Apoiadores do Pocket Terço
Terço com imagens no Youtube
Reze os Mistérios Gloriosos com imagens

Antífona de entrada

Meu coração disse: Senhor, buscarei a vossa face. É vossa face, Senhor, que eu procuro, não desvieis de mim o vosso rosto! (Sl 26, 8-9)

Ou:


Lembrai-vos, Senhor, de vossa misericórdia e de vosso amor, pois são eternos. Nossos inimigos não triunfem sobre nós: libertai-nos, ó Deus, de toda angústia! (Sl 24, 6. 3. 22)
Tibi dixit cor meum, quaesívi vultum tuum, vultum tuum Dómine requíram: ne avértas fáciem tuam a me. Ps. Dóminus illuminátio mea, et salus mea: quem timébo? (Sl. 26, 8. 9 et 1)

Vel:


Reminíscere miseratiónum tuárum, Dómine, et misericórdiae tuae, quae a saéculo sunt: ne unquam dominéntur nobis inimíci nostri: líbera nos Deus Israel ex ómnibus angústiis nostris. Ps. Ad te Dómine levávi ánimam meam: Deus meus in te confído, non erubéscam. (Ps. 24, 6. 3. 22 et 1-2)
Vernáculo:
Meu coração disse: Senhor, buscarei a vossa face. É vossa face, Senhor, que eu procuro, não desvieis de mim o vosso rosto! (Cf. MR: Sl 26, 8-9) Sl. O Senhor é minha luz e salvação; de quem eu terei medo? (Cf. LH: Sl 26, 1a)

Ou:


Lembrai-vos de vossa misericórdia e de vosso amor, pois são eternos. Nossos inimigos não triunfem sobre nós; libertai-nos, ó Deus, de toda angústia! (Cf. MR: Sl 24, 6. 3. 22) Sl. Senhor meu Deus, a vós elevo a minha alma, em vós confio: que eu não seja envergonhado. (Cf. LH: Sl 24, 1-2a)

Oração do dia

Ó Deus, que nos mandastes ouvir o vosso Filho amado, alimentai nosso espírito com a vossa palavra, para que, purificado o olhar de nossa fé, nos alegremos com a visão da vossa glória. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura (Gn 15, 5-12. 17-18)


Leitura do Livro do Gênesis


Naqueles dias, 5o Senhor conduziu Abrão para fora e disse-lhe: “Olha para o céu e conta as estrelas, se fores capaz!” E acrescentou: “Assim será a tua descendência”.

6Abrão teve fé no Senhor, que considerou isso como justiça. 7E lhe disse: “Eu sou o Senhor que te fez sair de Ur dos Caldeus, para te dar em possessão esta terra”.

8Abrão lhe perguntou: “Senhor Deus, como poderei saber que vou possuí-la?” 9E o Senhor lhe disse: “Traze-me uma novilha de três anos, uma cabra de três anos, um carneiro de três anos, além de uma rola e de uma pombinha”. 10Abrão trouxe tudo e dividiu os animais pelo meio, mas não as aves, colocando as respectivas partes uma frente à outra.

11Aves de rapina se precipitaram sobre os cadáveres, mas Abrão as enxotou. 12Quando o sol já se ia pondo, caiu um sono profundo sobre Abrão e ele foi tomado de grande e misterioso terror.

17Quando o sol se pôs e escureceu, apareceu um braseiro fumegante e uma tocha de fogo, que passaram por entre os animais divididos.

18Naquele dia, o Senhor fez aliança com Abrão, dizendo: “Aos teus descendentes darei esta terra, desde o rio do Egito até o grande rio, o Eufrates”.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial  (Sl 26)


℟. O Senhor é minha luz e salvação.


— O Senhor é minha luz e salvação; de quem eu terei medo? O Senhor é a proteção da minha vida; perante quem eu tremerei? ℟.

— Ó Senhor, ouvi a voz do meu apelo, atendei por compaixão! Meu coração fala convosco confiante, é vossa face que eu procuro. ℟.

— Não afasteis em vossa ira o vosso servo, sois vós o meu auxílio! Não me esqueçais nem me deixeis abandonado, meu Deus e Salvador! ℟.

— Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver na terra dos viventes. Espera no Senhor e tem coragem, espera no Senhor! ℟.


https://youtu.be/uR9P4T3uZd0

Segunda Leitura (Fl 3, 17-4, 1)


Leitura da Carta de São Paulo aos Filipenses


Sede meus imitadores, irmãos, e observai os que vivem de acordo com o exemplo que nós damos.

