Primeira Leitura (Zc 2,14-17)


Leitura do Profeta Zacarias.


14“Rejubila, alegra-te, cidade de Sião, eis que venho para habitar no meio de ti, diz o Senhor. 15Muitas nações se aproximarão do Senhor, naquele dia, e serão o seu povo. Habitarei no meio de ti, e saberás que o Senhor dos exércitos me enviou a ti.


16O Senhor entrará em posse de Judá, como sua porção na terra santa, e escolherá de novo Jerusalém. 17Emudeça todo mortal diante do Senhor, ele acaba de levantar-se de sua santa habitação”.


Responsório (Lc 1,46-55)


— O Poderoso fez por mim maravilhas, e Santo é o seu nome.


— O Poderoso fez por mim maravilhas, e Santo é o seu nome.


— A minh’alma engrandece ao Senhor, e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador.


— Pois, ele viu a pequenez de sua serva, desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita. O Poderoso fez por mim maravilhas e santo é o seu nome!


— Seu amor, de geração em geração, chega a todos os que o respeitam. Demonstrou o poder de seu braço, dispersou os orgulhosos.


— Derrubou os poderosos de seus tronos e os humildes exaltou. De bens saciou os famintos e despediu, sem nada, os ricos.


— Acolheu Israel, seu servidor, fiel ao seu amor, como havia prometido aos nossos pais, em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.


Evangelho (Mt 12,46-50)


— O Senhor esteja convosco.


— Ele está no meio de nós.


— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.


— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo, 46enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele. 47Alguém disse a Jesus: “Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo”.


48Jesus perguntou àquele que tinha falado: “Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?” 49E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: “Eis minha mãe e meus irmãos. 50Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.


Homilia: Encontramos em Maria o referencial de entrega a Deus

Olhamos para Maria e encontremos nela o referencial da vontade que se desdobra para encontrar em Deus uma vontade realizada

“Eis minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe” (Mateus 12,49-50).

Celebrando, hoje, a memória festiva de Nossa Senhora do Carmo, o Evangelho propício para nós nos coloca Jesus merecendo Sua Mãe e aqueles que fazem a vontade do Pai.

Alguns, talvez, olhem para esse Evangelho e digam: “Jesus está desmerecendo Sua Mãe. Ele não deu atenção para ela". Pelo contrário, o merecimento da Mãe de Jesus não está no fato de ela ter gerado Jesus, é uma graça sublime e única, pois ela poderia ter gerado como muitas mães geram seus filhos e depois dizem: “Eu não quero saber. Quero viver minha vida”. Maria não só gerou fisicamente, mas se tornou inteiramente o lugar da morada de Deus.

Maria é para nós um sinal no mundo em que vivemos, onde precisamos fazer uma oblação na nossa vontade, porque estamos cheios de vontade própria, vivemos em função de nossas vontades, fazemos o que queremos e somente isso nos realiza, por isso somos pessoas tão pouco realizadas e felizes naquilo que projetamos para a nossa vida.

Projetamos a nossa vida em prol das nossas vontades próprias. Nossas crianças estão formadas para serem cheias de vontades. A juventude é o tempo da ganância, da vontade.

Olhemos, hoje, para Maria, e encontremos nela o referencial da oblação, da vontade que se desdobra e, muitas vezes, quebra-se para encontrar em Deus uma vontade realizada, uma vontade que tem gosto pelas coisas de Deus, gosto pelo que é do Céu, em fazer o bem ao próximo.

Quando somos cheios de má vontade ou a nossa vontade se torna má, perdemos o gosto pelas coisas de Deus, perdemos o gosto pelo bem, porque somos cercados pelo nosso orgulho e egoísmo.

Permitamos que Deus faça em nós o que fez em Maria: “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a sua vontade” (Lucas 1,38). Que a nossa vontade se preencha da vontade de Deus.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
fb.com/rogeraraujo.cn

Santo do Dia:

Nossa Senhora do Carmo

Ao olharmos para a história da Igreja encontramos uma linda página marcada pelos homens de Deus, mas também pela dor, fervor e amor à Virgem Mãe de Deus: é a história da Ordem dos Carmelitas, da qual testemunha o cardeal Piazza: “O Carmo existe para Maria e Maria é tudo para o Carmelo, na sua origem e na sua história, na sua vida de lutas e de triunfos, na sua vida interior e espiritual”.

Carmelo (em hebraico, “carmo” significa vinha; e “elo” significa senhor; portanto, “Vinha do Senhor”): este nome nos aponta para a famosa montanha que fica na Palestina, donde o profeta Elias e o sucessor Elizeu fizeram história com Deus e com Nossa Senhora, que foi prefigurada pelo primeiro numa pequena nuvem (cf. I Rs 18,20-45).

Estes profetas foram “participantes” da Obra Carmelita, que só vingou devido à intervenção de Maria, pois a parte dos monges do Carmelo que sobreviveram (século XII) da perseguição dos muçulmanos, chegaram fugidos na Europa e elegeram São Simão Stock como seu superior geral; este, por sua vez, estava no dia 16 de julho intercedendo com o Terço, quando Nossa Senhora apareceu com um escapulário na mão e disse-lhe: “Recebe, meu filho, este escapulário da tua Ordem, que será o penhor do privilégio que eu alcancei para ti e para todos os filhos do Carmo. Todo o que morrer com este escapulário será preservado do fogo eterno”.

Vários Papas promoveram o uso do escapulário e Pio XII chegou a escrever: “Devemos colocar em primeiro lugar a devoção do escapulário de Nossa Senhora do Carmo – e ainda – escapulário não é ‘carta-branca’ para pecar; é uma ‘lembrança’ para viver de maneira cristã, e assim, alcançar a graça duma boa morte”.

Neste dia de Nossa Senhora do Carmo, não há como não falar da história dos Carmelitas e do escapulário, pois onde estão os filhos aí está a amorosa Mãe.

Nossa Senhora do Carmo, rogai por nós!