Antífona de entrada

Ergamos os nossos olhos para aquele que tem o céu como trono; a multidão dos anjos o adora, cantando a uma só voz: Eis aquele cujo poder é eterno.

Oração do dia

Ó Deus, atendei como pai às preces do vosso povo; dai-nos a compreensão dos nossos deveres e a força de cumpri-los. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura (Hb 2, 14-18)


Leitura da Carta aos Hebreus


14Visto que os filhos têm em comum a carne e o sangue, também Jesus participou da mesma condição, para assim destruir, com a sua morte, aquele que tinha o poder da morte, isto é, o diabo, 15e libertar os que, por medo da morte, estavam a vida toda sujeitos à escravidão. 16Pois, afinal, não veio ocupar-se com os anjos, mas com a descendência de Abraão. 17Por isso devia fazer-se em tudo semelhante aos irmãos, para se tornar um sumo-sacerdote misericordioso e digno de confiança nas coisas referentes a Deus, a fim de expiar os pecados do povo. 18Pois, tendo ele próprio sofrido ao ser tentado, é capaz de socorrer os que agora sofrem a tentação.

Salmo Responsorial (Sl 104)

R. O Senhor se lembra sempre da Aliança.


— Dai graças ao Senhor, gritai seu nome, anunciai entre as nações seus grandes feitos! Cantai, entoai salmos para ele, publicai todas as suas maravilhas! R.

— Gloriai-vos em seu nome que é santo, exulte o coração que busca a Deus! Procurai o Senhor Deus e seu poder, buscai constantemente a sua face! R.

— Descendentes de Abraão, seu servidor, e filhos de Jacó, seu escolhido, ele mesmo, o Senhor, é nosso Deus, vigoram suas leis em toda a terra. R.

— Ele sempre se recorda da Aliança, promulgada a incontáveis gerações; da Aliança que ele fez com Abraão, e do seu santo juramento a Isaac. R.


Aclamação ao Evangelho

R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Minhas ovelhas escutam minha voz, eu as conheço e elas me seguem. (Jo 10, 27) R.

Evangelho (Mc 1, 29-39)

V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Marcos 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo, 29Jesus saiu da sinagoga e foi, com Tiago e João, para a casa de Simão e André. 30A sogra de Simão estava de cama, com febre, e eles logo contaram a Jesus. 31E ele se aproximou, segurou sua mão e ajudou-a a levantar-se. Então, a febre desapareceu; e ela começou a servi-los.

32À tarde, depois do pôr do sol, levaram a Jesus todos os doentes e os possuídos pelo demônio. 33A cidade inteira se reuniu em frente da casa. 34Jesus curou muitas pessoas de diversas doenças e expulsou muitos demônios. E não deixava que os demônios falassem, pois sabiam quem ele era.

35De madrugada, quando ainda estava escuro, Jesus se levantou e foi rezar num lugar deserto. 36Simão e seus companheiros foram à procura de Jesus. 37Quando o encontraram, disseram: “Todos estão te procurando”. 38Jesus respondeu: “Vamos a outros lugares, às aldeias da redondeza! Devo pregar também ali, pois foi para isso que eu vim”. 39E andava por toda a Galileia, pregando em suas sinagogas e expulsando os demônios.

Sobre as Oferendas

Possa agradar-vos, ó Deus, a oferenda do vosso povo; que ela nos obtenha a santificação e o que confiantes vos pedimos. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

De vós, Senhor, brota a vida, na vossa luz veremos a luz. (Sl 35, 10)

Ou:


Eu vim para que tenham a vida e a tenham cada vez mais, diz o Senhor. (Jo 10, 10)

Depois da Comunhão

Deus todo-poderoso, que refazeis as nossas forças pelos vossos sacramentos, nós suplicamos a graça de vos servir por uma vida que vos agrade. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 13/01/2021
Coloquemos nossas enfermidades aos pés de Jesus

“E andava por toda a Galileia, pregando em suas sinagogas e expulsando os demônios” (Marcos 1,39).

A ação de Jesus é anunciar o Reino de Deus, e o Reino de Deus é anunciado pregando e anunciando a Palavra, e a Palavra pregada e anunciada realiza a cura, a libertação, a restauração, e expulsa o poder do mal da nossa vida.

Por isso, eles levavam os doentes, os possuídos pelo mal para estarem aos pés de Jesus. Digo sempre, e preciso repetir com toda a veemência do meu coração: coloquemos nossas enfermidades aos pés de Jesus, coloquemos o nosso coração doente e enfermo aos pés d'Ele; supliquemos a cura, supliquemos que Ele nos abençoe.