18Já vos disse muitas vezes, e agora o repito, chorando: há muitos por aí que se comportam como inimigos da cruz de Cristo. 19O fim deles é a perdição, o deus deles é o estômago, a glória deles está no que é vergonhoso e só pensam nas coisas terrenas.

20Nós, porém, somos cidadãos do céu. De lá aguardamos o nosso Salvador, o Senhor, Jesus Cristo. 21Ele transformará o nosso corpo humilhado e o tornará semelhante ao seu corpo glorioso, com o poder que tem de sujeitar a si todas as coisas.

4, 1Assim, meus irmãos, a quem quero bem e dos quais sinto saudade, minha alegria, minha coroa, meus amigos, continuai firmes no Senhor.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


℟. Louvor a vós, ó Cristo, rei da eterna glória.
℣. Numa nuvem resplendente fez-se ouvir a voz do Pai: Eis meu Filho muito amado, escutai-o, todos vós! (Cf. Lc 9, 35) ℟.

Evangelho (Lc 9, 28b-36)


℣. O Senhor esteja convosco.

℟. Ele está no meio de nós.


℣. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Lucas 

℟. Glória a vós, Senhor.


Naquele tempo, 28bJesus levou consigo Pedro, João e Tiago, e subiu à montanha para rezar. 29Enquanto rezava, seu rosto mudou de aparência e sua roupa ficou muito branca e brilhante. 30Eis que dois homens estavam conversando com Jesus: eram Moisés e Elias. 31Eles apareceram revestidos de glória e conversavam sobre a morte, que Jesus iria sofrer em Jerusalém.

32Pedro e os companheiros estavam com muito sono. Ao despertarem, viram a glória de Jesus e os dois homens que estavam com ele.

33E, quando estes homens se iam afastando, Pedro disse a Jesus: “Mestre, é bom  estarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. Pedro não sabia o que estava dizendo.

34Ele estava ainda falando, quando apareceu uma nuvem que os cobriu com sua sombra. Os discípulos ficaram com medo ao entrarem dentro da nuvem.

35Da nuvem, porém, saiu uma voz que dizia: “Este é o meu Filho, o Escolhido. Escutai o que ele diz!”

36Enquanto a voz ressoava, Jesus encontrou-se sozinho. Os discípulos ficaram calados e naqueles dias não contaram a ninguém nada do que tinham visto.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Creio

Creio em Deus Pai Todo-Poderoso,
Criador do céu e da terra;
e em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor;
que foi concebido pelo poder do Espírito Santo;
nasceu da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado.
Desceu à mansão dos mortos;
ressuscitou ao terceiro dia;
subiu aos céus, está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e os mortos;
creio no Espírito Santo, na Santa Igreja Católica, na comunhão dos Santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne, na vida eterna.
Amém.

Antífona do Ofertório

Meditábor in mandátis tuis, quae diléxi valde: et levábo manus meas ad mandáta tua, quae diléxi. (Ps. 118, 47. 48)


Vernáculo:
Muito me alegro com os vossos mandamentos, que eu amo, amo tanto, mais que tudo! Elevarei as minhas mãos para louvar-vos e com prazer meditarei vossa vontade. (Cf. LH: Sl 118, 47. 48)

Sobre as Oferendas

Ó Deus, que estas oferendas lavem os nossos pecados e nos santifiquem inteiramente para celebrarmos a Páscoa. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

Este é o meu Filho muito amado, no qual eu pus todo o meu amor: escutai-o! (Mt 17, 5)
Visiónem quam vidístis, némini dixéritis, donec a mórtuis resúrgat Fílius hóminis. (Mt. 17, 9; ℣. Ps. 44, 2ab. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 18ab vel. Ps. 96, 1. 2. 3. 4. 5. 6. 11. 12)
Vernáculo:
Não faleis a ninguém desta visão, até que o Filho do Homem tenha ressuscitado dentre os mortos. (Cf. Bíblia CNBB: Mt 17, 9)

Depois da Comunhão

Nós comungamos, Senhor Deus, no mistério da vossa glória, e nos empenhamos em render-vos graças, porque nos concedeis, ainda na terra, participar das coisas do céu. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 13/03/2022
Nossa meta é a glória do Céu

Neste 2.º Domingo da Quaresma, a Liturgia da Missa nos apresenta o Evangelho da Transfiguração do Senhor. Antes de subir para Jerusalém e ser pregado à Cruz, Jesus quer mostrar aos Seus discípulos qual o sentido da Sua e da nossa jornada, quer ilustrar por que, afinal, devemos passar por tantos sofrimentos nesta vida.

