Antífona de entrada

Meus Deus, vinde libertar-me, apressai-vos, Senhor, em socorrer-me. Vós sois o meu socorro e o meu libertador; Senhor, não tardeis mais. (Sl 69, 2. 6)

Oração do dia

Manifestai, ó Deus, vossa inesgotável bondade para com os filhos e filhas que vos imploram e se gloriam de vos ter como criador e guia, restaurando para eles a vossa criação, e conservando-a renovada. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura (Nm 12, 1-13)


Leitura do Livro dos Números


Naqueles dias, 1Maria e Aarão criticaram Moisés por causa de sua mulher etíope. 2E disseram: “Acaso o Senhor falou só através de Moisés? Não falou, também, por meio de nós?” E o Senhor ouviu isto.

3Moisés era um homem muito humilde, mais do que qualquer outro sobre a terra. 4Então o Senhor disse a Moisés, Aarão e Maria: “Ide todos os três à Tenda da Reunião”. E eles foram.

5O Senhor desceu na coluna de nuvem, parou à entrada da Tenda, e chamou Aarão e Maria. Quando se aproximaram, ele lhes disse: 6“Escutai minhas palavras! Se houver entre vós um profeta do Senhor, eu me revelarei a ele em visões e falarei com ele em sonhos.

7O mesmo, porém, não acontece com o meu servo Moisés, que é o mais fiel em toda a minha casa! 8Porque a ele eu falo face a face; é às claras, e não por figuras, que ele vê o Senhor! Como, pois, vos atreveis a rebaixar o meu servo Moisés?” 9E, indignado contra eles, o Senhor retirou-se.

10A nuvem que estava sobre a Tenda afastou-se, e no mesmo instante, Maria se achou coberta de lepra, branca como a neve. Quando Aarão olhou para ela e a viu toda coberta de lepra, 11disse a Moisés: “Rogo-te, meu Senhor! Não nos faça pagar pelo pecado que tivemos a insensatez de cometer. 12Que Maria não fique como morta, como um aborto que é lançado fora do ventre de sua mãe, já com metade da carne consumida pela lepra”. 13Então Moisés clamou ao Senhor, dizendo: “Ó Deus, eu te suplico, dá-lhe a cura!”

Salmo Responsorial (Sl 50)


R. Misericórdia, ó Senhor, porque pecamos!


— Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! Na imensidão de vosso amor, purificai-me! Lavai-me todo inteiro do pecado, e apagai completamente a minha culpa! R.

— Eu reconheço toda a minha iniquidade, o meu pecado está sempre à minha frente. Foi contra vós, só contra vós, que eu pequei, e pratiquei o que é mau aos vossos olhos! R.

— Mostrais assim quanto sois justo na sentença, e quanto é reto o julgamento que fazeis. Vede, Senhor, que eu nasci na iniquidade e pecador já minha mãe me concebeu. R.

— Criai em mim um coração que seja puro, dai-me de novo um espírito decidido. Ó Senhor, não me afasteis de vossa face, nem retireis de mim o vosso Santo Espírito! R.

R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Mestre, tu és o Filho de Deus, és Rei de Israel! (Jo 1, 49b) R.

Evangelho (Mt 14, 22-36)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Mateus 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Depois que a multidão comera até saciar-se, 22Jesus mandou que os discípulos entrassem na barca e seguissem, à sua frente, para o outro lado do mar, enquanto ele despediria as multidões. 23Depois de despedi-las, Jesus subiu ao monte, para orar a sós. A noite chegou, e Jesus continuava ali, sozinho. 24A barca, porém, já longe da terra, era agitada pelas ondas, pois o vento era contrário. 25Pelas três horas da manhã, Jesus veio até os discípulos, andando sobre o mar. 26Quando os discípulos o avistaram, andando sobre o mar, ficaram apavorados, e disseram: “É um fantasma”. E gritaram de medo. 27Jesus, porém, logo lhes disse: “Coragem! Sou eu. Não tenhais medo!” 28Então Pedro lhe disse: “Senhor, se és tu, manda-me ir ao teu encontro, caminhando sobre a água”. 29E Jesus respondeu: “Vem!” Pedro desceu da barca e começou a andar sobre a água, em direção a Jesus. 30Mas, quando sentiu o vento, ficou com medo e começando a afundar, gritou: “Senhor, salva-me!” 31Jesus logo estendeu a mão, segurou Pedro, e lhe disse: “Homem fraco na fé, por que duvidaste?” 32Assim que subiram na barca, o vento se acalmou. 33Os que estavam na barca, prostraram-se diante dele, dizendo: “Verdadeiramente, tu és o Filho de Deus!”

34Após a travessia desembarcaram em Genesaré. 35Os habitantes daquele lugar reconheceram Jesus e espalharam a notícia por toda a região. Então levaram a ele todos os doentes; 36e pediam que pudessem, ao menos, tocar a barra de sua veste. E todos os que a tocaram, ficaram curados.

