Primeira Leitura (Mq 5,1-4a)


Leitura da Profecia de Miquéias.


Assim diz o Senhor: 1Tu, Belém de Éfrata, pequenina entre os mil povoados de Judá, de ti há de sair aquele que dominará em Israel; sua origem vem de tempos remotos, desde os dias da eternidade.


2Deus deixará seu povo ao abandono, até o tempo em que uma mãe der à luz; e o resto de seus irmãos se voltará para os filhos de Israel.


3Ele não recuará, apascentará com a força do Senhor e com a majestade do nome do Senhor seu Deus; os homens viverão em paz, pois ele agora estenderá o poder até os confins da terra, 4ae ele mesmo será a Paz.


Responsório (Sl 79)


— Iluminai a vossa face sobre nós, convertei-nos para que sejamos salvos!


— Iluminai a vossa face sobre nós, convertei-nos para que sejamos salvos!


— Ó Pastor de Israel, prestai ouvidos./ Vós que sobre os querubins vos assentais,/ aparecei cheio de glória e esplendor!/ Despertai vosso poder, ó nosso Deus/ e vinde logo nos trazer a salvação!


— Voltai-vos para nós, Deus do universo!/ Olhai dos altos céus e observai./ Visitai a vossa vinha e protegei-a!/ Foi a vossa mão direita que a plantou;/ protegei-a e ao rebento que firmastes!


— Pousai a mão por sobre o vosso Protegido,/ o filho do homem que escolhestes para vós!/ E nunca mais vos deixaremos, Senhor Deus!/ Dai-nos vida e louvaremos vosso nome!


Segunda Leitura (Hb 10,5-10)


Leitura da Carta aos Hebreus:


Irmãos: 5Ao entrar no mundo, Cristo afirma: “Tu não quiseste vítima nem oferenda, mas formaste-me um corpo. 6Não foram do teu agrado holocaustos nem sacrifícios pelo pecado. 7Por isso eu disse: ‘Eis que eu venho. No livro está escrito a meu respeito: Eu vim, ó Deus, para fazer a tua vontade’”. 8Depois de dizer: “Tu não quiseste nem te agradaram vítimas, oferendas, holocaustos, sacrifícios pelo pecado” – coisas oferecidas segundo a Lei – 9ele acrescenta: “Eu vim para fazer a tua vontade”. Com isso, suprime o primeiro sacrifício, para estabelecer o segundo. 10É graças a esta vontade que somos santificados pela oferenda do corpo de Jesus Cristo, realizada uma vez por todas.


Anúncio do Evangelho (Lc 1,39-45)


— O Senhor esteja convosco.


— Ele está no meio de nós.


— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.


— Glória a vós, Senhor.


39Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia. 40Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. 41Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo.


42Com um grande grito, exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! 43Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? 44Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. 45Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”.


Homilia: Maria nos traz o verdadeiro presente que nossa casa está precisando

Bendito é Aquele que nasce de Maria, Aquele que vem por meio dela ao nosso encontro

Com um grande grito, exclamou: ‘Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar?’” (Lucas 1,42-43).

Maria foi ao encontro de Isabel para socorrer, para se fazer presente, para ser solícita à sua parenta que estava grávida. Maria, também grávida, era portadora da graça de Deus. Por isso, quando Isabel a avistou, exclamou: “Bendita es tu Maria! Bendito é o fruto que o seu ventre está gerando!”.

Hoje, queremos exclamar quão bendita é a Virgem Maria, porque o que nela se realizou é a bênção que salva toda a humanidade. O bendito fruto que dela nasce é o nosso Salvador, o nosso Deus que veio nos visitar, nos socorrer e estar no meio de nós.

Quando Isabel exclama que Maria é bendita, é porque reconhece que ela é o terreno abençoado, é o solo sagrado, a nova Israel, o novo paraíso, o lugar da morada de Deus no meio de nós.

No paraíso, Adão reconhecia os passos de Deus; agora, os passos do Senhor, no meio de nós, acontecem num solo sagrado, o solo da Bem-aventurada sempre Virgem Maria, o lugar da presença de Deus, o Oásis de onde emana a salvação para toda a Terra, por isso ela é bendita.

Bendito é Aquele que nasce de Maria, Aquele que vem por meio dela ao nosso encontro. Diz Isabel: “Quem sou para ter a honra de receber a Mãe do meu Salvador, a mãe do meu Senhor?”.

Quem somos nós para termos a honra da visita, da presença da Mãe do Salvador no meio de nós? Como podemos celebrar o Natal de Cristo, o nascimento de Jesus sem a presença da Virgem Maria em nossa casa e em nosso coração?

Eu fico olhando para nossa casa, para as lojas com imagens enormes de Papai Noel, de figuras exóticas, mas nenhuma dessas figuras nos salvam nem nos trazem o Salvador. Elas nos trazem presentes, mas são presentes materiais, que não nos salvam, que nos tornam consumistas e materialistas.

Precisamos ter, em nossa casa, a presença da Mãe do Salvador, porque ela nos traz o verdadeiro presente, ela nos traz a verdadeira graça, ela nos traz o Salvador que nossa casa e família precisam.

Não tiremos da nossa vida, jamais, a Virgem Mãe de Deus. Pelo contrário, estejamos muito mais próximos dela, com muito mais amor, pois ela é bendita e nos traz o bendito Salvador para abençoar nossa casa, nossa família e nosso lar.

Deixemos que a Virgem Maria traga o verdadeiro presente que nossa casa e família estão precisando.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
fb.com/rogeraraujo.cn

Santo do Dia:

São João Câncio

João nasceu em Kety, na diocese de Cracóvia, Polônia, em 1390; estudou na Cracóvia e foi ordenado sacerdote. Durante muitos anos foi professor da Universidade de Cracóvia; depois foi pároco de Ilkus. À fé que ensinava uniu grandes virtudes, sobretudo a piedade e a caridade para com o próximo, tornando-se um modelo insigne para seus colegas e discípulos.

Enquanto nas regiões vizinhas pululavam as heresias e os cismas, o bem-aventurado João ensinava na Universidade de Cracóvia a doutrina haurida da mais pura fonte, e explicava ao povo com muito empenho, em seus sermões, o caminho da santidade, confirmando a pregação com o exemplo da sua humildade, castidade, misericórdia, penitência e todas as outras virtudes próprias de um santo sacerdote e de um zeloso ministro do Senhor. Ao longo do dia, uma vez cumprido o seu dever de ensinar, dirigia-se diretamente à igreja, onde durante muito tempo se entregava à oração e à contemplação diante de Cristo na Eucaristia.

Tanto nas pequenas como nas grandes adversidades, João teve sempre em mente algo de bem superior ao prestígio, à carreira e ao bem-estar materiais: “Mais para o alto!” repetia sempre. Em todas as circunstâncias, só tinha Deus no seu coração, só tinha Deus na sua boca.

Morreu em Cracóvia, com a idade de oitenta e três anos, no ano de 1473.

São João Câncio, rogai por nós!