A transfiguração do Senhor, narrada por São Lucas Evangelista neste domingo, precede o início da subida de Jesus a Jerusalém para ser crucificado. Trata-se realmente de uma preparação para a Sua entrega sacrifical, e a conveniência desse episódio é explicada de modo completo por Santo Tomás de Aquino:

"Depois de anunciar aos discípulos a sua paixão, o Senhor os convidou a que o seguissem. Ora, para caminhar retamente, a pessoa deve saber de algum modo para onde vai, assim como o arqueiro, antes de lançar a flecha, deve mirar o alvo. Foi o que disse Tomé: 'Senhor, não sabemos para onde vais; como podemos conhecer o caminho?' (Jo 14, 5). Isso é particularmente necessário quando o caminho é difícil e áspero, a jornada trabalhosa e a meta agradável. Cristo, com a paixão, devia alcançar a glória não só da alma, esta a possuía desde o início de sua concepção, mas também do corpo, como está escrito: 'Era necessário que o Messias sofresse essas coisas e assim entrasse em sua glória' (Lc 24, 26). A essa glória Cristo conduz os que seguem as pegadas de sua paixão, como diz At 14, 21: 'É necessário passar por muitos sofrimentos para entrar no Reino dos céus'. Por isso era conveniente que Cristo mostrasse aos discípulos a glória de sua claridade (e isto é ser transfigurado), à qual há de configurar os que o seguem, como diz Fl 3, 21: 'Transformará o nosso pobre corpo tornando-o semelhante ao seu corpo glorioso'. Comentando o Evangelho de São Marcos, diz Beda: 'Saboreando por alguns instantes, por pia providência, o gozo definitivo, os discípulos haveriam de suportar com mais fortaleza as adversidades'." (S. Th., III, q. 45, a. 1)

Neste tempo da Quaresma, a transfiguração é um lembrete muito importante: lembra que os jejuns e mortificações desses quarenta dias no deserto só têm sentido por causa da glória do Céu. Caso contrário, a religião cristã não passaria de masoquismo e idolatria à dor. Jesus Se transfigura diante de Seus discípulos para mostrar a finalidade da Cruz: o ingresso na vida celeste, primeiro Cristo, como "primogênito entre os mortos" (cf. Cl 1, 18), depois nós, como membros de Seu corpo.

Outra importante consideração do Aquinate é a comparação entre esse episódio da transfiguração com o evento do batismo do Senhor no rio Jordão. Curiosamente, são os únicos momentos da vida de Cristo em que o próprio Pai dá testemunho da filiação do Verbo encarnado. Eis o porquê:

"A adoção de filhos de Deus se dá pela conformidade da imagem com o Filho de Deus por natureza. E isso de dois modos: primeiro, pela graça do caminho, que é uma conformidade imperfeita; segundo, pela glória, que é a conformidade perfeita, como está em 1 Jo 3, 2: 'Desde já somos filhos de Deus, mas nem sequer se manifestou o que seremos. Sabemos que, quando Jesus se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque o veremos tal como ele é'. Portanto, uma vez que pelo batismo alcançamos a graça, e na transfiguração nos foi mostrada a claridade da glória futura, era conveniente manifestar, tanto no batismo, como na transfiguração, a filiação natural de Cristo pelo testemunho do Pai, uma vez que ele é o único que tem consciência perfeita daquele perfeita geração, juntamente com o Filho e o Espírito Santo." (S. Th., III, q. 45, a. 4)

A conexão entre a graça e a glória, entre o nosso nascimento como cristãos e o nosso nascimento para a vida definitiva, é uma constante no ensinamento dos santos e do Magistério. O bem-aventurado John Henry Newman dizia, por exemplo, que "grace is glory in exile and glory is grace at home – a graça é a glória no exílio e a glória é a graça em casa".

Se o fim da vida cristã é a glória celeste, a identidade e missão da Igreja não podem ser outras senão levar os homens a essa comunhão com Deus. A atual crise que assola a sociedade deve-se, em grande parte, ao fato de as pessoas terem perdido a bússola que deve orientar as suas vidas – e à omissão da Igreja em anunciar aos homens o que lhes pode trazer à paz. A religião cristã católica não é uma ONG ou uma "pedagogia espiritualista" para construir um mundo melhor. A finalidade da Igreja não é este mundo, mas o vindouro.

