Antífona de Entrada:
Eu sou a salvação do povo, diz o Senhor. Se clamar por mim em qualquer provação eu o ouvirei e serei seu Deus para sempre. (Cf. Sl 36, 39. 40)

Oração do Dia:
Ó Pai, que resumistes toda a lei no amor a Deus e ao próximo, fazei que, observando o vosso mandamento, consigamos chegar um dia à vida eterna. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (Is 55, 6-9)


Leitura do Livro do Profeta Isaías


6Buscai o Senhor, enquanto pode ser achado; invocai-o, enquanto ele está perto. 7Abandone o ímpio seu caminho, e o homem injusto, suas maquinações; volte para o Senhor, que terá piedade dele, volte para nosso Deus, que é generoso no perdão.

8Meus pensamentos não são como os vossos pensamentos, e vossos caminhos não são como os meus caminhos, diz o Senhor. 9Estão meus caminhos tão acima dos vossos caminhos e meus pensamentos acima dos vossos pensamentos, quanto está o céu acima da terra.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 144)


R. O Senhor está perto da pessoa que o invoca!


— Todos os dias haverei de bendizer-vos, hei de louvar o vosso nome para sempre. Grande é o Senhor e muito digno de louvores, e ninguém pode medir sua grandeza. R.

— Misericórdia e piedade é o Senhor, ele é amor, é paciência, é compaixão. O Senhor é muito bom para com todos, sua ternura abraça toda criatura. R.

— É justo o Senhor em seus caminhos, é santo em toda obra que ele faz. Ele está perto da pessoa que o invoca, de todo aquele que o invoca lealmente. R.


Segunda Leitura (Fl 1, 20c-24. 27a)


Leitura da Carta de São Paulo aos Filipenses


Irmãos: 20cCristo vai ser glorificado no meu corpo, seja pela minha vida, seja pela minha morte. 21Pois, para mim, o viver é Cristo e o morrer é lucro. 22Entretanto, se o viver na carne significa que meu trabalho será frutuoso, neste caso, não sei o que escolher.

23Sinto-me atraído para os dois lados: tenho o desejo de partir, para estar com Cristo — o que para mim seria de longe o melhor — 24mas para vós é mais necessário que eu continue minha vida neste mundo. 27aSó uma coisa importa: vivei à altura do Evangelho de Cristo.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Assista a Santa Missa pela internet ou TV. Sugestões:



R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Vinde abrir o nosso coração, Senhor; ó Senhor, abri o nosso coração, e, então, do vosso Filho a palavra, poderemos acolher com muito amor! (Cf. At 16,14b) R.


Anúncio do Evangelho (Mt 20, 1-16a)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Mateus 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo, Jesus contou esta parábola a seus discípulos:

1“O Reino dos Céus é como a história do patrão que saiu de madrugada para contratar trabalhadores para a sua vinha. 2Combinou com os trabalhadores uma moeda de prata por dia, e os mandou para a vinha. 3Às nove horas da manhã, o patrão saiu de novo, viu outros que estavam na praça, desocupados, 4e lhes disse: ‘Ide também vós para a minha vinha! E eu vos pagarei o que for justo’. 5E eles foram. O patrão saiu de novo ao meio-dia e às três horas da tarde, e fez a mesma coisa.

6Saindo outra vez pelas cinco horas da tarde, encontrou outros que estavam na praça, e lhes disse: ‘Por que estais aí o dia inteiro desocupados?’ 7Eles responderam: ‘Porque ninguém nos contratou’. O patrão lhes disse: ‘Ide vós também para a minha vinha’.

8Quando chegou a tarde, o patrão disse ao administrador: ‘Chama os trabalhadores e paga-lhes uma diária a todos, começando pelos últimos até os primeiros!’

9Vieram os que tinham sido contratados às cinco da tarde e cada um recebeu uma moeda de prata. 10Em seguida vieram os que foram contratados primeiro, e pensavam que iam receber mais. Porém, cada um deles também recebeu uma moeda de prata.

11Ao receberem o pagamento, começaram a resmungar contra o patrão: 12‘Estes últimos trabalharam uma hora só, e tu os igualaste a nós, que suportamos o cansaço e o calor o dia inteiro’.

13Então o patrão disse a um deles: ‘Amigo, eu não fui injusto contigo. Não combinamos uma moeda de prata? 14Toma o que é teu e volta para casa! Eu quero dar a este que foi contratado por último o mesmo que dei a ti. 15Por acaso não tenho o direito de fazer o que quero com aquilo que me pertence? Ou estás com inveja, porque estou sendo bom?’

16aAssim, os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Retiremos do nosso coração toda a inveja

“Por acaso não tenho o direito de fazer o que quero com aquilo que me pertence? Ou estás com inveja porque estou sendo bom?” (Mateus 20,15).

O patrão do Evangelho de hoje causou indignação e, ao mesmo tempo, admiração. Quem olha para o patrão com o olhar humano, daquela justiça que acha que tem no coração, fica indignado com esse patrão. Se paramos para olhá-lo com o olhar humano, vamos dizer: “Esse patrão é muito injusto e irresponsável”. Se fosse nos dias de hoje, você até entraria na justiça do trabalho para processar esse patrão.

Como ele é capaz de pagar o mesmo salário para uma pessoa que chegou para trabalhar uma hora e pagou o mesmo para quem trabalhou o dia inteiro? Teria revolta, o nosso coração ficaria revoltado só de imaginar uma situação dessa. Mas sabe por que os operários da primeira hora ficaram revoltados? Sabe por que nós também criamos revoltas dentro do nosso coração? Porque eles não olharam para o que receberam, mas foram olhar o que os outros receberam.  

