Primeira Leitura (Sb 1,1-7)


Início do Livro da Sabedoria.

1Amai a justiça, vós que governais a terra; tende bons sentimentos para com o Senhor e procurai-o com simplicidade de coração. 2Ele se deixa encontrar pelos que não exigem provas, e se manifesta aos que nele confiam. 3Pois os pensamentos perversos afastam de Deus; e seu poder, posto à prova, confunde os insensatos. 4A Sabedoria não entra numa alma que trama o mal nem mora num corpo sujeito ao pecado. 5O espírito santo, que a ensina, foge da astúcia, afasta-se dos pensamentos insensatos e retrai-se quando sobrevém a injustiça. 6Com efeito, a Sabedoria é o espírito que ama os homens, mas não deixa sem castigo quem blasfema com seus próprios lábios, pois Deus é testemunha dos seus pensamentos, investiga seu coração segundo a verdade e mantém-se à escuta da sua língua; 7porque o espírito do Senhor enche toda a terra, mantém unidas todas as coisas e tem conhecimento de tudo o que se diz.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Responsório (Sl 138)


— Conduzi-me no caminho para a vida, ó Senhor!

— Conduzi-me no caminho para a vida, ó Senhor!

— Senhor, vós me sondais e conheceis, sabeis quando me sento ou me levanto; de longe penetrais meus pensamentos, percebeis quando me deito e quando eu ando, os meus caminhos vos são todos conhecidos.

— A palavra nem chegou à minha língua, e já, Senhor, a conheceis inteiramente. Por detrás e pela frente me envolveis; pusestes sobre mim a vossa mão. Esta verdade é por demais maravilhosa, é tão sublime que não posso compreendê-la.

— Em que lugar me ocultarei de vosso espírito? E para onde fugirei de vossa face? Se eu subir até os céus, ali estais; se eu descer até o abismo, estais presente.

— Se a aurora me emprestar as suas asas, para eu voar e habitar no fim dos mares; mesmo lá vai me guiar a vossa mão e segurar-me com firmeza a vossa destra.


Evangelho (Lc 17,1-6)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Jesus disse a seus discípulos: “É inevitável que aconteçam escândalos. Mas ai daquele que produz escândalos! 2Seria melhor para ele que lhe amarrassem uma pedra de moinho no pescoço e o jogassem no mar, do que escandalizar um desses pequeninos. 3Prestai atenção: se o teu irmão pecar, repreende-o. Se ele se converter, perdoa-lhe. 4Se ele pecar contra ti sete vezes num só dia, e sete vezes vier a ti, dizendo: ‘Estou arrependido’, tu deves perdoá-lo”.

5Os apóstolos disseram ao Senhor: “Aumenta a nossa fé!” 6O Senhor respondeu: “Se vós tivésseis fé, mesmo pequena como um grão de mostarda, poderíeis dizer a esta amoreira: ‘Arranca-te daqui e planta-te no mar’, e ela vos obedeceria”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Toda correção nos ajuda a sermos melhores

Se ele pecar contra ti sete vezes num só dia, e sete vezes vier a ti, dizendo: ‘Estou arrependido’, tu deves perdoá-lo” (Lucas 17,4).

A primeira atitude a qual o Evangelho de hoje nos convida é para sermos pessoas de fé e vivermos da fé. Ainda que a nossa fé seja pequena como um grão de mostarda, ela é capaz de fazer grandes milagres.

É preciso evitar escândalos, não podemos escandalizar ninguém, não podemos dar contratestemunho da nossa fé. Para nos mantermos firmes e coerentes na fé, precisamos colocar em Jesus a nossa confiança.

Depois, com a mesma fé, nós vivemos a força do perdão e da correção fraterna. Se o seu irmão pecar contra ti, corrigi-o na caridade, chama a atenção dele, do pecado, do erro que ele possa ter cometido, mas faça com amor, para ganhar o irmão e não para perdê-lo e afastá-lo.

Todos nós precisamos ser corrigidos, ajudados e alertados, precisamos uns dos outros. O que não pode acontecer é que, por orgulho, nos fechemos em nosso mundo, nos isolemos na nossa posição, nas nossas escolhas de vida e ninguém tenha acesso a nós e possa nos corrigir porque somos aquelas pessoas grossas, que não aceitamos ninguém nos corrigindo e já vamos logo respondendo, atacando ou virando contra aquele que nos corrigi.


A força da correção, que está em nós, deve, ao mesmo tempo, gerar a força do perdão

O irmão que nos corrige nos faz um grande favor, ele ajuda a salvar a nossa alma. Pode ser que a correção dele pare na nossa vaidade e no nosso orgulho, mas, se de bom coração e nos colocarmos na presença de Jesus, toda a correção nos ajuda a sermos melhores.

Aquele que corrige é o primeiro a ser corrigido, é aquele que de coração permite ser corrigido por Deus, porque, Deus só corrige aquele a quem ama, e o amor de Deus em nós deve nos corrigir a cada dia. Mas a força da correção que está em nós, deve, ao mesmo tempo, gerar a força do perdão.

Se o irmão pecar no mesmo dia sete vezes contra nós, se o irmão, por algum motivo, nos ofender e se arrepender, devemos perdoá-lo. Ainda que, humanamente nos fechemos e não tenhamos a disposição no primeiro momento, porém, como um bom filho, devemos sempre cair em si, em Deus e na graça de Deus; além de abrir o nosso coração para perdoar, porque Deus nos perdoa mais do que sete vezes ao dia. Não podemos fazer de outra forma, a não ser  abrir o nosso coração para perdoar o irmão.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


“Arranca-te daqui e planta-te no mar”
Temos a alma tão enraizada nas coisas deste mundo que não seria exagero chamá-la antes de “carne” que de “espírito”. Ela é como aquela amoreira do Evangelho, que o Senhor nos manda, caso saibamos cultivar a semente da fé, arrancar deste solo e plantar no mar. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta segunda-feira, dia 11 de novembro, e peçamos a Deus que nos arranque as raízes que ainda nos prendem às futilidades deste mundo.



Santo do Dia:

São Martinho de Tours, intercessor e modelo de apostolado

Nasceu em 316 na Panônia (atual Hungria), numa família pagã que da parte do pai (oficial do exército romano) fez de Martinho um militar, enquanto o Pai do Céu o estava fazendo cristão, já que começou a fazer o Catecumenato.

Certa vez quando militar, mas ainda não batizado, Martinho partiu em duas partes seu manto para dá-lo a um pobre, e assim Jesus aparece-lhe durante a noite e disse-lhe: “Martinho, principiante na fé, cobriu-me com este manto”. Então este homem de Deus foi batizado e abandonou a vida militar para viver intensamente a vida religiosa e as inspirações do Espírito Santo para sua vida.

Com a direção e ajuda do Bispo Hilário, Martinho tornou-se monge, Diácono, fundador do primeiro mosteiro na França e depois sacerdote que formava os seus “filhos” para a contemplação e ao mesmo tempo para a missão de evangelizar os pagãos; diferenciando-se com isso dos mosteiros do Oriente.

Por ser fiel no pouco, São Martinho recebeu o mais, que veio com a sua Ordenação para Bispo em Tours. Isto não o impediu de fundar ainda muitos outros mosteiros a fim de melhor evangelizar sua Diocese. Entrou no Céu em 397.

São Martinho de Tours, rogai por nós!