Apoiadores do Pocket Terço
Terço com imagens no Youtube
Reze os Mistérios Gozosos com imagens

Antífona de entrada

Diante dos reis falo da vossa aliança, sem temer a vergonha. Encontro alegria em vossos preceitos, porque muito os amo. (Sl 118, 46-47)
Loquébar de testimóniis tuis in conspéctu regum, et non confundébar: et meditábar in mandátis tuis, quae diléxi nimis. Ps. Beáti immaculáti in via: qui ámbulant in lege Dómini. (Ps. 118, 75. 120 et 1)
Vernáculo:
Sei que os vossos julgamentos são corretos, e com justiça me provastes, ó Senhor! Perante vós sinto tremer a minha carne, porque temo vosso justo julgamento! Sl. Feliz o homem sem pecado em seu caminho, que na lei do Senhor Deus vai progredindo! (Cf. LH: Sl 118, 75. 120 e 1)

Oração do dia

Ó Deus, quisestes que São João Batista fosse o precursor do nascimento e da morte do vosso Filho; como ele tombou na luta pela justiça e a verdade, fazei-nos também lutar corajosamente para testemunhar a vossa palavra. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura (Jr 1, 17-19)


Leitura do Livro do Profeta Jeremias


Naqueles dias, a Palavra do Senhor foi-me dirigida: 17“Vamos, põe a roupa e o cinto, levanta-te e comunica-lhes tudo que eu te mandar dizer: não tenhas medo, senão, eu te farei tremer na presença deles.

18Com efeito, eu te transformarei hoje numa cidade fortificada, numa coluna de ferro, num muro de bronze contra todo o mundo, frente aos reis de Judá e seus príncipes, aos sacerdotes e ao povo da terra; 19eles farão guerra contra ti, mas não prevalecerão, porque eu estou contigo para defender-te”, diz o Senhor.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 70)


℟. Minha boca anunciará vossa justiça.


— Eu procuro meu refúgio em vós, Senhor: que eu não seja envergonhado para sempre! Porque sois justo, defendei-me e libertai-me! Escutai a minha voz, vinde salvar-me! ℟.

— Sede uma rocha protetora para mim, um abrigo bem seguro que me salve! Porque sois a minha força e meu amparo, o meu refúgio, proteção e segurança! Libertai-me, ó meu Deus, das mãos do ímpio. ℟.

— Porque sois, ó Senhor Deus, minha esperança, em vós confio desde a minha juventude! Sois meu apoio desde antes que eu nascesse, desde o seio maternal, o meu amparo. ℟.

— Minha boca anunciará todos os dias vossa justiça e vossas graças incontáveis. Vós me ensinastes desde a minha juventude, e até hoje canto as vossas maravilhas. ℟.

℟. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
℣. Felizes os que são perseguidos por causa da justiça do Senhor, porque o Reino dos Céus há de ser deles! (Mt 5, 10) ℟.

Evangelho (Mc 6, 17-29)


℣. O Senhor esteja convosco.

℟. Ele está no meio de nós.


℣. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Marcos 

℟. Glória a vós, Senhor.


Naquele tempo, 17Herodes tinha mandado prender João, e colocá-lo acorrentado na prisão. Fez isso por causa de Herodíades, mulher do seu irmão Filipe, com quem se tinha casado. 18João dizia a Herodes: “Não te é permitido ficar com a mulher do teu irmão”. 19Por isso Herodíades o odiava e queria matá-lo, mas não podia. 20Com efeito, Herodes tinha medo de João, pois sabia que ele era justo e santo, e por isso o protegia. Gostava de ouvi-lo, embora ficasse embaraçado quando o escutava.

21Finalmente, chegou o dia oportuno. Era o aniversário de Herodes, e ele fez um grande banquete para os grandes da corte, os oficiais e os cidadãos importantes da Galileia. 22A filha de Herodíades entrou e dançou, agradando a Herodes e seus convidados. Então o rei disse à moça: “Pede-me o que quiseres e eu to darei”. 23E lhe jurou dizendo: “Eu te darei qualquer coisa que me pedires, ainda que seja a metade do meu reino”.

