 18h)

V.: O Anjo do Senhor anunciou a Maria.
R.: E ela concebeu do Espírito Santo.

V.: Ave, Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco, bendita sois vós entre as mulheres e bendito é o fruto de vosso ventre, Jesus.
R.: Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém.

V.: Eis aqui a serva do Senhor.
R.: Faça-se em mim segundo a vossa Palavra.

V.: Ave, Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco, bendita sois vós entre as mulheres e bendito é o fruto de vosso ventre, Jesus.
R.: Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém.

V.: E o Verbo se fez carne.
R.: E habitou entre nós.

V.: Ave, Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco, bendita sois vós entre as mulheres e bendito é o fruto de vosso ventre, Jesus.
R.: Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém.

V.: Rogai por nós, Santa Mãe de Deus.
R.: Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

V.: Oremos.
Infundi, Senhor, em nossos corações a vossa graça, vo-lo suplicamos, a fim de que, conhecendo a anunciação do Anjo e a encarnação de Jesus Cristo, vosso Filho, pelos merecimentos de sua paixão e morte cheguemos à glória da ressureição.
Pelo mesmo Cristo Senhor Nosso.
R.: Amém.

V.: Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
R.: Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

V.: Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
R.: Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

V.: Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
R.: Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

V.: Para os fiéis defuntos: dai-lhes, Senhor, o descanso eterno.
R.: E a luz perpétua os ilumine.

V.: Descansem em paz.
R.: Amém.

 Oração para as 15h

Nosso Senhor e nosso Deus Jesus Cristo, que com tantas dores e angústias nesta hora santa entregastes vosso Corpo e Sangue santos, vossa Alma e vossa Divindade adoráveis, pelo nosso bem e pela nossa salvação, aceitai a nossa adoração cheia de temor e amor devoto. Prostrados e humildes vos agradecemos, que com a vossa santa Cruz remistes o mundo.

Santíssima Virgem Maria, rogai pela nossa conversão, a fim de que um dia possamos juntos celebrar, no Céu, o fim das dores e a eterna alegria, pela Graça e Misericórdia infinita do Pai Celeste. Pelo mesmo Cristo, Nosso Senhor.

 Visita ao Santíssimo Sacramento

- Graças e louvores se deem a todo o momento.
- Ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento.

Pai Nosso, Ave Maria e Glória (3x)

Comunhão espiritual: Eu quisera, Senhor, receber-Vos com aquela pureza, humildade e devoção com que Vos recebeu Vossa Santíssima Mãe, com o espírito e o fervor dos Santos.
3ª dezena

 Orações para Santa Missa

"O Mundo pode viver sem o Sol, mas nunca sem a Santa Missa". (São Pio de Pietrelcina)

 Oração para antes da Santa Missa

Ó Deus eterno e todo-poderoso,
eis que me aproximo do sacramento do vosso Filho único,
nosso Senhor Jesus Cristo.
Impuro, venho à fonte da misericórdia;
cego, à luz da eterna claridade;
pobre e indigente, ao Senhor do céu e da terra.
Imploro pois a abundância de vossa imensa liberalidade
para que vos digneis curar minha fraqueza,
lavar minhas manchas, iluminar minha cegueira,
enriquecer minha pobreza, e vestir minha nudez.
Que eu receba o pão dos Anjos,
o Rei dos reis e o Senhor dos senhores,
com o respeito e a humildade,
com a contrição e a devoção,
a pureza e a fé,
o propósito e a intenção
que convêm à salvação de minha alma.
Dai-me receber não só o sacramento
do Corpo e do Sangue do Senhor,
mas também seu efeito e sua força.
Ó Deus de mansidão,
dai-me acolher com tais disposições
o Corpo que vosso Filho único, nosso Senhor Jesus Cristo,
recebeu da Virgem Maria,
que seja incorporado a seu corpo místico
e contado entre seus membros.
Ó Pai cheio de amor,
fazei que, recebendo agora o vosso Filho
sob o véu do sacramento,
possa na eternidade contemplá-lo face a face.
Ele, que convosco vive e reina para sempre.
Amém.

 Método de preparação para a Comunhão

Como preparação imediata à visita do Senhor, convém fazer os quatro atos seguintes:

1. Adorar a Jesus Hóstia, que a ela se chega, animada de um sentimento duma fé viva, e prestar-lhe a homenagem de todo o seu se ser e o dom régio do seu coração.

2. Render graças pelo dom tão insigne do Amor de Jesus, por esse convite à sua Mesa Eucarística que lhe dirige, a ela de preferência a tantas outras, melhores e mais dignas que ela de O receber.

3. Lançar, depois de ter contemplado O doador e Seu excelso dom, um rápido olhar para si mesma, a ver sua pobreza, suas imperfeições, suas dívidas; humilhar-se à vista de sua baixeza e dos pecados que cometeu; chorá-los novamente, reconhecendo que a tornaram indigna, e pedir graça e misericórdia. Imaginar depois ouvir estas doces palavras do Salvador: "Porque sois pobre, chego-me a vós; porque es tais doente, venho curar-vos. Foi para dar-vos minha Vida e fazer-vos participar de minha Santidade, que me fiz Sacramento: Vinde com confiança, dai-me vosso coração, é só o que vos peço".

4. Rogar finalmente a Nosso Senhor que levante todos os obstáculos e dela se aproxime. Desejar, suspirar por essa hora de vida e de felicidade, disposta a sacrificar tudo, a dedicar-se a tudo por uma única Comunhão!

 Alma de Cristo

Alma de Cristo, santificai-me
Corpo de Cristo, salvai-me
Sangue de Cristo, inebriai-me
Água do lado de Cristo, lavai-me
Paixão do Senhor, confortai-me
Ó bom Jesus, ouvi-me
Nas vossas chagas escondei-me
Não permitais que eu me separe de Vós
Do espírito malígno, defendei-me
Na hora da morte, chamai-me
E mandai-me ir para Vós
para que Vos louve com os Vossos Santos pelos séculos dos séculos,
Amém.
4ª dezena

 Comunhão Espiritual

A comunhão espiritual é um ato de desejo interior, de plena e séria consciência, de receber a Sagrada Comunhão e, mais especificamente, de se unir a Deus.

Ela pode ser feita por palavras ou por pensamentos interiores que nos levam a uma íntima união com Cristo, e Jesus não deixará de nos conceder as suas copiosas bênçãos.

Nos dias de hoje, podemos fazer com frequência a comunhão espiritual, como desejo de maior união e intimidade com Deus ao longo dos dias da nossa vida.