Sobre as Oferendas

Dignai-vos, ó Deus, santificar estas oferendas e, aceitando este sacrifício espiritual, fazei de nós uma oferenda eterna para vós. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

Vós nos destes, Senhor, o pão do céu, que contém todo o sabor e satisfaz todo o paladar. (Sb 16, 20)

Ou:


Eu sou o pão da vida, diz o Senhor. Aquele que vem a mim não terá fome, e aquele que crê em mim não terá sede. (Jo 6, 35)

Depois da Comunhão

Acompanhai, ó Deus, com proteção constante os que renovastes com o pão do céu e, como não cessais de alimentá-los, tornai-os dignos da salvação eterna. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 03/08/2021
Os medos criam fantasmas em nossa vida

“Quando os discípulos o avistaram, andando sobre o mar, ficaram apavorados, e disseram: ‘É um fantasma’. E gritaram de medo. Jesus, porém, logo lhes disse: ‘Coragem! Sou eu. Não tenhais medo!’” (Mateus 14,26-27).

Andamos nas ondas agitadas da vida, andamos no barco da vida e as ondas se agitam, o mar se torna revolto, as situações contrárias e contraditórias vêm ao nosso encontro e, quando olhamos para dentro do nosso coração, a agitação cresce. São tantas coisas guardadas e acumuladas que estão se agitando dentro de nós, estão se agitando dentro da nossa vida.

Então, uma vez que a barca está em alto mar, a barca é agitada pelas ondas e o vento contrário vem ao nosso encontro, e onde está Jesus? Está na calmaria, na sobriedade, na serenidade da alma e do coração, mas Jesus não se importa com aquilo que nós estamos passando, vivendo e enfrentando? É claro que Ele se importa e, por isso, Ele nos ensina como devemos nos comportar em meio a essas situações todas.

Quando os mares da vida se agitam, não podemos deixar que o nosso interior se agite, que o nosso interior seja levado por essas ondas, não podemos cair na mesma onda e é por isso que, antes de subir na barca, Jesus subiu ao monte para orar a sós, para estar na comunhão com o Pai, para estar envolto pela graça do Pai.

Que sejam vencidos todos os fantasmas dos medos que estamos acumulando em nosso coração

Precisamos cuidar de nós, precisamos cuidar do nosso coração e do nosso ser, porque as ondas agitadas deste mundo estão nos assustando, nos amedrontando e por isso o nosso coração está se enchendo de medo, de pavor e estamos criando fantasmas e fantasias. Melhor ainda, os fantasmas e as fantasias estão se tornando corpo em nossa vida, frutos do medo, da falta de fé, da fé ingênua, fruto da falta de cultivo de uma relação autêntica com Deus, falta de uma oração onde nós realmente nos jogamos em Deus.

As coisas se agitam dentro de nós, confundimos até Jesus, como os discípulos confundiram. Ficaram tão apavorados que viram Jesus e acharam que Ele era um fantasma. É Jesus que está nos dizendo no fundo da nossa alma: “Coragem! Sou eu. Não tenhais medo”.

Coragem, meu irmão! Coragem, minha filha! O Senhor está no meio de nós, o Senhor está entre nós e Ele não é um fantasma. Ele é o Filho único e verdadeiro de Deus, verdadeiramente Ele é o Filho de Deus, como eles depois proclamaram.

Proclamemos que Jesus é o Filho de Deus, proclamemos o senhorio d'Ele, nos prostremos na presença de Jesus e que sejam vencidos todos os fantasmas dos medos que estamos acumulando em nosso coração.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco

Santo do dia 03/08/2021

 

 


São Martinho (Memória Facultativa)
Local: Monte Massico, Itália
Data: 03 de Agosto † 580


São Martinho era um nobre romano chamado Marcos (ou Márcio); posteriormente, graças ao papa São Gregório Magno (590-604), que muito o elogiou em seus Sermões pela santidade e pela grandeza da humilde desse seguidor de Cristo, lhe foi dado o nome de Martinho. Provavelmente ele nasceu em torno do ano 500, pois quando São Bento, em 529, se transferiu para Montecassino, encontrou já vivendo ali esse jovem eremita.

Vivia em solidão numa pequena gruta. São Bento o encontrou e chegou a viver por um pouco de tempo nessa gruta junto com São Martinho: apesar de ambos jejuarem e rezarem juntos, não entraram muito de acordo sobre o modo de vida a ser seguido, pois São Bento desejava a vida em comum, enquanto São Martinho não desejava abrir mão da vida solitária. Apesar da discordância, os dois santos ainda mantiveram contatos. Enquanto São Bento seguiu seu caminho, Martinho, para tornar mais dura sua penitência, teria amarrado uma corrente ao seu pé e fixado a outra extremidade a uma pedra: assim preso não podia sair de sua gruta. Viveu recluso dessa maneira por cerca de três anos. Apenas mediante a intercessão de São Bento é que Martinho decidiu se soltar da corrente, dando mostras de grande humildade ao obedecer Bento. Muitas pessoas procuravam por Martinho para pedir orações e bênçãos. Alguns jovens ficavam tão impressionados com seu estilo de vida, que começaram a se retirar em solidão. Desse modo, começou a surgir em torno de Martinho uma pequena comunidade de monges eremitas.

Com o tempo São Martinho tornou-se o abade dessa pequena comunidade. No dia 03 de agosto do ano 580, depois de conduzir uma vidas ascética e se consumir em jejuns e penitências, São Martinho morreu santamente. Seus monges se encarregaram de sepultar o corpo santo na igreja do mosteiro.

Fonte: https://pt.aleteia.org/daily-prayer/quinta-feira-3-de-agosto