Apoiadores do Pocket Terço
Terço com imagens no Youtube
Reze os Mistérios Dolorosos com imagens
Abstinência de carne

Antífona de entrada

Eis os santos que venceram graças ao sangue do Cordeiro. Preferiram morrer a renegar o Cristo; por isso reinam com Ele para sempre, aleluia! (Cf. Ap 12, 11)
Sancti tui, Dómine, benedícent te: glóriam regni tui dicent, allelúia, allelúia. Ps. Exaltábo te Deus meus Rex: et benedícam nómini tuo in saéculum, et in saéculum saéculi. (Ps. 144, 10. 11 et 1)
Vernáculo:
Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem, e os vossos santos com louvores vos bendigam! Sl. Ó meu Deus, quero exaltar-vos, ó meu Rei, e bendizer o vosso nome pelos séculos. (Cf. LH: Sl 144, 10. 11 e 1)

Oração do dia

Ó Deus, que fizestes do sangue dos mártires semente de novos cristãos, concedei que o campo da vossa Igreja, regado pelo sangue de São Carlos e seus companheiros, produza sempre abundante colheita. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura (At 25, 13b-21)


Leitura dos Atos dos Apóstolos


Naqueles dias, 13bo rei Agripa e Berenice chegaram a Cesareia e foram cumprimentar Festo. 14Como ficassem alguns dias aí, Festo expôs ao rei o caso de Paulo, dizendo: “Está aqui um homem que Félix deixou como prisioneiro. 15Quando eu estive em Jerusalém, os sumos sacerdotes e os anciãos dos judeus apresentaram acusações contra ele e pediram-me que o condenasse. 16Mas eu lhes respondi que os romanos não costumam entregar um homem antes que o acusado tenha sido confrontado com os acusadores e possa defender-se da acusação.

17Eles vieram para cá e, no dia seguinte, sem demora, sentei-me no tribunal e mandei trazer o homem.

18Seus acusadores compareceram diante dele, mas não trouxeram nenhuma acusação de crimes de que eu pudesse suspeitar. 19Tinham somente certas questões sobre a sua própria religião e a respeito de um certo Jesus que já morreu, mas que Paulo afirma estar vivo. 20Eu não sabia o que fazer para averiguar o assunto. Perguntei então a Paulo se ele preferia ir a Jerusalém, para ser julgado lá. 21Mas Paulo fez uma apelação para que a sua causa fosse reservada ao juízo do Augusto Imperador. Então ordenei que ficasse preso até que eu pudesse enviá-lo a César”.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 102)


℟. O Senhor pôs o seu trono lá nos céus.


— Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e todo o meu ser, seu santo nome! Bendize, ó minha alma, ao Senhor, não te esqueças de nenhum de seus favores! ℟.

— Quanto os céus por sobre a terra se elevam, tanto é grande o seu amor aos que o temem; quanto dista o nascente do poente, tanto afasta para longe nossos crimes. ℟.

— O Senhor pôs o seu trono lá nos céus, e abrange o mundo inteiro seu reinado. Bendizei ao Senhor Deus, seus anjos todos, valorosos que cumpris as suas ordens. ℟.

℟. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
℣.O Espírito Santo, o Paráclito, haverá de lembrar-vos de tudo o que tenho falado. (Jo 14, 26) ℟.

Evangelho (Jo 21, 15-19)


℣. O Senhor esteja convosco.

℟. Ele está no meio de nós.


℣. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo João 

℟. Glória a vós, Senhor.


Jesus manifestou-se aos seus discípulos 15e, depois de comerem, perguntou a Simão Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas mais do que estes?” Pedro respondeu: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Jesus disse: “Apascenta os meus cordeiros”.

16E disse de novo a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?” Pedro disse: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas”. 17Pela terceira vez, perguntou a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?” Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava. Respondeu: “Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo”. Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas. 18Em verdade, em verdade te digo: quando eras jovem, tu te cingias e ias para onde querias. Quando fores velho, estenderás as mãos e outro te cingirá e te levará para onde não queres ir”.