Ela é e pode ser o único meio de união e intimidade com Deus para quem, por exemplo, não guardou uma hora de jejum eucarístico.

Sobre a Comunhão Espiritual explicada por São Leonardo Porto Maurício

QUANTO À MANEIRA de fazer a Comunhão espiritual é preciso saber que se pode receber o Santíssimo Sacramento de três modos:

Sacramentalmente, espiritualmente, ou sacramentalmente e espiritualmente ao mesmo tempo.

Não se fala aqui do primeiro modo, que se verifica também nos que comungam em estado de pecado mortal, como fez Judas;

Nem do terceiro, comum a todos os que comungam em estado de graça; mas trata-se aqui e do segundo, adequado àqueles que, tomando as palavras do santo Concílio, impossibilitados de receber sacramentalmente o Corpo de Nosso Senhor;

“O recebem em espírito, fazendo atos de fé viva e ardente caridade, e com um grande desejo de se unirem ao soberano Bem, e, por meio disto, se põem em estado de obter os frutos do Divino Sacramento”.

Para facilitar-vos prática tão excelente, pesai bem o que vou dizer-vos. No momento em que o sacerdote se dispõe a comungar, na Santa Missa, recolhei-vos no vosso íntimo, tomando a mais modesta posição;

Formulai em seguida, em vosso coração, um ato de sincera contrição e, batendo humildemente no peito, em sinal de que vos reconheceis indignos de tão grande graça, fazei todos os atos de amor, oferecimento,
humildade e os demais que costumais fazer quando comungais sacramentalmente:

Desejai, então, vivamente receber o adorável JESUS, oculto por vosso amor, no Santíssimo Sacramento.

Para excitar em vós o fervor, imaginai que a Santíssima Virgem ou um de vossos santos padroeiros vos dá a santa comunhão:

Suponde recebê-la realmente e, estreitando JESUS em vosso coração, repeti-Lhe muitas e muitas vezes com ardente amor:

“Vinde, JESUS adorável, vinde ao meu pobre coração; vinde saciar meu desejo; vinde meu adorado JESUS, vinde ó dulcíssimo JESUS!”

E depois ficai em silêncio, contemplando vosso DEUS dentro de vós, e, como se tivésseis todos os atos que habitualmente fazeis depois da Comunhão sacramental.

Ora, sabei que esta santa e bendita Comunhão espiritual, tão pouco praticada pelos cristãos de nossos dias, é um tesouro que cumula a alma de bens incalculáveis;

E, no sentir de muitos autores, é de tal modo eficaz que pode produzir as mesmas graças que a comunhão sacramental.

Com efeito, se vê que a Comunhão sacramental, na qual se recebe a santa Hóstia, seja por sua natureza de maior proveito, porque como Sacramento age ex operare operato;

É possível, no entanto, que uma alma faça a Comunhão espiritual com tanta humildade, amor e fervor, que obtenha mais graças que não obteria outra, comungando sacramentalmente, mas com disposição menos perfeita.

Nosso Senhor, outrossim, ama tanto este modo de fazer a Comunhão espiritual, que muitas vezes se dignou atender com milagres visíveis os piedosos desejos de seus servos, dando-lhes a Comunhão ou por sua própria Mão;

Como fez à bem-aventurada Clara de Montefalco, a Santa Catarina de Sena, e a Santa Lidvina; ou pela mão dos santos anjos, como aconteceu a São Boaventura e aos santos bispos Honorato e Firmino;

Ou ainda, mais frequentemente, por meio da augusta Mãe de DEUS, que se dignou dar a Comunhão ao bem aventurado Silvestre.

Não vos admireis desta condescendência tão terna, pois a Comunhão espiritual abrasa a alma no Amor a DEUS, une-a Ele, e dispõe-na a receber as graças mais insignes. 8

Se refletísseis, portanto, nestas coisas, seria possível permanecerdes frios e insensíveis?

Que desculpa poderíeis invocar para isentar-vos de tão devota prática? Tomai a resolução de vos
habituardes a ela;

E notai que a Comunhão espiritual tem sobre a sacramental esta vantagem, que esta só se pode fazer uma vez ao dia, enquanto aquela podeis fazê-la em todas as Missas que quiserdes, e ainda, de manhã, à tarde, o dia todo ou de noite, em casa como na igreja, sem necessitar permissão de vosso confessor.

Em resumo, quantas vezes fizerdes a Comunhão espiritual, outras tantas vos enriquecereis de graças, de méritos e de toda sorte de bens.

Ora, o fim deste pequeno livro é despertar no coração de todos os que o lerem um santo ardor para que se introduza entre os fiéis o costume de assistir todo dia piedosamente à Santa Missa e de fazer ai a Comunhão espiritual.

Oh! Que felicidade, se fosse obtido este resultado! Teria, então, a esperança de ver refletir em toda a Terra este santo fervor que se admirava na Idade de ouro da primitiva Igreja.

Nesse tempo os fiéis assistiam diariamente ao Santo Sacrifício, e diariamente recebiam a Comunhão sacramental.

Se dignos não sois de imitá-los, ao menos assisti a todas as Santas Missas que puderdes e comungai espiritualmente.

Se eu tivesse a dita de persuadir-vos, creria ter ganho o Mundo inteiro, e daria por bem recompensados os meus débeis esforços.

 Oração para a Comunhão Espiritual

Aos teus pés, ó meu Jesus, eu me prostro e ofereço-te o arrependimento do meu coração contrito, que é humilhado no meu nada e na tua santa presença. Eu Te adoro no Sacramento do Teu amor, a Eucaristia inefável. Desejo te receber na pobre habitação que meu coração te oferece. Enquanto espero a felicidade da Comunhão sacramental, desejo Te possuir em espírito. Vinde a mim, ó meu Jesus, já que eu, da minha parte, venho a Ti! O amor abraça todo o meu ser na vida e na morte. Eu acredito em Ti, espero em Ti, eu Te amo. 
Amém

+ Athanasius Schneider, bispo auxiliar da arquidiocese de Santa Maria em Astana
5ª dezena

 A Oração Mental

A oração mental é uma busca para descobrir o que Deus quer que façamos

É importante entender que Deus é o iniciador da oração. Ele nos convida e nós respondemos, mesmo que seja pedindo algo. Se nos convida a orar, necessariamente significa que tem algo a nos dizer. Assim, devemos nos esforçar na oração mental para averiguar o que é. A oração mental, portanto, é uma busca (Catecismo da Igreja Católica, 2705). E o fim dessa busca é averiguar o que Deus quer que façamos (Catecismo da Igreja Católica, 2706): buscamos o que Deus quer e o fazemos.

