Primeira Leitura (At 1,1-11)


Leitura dos Atos dos Apóstolos:

1No meu primeiro livro, ó Teófilo, já tratei de tudo o que Jesus fez e ensinou, desde o começo, 2até o dia em que foi levado para o céu, depois de ter dado instruções pelo Espírito Santo aos apóstolos que tinha escolhido. 3Foi a eles que Jesus se mostrou vivo depois da sua paixão, com numerosas provas. Durante quarenta dias, apareceu-lhes falando do Reino de Deus. 4Durante uma refeição, deu-lhes esta ordem: “Não vos afasteis de Jerusalém, mas esperai a realização da promessa do Pai, da qual vós me ouvistes falar: 5‘João batizou com água; vós, porém, sereis batizados com o Espírito Santo, dentro de poucos dias’”.

6Então, os que estavam reunidos perguntaram a Jesus: “Senhor, é agora que vais restaurar o Reino em Israel?”

7Jesus respondeu: “Não vos cabe saber os tempos e os momentos que o Pai determinou com a sua própria autoridade. 8Mas recebereis o poder do Espírito Santo que descerá sobre vós, para serdes minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e na Samaria, e até os confins da terra”. 9Depois de dizer isso, Jesus foi levado ao céu, à vista deles. Uma nuvem o encobriu, de forma que seus olhos não mais podiam vê-lo.

10Os apóstolos continuavam olhando para o céu, enquanto Jesus subia. Apareceram então dois homens vestidos de branco, 11que lhes disseram: “Homens da Galileia, por que ficais aqui, parados, olhando para o céu? Esse Jesus que vos foi levado para o céu, virá do mesmo modo como o vistes partir para o céu”.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Responsório (Sl 46)


— Por entre aclamações Deus se elevou, o Senhor subiu ao toque da trombeta!

— Por entre aclamações Deus se elevou, o Senhor subiu ao toque da trombeta!

— Povos todos do universo, batei palmas,/ gritai a Deus aclamações de alegria!/ Porque sublime é o Senhor, o Deus Altíssimo,/ o soberano que domina toda a terra.

— Por entre aclamações Deus se elevou,/ o Senhor subiu ao toque da trombeta. / Salmodiai ao nosso Deus ao som da harpa,/ salmodiai ao som da harpa ao nosso Rei!

— Porque Deus é o grande Rei de toda a terra,/ ao som da harpa acompanhai os seus louvores!/ Deus reina sobre todas as nações,/ está sentado no seu trono glorioso.


Segunda Leitura (Ef 1,17-23)


Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios:

Irmãos: 17O Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai a quem pertence a glória, vos dê um espírito de sabedoria que vo-lo revele e faça verdadeiramente conhecer. 18Que ele abra o vosso coração à sua luz, para que saibais qual a esperança que o seu chamamento vos dá, qual a riqueza da glória que está na vossa herança com os santos, 19e que imenso poder ele exerceu em favor de nós que cremos, de acordo com a sua ação e força onipotente.

20Ele manifestou sua força em Cristo, quando o ressuscitou dos mortos e o fez sentar-se à sua direita nos céus, 21bem acima de toda a autoridade, poder, potência, soberania ou qualquer título que se possa mencionar, não somente neste mundo, mas ainda no mundo futuro.

22Sim, ele pôs tudo sob os seus pés e fez dele, que está acima de tudo, a Cabeça da Igreja, 23que é o seu corpo, a plenitude daquele que possui a plenitude universal.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Anúncio do Evangelho (Lc 24,46-53)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 46“Assim está escrito: O Cristo sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia 47e no seu nome serão anunciados a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém.

48Vós sereis testemunhas de tudo isso. 49Eu enviarei sobre vós aquele que meu Pai prometeu. Por isso, permanecei na cidade, até que sejais revestidos da força do alto”.

50Então Jesus levou-os para fora, até perto de Betânia. Ali ergueu as mãos e abençoou-os. 51Enquanto os abençoava, afastou-se deles e foi levado para o céu. 52Eles o adoraram. Em seguida voltaram para Jerusalém, com grande alegria. 53E estavam sempre no Templo, bendizendo a Deus.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Prostremo-nos sempre na presença do Senhor

“Enquanto os abençoava, afastou-se deles e foi levado para o céu. Eles o adoraram. Em seguida voltaram para Jerusalém, com grande alegria. E estavam sempre no Templo, bendizendo a Deus” (Lucas 24,51-53).