19Jesus disse isso, significando com que morte Pedro iria glorificar a Deus. E acrescentou: “Segue-me”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Antífona do Ofertório

Confitebúntur caeli mirabília tua Dómine, et veritátem tuam in ecclésia sanctórum, allelúia, allelúia. (Ps. 88, 6)


Vernáculo:
Anuncia o firmamento vossas grandes maravilhas, e o vosso amor fiel, a assembleia dos eleitos, aleluia, aleluia. (Cf. LH: Sl 88, 6)

Sobre as Oferendas

Nós vos apresentamos, ó Pai, nossas oferendas e vos suplicamos humildemente: assim como destes a vossos mártires a força de preferir a morte ao pecado, fazei-nos inteiramente dedicados ao serviço do vosso altar. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

Se morrermos com o Cristo, viveremos com ele; se perseverarmos, com ele reinaremos, aleluia! (2Tm 2, 11-12)
Gaudéte iusti in Dómino, allelúia: rectos decet collaudátio, allelúia. (Ps. 32, 1; ℣. Ps. 32, 2. 3. 4. 12. 13. 14. 15. 18. 19. 20. 21. 22)
Vernáculo:
Ó justos, alegrai-vos no Senhor! Aos retos fica bem glorificá-lo. (Cf. LH: Sl 32, 1)

Depois da Comunhão

Participamos, ó Deus, da Eucaristia, comemorando a vitória de vossos mártires; fazei que os mesmos sacramentos que lhes deram a força de suportar as torturas, nos tornem constantes na fé e na caridade em meio a todas as provações. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 03/06/2022
A graça de amar

Sem a intervenção da graça divina, nada podemos fazer que tenha valor em ordem à vida eterna, já que só Deus pode dar-nos o amor com que Ele mesmo quer ser amado.

No Evangelho de hoje, Jesus pergunta três vezes a S. Pedro, que três vezes, por medo e fraqueza, o tinha negado: “Simão, filho de João, tu me amas?” A insistência dessa pergunta, dirigida também a nós, deve levar-nos a considerar sempre a nossa indigência, a nossa incapacidade de amar, se nos fiarmos apenas de nossas próprias forças, de nossa vontade tão inconstante e pronta para abandonar até os mais firmes propósitos. De fato, sem a intervenção da graça, derramada em nossos corações pelo Espírito Santo, cuja vinda auguramos ansiosamente, não podemos amar nem a Deus nem ao próximo com aquele amor realmente digno desse nome, isto é, com verdadeira caridade cristã. Isso nos pode soar duro e talvez “exagerado”, mas se trata de uma verdade clara e transparente, se nos dispormos a enxergá-la nos movimentos mais íntimos de nossa alma. Se formos sinceros com nós mesmos, iremos constatar que tudo o que fazemos de bom, inclusive os atos mais discretos da virtude mais “insignificante”, encontram sua raiz naquele que opera em nós tanto o querer como o fazer (cf. Fp 2, 13). Mesmo o simples desejo de amar a Cristo depende de uma moção prévia da graça, de um sopro, leve e gratuito, do Espírito Santo. Que Deus, por sua misericordiosa liberalidade, se digne conceder-nos todas as graças de que necessitamos para amá-lo sobre todas as coisas, com um puro e sobrenatural amor, que só Ele, fonte de todo bem, pode fazer brotar dentro de nós. — Dá-nos, Senhor, o amor com que queres que te amemos!

Deus abençoe você!

Seja um apoiador!
Ajude-nos a manter o Pocket Terço: pocketterco.com.br/ajude

Santo do dia 03/06/2022

São Carlos Lwanga e companheiros

Neste dia, celebramos a memória destes grandes mártires que, na África, testemunharam o nome de Jesus. Carlos Lwanga era chefe dos pajens, que serviam na corte do rei Muanga da Uganda.

Acontece que a entrada da evangelização na África sofreu muito pelas invasões dos homens brancos, por isso os missionários tinham que ser homens verdadeiramente de Deus, ou seja, de caridade, pois facilmente eram confundidos como colonizadores. Depois da entrada dos padres que fizeram um lindo trabalho de evangelização, que atingiu Carlos Lwanga e outros, o rei se revoltou e decretou pena de morte para os que rezassem.

Decidido a acabar com a presença cristã em Uganda, o rei Muanga apanhou um pajem de dezessete anos, chamado Dionísio, ensinando religião. De próprio punho, o rei atravessou seu peito com uma lança, deixou-o agonizando por toda a noite, e só permitiu sua decapitação na manhã seguinte. Usou este exemplo para avisar que mandaria matar todos os que rezavam.

São Carlos, depois de muito se preparar junto com seus companheiros, apresentou-se diante do rei com o firme propósito de não negar a fé, por isso foi queimado vivo diante de todos. Seguindo o irmão na fé, nenhum deles renegou, até que, em 1887, o último deles morreu afogado, como parte dos corajosos mártires de Uganda, na África.

São Carlos Lwanga e os 22 mártires de Uganda foram beatificados, em 1920, por Bento XV. Em 1934, São Carlos Lwanga foi declarado “Padroeiro da Juventude Africana”, e, em 1964, o Papa Paulo VI canonizou esse grupo de mártires.

São Carlos Lwanga e companheiros, rogai por nós!