Outro termo para oração mental é meditação. Mas não se trata da meditação oriental cuja meta é buscar a paz e a tranquilidade. A meditação cristã se centra em Cristo e no que Ele quer para nós.

A oração mental não é leitura espiritual. Na leitura espiritual lemos artigos e livros que ensinam sobre a vida espiritual. Este texto, por exemplo, é leitura espiritual: nos ajuda a ver o mundo com perspectiva cristã. A oração mental consegue o que faz a leitura espiritual, mas a oração mental está destinada a alimentar o coração e a vontade, enquanto a leitura espiritual alimenta a mente.

(via opusdei.org)

 Método de Oração Mental de Santo Afonso Maria de Ligório

A meditação ou oração mental contém três partes:

A Preparação
A Meditação
A Conclusão

 A Preparação

Na preparação fazem-se três atos:

1º Ato de Fé na presença de Deus, dizendo:

Meu Deus, eu creio que estais aqui presente e Vos adoro com todo o meu afeto

2º Ato de Humildade, por um breve ato de contrição:

Senhor, nesta hora deveria eu estar no inferno por causa dos meus pecados; de todo o coração arrependo de Vos ter ofendido, ó Bondade infinita.

3º Ato de Petição de luzes:

Meu Deus, pelo amor de Jesus e Maria, esclarecei-me nesta meditação, para que tire proveito dela.

Depois uma Ave Maria à Santíssima Virgem, afim de que nos obtenha esta luz; e na mesma intenção um Glória ao Pai a São José, ao Anjo da Guarda e ao nosso Santo Protetor.

Estes atos devem ser feitos com atenção, mas brevemente, depois do que se fará a Meditação.

 A Meditação

Para a Meditação sirvamo-nos sempre de um livro, ao menos no começo, parando nas passagens que mais impressão nos fazem. São Francisco de Sales diz que devemos imitar as abelhas, que se demoram numa flor enquanto acham mel, e voam depois para outra.

Note-se além disto que são três os frutos da meditação: afetos, súplicas e resoluções; nisto é que consiste o proveito da oração mental. Assim, depois de haverdes meditado numa verdade eterna, e Deus ter falado ao vosso coração, é mister que faleis a Deus:

1º Pelos Afetos
Isto é, pelos atos de fé, agradecimento, adoração, louvor, humildade, e sobretudo de amor e de contrição, que é também ato de amor. O amor é como que uma corrente de ouro que une a alma a Deus. Conforme Santo Tomás, todo o ato de amor nos merece mais um grau de glória eterna. Eis aqui exemplos de atos de amor:

Meu Deus, eu Vos amo sobre todas as coisas.
Eu Vos amo de todo o meu coração.
Fazei-me saber o que é de vosso agrado; quero fazer em tudo a vossa vontade.
Regozijo-me por serdes infinitamente feliz.
Para o ato de contrição basta dizer:

Bondade infinita, pesa-me de Vos ter ofendido.

2º Pelas Súplicas
Pedindo a Deus luzes, a humildade ou qualquer outra virtude, uma boa morte, a salvação eterna; mas principalmente o dom do seu santo amor e a santa perseverança, porque, no dizer de São Francisco de Sales, com o amor se alcançam todas as graças.

Se a nossa alma está em grande aridez, basta dizermos:

Meu Deus, socorrei-me. Senhor, tende compaixão de mim. Meu Jesus, misericórdia!

Ainda que nada mais fizéssemos, a oração seria excelente.

3º Pelas Resoluções
Antes de se terminar a oração, cumpre tomar alguma resolução, não geral, como por exemplo evitar toda falta deliberada, de se dar todo a Deus, mas particular, como por exemplo evitar com mais cuidado tal defeito, em que se caia mais vezes, ou praticar melhor tal virtude em que a alma procurará exercer-se mais vezes: como seja, aturar o gênio de tal pessoa, obedecer mais exatamente a tal superior ou a regra, mortificar-se mais frequentemente em tal ponto, etc. Nunca terminemos a nossa oração sem havermos formado uma resolução particular.

 Conclusão

Enfim, a conclusão da oração compõem-se de três atos:

1º De agradecimento pelas luzes recebidas, e de pedido de perdão das faltas cometidas no tempo da oração:

Senhor, eu Vos agradeço as luzes e os afetos que me destes nesta meditação e Vos peço perdão das faltas nela cometidas.

2º De oferecimento das resoluções tomadas e de propósito de guardá-las fielmente:

Meu Deus, eu Vos ofereço as resoluções que com a vossa graça acabo de tomar, e resolvido estou a executá-las, custe o que custar.

3º De súplica, pedindo ao Pai Eterno, pelo amor de Jesus e de Maria, a graça de executá-las fielmente:

Meu Deus, pelos merecimentos de Jesus Cristo e pela intercessão de Maria Santíssima, dai-me a força de por fielmente em prática as resoluções que tomei.

Termina-se a oração recomendando a Deus a Santa Igreja, os seus Prelados, as Almas do Purgatório, os pecadores, e todos os nossos parentes, amigos e benfeitores, por um Pai Nosso e uma Ave Maria, que são as orações mais úteis por nos serem ensinadas por Jesus Cristo e pela Igreja:

Senhor, eu Vos recomendo a Santa Igreja, com os seus Prelados, as Almas do Purgatório, a conversão dos pecadores, e todas as minhas necessidades espirituais e temporais bem como as dos meus parentes, amigos e benfeitores.

 Depois da Meditação

Depois da meditação devemos:

1º Conforme o conselho de São Francisco de Sales, fazer um ramalhete de flores afim de cheirá-lo durante o dia, quer dizer, imprimir bem na memória um ou dois pensamentos que mais impressão nos fizeram, para os recordarmos e nos revigorarmos durante o dia.

2º Por logo em prática as resoluções tomadas, tanto nas ocasiões pequenas como nas grandes, que se apresentarem: por exemplo suportarmos com paciência uma pessoa irada contra nós, mortificarmo-nos na vista, no ouvido, na conversa.

3º Por meio do silêncio e recolhimento, conservar o mais tempo possível os afetos excitados na oração; sem isso, o fervor concebido na oração esvaecer-se-á logo pela dissipação no proceder ou pelas conversas inúteis.

