Primeira Leitura (Jr 20,10-13)


Leitura do Livro do Profeta Jeremias.

10Eu ouvi as injúrias de tantos homens e os vi espalhando o medo em redor: “Denunciai-o, denunciemo-lo”. Todos os amigos observavam minhas falhas: “Talvez ele cometa um engano e nós poderemos apanhá-lo e desforrar-nos dele”.

11Mas o Senhor está ao meu lado, como forte guerreiro; por isso, os que me perseguem cairão vencidos. Por não terem tido êxito, eles se cobrirão de vergonha. Eterna infâmia, que nunca se apaga! 12Ó Senhor dos exércitos, que provas o homem justo e vês os sentimentos do coração, rogo-te me faças ver tua vingança sobre eles; pois eu te declarei a minha causa. 13Cantai ao Senhor, louvai o Senhor, pois ele salvou a vida de um pobre homem das mãos dos maus.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 17)


— Ao Senhor eu invoquei na minha angústia e ele escutou a minha voz.

— Ao Senhor eu invoquei na minha angústia e ele escutou a minha voz.

— Eu vos amo, ó Senhor! Sois minha força, minha rocha, meu refúgio e Salvador!

— Meu Deus, sois o rochedo que me abriga, minha força e poderosa salvação, sois meu escudo e proteção: em vós espero! Invocarei o meu Senhor: a ele a glória! E dos meus perseguidores serei salvo!

— Ondas da morte me envolveram totalmente, e as torrentes da maldade me aterraram; os laços do abismo me amarraram e a própria morte me prendeu em suas redes.

— Ao Senhor eu invoquei na minha angústia e elevei o meu clamor para o meu Deus; de seu Templo ele escutou a minha voz, e chegou a seus ouvidos o meu grito.


Evangelho (Jo 10,31-42)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 31os judeus pegaram pedras para apedrejar Jesus. 32E ele lhes disse: “Por ordem do Pai, mostrei-vos muitas obras boas. Por qual delas me quereis apedrejar?”

33Os judeus responderam: “Não queremos te apedrejar por causa das obras boas, mas por causa de blasfêmia, porque sendo apenas um homem, tu te fazes Deus!” 34Jesus disse: “Acaso não está escrito na vossa Lei: ‘Eu disse: vós sois deuses?’

35Ora, ninguém pode anular a Escritura: se a Lei chama deuses as pessoas às quais se dirigiu a palavra de Deus, 36por que então me acusais de blasfêmia, quando eu digo que sou Filho de Deus, eu a quem o Pai consagrou e enviou ao mundo? 37Se não faço as obras do meu Pai, não acrediteis em mim. 38Mas, se eu as faço, mesmo que não queirais acreditar em mim, acreditai nas minhas obras, para que saibais e reconheçais que o Pai está em mim e eu no Pai”. 

39Outra vez procuravam prender Jesus, mas ele escapou das mãos deles. 40Jesus passou para o outro lado do Jordão, e foi para o lugar onde, antes, João tinha batizado. E permaneceu ali. 41Muitos foram ter com ele, e diziam: “João não realizou nenhum sinal, mas tudo o que ele disse a respeito deste homem, é verdade”. 42E muitos, ali, acreditaram nele.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Abramos o coração para a verdade transformadora de Jesus

“Os judeus pegaram pedras para apedrejar Jesus. E ele lhes disse: ‘Por ordem do Pai, mostrei-vos muitas obras boas. Por qual delas me quereis apedrejar?’” (João 10,31-32).

Jesus nos mostra, a cada dia, todas as obras boas do Pai, que estão esquecidas e deixadas de lado. Todas as obras que o Pai criou – o mundo, o universo... – estão sendo apedrejadas e, muitas vezes, saqueadas por aqueles a quem foi dada a missão de cuidar, que é o ser humano, cada um de nós.

Alguns daqueles que faziam parte do grupo dos judeus uniram-se aos poderosos e religiosos que eram contrários à verdade de Jesus, aqueles não se abriram para aquilo que o Senhor trouxe. Queriam eliminá-Lo, apedrejá-Lo, matá-Lo e calá-Lo.