Aquilo que o patrão combinou com eles, ele pagou; os contratou e não deu nada a menos do que haviam combinado. De forma alguma o patrão foi injusto com eles. Foi justo, correto e deu o que devia. Mas eles perderam a graça ou até o que tinham recebido, para eles não significava mais nada porque pararam de olhar para o que tinham recebido e olharam o que os outros receberam.


Quem é fiel ama, acolhe, se alegra com o bem do outro e jamais deixa crescer no seu coração a inveja

É aquilo que chamamos da maldita comparação, quando paramos de contemplar a nossa vida, de melhorar a nossa vida, de agradecer pelo que temos, de lutar para termos cada vez mais uma vida melhor, mais digna e mais justa, mas paramos para reparar como está a vida dos outros. E, muitas vezes, queremos até ser iguais aos outros, não sabemos a história, a labuta, não sabemos se foi de uma forma justa ou não. Aí nascem as malditas comparações, geralmente, motivadas pela inveja, pela cobiça, por aqueles desejos insanos do coração e da mente.

Olha, é feliz nessa vida quem cuida do que tem; quem luta pelo o que é seu com suas próprias mãos e não quem causa intriga, divisão, confusão, separação porque vive a reparar, a olhar e invejar aquilo que o outro é e tem.

Seja você, seja cada vez mais autêntico para você, lute pelo que é seu, sem precisar invejar e se comparar a ninguém. No Reino dos Céus é assim: o ladrão que se converteu aos pés da cruz ou morrendo junto com Jesus é tão de Deus como aquele que já nasceu santo no ventre da sua mãe. Todos são amados por Deus!

Na hora que o coração se abre para a graça de Deus, ela chega e rouba aquele coração. Não posso me sentir injustiçado porque essa pessoa chegou na Igreja agora, porque se converteu só agora. Não, eu sou de Jesus, parecendo aquele filho mais velho da parábola do filho pródigo. Eu sempre fui fiel a Deus.

Quem é fiel ama, acolhe, se alegra com o bem do outro e jamais deixa crescer no seu coração a inveja e a competição.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


O Céu será igual para todos?

Igual, mas diferente: como resolver o suposto paradoxo do patrão que, no Evangelho deste domingo, paga “uma moeda de prata” a todos que trabalham em sua vinha e o Deus que, ao mesmo tempo, dá a cada um segundo as suas obras? Como entender que a recompensa eterna é uma só, mas os santos têm glórias distintas no Céu? Nesta homilia, Pe. Paulo Ricardo explica como serão mais bem-aventurados, não os que mais trabalharam ou mais sofreram, mas os que mais amaram.





Santo do Dia:

Santo André Kim e companheiros mártires

Tornamos célebre neste dia o testemunho dos 103 mártires coreanos que foram canonizados pelo Papa João Paulo II, na sua visita a Seul em maio de 1984.

Tudo começou no Século XVII, com o interesse pelo Cristianismo por parte de um grupo de letrados que ao lerem o livro do missionário Mateus Ricci com o título "O verdadeiro sentido de Deus", tiveram a iniciativa de encarregar o filho do embaixador coreano na China, na busca das riquezas de Jesus Cristo.

Yi Sung-Hun dirigiu-se ao Bispo de Pequim que o catequizou e batizou, entrando por aí a Boa Nova na Coréia, ou seja, por meio de um jovem e ousado leigo cristão que, com amigos, fundaram uma primeira comunidade cristã.

Com a eficácia do Espírito, começaram a evangelizar de aldeia em aldeia ao ponto de somarem, em dez anos, dez mil testemunhas da presença do Ressuscitado. Várias vezes solicitaram do Bispo de Pequim o envio de sacerdotes, a fim de organizarem a Igreja. Roma, porém, era de difícil acesso e o Papa sofria com a prepotência de Napoleão, resultado: somente a Igreja pôde socorrer aos cristãos coreanos, trinta anos depois, quando os cristãos coreanos tinham sido martirizados aos milhares, juntamente com os 103 mártires, dentre estes: André Kim, o primeiro padre coreano morto em 1845; dez clérigos e 92 leigos.

Alguns testemunhos ficaram gravados, e dentre tantos: "Dado que o Senhor do céu é o Pai de toda a humanidade e o Senhor de toda a criação, como podeis pedir-me para o trair? Se neste mundo aquele que trair o pai ou a mãe não é perdoado, com maior razão, não posso nunca, trair aquele que é o Pai de todos nós!" (Teresa Kwon).

Os primeiros mártires coreanos escreveram, com sangue, as primeiras páginas da história na Igreja da própria pátria. Na data da canonização, bicentenária do início da evangelização da Coréia, esta nação contava com 1.4000.000 católicos, 14 Dioceses, 1.200 sacerdotes, 3.500 religiosos e 4.500 catequistas, atestando mais uma vez a frase de Tertuliano: "O sangue dos mártires é sangue de novos cristãos!"

Santo André Kim e companheiros mártires, rogai por nós!

 


Oração sobre as Oferendas:
Acolhei, ó Deus, nós vos pedimos, as oferendas do vosso povo, para que possamos conseguir por este sacramento o que proclamamos pela fé. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
Os vossos mandamentos vós nos destes, para serem fielmente observados. Oxalá seja bem firme a minha vida em cumprir vossa vontade e vossa lei! (Sl 118, 4-5)

Ou:


Eu sou o bom pastor: conheço minhas ovelhas e minhas ovelhas me conhecem, diz o Senhor. (Jo 10,14)

Oração depois da Comunhão:
Ó Deus, auxiliai sempre os que alimentais com o vosso sacramento para que possamos colher os frutos da redenção na liturgia e na vida. Por Cristo, nosso Senhor.