(via rumoasantidade.com.br)
6ª dezena

 A Semana Meditada

Trazemos aqui algumas meditações de São João Bosco, aqui separadas por dias da semana.

Use-as dentro da sua Oração Mental.

 Domingo

O FIM DO HOMEM

I. Considere, meu filho, que este corpo e esta sua alma lhe foram dados por Deus, sem nenhum merecimento de sua parte, quando o criou à sua imagem. Ele o fez seu filho no Batismo, amou e o ama ainda com ternura de pai, criou você para um único fim: para que o ame e o sirva nesta vida e possa assim ser um dia eternamente feliz no Céu com Ele.

Não está no mundo somente para a satisfação, nem para enriquecer, nem para apenas se alimentar e descansar, como os animais. O seu fim é muitíssimo mais elevado; sua finalidade é amar e servir, assim salvando sua alma. Procedendo dessa maneira, encontrará muita consolação na hora da morte. Mas, se não buscar servir Deus, enorme remorso terá no fim da vida. As riquezas e os prazeres que buscou com tanto afinco, somente servirão de amargura e então conhecerá a enfermidade que isso causou para sua alma.

Meu filho, não deseje de modo algum pertencer ao número daqueles que pensam somente em satisfazer o corpo com atos, conversas e divertimentos ilícitos. Um secretário do rei da Inglaterra expirava dizendo: "Ai de mim! Gastei tanto papel escrevendo as cartas de minha majestade e nunca escrevi em uma folha sequer, meus pecados para fazer uma boa Confissão".

II. Torna-se ainda maior aos seus olhos a importância deste caminho, se você considera que dele depende sua salvação ou perdição. Não imite aqueles infelizes que se iludem dizendo: "Cometo este pecado, mas depois me confessarei".[1] Não se engane a si mesmo, Deus amaldiçoa quem usa desse expediente, lembre-se de que todos os que estão no inferno, tinham esperança de se corrigir mais tarde, no entanto se perderam eternamente. Quem sabe quanto tempo poderá viver em pecado, antes que o Senhor o chame ao julgamento? Afaste a ideia de corresponder ao chamado de Deus mais tarde. Neste exato momento, repudie e abandone qualquer pecado, que é o maior de todos os males e que o priva dos bens espirituais.

III. Indico ainda uma terrível armadilha do demônio, que é deixar que você aprenda a doutrina cristã e depois não a pratique. Sabendo que foi criado por Deus para o amar e o servir e, mesmo assim, através de obras buscar somente ruína, quantas pessoas vemos que se preocupam com tudo, exceto com a salvação de sua alma?

Por isso, você que é cristão, medite bem para que não se deixe enganar. Prometa a Deus que tudo o que fizer, falar e pensar será para a salvação de sua alma. São Luiz podia ter prazeres, riquezas e honras, mas renunciou tudo dizendo: "De que me serve tudo isso para a minha eternidade?". Também considere da mesma forma: "Tenho uma alma, se a perco, perco tudo". De fato, que aproveitará ao homem ganhar o mundo inteiro mas arruinar sua vida? (Mt 16,26). De que serve vir a ser um grande homem, milionário, famoso e intelectual, se depois vier a perder a alma? De nada adiantaria toda a sabedoria de Salomão.

Sendo assim, pense: "Fui criado por Deus para um dia estar junto d'Ele, e a todo custo farei o possível a concretizá-lo. Quero que o único fim de minhas ações seja para amar Deus e salvar minha alma. Trata-se de ser para sempre feliz ou infeliz. Posso perder tudo, desde que me salve".

Meu Deus, concedei-me o perdão dos meus pecados e fazei que não caia jamais na desgraça de ofender-vos. Ajudai-me com a vossa santa graça para que possa firmemente amar-vos e servir sempre. Maria, minha esperança, intercedei por mim.

Para voltar ao Método de Oração Mental lembre-se de usar o botão de índice (localizado na barra superior à direita).


[1] São necessárias cinco condições para receber dignamente o sacra­mento da Confissão: exame sincero de consciência, contrição pelos pecados cometidos, firme propósito de não pecar mais, confissão dos pecados diante de um sacerdote e cumprir a penitência imposta. Fal­tando qualquer uma dessas condições, a confissão poderá ser nula, indigna ou sacrílega.

 Segunda-feira

O PECADO MORTAL

I. Meu filho, quando se comete um pecado mortal, damos as costas para Aquele que nos criou e nos cumulou de bens, desprezamos sua graça e sua amizade. Quem peca diz ao Senhor: "Apartai-vos para longe de mim, não quero obedecer e servir, não o reconheço como meu Senhor. O meu Deus é o prazer, é a vingança, é o ódio, as conversas obscenas". Pode imaginar ingratidão maior que essa? Entretanto, você faz tudo isso, quando ofende Deus.

II. Maior ainda se torna essa ingratidão, quando se serve dos bens que Deus lhe concedeu — ouvidos, olhos, boca, língua, mãos, pés e inteligência — para ofendê-lo. Ouça o que diz o Senhor: "Filho, eu te criei do nada, forneci tudo o que possuis, conferi a graça de conheceres a verdadeira religião e receberes o Santo Batismo. Podia te deixar morrer quando estava no pecado, mas concedi mais um tempo para que não fosses condenado ao inferno; e tu esquecendo todos esses benefícios, os utilizas para me ofender". Quem não se sentirá tomado de profundo pesar por ter feito tamanha injúria?

III. Considere ainda que Deus, embora seja bom e infinitamente misericordioso, fica indignado com as ofensas. Por isso, quanto mais tempo viver no pecado, tanto mais provocará a justiça de Deus, acarretando sua condenação. Não que isso aconteça por faltar a misericórdia divina, mas é que lhe faltará o tempo para pedir perdão, pois não merece a indulgência de Deus quem dela abusa para o insultar. Muitos viveram no pecado, pensando em pedir perdão somente no final da vida, entretanto a morte veio sem aviso, precipitando todos no inferno.

Depois de tantos pecados perdoados, agradeça Deus pelo tempo concedido e diga com firme resolução: "Basta, meu Deus! O tempo de vida que me resta, não quero desperdiçar em ofendê-lo, desejo amá-lo e desagravar meus pecados com todo meu coração".

Meu Jesus, quero vos amar; concedei-me a força. Virgem Santíssima, Mãe do meu Senhor, ajudai-me, amém.

Para voltar ao Método de Oração Mental lembre-se de usar o botão de índice (localizado na barra superior à direita).