As obras de Deus não podem ser caladas, a voz do Pai não pode ser calada. As obras de Deus estão gritando, a natureza está gritando, o universo está clamando, a vida está clamando, a voz do Cristo Jesus, Aquele que é a voz do Pai, a Palavra eterna do Pai, está clamando no meio de nós.

Não podemos calar a Palavra, mas podemos a ignorar como muitos fizeram, como muitos fazem ou como nós fazemos também quando não queremos dar ouvidos, quando não queremos ser corrigidos, admoestados nem formados. Nós ignoramos, calamos, silenciamos, quando também apedrejamos, renunciamos e não queremos nos abrir para a verdade.

Jesus está sendo rejeitado por aqueles que não se abriram para a verdade libertadora e transformadora de Deus no meio de nós. Eram pessoas religiosas como nós, e que, muitas vezes, nos orgulhamos por sermos pessoas religiosas, por frequentarmos uma Igreja, por fazermos parte de uma religião e julgarmos aqueles que não a têm, que não frequentam a Igreja.

Nós não somos a verdade, e ela não está em nós. A verdade é só Jesus

Estamos fazendo, muitas vezes, o que fizeram com Jesus, jogando pedras uns nos outros, querendo apedrejar quem não pensa como nós, quem não comunga do nosso pensamento, quem não faz parte da nossa escola, quem não segue nossas orientações, quem não vive a fé do jeito que vivemos, quem não comunga como queremos comungar, quem não vive as coisas do jeito que nós cremos.

Queremos impor o nosso ponto de vista como se ele fosse a verdade, quando a verdade não somos nós nem está em nós. A verdade é só Jesus.

A verdade só há de prevalecer no mundo quando nos calarmos diante da presença de Jesus, para que Ele fale.

As pessoas têm falado muita coisa de Jesus que Ele não falou; elas têm falado muitas coisas em nome de Jesus, que Ele não autorizou; têm usado o nome de Jesus para promover guerras, conflitos e tantas outras coisas.

Precisamos nos calar para deixarmos Jesus falar, senão, as nossas ações serão as mesmas, e estaremos apedrejando uns aos outros.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Um Deus a caminho da morte?

Todas as leituras do Tempo da Paixão insistem em uma mesma verdade fundamental: Jesus Cristo é verdadeiramente Deus, um só com o Pai, Senhor da vida e da morte, que se entregará de livre vontade às mãos de seus inimigos para ser condenado. Ora, por que a Igreja insiste tanto em falar da divindade de Nosso Senhor justamente na semana anterior à de sua Paixão e Morte na cruz? Afinal, não seria o Calvário, como pensam alguns, a prova definitiva de que Jesus, se tinha algo de “divino”, era a simples ilusão de pensar ser um deus? Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta sexta-feira, dia 3 de abril, e medite conosco mais uma página do santo Evangelho.





Santo do Dia:

São Ricardo, santificou nos mosteiros

Com alegria contemplamos a vida de santidade do nosso irmão da fé São Ricardo, que hoje brilha no Céu como intercessor de todos os irmãos que peregrinam na Igreja terrestre.

Nascido em 1197, era pobre, teve dificuldade de estudar e perdeu muito cedo seus pais. No seu tempo, Ricardo começou a ver a ignorância e superstição; ambição dos nobres; luxo do clero; regalismo do trono e decadência da vida monástica. Diante de sua realidade, não se entregou a murmurações e desânimos, mas como professor e reitor da Universidade de Oxford decidiu-se pela santidade, a fim de ser instrumento de renovação da Igreja na Inglaterra.

Unido aos frades franciscanos e dominicanos, Ricardo fez de tudo, - como leigo, sacerdote e bispo ordenado pelo Papa - para reverter a resistência do rei que não queria a sua ordenação e, de toda situação triste que acabava atingindo duramente o povo.

São Ricardo, até entrar na Casa do Pai com 56 anos, por dois anos coordenou sua diocese clandestinamente, visitando pobres, doentes e fazendo de tudo para evangelizar e ajudar na santificação dos mosteiros, clero e nobres ingleses, isto principalmente depois que o rei se dobrou sob ameaça de excomunhão do Papa.

São Ricardo, rogai por nós!