Hoje, temos a alegria de celebrar a Ascensão de Jesus aos Céus! Após Sua Ressurreição gloriosa, Jesus permaneceu entre nós por 40 dias; depois, sobre a presença dos anjos, foi elevado à presença do Pai.

A Ascensão de Jesus aos Céus é uma provação para a nossa vida de discípulos e seguidores de Jesus. Primeiro, o Senhor, ao ir ao Céu, abençoa-nos, afasta-se, mas se faz presente quando nos reunimos e celebramos em Seu nome. Quando fazemos a Eucaristia é a presença viva e real d’Ele no meio de nós; quando amamos uns aos outros, Ele está no meio de nós.

Há um fato teológico, real e concreto: Jesus, homem e glorificado, foi aos Céus; e os anjos estão dizendo que, da mesma forma que O vimos ir, veremos também Ele voltar. Jesus volta sempre quando O invocamos e vivemos tudo aquilo que citamos anteriormente, mas Ele voltará também para estabelecer o seu Reino glorioso no nosso meio.

A vinda definitiva de Jesus a nós é uma realidade que nunca podemos ignorar. Ele virá para fazer do Céu e da Terra um só lugar, onde Ele reinará eternamente para os seus, para aqueles que levam, de verdade, a vida no Seu nome.

Enquanto Jesus subia aos Céus, eles O adoraram. Os discípulos de Jesus são aqueles que adoram o Senhor, colocam-se na Sua presença e não adoram mais nada nem ninguém além de Jesus.

Só não vive a presença real de Jesus quem não O adora nem bendiz Seu nome

Jesus é a nossa razão de viver, é nosso Senhor e Salvador, a Ele todo louvor, toda honra, glória e adoração do nosso coração. Por isso, prostremo-nos sempre na presença do Senhor para adorá-Lo, exaltá-Lo e glorificado.

Quando adoramos o Senhor, uma alegria toma conta do nosso coração, é a alegria que tomou conta do coração deles, porque puderam voltar para Jerusalém sem medo, sem temores nem receios, porque O adoraram. Quando nós O adoramos, Ele permanece em nós, Ele fica conosco. Depois, a comunidade é sempre o templo para bendizer a Deus.

Estamos indo aos nossos templos, nossas igrejas e capelas, mas, muitas vezes, não estamos bendizendo, louvando, exaltando, glorificando o Senhor nosso Deus. Ele é digno de ser adorado, glorificado e exaltado, porque está no meio de nós. Só não vive a presença real de Jesus quem não O adora, quem não bendiz Seu nome nem glorifica Sua majestade.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
fb.com/padrerogeramigo

Santo do Dia:

São Marcelino e São Pedro, instrumentos da Divina Providência

Os santos de hoje, pertenceram ao clero romano no século IV e viveram no contexto da grande perseguição contra a Igreja de Cristo, por parte do Imperador Diocleciano. Foram mártires por causa do amor a Jesus.

Os santos demonstram com a vida e até com a morte, no caso dos mártires, que o amor precisa ser o mais importante. Foram presos, e na cadeia souberam que o responsável daquela prisão estava deprimido. E quiseram saber o porquê. E a filha deste, estava sendo oprimida pelo maligno. Eles então, anunciaram Jesus àquele pai, e disseram do poder do Senhor para libertá-la. Conseguiram liberação, foram até a casa desta família, anunciaram Jesus, oraram pela libertação daquela criança e que graça, toda a família se converteu, aceitando o santo Batismo. Este pai de família também foi preso e martirizado.

Pedro e Marcelino foram instrumentos da Divina Providência para que a evangelização chegasse a essa família e a tantas outras pessoas. Estes santos foram decapitados no ano de 304.

Peçamos a intercessão destes santos para que a nossa evangelização seja centrada no amor de Deus, para que muitas famílias se convertam e se tornem sinais visíveis deste amor que santifica e salva, o amor de Deus.

São Marcelino e São Pedro, rogai por nós!