Apoiadores do Pocket Terço
Terço com imagens no Youtube
Reze os Mistérios Luminosos com imagens

Memória Facultativa

Santa Catarina de Alexandria, Virgem Mártir

Antífona de entrada

O Senhor fala de paz a seu povo e a seus amigos e a todos o que se voltam para ele. (Sl 84, 9)

Oração do dia

Levantai, ó Deus, o ânimo dos vossos filhos e filhas, para que, aproveitando melhor as vossas graças, obtenham de vossa paternal bondade mais poderosos auxílio. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura (Dn 6, 12-28)


Leitura da Profecia de Daniel


Naqueles dias, 12aproximaram-se os chefes do reino e encontraram Daniel orando e fazendo preces a seu Deus. 13Foram ter com o rei e falaram a propósito do decreto: “Ó rei, acaso não assinaste um decreto segundo o qual toda pessoa que, nos próximos trinta dias, dissesse oração a qualquer divindade ou homem que não sejas tu, ó rei, seria atirada na cova dos leões?” O rei respondeu: “O que dizeis é verdade, como manda a lei dos medos e persas, e que não se pode violar”.

14Então eles disseram perante o rei: “Daniel, um dos cativos de Judá, não fez caso de ti, ó rei, nem do decreto que assinaste, mas três vezes por dia ele faz suas preces e orações”. 15Ao ouvir isto, o rei ficou muito desapontado e tomou a resolução de salvar Daniel, empenhando-se em libertá-lo antes do pôr-do-sol. 16Mas aqueles homens instaram com o rei e disseram: “Não te esqueças, ó rei, de que é lei dos medos e persas que não se pode mudar nenhum decreto que o rei tenha promulgado”.

17Então o rei deu ordem para buscar Daniel e lançá-lo na cova dos leões. E disse a ele: “O teu Deus, a quem prestas culto com perseverança, haverá de salvar-te”. 18Trouxeram uma pedra e colocaram-na sobre a boca da cova, que o rei marcou com seu anel e os dos grandes da corte, para que nada se tentasse contra Daniel. 19O rei retirou-se para o palácio e foi dormir sem cear, e não quis que lhe trouxessem comida; além disso, não conseguiu conciliar o sono. 20Ao raiar do dia, levantou-se o rei e foi apressadamente à cova dos leões; 21aproximando-se da cova, chamou por Daniel com voz aflita, e disse: “Daniel, servo do Deus vivo, teu Deus, a quem prestas culto com perseverança, pôde salvar-te dos leões?” 22E Daniel respondeu ao rei: “Ó rei, vive para sempre! 23O meu Deus enviou seu anjo e fechou a boca dos leões; os leões não me fizeram mal, porque, na presença dele foi provada a minha inocência; tampouco pratiquei qualquer crime contra ti, ó rei”. 24Com isso, alegrou-se grandemente o rei; e mandou tirar Daniel da cova; quando o retiraram, nenhuma lesão mostrava ele, porque acreditara em seu Deus.

25O rei mandou vir os homens que acusaram Daniel e os fez lançar na cova dos leões, juntamente com seus filhos e suas mulheres; estes não tinham chegado ao fundo da cova, e já os leões caíam sobre eles, esmagando-lhes os ossos. 26Então o rei Dario escreveu a todos os povos, nações e línguas que habitavam a terra: “Que vossa paz se multiplique. 27Está decretado por mim que, em todo o território do meu império, todos respeitem e temam o Deus de Daniel: ele é o Deus vivo que permanece para sempre, seu reino não será destruído e seu poder durará eternamente; 28ele é o libertador e salvador, que opera sinais e maravilhas no céu e na terra. Foi ele quem salvou Daniel das garras dos leões!”

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Dn 3, 68s)


℟. Louvai-o e exaltai-o, pelos séculos sem fim!


— Orvalhos e garoas, bendizei o Senhor! Geada e frio, bendizei o Senhor! Gelos e neves, bendizei o Senhor! ℟.

— Noites e dias, bendizei o Senhor! Luzes e trevas, bendizei o Senhor! ℟.

— Raios e nuvens, bendizei o Senhor! Ilhas e terra, bendizei o Senhor! ℟.


https://youtu.be/T2iiWFUgiNU
℟. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
℣. Levantai vossa cabeça e olhai, pois a vossa redenção se aproxima! (Lc 21, 28) ℟.

Evangelho (Lc 21, 20-28)


℣. O Senhor esteja convosco.

℟. Ele está no meio de nós.


℣. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Lucas 

℟. Glória a vós, Senhor.


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 20“Quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, ficai sabendo que a sua destruição está próxima. 21Então, os que estiverem na Judeia, devem fugir para as montanhas; os que estiverem no meio da cidade, devem afastar-se; os que estiverem no campo, não entrem na cidade. 22Pois esses dias são de vingança, para que se cumpra tudo o que dizem as Escrituras.

