Antífona de Entrada:
É Deus quem me ajuda, é o Senhor quem defende a minha vida. Senhor, de todo o coração hei de vos oferecer o sacrifício e dar graças ao vosso nome, porque sois bom (Sl 53,6.8).

Oração do Dia:
Ó Deus, sede generoso para com os vossos filhos e filhas e multiplicai em nós os dons da vossa graça, para que, repletos de fé, esperança e caridade, guardemos fielmente os vossos mandamentos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (Mq 7,14-15.18-20)


Leitura da Profecia de Miqueias.

14Apascenta o teu povo com o cajado da autoridade, o rebanho de tua propriedade, os habitantes dispersos pela mata e pelos campos cultivados; que eles desfrutem a terra de Basã e Galaad, como nos velhos tempos. 15E, como foi nos dias em que nos fizeste sair do Egito, faze-nos ver novos prodígios.

18Qual Deus existe, como tu, que apagas a iniquidade e esqueces o pecado daqueles que são resto de tua propriedade? Ele não guarda rancor para sempre, o que ama é a misericórdia. 19Voltará a compadecer-se de nós, esquecerá nossas iniquidades e lançará ao fundo do mar todos os nossos pecados. 20Tu manterás fidelidade a Jacó e terás compaixão de Abraão, como juraste a nossos pais, desde tempos remotos.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 84)


R. Mostrai-nos, ó Senhor, vossa bondade.


— Favorecestes, ó Senhor, a vossa terra, libertastes os cativos de Jacó. Perdoastes o pecado ao vosso povo, encobristes toda a falta cometida; retirastes a ameaça que fizestes, acalmastes o furor de vossa ira. R.

— Renovai-nos, nosso Deus e Salvador, esquecei a vossa mágoa contra nós! Ficareis eternamente irritado? Guardareis a vossa ira pelos séculos? R.

— Não vireis restituir a nossa vida, para que em vós se rejubile o vosso povo? Mostrai-nos, ó Senhor, vossa bondade, concedei-nos também vossa salvação! R.


Aleluia, aleluia, aleluia.
Quem me ama, realmente, guardará minha palavra e meu Pai o amará, e a ele nós viremos (Jo 14,23).


Evangelho (Mt 12,46-50)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Mateus. 

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 46enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele. 47Alguém disse a Jesus: “Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo”. 48Jesus perguntou àquele que tinha falado: “Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?” 49E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: “Eis minha mãe e meus irmãos. 50Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Sejamos submissos à vontade do Senhor

“Eis minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe” (Mateus 12,49-50).

Somos muito presos aos círculos humanos e sociais e, é óbvio que, aos círculos e laços familiares. No Reino de Deus é diferente, nele não é levado em conta os círculos familiares, porque, se dependesse da família de Jesus -  quando digo “família”, refiro-me aos parentes - muitos não O acolheram, não O receberam, muitos até O desprezaram e quiseram lança-Lo fora.

O Reino de Deus não são as aparências, não é aquilo que criamos em nossa mente e em nosso coração: os rótulos religiosos. Sei que, muitas vezes, a pessoa quer se engrandecer pelos títulos: “Sou isso na Igreja”; “Faço isso”; “Faço aquilo”; “Já estou há tantos anos servindo”... Para Deus não serve nada disso.

O laço que prende alguém a Jesus é a vontade de Deus. Se somos guiados mais por nossas vontades e desejos humanos, a vontade de Deus é aniquilada ou é instrumentalizada em favor do nosso querer e, muitos de nós, vivemos às chamadas “confusões religiosas”, que não são poucas, são muitas, basta ver o universo de religiões que estão pregando, falando; basta ver às confusões dentro dos nossos grupos de Igreja, e assim por diante. Porque todo mundo se sente conhecedor e detentor da vontade de Deus. Quem sou eu para determinar que isso é a vontade de Deus?

Quando estão ali dizendo: “Jesus, seus parentes estão ali fora”. Quem é mesmo de Jesus? É Aquele que se rende para a vontade do Pai. A vontade do Pai é algo a ser buscado com oração, com muita humildade, mas, acima de tudo, submissão à Palavra de Deus.