 Terça-feira

A MORTE

I. A morte é a separação da alma do corpo. Considere, portanto, meu filho, que a sua alma deverá se separar do corpo; mas você não sabe quando se dará essa separação. Não sabe se a morte assaltará na cama, durante o trabalho, na rua ou em outra parte, a ruptura de uma veia, uma hemorragia, uma febre, uma úlcera, uma queda, um terremoto, um raio bastam para tirar-lhe a vida. Isso pode acontecer daqui a um ano, daqui a um mês, daqui a uma semana, daqui uma hora e talvez, ao terminar a leitura dessa consideração. Quantos se deitaram à noite cheios de saúde e pela manhã foram encontrados mortos! Quantos acometidos de algum ataque morreram de repente! E depois para onde foram? Se estavam na graça de Deus felizes deles! Se pelo contrário, achavam-se em pecado mortal, estão condenados para sempre. Diga-me, filho, se tivesse que morrer neste instante, que seria de sua alma? Ai de você, se não se mantém sempre preparado! Quem não está pronto para bem morrer, corre grande perigo de morrer mal.

II. Embora seja incerto o lugar e a hora de sua morte, porém é muito certo que ela virá. Desejo que a última hora de sua vida não venha repentinamente ou de modo violento e sim aos poucos, para que você possa se preparar. Há de chegar um dia em que, estendido numa cama, estará prestes a passar para a eternidade, assistido por um sacerdote que encomendará sua alma, tendo um crucifixo ao lado, uma vela acesa do outro e ao redor os parentes que choram. Terá a cabeça dolorida, os olhos embaçados, a língua ressequida, a garganta presa, a respiração ofegante, o sangue a arrefecer, o corpo exausto e o coração oprimido. E assim que a alma expirar, o seu corpo vestido de poucos andrajos será lançado e apodrecerá em uma sepultura. Ratos e vermes consumirão sua carne e de você restarão apenas alguns ossos descarnados e um pouco pó repugnante. Abra um sepulcro e veja a que ficou reduzido aquele jovem rico, aquele ambicioso ou aquele soberbo. Medite com atenção essas linhas, meu filho, lembre-se de que elas se aplicam também a você, igualmente como a todos os demais homens. Agora o demônio, para induzi-lo a pecar, procura arrancá-lo desse pensamento e levá-lo a escusar as culpas, dizendo-lhe que aquele prazer, que aquela desobediência, que aquela omissão na Missa não podem lhe trazer grandes males. Mas na hora da morte descobrirá a gravidade desses e de outros pecados postos diante de você. Então o que poderá fazer no momento do julgamento eterno? Ai de quem se achar fora da graça Deus nesse instante!

III. Considere que do instante da morte depende a sua salvação ou perdição eterna. Nas proximidades norte quantas coisas se hão de lembrar!
Duas vezes temos diante de nós uma vela acesa: quando somos batizados e na hora da morte; na primeira vez, para conhecer os preceitos da lei divina que devemos guardar; na segunda, para que vejamos se os cumprimos. Por isso, meu filho, perante a luz dessa vela verá se amou Deus ou se o desprezou; se honrou o seu santo nome ou se blasfemou; lembrará dos dias santos profanados, das omissões na assistência das Missas, das desobediências aos superiores, dos maus exemplos dados aos companheiros; conhecerá toda soberba e todo orgulho que o lisonjeava; oh! Meu Deus! Tudo verá naquele momento, no qual se abrirá diante de você o caminho da eternidade. Oh! Grande e terrível momento, do qual depende uma eternidade de glória ou de tormentos! Compreende bem o que lhe digo? Quero dizer que naquele momento será a decisão de ir para o Céu ou para o inferno; ser para sempre feliz ou para sempre infeliz; para sempre filho de Deus ou para sempre escravo do demônio; para sempre gozar com os Anjos e com os Santos ou gemer e arder para sempre com os condenados no inferno!

Tema grandemente pela sua alma e pense que do viver bem depende uma boa morte e uma eternidade de glória. Por isso, não defira por mais tempo e se prepare desde já para fazer uma boa Confissão e dispor bem as coisas da sua consciência, prometendo a Nosso Senhor perdoar aos seus inimigos, reparar os escândalos dados, santificar os dias de guarda, cumprir os deveres do seu estado.

E agora, coloque-se na presença de Deus e abra o coração: "Meu Deus, desde este momento eu me converto a Vós; amo-vos e quero vos servir até a morte. Virgem Santíssima, minha Mãe, ajudai-me naquele terrível momento. Jesus, José e Maria, expire em paz entre vós a minha alma".

Para voltar ao Método de Oração Mental lembre-se de usar o botão de índice (localizado na barra superior à direita).

 Quarta-feira

O JUÍZO

I. O juízo é a sentença que o Salvador haverá de pronunciar no fim da nossa vida, sentença com a qual fixará o destino de cada um por toda a eternidade. Assim que morrer a alma comparecerá perante o supremo Juiz.

A primeira coisa que torna esse comparecimento terrível à alma do pecador, é que a alma se encontrará sozinha na presença de Deus que foi desprezado e que conhece todos os segredos do nosso coração. O que levaremos conosco? Levaremos o bem ou o mal que tivermos feito durante a vida. Não poderemos inventar ou usar pretexto nenhum. Santo Agostinho, comentando este comparecimento, diz: "Quando tu, ó homem, compareceres diante do Criador para seres julgado, terás sobre tua cabeça um juiz indignado; de um lado, os pecados que te acusam; de outro os demônios prontos a executar a condenação; dentro de ti uma consciência que te agita e te atormenta; debaixo de ti um inferno aberto, pronto a tragar-te".

Em tais apertos, para onde você irá, para onde fugirá? Feliz de você, meu filho, se tiver feito o bem durante a vida, pois o divino Juiz abrirá os livros da consciência e começará o exame.

