Antífona de Entrada:
São Lourenço entregou-se a si mesmo ao serviço da Igreja. Foi digno de sofrer o martírio e de subir com alegria para junto do Senhor Jesus.

Oração do Dia:
Ó Deus, o vosso diácono Lourenço, inflamado de amor por vós, brilhou pela fidelidade no vosso serviço e pela glória do martírio; concedei-nos amar o que ele amou e praticar o que ensinou. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (2Cor 9,6-10)


Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios.

Irmãos, 6“Quem semeia pouco colherá também pouco e quem semeia com largueza colherá também com largueza”. 7Dê cada um conforme tiver decidido em seu coração, sem pesar nem constrangimento; pois Deus “ama quem dá com alegria”.

8Deus é poderoso para vos cumular de toda sorte de graças, para que, em tudo, tenhais sempre o necessário e ainda tenhais de sobra para toda obra boa, 9como está escrito: “Distribuiu generosamente, deu aos pobres; a sua justiça permanece para sempre”.

10Aquele que dá a semente ao semeador e lhe dará o pão como alimento, ele mesmo multiplicará as vossas sementes e aumentará os frutos da vossa justiça.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 111)


R. Feliz o homem caridoso e prestativo!


— Feliz o homem que respeita o Senhor e que ama com carinho sua lei! Sua descendência será forte sobre a terra, abençoada a geração dos homens retos! R.

— Feliz o homem caridoso e prestativo, que resolve seus negócios com justiça. Porque jamais vacilará o homem reto, sua lembrança permanece eternamente! R.

— Ele não teme receber notícias más: confiando em Deus, seu coração está seguro. Seu coração está tranquilo e nada teme, e confusos há de ver seus inimigos. R.

— Ele reparte com os pobres os seus bens, permanece para sempre o bem que fez, e crescerão a sua glória e seu poder. R.


R. Aleluia, aleluia, aleluia.
V. Aquele que me segue, não caminha entre as trevas, mas terá a luz da vida. (Jo 8, 12bc) R.


Evangelho (Jo 12,24-26)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos: 24“Em verdade, em verdade vos digo: Se o grão de trigo que cai na terra não morre, ele continua só um grão de trigo; mas se morre, então produz muito fruto.

25Quem se apega à sua vida, perde-a; mas quem faz pouca conta de sua vida neste mundo conservá-la-á para a vida eterna. 26Se alguém me quer servir, siga-me, e onde eu estou estará também o meu servo. Se alguém me serve, meu Pai o honrará”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Renovemos a nossa alma para experimentarmos o novo de Deus

“Se o grão de trigo que cai na terra não morre, ele continua só um grão de trigo; mas se morre, então produz muito fruto” (João 12,24).

A Igreja nos dá a graça de celebrarmos, hoje, a festa do diácono e mártir São Lourenço. O Evangelho faz sintonia com aquilo que foi a vida de São Lourenço, diácono e mártir. Ele, nos primórdios da Igreja, teve a graça de, pelo século III, dar a sua vida em favor da Igreja e do Evangelho. Ele ficava especialmente responsável de cuidar dos bens da Igreja e dos pobres, porque os bens da Igreja são as almas, e as almas são alimentadas com os bens espirituais, sobretudo, a Eucaristia e a Palavra de Deus.

Os pobres são outros bens preciosos da Igreja, os pobres que são desprovidos dos seus bens precisam ser cuidados por todos nós, porque o Jesus que está na Eucaristia está na Palavra, está nos pobres. “Eras Tu, Senhor!”. É com esse espírito que o diácono São Lourenço cuidava, com todo amor, das necessidades dos mais pobres e sofridos.

Quando o Evangelho diz que o grão que cai por terra e não morre, mas fica só, continua só um grão de trigo. Se, no entanto, aquele grão que jogamos na terra morrer, ou seja, vai ser fecundado e produzirá frutos em abundância.

A alma que não se renova atrofia e não experimenta o novo de Deus a cada dia

É preciso morrer para si mesmo a cada dia, é preciso morrer para que o outro viva. Para que sejamos vida na vida do outro, precisamos morrer, para que nós mesmos possamos dar valor e sentido à nossa própria vida.