24Ela saiu e perguntou à mãe: “O que vou pedir?” A mãe respondeu: “A cabeça de João Batista”. 25E, voltando depressa para junto do rei, pediu: “Quero que me dês agora, num prato, a cabeça de João Batista”. 26O rei ficou muito triste, mas não pôde recusar. Ele tinha feito o juramento diante dos convidados. 27Imediatamente, o rei mandou que um soldado fosse buscar a cabeça de João.

O soldado saiu, degolou-o na prisão, 28trouxe a cabeça num prato e a deu à moça. Ela a entregou à sua mãe. 29Ao saberem disso, os discípulos de João foram lá, levaram o cadáver e o sepultaram.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Antífona do Ofertório

In virtúte tua, Dómine, laetábitur iustus, et super salutáre tuum exsultábit veheménter: desidérium ánimae eius tribuísti ei. (Ps. 20, 2. 3)


Vernáculo:
Ó Senhor, em vossa força o rei se alegra; quanto exulta de alegria em vosso auxílio! O que sonhou seu coração, lhe concedestes; não recusastes os pedidos de seus lábios. (Cf. LH: Sl 20, 2. 3)

Sobre as Oferendas

Ó Deus, pela oferenda que vos apresentamos, dai-nos aquela retidão dos vossos caminhos que São João Batista, voz que clama no deserto, ensinou e confirmou com seu sangue. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

João Batista dizia a seus discípulos: É preciso que ele cresça e que eu diminua. (Jo 3, 27. 30)
Posuísti Dómine in cápite eius corónam de lápide pretióso. (Ps. 20, 4; ℣. Ps. 20, 2. 3. 5. 6. 7. 8. 14)
Vernáculo:
Com bênção generosa o preparastes; de ouro puro coroastes sua fronte. (Cf. LH: Sl 20, 4)

Depois da Comunhão

Ó Deus, ao celebrarmos o nascimento de João Batista para a glória, concedei que veneremos no sacramento recebido a realidade que ele simboliza, e nos alegremos cada vez mais por seus frutos em nossa vida. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 29/08/2022
Queiramos ter vida de oração como São João Batista

O fio condutor de toda a existência de São João Batista foi a oração, vivida fielmente em meios às provações do deserto e às injustiças dos palácios.

Fazemos hoje memória do martírio de S. João Batista, mártir por amor a Cristo, segundo a lição do venerável Beda, não por ter-se recusado a negá-lo, mas por ter dado testemunho da verdade das leis de Deus — particularmente, das leis divinas referentes à indissolubilidade do matrimônio. De fato, como nos conta o evangelista Marcos, o tetrarca Herodes vivia publicamente em adultério com Herodíades, mulher de seu meio-irmão Filipe. Diante dessa situação irregular e, sobretudo, escandalosa, João não teve os receios e as vergonhas que tantos hoje temos e, chegado ao palácio, disse em alto e bom som ao rei: “Não te é permitido ficar com a mulher do teu irmão”. Mas donde veio ao Precursor a força para dar esse testemunho, mesmo sabendo do risco de indispor-se com as autoridades locais? “A resposta é simples”, diz o Papa Bento XVI: “da relação com Deus, da oração” (Audiência geral, 29 ago. 2012). Da oração, em primeiro lugar, de Zacarias e Isabel (cf. Lc 1, 13), cuja esterilidade foi fecundada pelo Senhor (cf. Lc 1, 7.36) para que daí brotasse, não um caniço agitado pelo vento nem um homem delicado, vestido de peles finas (cf. Mt 11, 7-8), mas o maior dos profetas nascidos de mulher, um espírito forte, provado nas regiões desertas (cf. Lc 1, 80), todo entregue ao “contato permanente com Deus”. Foi nesta intensa vida interior e de trato íntimo com Deus que o Batista, sempre fiel à moção da graça divina, hauriu forças para não ceder às pressões do ambiente, para não transigir em questões morais, para não sucumbir à tentação da fama, às solicitações dos poderosos, à irrisão dos incrédulos. Que o santo Precursor de Cristo nos ensine a ter um pouco de sua vida de oração, a qual nunca é perder tempo nem roubar espaço a atividades “mais produtivas” (cf. Bento XVI, op. cit., in fine), porque é só rezando e pedindo o auxílio da graça que teremos força para dar testemunho daquele que é a Verdade ontem, hoje e sempre.