II. Então dirá o Juiz inapelável: Quem é você? — Sou um cristão, você responderá. — Bem, replicará ele; então, vamos ver se comportou-se como um cristão. Em seguida começará a recordar as promessas feitas no Santo Batismo, pelas quais renunciou o demônio, o mundo, a carne; lembrará as graças que Ele lhe concedeu, as muitas vezes que recebeu os Sacramentos, as pregações, as instruções, os avisos dos confessores e as correções dos pais: tudo será posto diante de você. — Dirá então o divino Juiz: Apesar de tantos dons, de tantas graças, oh! Quão mal você correspondeu à sua profissão de cristão! Mal chegando à idade em que apenas começava a me conhecer, começou a me ofender com mentiras, com falta de respeito na igreja, com desobediências a seus pais e com muitas outras transgressões dos deveres. Ainda se com o correr dos anos tivesse melhorado o procedimento, mas não: juntamente com o passar dos anos, aumentou em você, infelizmente, também o desprezo à minha lei. Missas perdidas, profanação dos dias santos, blasfêmias, jejuns não observados, confissões mal feitas, comunhões sacrílegas e escândalos: eis o que fez em vez de me servir.

O Senhor cheio de indignação continua: "Vê aquela alma que caminha pela estrada do pecado? Foi você, com as suas conversas imorais, que lhe ensinou a malícia. Como cristão, deveria ter instruído com bons exemplos o caminho do Céu aos amigos. Pelo contrário, traindo o meu Sangue, lhe ensinou o caminho da perdição. Vê aquela outra alma no inferno? Foi você com seus pérfidos conselhos que a encaminhou para o demônio. Foi você a causa da sua eterna condenação, agora pagará com a sua alma, por ter deixado aquela outra alma se perder por causa de seus escândalos”.

Que lhe parece, meu filho, esse exame? Que lhe diz a consciência? Existe ainda tempo, se você quiser: peça Deus perdão dos pecados e faça um sincero propósito de não tornar a pecar. Comece desde hoje uma vida de bom cristão, preparando-se assim um tesouro de boas obras para o dia em que tiver que comparecer perante o tribunal de Jesus Cristo.

III. Perante as rigorosas contas que o Juiz supremo exige do pecador, caso esse tente aduzir alguma escusa ou pretexto, dizendo que não sabia que deveria ser submetido a um exame tão rigoroso, receberá essa reposta: "Não ouviu aquele sermão e aquela explicação do catecismo, onde ensinava que um dia haveria de prestar conta de tudo?" O infeliz então se encomendará à misericórdia divina; mas a indulgência não serve mais para ele, porque não merece compaixão quem por tanto tempo dela abusou e, porque na morte também termina o tempo da misericórdia.
Então o pecador, não encontrando mais nenhum refúgio, gritará às montanhas e aos rochedos que o cubram e esses não se moverão. Então verá o inferno se abrir. Esse é o momento em que o inexorável Juiz proferirá a sentença: "Para longe de mim, filho infiel. Vai para o fogo eterno a gemer e sofrer com os demônios por toda a eternidade".

Aquela alma infiel, antes de se afastar para sempre de Deus, volverá pela última vez o olhar ao Céu e no auge da desolação dirá: "Adeus, pai, mãe, irmãos, irmãs e amigos que habitam o reino da glória; vós sereis felizes para sempre e eu serei para sempre atormentado. Adeus meu Anjo da Guarda, Anjos e todos Santos do paraíso: nunca os verei. Adeus, ó Salvador, adeus, ó Cruz santa, adeus, ó Sangue em vão por mim derramado. A partir deste momento, não sou mais filho de Deus; serei para sempre escravo dos demônios no inferno". — Então os demônios o conduzirão ao abismo de torturas, infelicidade e tormentos eternos.

Meu filho, não tema que tal sentença seja também a sua? Ah! Por amor de Jesus e de Maria Santíssima, prepare com boas obras uma sentença favorável e lembre-se de que como é terrível a sentença proferida contra o pecador; igualmente consolador será o convite que á de dirigir Jesus a quem viveu como cristão: "Muito bem servo bom e fiel! Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei. Vem alegrar-te com teu Senhor!" (Mt. 25, 21).

Meu Jesus, concedei-me a graça de poder ser também um desses bem-aventurados. Virgem Santíssima, ajudai-me e protegei-me na vida e na morte, especialmente quando me apresentar ao vosso divino Filho para ser julgado.

Para voltar ao Método de Oração Mental lembre-se de usar o botão de índice (localizado na barra superior à direita).

 Quinta-feira

O INFERNO

I. O inferno é destinado pela justiça divina para punir com suplícios eternos os que morrem em pecado mortal. A primeira pena que os condenados sofrem no inferno é a pena dos sentidos, são atormentados por um fogo que queima horrivelmente, sem nunca diminuir de intensidade. Cada sentido sofre a própria pena; os olhos sofrem pela fumaça e pelas trevas e são aterrados pela vista dos demônios e dos outros condenados. Os ouvidos, dia e noite, só escutam contínuos uivos, prantos e blasfêmias. O olfato sofre enormemente pelo mau cheiro daquele enxofre e pez ardente que o sufoca. A boca é atormentada por sede devoradora e fome canina. Eles voltam pela tarde, latindo como um cão e rondam pela cidade (SI 59, 7).

O pecador rico no meio daqueles tormentos ergueu o olhar ao Céu e pediu uma pequena gota de água para mitigar a secura de sua língua e até isso lhe foi negado. Por isso, aqueles infelizes, sedentos, devorados pelas chamas, atormentados pelo fogo, choram, gritam e se desesperam. Oh! Inferno, inferno! Como são infelizes os que caem nos seus abismos! — E você que diz, meu filho? Se agora você não pode conservar um dedo sobre a pequena chama de uma vela, se não consegue aguentar nem uma fagulha de fogo na mão sem gritar, como poderá aguentar então entre aquelas chamas por toda eternidade?

II. Considere, além disso, meu filho, o remorso que experimenta a consciência dos condenados. Eles padecerão um inferno na memória, na inteligência, na vontade. Recordarão continuamente o motivo da sua perdição. Esta lembrança é o verme que nunca morre. Onde o verme não morre e onde o fogo não se extingue (Mc 9, 48).

Recordarão o tempo que Deus lhes concedeu para evitar a perdição, os bons exemplos dos companheiros, os propósitos feitos e não cumpridos. Pensarão nos sermões ouvidos, nos avisos do confessor, nas boas inspirações para deixar o pecado; vendo que já não há remédio, lançarão gritos desesperados. A vontade nada terá do que deseja e ao contrário padecerá todos os males. A inteligência conhecerá finalmente o grande bem que perdeu.

A alma separada do corpo, ao se apresentar no tribunal divino, vislumbra a beleza de Deus, conhece toda a sua bondade, chega quase a contemplar por um instante o esplendor do Paraíso, ouve talvez também os cantos harmoniosos dos Anjos e dos Santos. Que dor perceber que perdeu tudo isso para sempre! Quem poderá resistir a tais tormentos?