23Infelizes das mulheres grávidas e daquelas que estiverem amamentando naqueles dias, pois haverá uma grande calamidade na terra e ira contra este povo. 24Serão mortos pela espada e levados presos para todas as nações, e Jerusalém será pisada pelos infiéis, até que o tempo dos pagãos se complete. 25Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra, as nações ficarão angustiadas, com pavor do barulho do mar e das ondas. 26Os homens vão desmaiar de medo, só em pensar no que vai acontecer ao mundo, porque as forças do céu serão abaladas. 27Então eles verão o Filho do Homem, vindo numa nuvem com grande poder e glória. 28Quando estas coisas começarem a acontecer, levantai-vos e erguei a cabeça, porque a vossa libertação está próxima”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Sobre as Oferendas

Acolhei, ó Deus, estes dons que nos mandastes consagrar em vossa honra e, para que eles nos tornem agradáveis aos vossos olhos, dai-nos guardar sempre os vossos mandamentos. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

Cantai louvores ao Senhor, todas as gentes; povo todos, festejai-o! Pois comprovado é seu amor para conosco, para sempre ele é fiel! (Sl 116, 1-2)

Ou:


Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos, diz o Senhor (Mt 28, 20)

Depois da Comunhão

Fazei, ó Deus todo-poderoso, que nunca nos separemos de vós, pois nos concedeis a alegria de participar da vossa vida. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 25/11/2021
Estejamos atentos, pois a nossa libertação está próxima

“Quando estas coisas começarem a acontecer, levantai-vos e erguei a cabeça, porque a vossa libertação está próxima” (Lucas 21,28).

Quando nos aproximamos do tempo do Advento e dos últimos dias do Ano Litúrgico, a Liturgia nos remete aos acontecimentos finais da vida humana, para que tomemos consciência e ciência dos fatos que as coisas acontecem e acontecerão, vivendo em um mundo cercado de contrariedades, de tragédias, de situações que, muitas vezes, nos assustam. Mas não podemos nos entregar à temeridade, não podemos nos entregar, achar que tudo é desastroso, e muito menos pregar os desastres.

Precisamos estar de cabeça erguida, porque é nossa libertação que se aproxima

Pelo contrário, estamos vendo tantas coisas acontecerem! E quando Jesus fala desses acontecimentos trágicos, que sobretudo vieram a Jerusalém na década de 70, quando a cidade foi tomada, sitiada, destruída e nada ficou de pé, a narrativa continua nos mostrando que, ao longo da história, coisas parecidas continuarão a acontecer e estão acontecendo. Mas haverá inclusive sinais no sol, na lua, nas estrelas. E isso não é para nos amedrontar, para nos assustar, preocupar ou aterrorizar, é para mantermos os olhos fixos em Jesus, é para permanecermos firmes na fé, é para permanecermos na serenidade, e não na temeridade, é para permanecermos na sobriedade; não agitados, temerosos, semeando o terror na vida dos outros.

Sei que há pessoas que gostam de falar e pregar a cultura do terror, do pânico e do pavor, mas não é para vivermos iludidos. Sei em quem coloquei a minha confiança, sei em quem depositei a minha fé, sei que esses sinais de coisas trágicas aconteceram, acontecem e acontecerão, mas sei que Deus tem todas as coisas em Suas mãos, e que, no fim de tudo, quando o fim de tudo chegar – e o fim será o fim –, o último capítulo da história da humanidade pertence a Deus, como também o primeiro capítulo. Mesmo nos capítulos mais desastrosos, quando os homens colocaram ou tentaram colocar Deus para fora, Ele se faz presente abençoando, cuidando e conduzindo os Seus, Ele está nos conduzindo em meio a todas as tragédias e desastres do mundo em que vivemos para o Reino que Ele preparou para os Seus.

Quando você achar que o mundo não tem mais jeito, não se preocupe, porque o Filho do Homem virá em Sua glória entre as nuvens, e aí é preciso estar de cabeça erguida, porque é nossa libertação que se aproxima. A nossa libertação está mais próxima quando nós ficamos próximos de Deus, mesmo quando as coisas temerosas acontecem.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador!
Ajude-nos a manter o Pocket Terço: apoia.se/pocketterco

Homilia Diária | A ruína de Jerusalém (Quinta-feira da 34.ª Semana do Tempo Comum)