Florescem em nossa vida os antivalores, que não são valores da vida: o egoísmo, o orgulho, a soberba, a inveja... Precisamos morrer para o homem velho que está impregnado em nós para que o homem novo surja.

Não nos conformemos em sermos o que somos, mas, pelo contrário, morramos a cada dia para sermos melhores. Nada de depreciação e desvalorização. Um atleta se dedica para ser cada vez melhor, e como ele morre para si mesmo, na dedicação, no esforço, na luta, no combate, no levantar cedo, em todos os empenhos que faz!

Que empenho devemos fazer com a nossa alma, com o nosso espírito e com o nosso coração para sermos melhores a cada dia? Assim como o atleta que não treina atrofia seus membros, seu corpo, e vai perdendo toda a sua agilidade e habilidade, a alma que não se renova atrofia e não experimenta o novo de Deus a cada dia.

Trabalhemos com empenho para sermos novos e renovados a cada dia na presença de Deus.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Festa de São Lourenço, Diácono e Mártir

A história do martírio do diácono romano São Lourenço, cuja festa a Igreja celebra neste dia, revela-nos uma das notas distintivas da verdadeira santidade: a virtude heróica, indício claro de que já não é mais o santo quem atua e ama, mas o Cristo que nele habita e age, acima de nossas forças naturais, pelos dons do Espírito Santo. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta segunda-feira, dia 10 de agosto, e peçamos a Deus que nos conduza pela via da santidade cristã, a fim de alcançarmos, por sua bondade e misericórdia, a estatura perfeita de Cristo.





Santo do Dia:

São Lourenço

Festejamos, neste dia, a vida de santidade e martírio do Diácono que nem chicotes, algozes, chamas, tormentos e correntes puderam contra sua fé e amor ao Cristo. Lourenço, espanhol, natural de Huesca, foi um Diácono de bom humor que servia a Deus na Igreja de Roma durante meados do Século III.

Conta-nos a história que São Lourenço como primeiro dos Diáconos tinha grande amizade com o Papa Sisto II, tanto assim que ao vê-lo indo para o martírio falou: "Ó pai, aonde vais sem o teu filho? Tu que jamais ofereceste o sacrifício sem a assistência do teu Diácono, vais agora sozinho, para o martírio?". E o Papa respondeu: "Mais uns dias e te aguarda uma coroa mais bonita!". São Lourenço era também responsável pela administração dos bens da Igreja que sustentava muitos necessitados.

Diante da perseguição do Imperador Valeriano, o prefeito local exigiu de Lourenço os tesouros da Igreja, para isto o Santo Diácono pediu um prazo, o qual foi o suficiente para reunir no átrio os órfãos, os cegos, os coxos, as viúvas, os idosos... todos os que a Igreja socorria, e no fim do prazo - com bom humor - disse: "Eis aqui os nossos tesouros, que nunca diminuem, e podem ser encontrados em toda parte".

Sentindo-se iludido, o prefeito sujeitou o santo a diversos tormentos, até colocá-lo sobre um braseiro ardente; São Lourenço que sofreu o martírio em 258, não parava de interceder por todos, e mesmo assim encontrou no Espírito Santo força para dizer no auge do sofrimento na grelha: "Vira-me que já estou bem assado deste lado".

A Roma cristã venera o santo espanhol com a mesma veneração e respeito com que honra seus primeiros Apóstolos. Depois de São Pedro e São Paulo, a festa de São Lourenço foi a maior da antiga liturgia romana. O que foi Santo Estevão em Jerusalém, isso mesmo o foi São Lourenço em Roma.

São Lourenço, rogai por nós!


Oração sobre as Oferendas:
Acolhei, ó Pai, com bondade, as oferendas que vos apresentamos com alegria na festa do diácono Lourenço, e fazei que elas possam servir para a salvação do vosso povo. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
Aquele que me serve, diz o Senhor, deve seguir-me. E onde eu estiver estará o meu servidor. (Jo 12, 26)

Oração depois da Comunhão:
Ó Deus, saciados por vossos dons, concedei-nos, ao vos prestar o devido culto na festa de São Lourenço, a graça de crescer na salvação. Por Cristo, nosso Senhor.