Deus abençoe você!

Seja um apoiador!
Ajude-nos a manter o Pocket Terço: pocketterco.com.br/ajude

Santo do dia 29/08/2022


Martírio de São João Batista (Memória)
Data: 29 de Agosto † s. I


São João Batista faz parte do grupo dos quatro santos que além da solenidade possui uma segunda festa. São Pedro e São Paulo possuem uma segunda comemoração em nível de festa (São Pedro, 22 de fevereiro; São Paulo, 25 de janeiro). São José, em nível de memória facultativa (1º de maio), e São João Batista, no dia 29 de agosto. É o seu "dies natalis", dia de sua morte, do martírio, do seu nascimento para Deus, chamada, no Oriente, de "Degolação" ou "Paixão" do Batista.

Se na solenidade de seu nascimento no dia 24 de junho se realça a vocação e a missão de João Batista, o seu futuro, a comemoração de sua morte recorda o passado, o que Deus realizou em João Batista. A festa do seu nascimento leva a Igreja a olhar para o futuro daquele menino. Ao nascer todos se perguntavam: O que será deste menino? (Lc 1,66). No Benedictus o menino é chamado "profeta do Altíssimo" (cf. Lc 1,76). Na comemoração do seu martírio, terminada sua carreira neste mundo, recorda-se o seu passado, as maravilhas que Deus realizou naquele que foi considerado o maior dentre os nascidos de mulher (cf. Mt 11,11).

Sua grandeza está em sua missão profética. Foi o último dos profetas que não só anunciou a vinda do Messias Salvador, mas o mostrou presente entre os homens. Ele foi o precursor do Messias, que veio preparar os caminhos para sua chegada; ele batizou o próprio autor do Batismo e, derramando o seu sangue, mereceu dar o perfeito testemunho de Cristo.

A Oração coleta diz que João Batista foi o precursor do nascimento e da morte do Filho de Deus. E a Igreja pede: Como ele tombou na luta pela justiça e a verdade, fazei-nos também lutar corajosamente para testemunhar a vossa palavra. A Oração sobre as oferendas pede para todos a retidão de João Batista: Ó Deus, pela oferenda que vos apresentamos, dai-nos aquela retidão dos vossos caminhos que São João Batista, voz que clama no deserto, ensinou e confirmou com seu sangue. O Prefácio próprio, a "missão do Precursor", é o mesmo de sua solenidade.

Se sua solenidade comemora o seu nascimento neste mundo, a Oração depois da Comunhão lembra seu nascimento para a glória: Ó Deus, ao celebrarmos o nascimento de João Batista para a glória, concedei que veneremos no sacramento recebido a realidade que ele simboliza, e nos alegremos cada vez mais por seus frutos em nossa vida.

A Antífona da entrada põe na boca da Igreja dois versículos do Sl 118: Diante dos reis falo da vossa aliança, sem temer a vergonha. Encontro alegria em vossos preceitos porque muito os amo.

Que Deus conceda a todos a coragem e a força de João Batista para testemunharmos em todas as circunstâncias e em todos os momentos a verdade e a justiça do Reino.

Referência:
BECKHÄUSER, Frei Alberto. Os Santos na Liturgia: testemunhas de Cristo. Petrópolis: Vozes, 2013. 391 p. Adaptações: Equipe Pocket Terço.