Muitas enfermidades crescem em nós porque não conseguimos controlar as nossas emoções. Como vamos lidar com qualquer enfermidade nesta vida – refiro-me às enfermidades físicas que, muitas vezes, não desejamos, mas que vêm de encontro a nós – se não adquirirmos estabilidade emocional, se as nossas emoções não estiverem no poder e na autoridade de Deus?


Estamos enfrentando verdadeiras patologias e enfermidades porque não estamos deixando Jesus tomar conta do nosso coração

Vamos submeter as nossas emoções ao poder de Deus. Não deixemos que nossa vida fique descontrolada nem nos deixemos levar emocionalmente por qualquer irritação, inflamação ou preocupação. Não nos permitamos ser tomados nem dominados pelos sentimentos negativos, porque assim estaremos vencidos por qualquer fragilidade.

Coloquemos aos pés de Jesus aquilo que nos preocupa e inquieta. Coloquemos aos pés de Jesus o mal que age em nós, os nossos maus pensamentos e sentimentos.

Alguém me disse: “Padre, não consigo perdoar tal pessoa, porque não sai da minha cabeça aquilo que ela fez a mim”. Entendo, e uma vez que não sai da nossa cabeça, também não sai do coração; e se uma coisa não sai da cabeça nem do coração, toma conta de todo o corpo, e daqui a pouco vemos o corpo doente e febril.

Entreguemos a Jesus o ressentimento, a mágoa, o rancor, porque se isso virar ódio, vai verter-se para toda a sua alma. Estamos enfrentando verdadeiras patologias e enfermidades porque não estamos deixando Jesus tomar conta do nosso coração. Estamos deixando crescer no meio de nós o rancor, a raiva, as desavenças, as ofensas. E haja coração! Mas ele, muitas vezes, não aguenta, não resiste.

Entreguemos a Jesus as aflições da alma e do coração para que Ele nos cure inteiramente.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco

As consequências do pecado em nós

Três efeitos tem o pecado original em nossa alma, e de todos nos quer curar Cristo por sua graça: a ignorância da inteligência, sanada pela luz da fé; a malícia da vontade, corrigida pelas virtudes morais infusas; e a desordem das paixões, redirecionadas para o bem pelo império da verdadeira caridade. A graça está à nossa disposição. Como mendigos, abramos a mão para os dons sublimes que o Senhor, de seus tesouros, está disposto a nos oferecer. Assista à homilia do Pe. Paulo Ricardo para esta quarta-feira, dia 13 de janeiro, e medite conosco mais uma página do santo Evangelho!




Santo do dia 13/01/2021

Santo Hilário de Poitiers

Um dos santos padres da Igreja de Cristo, ele nasceu no ano de 315, em Poitiers, na França. Buscava a felicidade; mas sua família, pagã, vivia segundo a filosofia hedonista, ligada ao povo grego-romano; ou seja, felicidade como sinônimo de prazeres, com puro bem-estar. Então, aquele jovem dado aos estudos, se perguntava quanto ao fim último do ser humano; não podia acabar tudo ali com a morte; foi perseguindo a verdade.

O Espírito Santo foi agindo até ele conhecer as Sagradas Escrituras. O Antigo Testamento o levou a proclamar o Deus uno, que merece toda a adoração. Passando para o Novo Testamento, Santo Hilário foi evangelizado e, numa busca constante, ele se viu necessitado do santo batismo, entrar para Igreja de Cristo e se fazer membro deste Corpo Místico. Em 345, foi batizado. Não demorou muito já era sacerdote e, depois, ordenado bispo para o povo de Poitiers.

Ele sofria com as heresias do arianismo. Santo Hilário, pela sua pregação e seus escritos, foi chamado “O Atanásio do Ocidente”, porque ele combateu o Arianismo do Oriente. No tempo em que o imperador Constâncio começou a apoiar esta heresia, Santo Hilário não teve medo das autoridades. Se era para o bem do povo, ele anunciava com ousadia até ser exilado, mas não deixou de evangelizar nem mesmo na cadeia. Por conselho, o próprio imperador o assumiu de volta em 360, porque os conselheiros sabiam da grande influência desse santo bispo que não ficava apenas em Poitiers, mas percorria toda a França.

Ele voltou, convocou um Concílio em Paris, participou de tantos outros conselhos no ocidente, mas sempre defendendo essa verdade que é Jesus Cristo, verdadeiro Deus, verdadeiro homem.

Santo Hilário de Poitiers foi se consumindo por essa verdade. Pelos seus escritos que chegam até o tempo de hoje, percebe-se este amor por Jesus Cristo. Não só numa busca pessoal, mas de promover a salvação dos outros. No século IV, ele partiu para a glória.

Santo Hilário de Poitiers, rogai por nós!