III. Meu filho, você que agora não se importa em perder Deus e o Paraíso, conhecerá a sua cegueira quando vir tantos companheiros, mais ignorantes e mais pobres do que você, triunfarem e gozarem no reino dos Céus, ao passo que você será lançado para longe daquela pátria feliz, do gozo do mesmo Deus, da companhia da Santíssima Virgem e dos Santos. Então, faça penitência, não espere quando não houver mais tempo: entregue-se a Deus. Quem sabe se não é este o último chamado e se não corresponde, quem sabe se Deus não o abandona e não o deixa cair naqueles eternos suplícios!

Oh! Meu Jesus, livrai-me do inferno.

Para voltar ao Método de Oração Mental lembre-se de usar o botão de índice (localizado na barra superior à direita).

 Sexta-feira

A ETERNIDADE DAS PENAS

I. Considere, meu filho, que se você for para o inferno, será para sempre. Onde se sofrem todas as penas eternamente. Passarão cem anos desde que você caiu no inferno, passarão mil e o inferno estará ainda em seu começo; passarão cem mil, cem milhões, passarão mil milhões de séculos e o inferno terá apenas iniciado.

Se um anjo levasse aos condenados a notícia de que Deus os libertaria do inferno depois de passados tantos milhões de séculos, essa notícia lhes causaria a maior satisfação. É verdade, diriam, que devem passar ainda tantos séculos, mas um dia hão de acabar. Pelo contrário, passarão todos esses séculos e todos os tempos que se possam imaginar e o inferno estará sempre no princípio. Todos os condenados fariam de boa vontade com Deus o seguinte pacto: "Senhor, aumentai este meu suplício; deixai-me nestes tormentos por quanto tempo quiserdes, contanto que me deis a esperança de que um dia isso acabe”. Infelizmente esta esperança não existe, o fim dos tormentos nunca chegará.

II. Se ao menos o pobre condenado pudesse enganar a si mesmo e se iludir dizendo: "Quem sabe, um dia Deus terá piedade de mim e me arrancará desse abismo”. Mas sempre verá escrita diante de si a sentença de sua eternidade infeliz. Sempre verá, escrito naquelas chamas que queimam; naqueles demônios que o atormentam; naquelas portas eternamente fechadas. Oh! Abismo sem fundo! Mar sem praias! Caverna sem saída! Quem não tremerá ao pensar nisso? Maldito pecado! Nunca mais, nunca mais quero pecar durante a minha vida.

III. Mas o que deve encher de pavor é pensar que aquela horrível fornalha está sempre aberta debaixo de seus pés e que é suficiente um só pecado mortal para fazê-lo cair. Compreende bem, meu filho, o que está lendo? Uma pena eterna por um só pecado mortal que comete com tanta facilidade. Uma blasfêmia, uma profanação dos dias santos, um furto, um ódio, uma palavra, um ato, um pensamento obsceno basta para você ser condenado às penas do inferno.
Meu filho, escute o meu conselho: Se a consciência o acusa de algum pecado, vá depressa se confessar para recomeçar uma vida nova. Coloque em prática todos os meios que lhe indicar o confessor. Se for necessário, faça uma confissão geral. Prometa que há de fugir das ocasiões perigosas, dos maus companheiros e se Deus indicar que você deve deixar o mundo, siga logo a sua voz. Tudo que se fizer para evitar uma eternidade de tormentos, é pouco, é nada: Nulla nímia secúritas, ubi periclitátur ætérnitas (São Bernardo).

Quantos na flor da idade abandonaram o mundo, a pátria, os parentes, e foram viver isolados nas cavernas, nos desertos, alimentando-se somente de pão e água e, às vezes, só de raízes e tudo isso para evitar o inferno! E você, que faz, depois de tantas vezes que mereceu o inferno com o pecado? Que faz? Lance-se aos pés de Deus e diz:

"Senhor, estou pronto a fazer o que Vós quiserdes: nunca mais hei de pecar em minha vida; já por demais vos tenho ofendido; mandai-me todos os sofrimentos que quiserdes durante esta vida, contanto que possa salvar a minha alma”.

Para voltar ao Método de Oração Mental lembre-se de usar o botão de índice (localizado na barra superior à direita).

 Sábado

O PARAÍSO

I. Se muito nos apavora o pensamento e a consideração do inferno, igualmente nos consola a lembrança do Paraíso, preparado por Deus para todos os que o amam e o servem durante essa vida. Para que você possa fazer dele uma idéia, contemple uma noite serena. Como é belo ver o céu com aquele agrupamento e variedade de estrelas! Umas menores, outras maiores: enquanto umas despontam no horizonte, outras estão prestes a desaparecer; todas, porém, ordenadas segundo a vontade do seu Criador. Acrescente a isso a visão se um belo dia, de tal forma que o esplendor do sol não ofusque a claridade das estrelas e da lua. Suponha além disso, ter à mão tudo o que de belo se pode encontrar no mar, na terra, nos povoados, nas cidades, nos castelos dos reis e dos monarcas do mundo inteiro, junte a isso as bebidas mais delicadas, os alimentos mais saborosos, a música mais doce, a harmonia mais suave. Pois bem: tudo isso junto não é nada em comparação da excelência dos bens e dos gozos do Paraíso. Oh! Como merece ser desejado e ardentemente amado aquele lugar onde se goza de todos os bens! O bem-aventurado não poderá deixar de exclamar: Quanto a mim, com justiça eu verei tua face; ao despertar, eu me saciarei com tua imagem (Sl 17, 15).

II. Considere, além disso, o gozo que inundará a sua alma ao entrar no Paraíso. O encontro, o acolhimento dos parentes e dos amigos; a nobreza, a beleza dos Querubins, dos Serafins, de todos os Anjos e de todos Santos, que aos milhões e milhões louvam o Criador; o coro dos Apóstolos, a multidão imensa dos Mártires, dos Confessores, das Virgens. Há também um exército enorme de jovens que por terem conservado a virtude pureza, cantam a Deus um hino que ninguém mais pode entoar. Oh! Como são felizes neste reino os bem-aventurados! Sempre mergulhados na alegria, sem nenhuma doença, sem desgostos e preocupações que perturbem a sua paz e o seu gozo!

