Primeira Leitura (At 2,14.22-32)


Leitura dos Atos dos Apóstolos.

No dia de Pentecostes, 14Pedro de pé, junto com os onze apóstolos, levantou a voz e falou à multidão:

22“Homens de Israel, escutai estas palavras: Jesus de Nazaré foi um homem aprovado por Deus, junto de vós, pelos milagres, prodígios e sinais que Deus realizou, por meio dele, entre vós. Tudo isto vós bem o sabeis. 23Deus, em seu desígnio e previsão, determinou que Jesus fosse entregue pelas mãos dos ímpios, e vós o matastes, pregando-o numa cruz. 24Mas Deus ressuscitou a Jesus, libertando-o das angústias da morte, porque não era possível que ela o dominasse.

25Pois Davi dele diz: ‘Eu via sempre o Senhor diante de mim, pois está à minha direita para eu não vacilar. 26Alegrou-se por isso meu coração e exultou minha língua e até minha carne repousará na esperança. 27Porque não deixarás minha alma na região dos mortos nem permitirás que teu Santo experimente corrupção. 28Deste-me a conhecer os caminhos da vida e a tua presença me encherá de alegria’.

29Irmãos, seja-me permitido dizer com franqueza que o patriarca Davi morreu e foi sepultado e seu sepulcro está entre nós até hoje. 30Mas, sendo profeta, sabia que Deus lhe jurara solenemente que um de seus descendentes ocuparia o trono. 31É, portanto, a ressurreição de Cristo que previu e anunciou com as palavras: ‘Ele não foi abandonado na região dos mortos e sua carne não conheceu a corrupção’. 32Com efeito, Deus ressuscitou este mesmo Jesus e disto todos nós somos testemunhas”.


Responsório (Sl 15)


— Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio!

— Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio!

— Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio! Digo ao Senhor: “Somente vós sois meu Senhor. Ó Senhor, sois minha herança e minha taça, meu destino está seguro em vossas mãos!

— Eu bendigo o Senhor, que me aconselha, e até de noite me adverte o coração. Tenho sempre o Senhor ante meus olhos, pois se o tenho a meu lado não vacilo.

— Eis por que meu coração está em festa, minha alma rejubila de alegria, e até meu corpo no repouso está tranquilo; pois não haveis de me deixar entregue à morte, nem vosso amigo conhecer a corrupção.

— Vós me ensinais vosso caminho para a vida; junto a vós, felicidade sem limites, delícia eterna e alegria ao vosso lado!


Evangelho (Mt 28,8-15)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 8as mulheres partiram depressa do sepulcro. Estavam com medo, mas correram com grande alegria, para dar a notícia aos discípulos. 9De repente, Jesus foi ao encontro delas, e disse: “Alegrai-vos!” As mulheres aproximaram-se, e prostraram-se diante de Jesus, abraçando seus pés.

10Então Jesus disse a elas: “Não tenhais medo. Ide anunciar a meus irmãos que se dirijam para a Galileia. Lá eles me verão”. 11Quando as mulheres partiram, alguns guardas do túmulo foram à cidade, e comunicaram aos sumos sacerdotes tudo o que havia acontecido. 12Os sumos sacerdotes reuniram-se com os anciãos, e deram uma grande soma de dinheiro aos soldados, 13dizendo-lhes: “Dizei que os discípulos dele foram durante a noite e roubaram o corpo, enquanto vós dormíeis. 14Se o governador ficar sabendo disso, nós o convenceremos. Não vos preocupeis”.

15Os soldados pegaram o dinheiro, e agiram de acordo com as instruções recebidas. E assim, o boato espalhou-se entre os judeus, até o dia de hoje.


Homilia: A presença do Ressuscitado cura os nosso medos

“Então, Jesus disse a elas: ‘Não tenhais medo. Ide anunciar a meus irmãos que se dirijam para a Galileia. Lá eles me verão’” (Mateus 28,10).

As mulheres foram as companheiras de Jesus durante a vida e a morte, e elas são as primeiras que podem proclamar para o mundo que Jesus está vivo. No primeiro momento, o Senhor nos diz: “Não tenhais medo”, porque o medo invade o nosso coração diante das incertezas, diante dos impactos e das coisas negativas pelas quais passamos. O sentimento de medo toma conta do nosso coração.

Quando não desenterramos o medo de dentro de nós, ele vai nos aniquilando, tirando a nossa alegria de viver. O medo vai nos matando aos poucos. Por isso, o Ressuscitado está vivo para vencer o medo que carregamos dentro de nós.

Muitos de nós temos medo de viver, de morrer, temos medo de ficar doentes, de passar por dificuldades ou tribulações, mas aquele que está com o Senhor vivo e ressuscitado pode passar por todas as dificuldades da vida, mas por todas elas ele sobrevive, porque tem olhos fixos em Jesus.

Entregue ao Ressuscitado seus medos, seus temores, seus receios e tudo aquilo que tem aniquilado e tirado o seu sabor de viver, porque Jesus veio e trouxe a Boa Nova. Tiraram a vida do Senhor, mas Ele vive para sempre, Ele está no meio de nós.

Quando temos a experiência do Ressuscitado em nós e permitimos que Ele vença os medos da nossa vida, experimentamos a alegria que só vem d’Ele, a alegria de experimentá-Lo, que está presente em nossa vida.

Podemos ter muitos motivos para estar tristes, porque você passa por essas dificuldades, por essas aflições, mas a presença do Ressuscitado cura as nossas tristezas, a presença d’Ele ressurge em nossa vida, tira-nos da sombra da morte, tira-nos de tudo aquilo que, de fato, tem tirado o nosso sabor de viver.

Ide anunciar para o mundo, para as pessoas, ide anunciar com quem trabalha, com quem convive, com quem mora com você que não podemos ser vencidos pelo medo, pela tristeza nem pela morte, porque o Senhor vive e está no meio de nós, e Ele veio trazer ao nosso coração a alegria de viver.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
fb.com/rogeraraujo.cn

Santo do Dia:

Santa Maria Egipcíaca, se comprometeu a um caminho de conversão

Nasceu no Egito no século V, e com apenas 12 anos tomou a decisão de sair de casa, em busca dos prazeres da vida. Providencialmente, conheceu um grupo de cristãos peregrinos que ia para o Santo Sepulcro, e os acompanhou, apenas movida pelo interesse no passeio.

Por três vezes quis entrar na Igreja, mas não conseguiu. E uma voz interior lhe fez perceber o quanto ela era escrava do pecado. Ela recorreu a Virgem Maria, representada numa imagem que ali estava, e em oração se comprometeu a um caminho de conversão. Ingressou na Igreja e saiu de seu sepulcro.

Com a graça do Senhor ela pôde se arrepender e se propor a um caminho de purificação.

Ela foi levada ao deserto de Judá, onde ficou por quarenta anos, e nas tentações recorria sempre a Virgem Maria. Perto de seu falecimento, padre Zózimo foi passar seus últimos dias também nesse deserto e a conheceu, levou-lhe a comunhão e ela faleceu numa sexta-feira. O padre ao encontrar seu corpo, enterrou-a como a santa havia pedido em um recado.

Santa Maria Egipcíaca, rogai por nós!