A vontade de Deus passa pela humildade, pela santidade de cada dia, pelo amor e pela misericórdia

Não basta falar que é de Deus, não basta carregar símbolos religiosos ou colocar as mãos piedosas para cima e dizer: “Eu conheço a Deus”, porque quem nos conhece de verdade é Ele.

Se não nos abaixarmos e nos rebaixarmos, correremos para lá e para cá; e seremos desconhecidos por Deus no dia final, porque não realizamos na vida a vontade d’Ele.

A vontade de Deus passa pela humildade, pela santidade de cada dia, pelo amor e pela misericórdia. E não podemos confundir a vontade de Deus como se fôssemos “bonecos” nas mãos d’Ele.   

A vontade de Deus é saber que nós temos vontade própria, que temos liberdade de escolhas. A vontade de Deus é saber que recebemos tudo isso d’Ele e usamos isso com sabedoria, humildade e submissão a Deus, em tudo que realizamos.

Não há grau de intimidade maior com Deus do que aquele que vai para além das aparências, aquele que supera as aparências que os homens podem ver, mas buscam no interior, no seu silêncio dizer: “Senhor, estou aqui para fazer a Sua vontade”, e coloca a sua própria vontade submissa à vontade do Senhor. Esse sim pertence a família de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo!

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Não é o sangue que nos faz irmãos

O que mais conta, na grande família de Deus, não são tanto os laços de sangue que nos unem uns aos outros como os vínculos sobrenaturais da fé, que nos tornam realmente filhos de Abraão. Filhos, sim, não porque dele descendamos segundo a carne, mas porque o imitamos ao crer no mesmo Deus em que ele acreditou, fazendo-nos herdeiros das mesmas promessas que lhe foram feitas. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta terça-feira, dia 21 de julho, e medite conosco mais uma página do santo Evangelho.





Santo do Dia:

São Lourenço de Brindes

Presbítero da Igreja, o santo de hoje é reconhecido como Doutor, pois amou, aprofundou, serviu e com ardor comunicou a Sã Doutrina Católica. Nascido em Brindes, na Itália, no ano de 1559, São Lourenço entrou na família franciscana, como Capuchinho e chegou a Superior Geral.

Homem de Deus e conciliador da maneira franciscana de viver com as necessidades da época, como pregador espalhou a Palavra de Deus em muitos lugares, como Itália, Espanha, Portugal, França, Bélgica, Holanda. Conhecedor do hebraico, aramaico, caldeu, grego, latim, alemão, italiano e outras línguas, pôde - como teólogo e apologista - aprofundar nos estudos das Sagradas Escrituras e bradar pelos quatro cantos da Igreja e do mundo a Verdade, pois o protestantismo se alastrava, assim como diversas heresias.

São Lourenço fugia constantemente das honras e, além de dormir no chão, levantava-se à noite para rezar e se alimentava somente de pão, água e verduras, como penitência. Além de grande propagador da Palavra, foi quem muito lutou para vivê-la, por isso, ao ocupar a função de diplomata da Igreja, serviu de pacificador durante a ameaça de invasão por parte dos turcos. São Lourenço, que entrou no Céu com 60 anos, deixou muitos escritos, os quais externam o amor pela Palavra de Deus: "A Palavra de Deus é luz para a inteligência, fogo para a vontade, para que o homem possa conhecer e amar a Deus... É martelo contra a dura obstinação do coração, nos vícios contra a carne, o mundo e o demônio; é espada que mata todo o pecado".

São Lourenço de Brindes, rogai por nós!

 


Oração sobre as Oferendas:
Ó Deus, que no sacrifício da cruz, único e perfeito, levastes á plenitude os sacrifícios da antiga aliança, santificai, como o de Abel, o nosso sacrifício, para que os dons que cada um trouxe em vossa honra possam servir para a salvação de todos. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
O Senhor bom e clemente nos deixou a lembrança de suas grandes maravilhas. Ele dá o alimento aos que o temem (Sl 110,4s).

Oração depois da Comunhão:
Ó Deus, permanecei junto ao povo que iniciastes nos sacramentos do vosso reino, para que, despojando-nos do velho homem, passemos a uma vida nova. Por Cristo, nosso Senhor.