III. Medite, além disso, meu filho, que todos os bens até aqui enumerados são um nada em comparação do grande prazer que se experimenta da visão de Deus. Ele alegra os bem-aventurados com o seu olhar amável e derrama nos corações um mar de delícias. Da mesma forma que o sol ilumina e embeleza o mundo inteiro, assim Deus, com a sua presença, ilumina todo o Paraíso e enche os seus afortunados habitantes de gozos inefáveis.

Nele você verá como em um espelho, todas as coisas, gozará de todos os prazeres lícitos da mente e do coração. São Pedro, no Monte Tabor, por ter visto uma só vez o rosto de Jesus radiante de luz, ficou repleto de tanta doçura que exclamou fora de si: "Senhor, é bom estarmos aqui" (Mt 17, 4).

Que prazer não será, pois contemplar, não por um instante, mas para sempre, para sempre gozar desse rosto divino que fascina os Anjos e os Santos e que alegra todo o Paraíso! E a beleza e afabilidade de Maria, de que prazer deve também encher o coração do bem-aventurado! Quão amáveis são tuas moradas, Iahweh dos Exércitos! (Sl 84, 2) Por isso os coros dos Anjos e dos bem-aventurados cantam a sua glória dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus dos exércitos (Is 6,3). A ele seja dada honra e glória pelos séculos dos séculos (l Tm 1, 17).

Coragem, pois, meu filho; neste mundo você terá sofrer, mas não importa: o prêmio que receberá na Eternidade compensará infinitamente todos os sofrimentos. Que consolação não será a sua, quando encontrar no Céu na companhia dos parentes, dos amigos, dos Santos, dos bem-aventurados e exclamar: "Estaremos para sempre com o Senhor" (l Ts 4, 17). Então será a hora que abençoará o momento em que abandonou o pecado, que fez aquela boa Confissão e sempre buscou os Sacramentos; lembrará do dia em que deixou os maus companheiros e se entregou a uma vida virtuosa. E cheio gratidão volverá para Deus e cantará seus louvores e sua glória por todos os séculos. Assim seja.

Para voltar ao Método de Oração Mental lembre-se de usar o botão de índice (localizado na barra superior à direita).
7ª dezena

 Exame de Consciência diário antes de deitar

Que bem fiz hoje?
Que mal fiz hoje?
Que coisas farei melhor amanhã?

Deveres para com Deus
- Lembrei-me de Deus durante o dia, oferecendo-Lhe o meu trabalho, dando-lhe graças, recorrendo a Ele com confiança de filho(a)?

- Deixei-me vencer pelo respeito humano em algum momento?

- Fiz as minhas orações pausadamente, com atenção e devoção?

Deveres para com o Próximo
- Tratei os outros com dureza ou desprezo?

- Tive a preocupação de ajudar os que me rodeiam, fazendo-lhes, além disso, a vida mais agradável?

- Preocupa-me também a sua vida religiosa?

- Fiz algum apostolado?

- Caí na murmuração?

- Perdoei?

- Rezei pelas pessoas que de algum modo me preocupam?

Deveres para consigo mesmo
- Lutei pela minha própria santificação?

- Deixei-me levar por sentimentos de orgulho, vaidade, sensualidade?

- Esforcei-me por arrancar o meu defeito dominante?

- Recorri a Deus para que aumente em mim todas as virtudes e, especialmente a fé, a esperança e a caridade?

 Ato de contrição

Ó meu Deus, meu Pai amorosíssimo, com toda a dor de minha alma eu me acuso de Vos ter hoje muitas vezes ofendido, por minha culpa, por minha culpa, por minha tão grande culpa (batendo no peito). Pesa-me, meu Deus, de ter sido tão ingrato. Perdoai-me, Senhor, pela sagrada Paixão e Morte e pelo Sangue de Jesus Cristo, Vosso Filho Unigênito. Proponho firmemente, mediante Vossa santa graça, emendar-me. Ajudai-me, abençoai-me e defendei-me contra o espírito maligno nesta noite e sempre, na vida e na morte. Senhor Deus, misericórdia! Senhor Deus, pequei, misericórdia! Senhor Deus, por Vossa Mãe Maria Santíssima, misericórdia!
8ª dezena

 Orações da noite

"Senhor, vós me sondais e conheceis, sabeis quando me sento ou me levanto; de longe penetrais meus pensamentos; percebeis quando me deito e quando eu ando, os meus caminhos vos são todos conhecidos." (Sl 138, 2-3)

 Oração para evitar o inferno

Amadíssimo Jesus meu, meu Salvador e Juiz, quando vierdes a me julgar, ah! Por piedade não me condeneis ao inferno. Nessa negra prisão, não Vos poderia amar, mas odiar-Vos sempre; como, porém, odiar-Vos, se sois tão amá­vel e tanto me haveis amado? Se quereis condenar-me ao inferno, concedei-me ao menos a graça de Vos amar de todo o meu coração. Não mereço esta graça, por causa dos meus pecados; mas se a não mereço, para mim a merecestes, pelo Sangue que derramastes com tanta dor na cruz. Numa palavra, ó meu divino Juiz, infligi-me todas as penas que quiserdes, mas não me priveis da faculdade de Vos amar. Mãe de meu Deus, vede o perigo que corro de ser condenado a não poder mais amar o vosso adorável Filho, que merece um amor infinito: ah! Vinde em meu socorro, tende compaixão de mim.

 Oração da noite ao Santo Anjo

Meu querido Santo Anjo, agora estou cansado. As crianças vão dormir, e também eu quero ser inteiramente uma criança, criança da Mãe Santíssima, Maria, criança do Pai Celestial. Tirai de mim, Deus, tudo o que hoje não foi bom, e perdoai! Colocai o Vosso amor por cima, e Vós, Maria, Mãe do Céu, o vosso manto dourado! Ajuda-me a dar graças, meu Irmão angélico, e segura a minha mão em Nome de Deus! Amém!

 Santo Anjo do Senhor

Santo Anjo do Senhor, meu zeloso guardador, se a ti me confiou a piedade divina sempre me rege, guarda, governa e ilumina.

Eu te dou a minha mão e prometo de coração que por ti me deixo guiar
com docilidade, para, no Céu, alcançar a eterna felicidade. Amém!

 As 3 Ave Marias

Ó Maria, fazei meu coração tão puro quanto o vosso

1. Pelo poder que vos deu o Deus Pai
Ave Maria...

2. Pela sabedoria que vos deu o Deus Filho
Ave Maria...

3. Pela misericórdia que vos deu o Espírito Santo
Ave Maria...

 Serei Santo

"Serei santa, se for santa já" (Serva de Deus Chiara Lubich)