Em apenas dois versículos, Jesus nos acorda para um medo que muitos não querem enfrentar e nos revela a alegria que, no fundo, ele nos deveria trazer. A figura deste mundo passa e, com ele, passará nossa vida, passarão nossos familiares, amigos e projetos; mas devemos manter erguida a cabeça, porque sabemos por fé que, quando tudo passar, entraremos na posse do Único que não passará jamais, Jesus Cristo, o mesmo ontem, hoje e sempre. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta quinta-feira, 25 de novembro, e medite conosco mais uma página do santo Evangelho.


https://youtu.be/a87C8jhbuDY

Santo do dia 25/11/2021


Santa Catarina de Alexandria (Memória Facultativa)
Local: Alexandria, Egito
Data: 25 de Novembro


É entre as santas que levam o nome de Catarina certamente a mais venerada através da história. Sua história, porém, se perde na lenda. Talvez, por esse motivo, a santa tenha sido retirada do Calendário na reforma pós-conciliar. Talvez a grande devoção a ela tenha feito com que fosse readmitida.

Na iconografia tradicional, Catarina é representada como uma jovem formosa, em vestes e coroa reais, segurando um livro, símbolo de uma elevada cultura, trazendo a seu lado uma roda quebrada com pontas afiadas e uma palma, sinal do martírio. Ela teria vivido no Egito, onde teria morrido mártir, por volta do ano 305, durante a perseguição de Diocleciano.

Sobre sua figura foi escrita uma passio, descrição do martírio, que teve vasta credibilidade e enorme difusão em toda a Idade Média. Conforme este documento, Catarina, citada como cristã perante o imperador, em Alexandria do Egito, censurou-lhe a injusta perseguição contra os cristãos. Por sua vasta cultura filosófica provou a inutilidade dos deuses, enaltecendo a beleza e a veracidade do cristianismo. O imperador, impressionado pela coragem e formosura de Catarina, convocou alguns filósofos que deviam refutar e retorquir a argumentação de Catarina, mas verificou-se o contrário: a eloquência da santa jovem convenceu de erros os próprios filósofos que se teriam convertido à religião de Cristo. Derrotado em seus intentos, o imperador vingou-se decretando a morte de Catarina e dos sábios convertidos. A jovem devia ser barbaramente dilacerada por uma roda munida de lâminas cortantes e ferros pontiagudos. Esta roda, porém, ao contato com o corpo da santa, quebrou-se ao meio. Após várias torturas, Catarina, enfim, foi decapitada. Das artérias cortadas escorreu um líquido da cor do leite.

Os fatos maravilhosos em torno de Catarina não terminam por aí. Todos os textos das "Atas" do martírio, a mencionada passio, afirmam que seu corpo foi levado pelos anjos até o monte Sinai, onde mais tarde foram construídos uma igreja e um mosteiro. É possível que no século VIII ou IX seu corpo tenha sido levado para lá. A partir daí, o mosteiro passou a ter o nome da santa. Neste mosteiro os monges acumularam uma rica biblioteca contendo preciosos códigos, entre os quais, no século passado, foi encontrado um código do século IV escrito em grego, contendo o Antigo e o Novo Testamento, e que passou à história com o nome de "Código Sinaitico", conservado no museu de Londres.

Em honra de Santa Catarina foram levantadas numerosas igrejas em toda a Europa. Literatura e arte andaram à porfia em celebrar os louvores e imortalizar a figura desta santa, símbolo de rara pureza, de singular beleza, de preclaro saber e de graça. Em razão de sua suposta erudição, ainda hoje é considerada a padroeira dos filósofos cristãos e dos estudantes de filosofia. Também o Brasil honra-se de tê-la protetora de um Estado, que leva seu nome.

Sua comemoração mostra que a sabedoria da fé cristã não é apanágio do sexo masculino. O sexo feminino não é menos capaz de ciências sublimes, nem menos notável por sua vivacidade de gênio. Demonstram-no as numerosas místicas cristãs através da história.

A Oração coleta própria não entra nos meandros dos elementos lendários da vida da santa. Em tradução apresentada a seguir, é exaltada a virgem e a mártir invicta. Foi a jovem cristã que conquistou a dupla coroa, a da virgem e da mártir. Fala ainda da fortaleza da fé, na constância e na unidade da Igreja. A questão da unidade da Igreja talvez entre pelo fato de Santa Catarina ser intensamente cultuada tanto na Igreja do Oriente como na do Ocidente: Deus eterno e todo-poderoso, que destes ao vosso povo a virgem e mártir invicta Santa Catarina, concedei que, por sua intercessão, sejamos fortificados na fé e na constância e colaboremos intensamente para a unidade da Igreja.

Referência:
BECKHÄUSER, Frei Alberto. Os Santos na Liturgia: testemunhas de Cristo. Petrópolis: Vozes, 2013. 391 p. Adaptações: Equipe Pocket Terço.

Santa Catarina de Alexandria, rogai por nós!