Antífona de Entrada:
Meus Deus, vinde libertar-me, apressai-vos, Senhor, em socorrer-me. Vós sois o meu socorro e o meu libertador; Senhor, não tardeis mais (Sl 69,2.6).

Oração do Dia:
Manifestai, ó Deus, vossa inesgotável bondade para com os filhos e filhas que vos imploram e se gloriam de vos ter como criador e guia, restaurando para eles a vossa criação e conservando-a renovada. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (Is 55,1-3)


Leitura do Livro do Profeta Isaías:

Assim diz o Senhor: 1“Ó vós todos que estais com sede, vinde às águas; vós que não tendes dinheiro, apressai-vos, vinde e comei, vinde comprar sem dinheiro, tomar vinho e leite, sem nenhuma paga. 2Por que gastar dinheiro com outra coisa que não o pão, desperdiçar o salário senão com satisfação completa? Ouvi-me com atenção, e alimentai-vos bem, para deleite e revigoramento do vosso corpo. 3Inclinai vosso ouvido e vinde a mim, ouvi e tereis vida; farei convosco um pacto eterno, manterei fielmente as graças concedidas a Davi”.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 144)


R. Vós abris a vossa mão/ e saciais os vossos filhos!


— Misericórdia e piedade é o Senhor,/ ele é amor, é paciência, é compaixão./ O Senhor é muito bom para com todos,/ sua ternura abraça toda criatura. R.

— Todos os olhos, ó Senhor, em vós esperam/ e vós lhes dais no tempo certo o alimento;/ vós abris a vossa mão prodigamente/ e saciais todo ser vivo com fartura. R.

— É justo o Senhor em seus caminhos,/ é santo em toda obra que ele faz./ Ele está perto da pessoa que o invoca,/ de todo aquele que o invoca lealmente. R.

 


Segunda Leitura (Rm 8,35.37-39)


Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos:

Irmãos: 35Quem nos separará do amor de Cristo? Tribulação? Angústia? Perseguição? Fome? Nudez? Perigo? Espada? 37Em tudo isso, somos mais que vencedores, graças àquele que nos amou! 38Tenho a certeza de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os poderes celestiais, nem o presente, nem o futuro, nem as forças cósmicas, 39nem a altura, nem a profundeza, nem outra criatura qualquer será capaz de nos separar do amor de Deus por nós, manifestado em Cristo Jesus, nosso Senhor.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Assista a Santa Missa pela internet ou TV. Sugestões:



R. Aleluia, aleluia, aleluia.
V. O homem não vive somente de pão, mas vive de toda palavra que sai da boca de Deus, e não só de pão. Amém. Aleluia, aleluia! (Mt 4,4) R.


Anúncio do Evangelho
(Mt 14,13-21)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.


Naquele tempo, 13quando soube da morte de João Batista, Jesus partiu e foi de barco para um lugar deserto e afastado. Mas, quando as multidões souberam disso, saíram das cidades e o seguiram a pé. 14Ao sair do barco, Jesus viu uma grande multidão. Encheu-se de compaixão por eles e curou os que estavam doentes. 15Ao entardecer, os discípulos aproximaram-se de Jesus e disseram: “Este lugar é deserto e a hora já está adiantada. Despede as multidões, para que possam ir aos povoados comprar comida!”.

16Jesus, porém, lhes disse: “Eles não precisam ir embora. Dai-lhes vós mesmos de comer!”. 17Os discípulos responderam: “Só temos aqui cinco pães e dois peixes”. 18Jesus disse: “Trazei-os aqui”.

19Jesus mandou que as multidões se sentassem na grama. Então pegou os cinco pães e os dois peixes, ergueu os olhos para o céu e pronunciou a bênção. Em seguida, partiu os pães e os deu aos discípulos. Os discípulos os distribuíram às multidões. 20Todos comeram e ficaram satisfeitos, e, dos pedaços que sobraram, recolheram ainda doze cestos cheios. 21E os que haviam comido eram mais ou menos cinco mil homens, sem contar mulheres e crianças.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Deus nos ensina a multiplicar o pão com o próximo

“Então pegou os cinco pães e os dois peixes, ergueu os olhos para o céu e pronunciou a bênção. Em seguida, partiu os pães e os deu aos discípulos. Os discípulos os distribuíram às multidões” (Mateus 14,19).

O Mestre Jesus encheu-se de compaixão daquelas multidões famintas e sedentas, mas Ele sentiu compaixão porque viu aquelas multidões machucadas, feridas e sedentas do amor de Deus. Ele mesmo disse aos Seus discípulos: “Dai-lhes vós mesmos de comer!”.

Não podemos permitir que aqueles que se aproximam de nós morram pela fome e pela sede, morram por causa das necessidades fundamentais da vida humana. Precisamos ser alimento na vida do outro!

