Primeira Leitura (At 6,8-15)


Leitura dos Atos dos Apóstolos.


Naqueles dias, 8Estêvão, cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo. 9Mas alguns membros da chamada Sinagoga de Libertos, junto com cirenenses e alexandrinos, e alguns da Cilícia e da Ásia, começaram a discutir com Estêvão.


10Porém, não conseguiam resistir à sabedoria e ao Espírito com que ele falava. 11Então subornaram alguns indivíduos, que disseram: “Ouvimos este homem dizendo blasfêmias contra Moisés e contra Deus”. 12Desse modo, incitaram o povo, os anciãos e os doutores da Lei, que prenderam Estêvão e o conduziram ao Sinédrio.


13Aí apresentaram falsas testemunhas, que diziam: “Este homem não cessa de falar contra este lugar santo e contra a Lei. 14E nós o ouvimos afirmar que Jesus Nazareno ia destruir este lugar e ia mudar os costumes que Moisés nos transmitiu”.


15Todos os que estavam sentados no Sinédrio tinham os olhos fixos sobre Estêvão, e viram seu rosto como o rosto de um anjo.


Responsório (Sl 118,23-30)


— Feliz é quem na lei do Senhor Deus vai progredindo.


— Feliz é quem na lei do Senhor Deus vai progredindo.


— Que os poderosos reunidos me condenem; o que me importa é o vosso julgamento! Minha alegria é a vossa Aliança, meus conselheiros são os vossos mandamentos.


— Eu vos narrei a minha sorte e me atendestes, ensinai-me, ó Senhor, vossa vontade! Fazei-me conhecer vossos caminhos, e então meditarei vossos prodígios!


— Afastai-me do caminho da mentira e dai-me a vossa lei como um presente! Escolhi seguir a trilha da verdade, diante de mim eu coloquei vossos preceitos.


Evangelho (Jo 6,22-29)


— O Senhor esteja convosco.


— Ele está no meio de nós.


— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.


— Glória a vós, Senhor.


Depois que Jesus saciara os cinco mil homens, seus discípulos o viram andando sobre o mar. 22No dia seguinte, a multidão que tinha ficado do outro lado do mar constatou que havia só uma barca e que Jesus não tinha subido para ela com os discípulos, mas que eles tinham partido sozinhos.


23Entretanto, tinham chegado outras barcas de Tiberíades, perto do lugar onde tinham comido o pão depois de o Senhor ter dado graças. 24Quando a multidão viu que Jesus não estava ali, nem os seus discípulos, subiram às barcas e foram à procura de Jesus, em Cafarnaum.


25Quando o encontraram no outro lado do mar, perguntaram-lhe: “Rabi, quando chegaste aqui?” 26Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade, eu vos digo: estais me procurando não porque vistes sinais, mas porque comestes pão e ficastes satisfeitos. 27Esforçai-vos não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna, e que o Filho do homem vos dará. Pois este é quem o Pai marcou com seu selo”. 28Então perguntaram: “Que devemos fazer para realizar as obras de Deus?” 29Jesus respondeu: “A obra de Deus é que acrediteis naquele que ele enviou”.


Homilia: A Eucaristia é o alimento para a vida eterna

Devemos buscar este alimento que é a Eucaristia 

“Esforçai-vos não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna, e que o Filho do homem vós dará. Pois este é quem o Pai marcou com o seu selo” (Jo 6, 22-29).

Todo esforço e trabalho humano é para ter o pão de cada dia; o esforço do pai que trabalha para colocar o pão na mesa dos filhos; e o da mãe que dá o melhor de si para que a sua casa seja sustentada. Ninguém é digno de passar fome, e de não ter o alimento cotidiano para poder saciar-se e sustentar-se nessa vida.

Mas, o nosso esforço, trabalho e dedicação não podem ser apenas para adquirir o alimento aqui. Têm duas coisas: primeiro, o excesso de alimento nos deixa doentes: comer demais, a gula e tudo aquilo que nós já sabemos que são consequências para a nossa saúde. A vida humana, muitas vezes, está durando menos porque nos alimentamos mal ou em excesso. E, segundo, cuidar  (...),  mas não somente do alimento que vai perecer (fisicamente falando), e sim, do alimento que nos sustenta para a eternidade e nos faz ter comunhão com ela, o alimento que permite a eternidade entre nós.

Trabalhemos, esforcemos, e nos dediquemos para alimentarmos d’Aquele que é o Pão da Vida, porque nós, muitas vezes, comemos o Pão da Vida ou desta vida, ou seja, as carnes, as comidas, e assim, ficamos apenas saciados humanamente e não saciados pelo Espírito Santo.

Deixemos ser alimentados pelo Senhor e nos alimentemos do Senhor, mas aqui é preciso um esforço para conseguir o "Pão" de cada dia. É um trabalho suado, esforço e dedicação, para que não deixemos de buscar, de ir atrás, de ter sede e fome de buscar o Pão do Céu.

Não basta receber a Eucaristia, muitas vezes recebemos a Eucaristia enquanto Sacramento, mas não nos esforçamos para termos comunhão com Deus.

Eucaristia não é um alimento mágico; ela é um alimento que entra em nós; é a graça de Deus que vem a nós. Mas, se não nos esforçamos para gerar comunhão, a Eucaristia que deveria e deve ser a graça para nós, pode até ser desgraça na nossa vida.

Há pessoas que não podem se aproximar da Eucaristia por motivos diversos, mas se esforçam para viver uma vida de comunhão com Deus, então, Ele faz comunhão com elas e as deixam iluminadas e transformadas pela Sua presença.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
fb.com/rogeraraujo.cn

Santo do Dia:

São Benedito José Labre, enriqueceu a Igreja com sua pobreza

O santo de hoje enriqueceu a Igreja com sua pobreza. Nasceu na França, em 1748. Despertado muito cedo pela graça divina a uma entrega total, Benedito quis ser monge. Bateu em vários mosteiros, mas devido sua frágil saúde, não foi aceito.

Os ‘nãos’ recebidos o fizeram descobrir um modo específico de viver a vocação à santidade. Tornou-se então um peregrino, um mendigo de Deus. Foi muito humilhado, mas foi peregrinando pelos santuários da Europa, oferecendo tudo pela conversão dos pecadores.

Benedito viveu da Divina Providência. Com 35 anos, consumido pela vida de oração e meditação, entrou na glória de Deus.

São Benedito José Labre, rogai por nós!