É claro que, no esforço por chegar ao Céu, também as realidades terrenas ganham um novo sabor. Basta pensar no trabalho de tantos santos e santas de Deus que, esquecendo-se de si mesmos e das coisas deste mundo, elevaram a humanidade e transformaram o ambiente à sua volta. Mas isso é apenas a consequência de quem trabalha tendo em vista o sobrenatural. Quem vive pensando tão somente no poder e no prazer terrenais, termina convertendo tudo à sua volta em inferno. Foi o que fizeram os nazifascistas na Europa, e os comunistas, por onde quer que tenham passado.

Resgatemos a nossa identidade, e tenhamos os olhos fixos no Reino dos céus, colocando todo o nosso empenho em fazer a vontade de Deus – mesmo que, para isso, devamos renunciar à nossa. Assim como Cristo "obedeceu até a morte, e morte de cruz" (Fl 2, 8), sigamos também nós o caminho da obediência, crucificando o nosso egoísmo para, um dia, chegarmos também nós ao Tabor da transfiguração.

Deus abençoe você!

Seja um apoiador!
Ajude-nos a manter o Pocket Terço: pocketterco.com.br/ajude

Homilia | A Transfiguração e o Espírito Santo (2.º Domingo da Quaresma)

A Transfiguração tem tudo a ver com a Paixão de Cristo: Moisés e Elias conversavam com Jesus no Tabor justamente sobre o que iria acontecer no Calvário. Mas um protagonista desse episódio é muitas vezes esquecido, e é dela que Padre Paulo Ricardo quer falar na homilia deste domingo: a terceira Pessoa da Santíssima Trindade, sem a qual — diz Santo Tomás — trabalha em vão quem quer que pretenda ensinar a verdade divina.


https://youtu.be/2owOLiYPfbQ

Santo do dia 13/03/2022


Santos Rodrigo, Salomão e Eulógio (Memória Facultativa)
Local: Córdova, Espanha
Data: 13 de Março † 857


Eulógio é o mais importante dos mártires de Córdoba, e Salomão e Rodrigo são mais característicos. Estes três e tantos outros deram o testemunho a Cristo com as virtudes cristãs e depois com o martírio na cidade de Córdoba, importante também pelos nascimentos de Sêneca, Lucano, Averróis, Gôngora e outros. Cidade que os árabes tomaram dos visigodos em 771 e que no século X atingiu o seu apogeu cultural, antes de ser reconquistada por Fernando III de Castela, em 1236.

Os muçulmanos não foram tão intransigentes com os cristãos, limitando-se, às vezes, a impor-lhes não confessarem publicamente a fé. Para os cristãos mais sensíveis isso era uma escravidão. As esporádicas reações eram reprimidas com esporádicas perseguições. Numa dessas foram protagonistas Eulógio, Rodrigo e Salomão.

Quase nada sabemos de Salomão antes da prisão que ele sofreu com Rodrigo e que resultou no martírio em 13 de março de 857. De Rodrigo sabemos que era sacerdote e tinha dois irmãos, um católico e outro muçulmano, que viviam em contínuas brigas. Uma vez Rodrigo foi apartar a briga e acabou apanhando dos dois irmãos. Enquanto estava meio desmaiado da surra, o irmão muçulmano colocou-o num carro e saiu pelas ruas dizendo que Rodrigo havia abraçado a fé islâmica. Depois que sarou, Rodrigo continuou exercitando o ministério. Então os muçulmanos julgaram-no traidor e decidiram acabar com ele.

Também santo Eulógio era padre. Não se conformava com a passividade dos cristãos. Escreveu e falou abertamente contra o Corão. Preso uma primeira vez, foi libertado depois que exortou os companheiros ao martírio. Foi nomeado bispo de Toledo, mas nem chegou à sagração pois também ele foi atendido em seu maior desejo: foi decapitado no dia 11 de março de 859.

Referência:
SGARBOSSA, Mario; GIOVANNI, Luigi. Um santo para cada dia. São Paulo: Paulus, 1983. 397 p. Tradução de: Onofre Ribeiro. Adaptações: Equipe Pocket Terço.

Santos Rodrigo, Salomão e Eulógio, rogai por nós!