Nome: São Martinho de Tours (Memória Facultativa)
Local: Tours, França
Data: 11 de Novembro † 397

São Martinho nasceu na Panônia, parte ocidental da Hungria atual, por volta de 316, filho de pais pagãos. Martinho é um dos três primeiros cristãos não mártires a quem foi prestado o culto como santo. Por isso mesmo, a Liturgia faz a apologia de quem foi santo sem ser mártir de sangue, mas mártir do amor, testemunha de Cristo pela prática da caridade.

A Panônia era colônia do Império Romano. Martinho serviu no exército imperial da Gália, hoje França, durante alguns anos. Os inícios de sua conversão estão rodeados de fatos talvez legendários. Conta-se que, ainda soldado e catecúmeno, manifestou sua caridade evangélica, dando metade de seu manto a um pobre transido de frio, que se fez reconhecer como Jesus Cristo. O fato de estar a cavalo também é bem simbólico. A tradição cristã dos primeiros séculos apresenta o cristão como "miles Christi", soldado de Cristo.

Tendo recebido o batismo, Martinho abandonou a carreira militar e, por influência do bispo Santo Hilário de Poitiers, filiou-se ao serviço da Igreja. Com o apoio de Santo Hilário, fundou em Ligugé, perto de Poitiers, o primeiro mosteiro da Europa ocidental. Nele levou vida monástica sob a direção de Santo Hilário. Ordenado sacerdote e depois bispo de Tours (372), tornou-se apóstolo das populações rurais com o auxílio dos monges do grande mosteiro de Marmoutiers (Tours) fundado por Martinho.

Como bispo, visitava continuamente suas igrejas e comunidades, zelava pelo culto divino, dedicava-se com amor à conversão dos pagãos, sempre e em toda a parte praticava uma grande caridade para com os pobres. Era modelo de mansidão e humildade para sua grei, sempre pronto e disponível para toda obra boa. O benéfico influxo do zelo de São Martinho não ficou limitado a diocese de Tours, mas se estendeu por toda a França.

Faleceu no dia 8 de novembro aos 81 anos de idade. Seu enterro foi um triunfo: mais de dois mil monges acompanharam o seu corpo com uma multidão de povo em choro. Antes de morrer, com os olhos fixos no céu, Martinho rezou dizendo: "Senhor, se o vosso povo precisa de mim, não vou fugir do trabalho. Seja feita a vossa vontade.

A popularidade de que gozou, sobretudo na França, está evidenciada por um dado estatístico: mais de 3.600 igrejas e mais de 480 povoados franceses escolheram-no como seu patrono. São Martinho foi o santo mais popular da Idade Média, tornando-se muito conhecido principalmente através da biografia que sobre ele escreveu seu contemporâneo Sulpício Severo.

A Liturgia exalta em São Martinho o homem da caridade, o monge, o pastor e o missionário. A Antífona do Magnificat traduz bem São Martinho como modelo de santo confessor da fé, sem ter sofrido o martírio de sangue: Ó bispo feliz, que amava o Cristo com todas as forças, sem temer os senhores e os grandes do mundo! Ó alma santíssima, que sem ter sofrido da espada a tortura, mereceu plenamente a palma do mártir!

A leitura hagiográfica termina com as palavras atribuídas mais tarde também a outros santos: Martinho, pobre e humilde, entra rico no céu! Sim, todos os cristãos são chamados a serem santos, seja pelo martírio do sangue, seja pelo martírio do amor.

Referência:
BECKHÄUSER, Frei Alberto. Os Santos na Liturgia: testemunhas de Cristo. Petrópolis: Vozes, 2013. 391 p. Adaptações: Equipe Pocket Terço.

São Martinho de Tours, rogai por nós!

Para mais terços, novenas e orações de vários santos, baixe o aplicativo Pocket Terço em seu Android ou iPhone.