Sabemos que tem alimentos que nos saciam, nos fazem bem. E existem alimentos que, de forma enganosa, comemos e nos fazem mal. Precisamos ser bons alimentos para os nossos irmãos e para tantos que estão famintos e sedentos.

Não podemos ser indiferentes, porque um discípulo de Jesus jamais é indiferente à dor e ao sofrimento que tantas pessoas estão passando. Não podemos simplesmente dizer: “Olha, vai para a frente porque Deus vai te dar de comer”. Somos nós que precisamos dar de comer porque Deus não desce do Céu para dar de comer a ninguém.


A missão fundamental é levar Jesus, o Pão da Vida, aos corações

O que Deus nos dá é a graça de sermos o pão para a vida do mundo. Por isso, Ele está nos ensinando a multiplicar, porque quem é que multiplica? É aquele que soma o que tem, pega o que o outro tem e vai cuidar daqueles que não têm, e quando fazemos essa soma e dividimos o que temos com os outros, tudo se multiplica.

Numa sociedade egoísta como a nossa, onde cada um está preocupado em ter para si e ter cada vez mais, é um escândalo ver comida estragando, sendo jogada fora; ver crianças que pegam o prato de comida, comem duas colheres e, depois, não querem, e o pai nem liga. É um escândalo ver a sociedade do desperdício permitindo que milhões morram e padeçam de fome.

Precisamos cuidar da fome espiritual. E não reduza a missão da Igreja apenas à missão espiritual! A missão fundamental é levar Jesus, o Pão da Vida, aos corações. O mesmo Jesus que, depois vai ser o Pão, o Pão abençoado, o Seu próprio Corpo, é o mesmo Jesus que está pegando o pão agora, abençoando, distribuindo, dividindo e o multiplicando. Ele está nos ensinando que o banquete da Eucaristia não acontece apenas quando comungamos Jesus para nós, mas quando nos tornamos Jesus para os outros, multiplicando aquilo que temos, somos e dividindo com os outros.

Precisamos, em primeiro lugar, ter em nós os sentimentos de Jesus. Quando somos movidos pela compaixão que tinha o coração do Mestre Jesus, sabemos dividir o que é nosso com o nosso irmão, nós nos preocupamos com quem não tem, nos ocupamos com aqueles que nada têm para dividir com eles o pão de cada dia.

Deus abençoe você!   

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


As quatro notas do verdadeiro amor

Muito se fala hoje sobre o amor, mas, ao mesmo tempo, muito pouco se reflete sobre a sua verdade. Nesta homilia dominical, a partir do exemplo de Jesus Cristo, cuja compaixão para com os homens o leva a multiplicar os pães para matar-lhes a fome, Pe. Paulo Ricardo explica como, mais do que meros afetos, Deus tem para conosco um amor efetivo, que quer e opera a nossa salvação. Mas quais são as qualidades desse amor, e como podemos imitá-lo?





Santo do Dia:

Santo Eusébio de Vercelli

Hoje nós lembramos o testemunho de santidade de Eusébio, que nasceu no começo do século IV, na Sardenha e não tinha este nome, até ir para Roma em procura de lucro com a Política e o Direito.

Encontrado por Jesus, converteu-se e recebeu as águas do Batismo e o novo nome de Eusébio, pois foi batizado pelo Papa Eusébio. De simples leitor da Igreja de Roma, Eusébio foi ordenado sacerdote e depois em 345, Bispo em Vercelli, onde exerceu seu ministério com zelo e muito amor dedicando às almas e à verdade. Dentre tantas inspirações para a Diocese, Eusébio vivia comunitariamente com seus sacerdotes, e desta comunhão conseguiu forças para vencer os bons combates do dia a dia.

Santo Eusébio de Vercelli por opor-se ao Arianismo que buscava erroneamente negar a divindade de Cristo, foi exilado com outros santos Bispos pelo imperador Constâncio. Despachado com algemas para a Palestina, Eusébio sofreu torturas e sobreviveu por seis anos fechado numa prisão. Quando liberto aproveitou para visitar as Igrejas do Oriente.

Ao voltar foi acolhido como vencedor pelos irmãos no Episcopado, Clero e todo o povo, e até entrar no Céu em 370, venceu o Arianismo com Santo Hilário e unificou as Igrejas.

Santo Eusébio de Vercelli, rogai por nós!


Oração sobre as Oferendas:
Dignai-vos, ó Deus, santificar estas oferendas e, aceitando este sacrifício espiritual, fazei de nós uma oferenda eterna para vós. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
Vós nos destes, Senhor, o pão do céu, que contém todo sabor e satisfaz todo paladar (Sb 16,20).

Oração depois da Comunhão:
Acompanhai, ó Deus, com proteção constante os que renovastes com o pão do céu e, como não cessais de alimentá-los, tornai-os dignos da salvação eterna. Por Cristo, nosso Senhor.