Antífona de Entrada:
Meus Deus, vinde libertar-me, apressai-vos, Senhor, em socorrer-me. Vós sois o meu socorro e o meu libertador; Senhor, não tardeis mais (Sl 69,2.6).

Oração do Dia:
Manifestai, ó Deus, vossa inesgotável bondade para com os filhos e filhas que vos imploram e se gloriam de vos ter como criador e guia, restaurando para eles a vossa criação e conservando-a renovada. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (Jr 28,1-17)


Leitura do Livro do Profeta Jeremias.

1Nesse mesmo ano, no início do reinado de Sedecias, rei de Judá, no quinto mês do quarto ano, disse-me o profeta Ananias, filho de Azur, profeta de Gabdon, na casa do Senhor e na presença dos sacerdotes e de todo o povo:

2“Isto diz o Senhor dos exércitos, Deus de Israel: Quebrei o jugo do rei da Babilônia. 3Ainda dois anos e eu farei reconduzir a este lugar todos os vasos da casa do Senhor, que Nabucodonosor, rei da Babilônia, tirou deste lugar e transferiu para a Babilônia. 4Também reconduzirei a este lugar Jeconias, filho de Joaquim e rei de Judá, juntamente com toda a massa de judeus desterrados para Babilônia, diz o Senhor, pois eu quebro o jugo do rei da Babilônia”.

5Respondeu o profeta Jeremias ao profeta Ananias, na presença dos sacerdotes e de todo o povo que estava na casa do Senhor, 6dizendo: “Amém, assim permita o Senhor! Realize ele as palavras que profetizaste, trazendo de volta os vasos para a casa do Senhor e todos os deportados da Babilônia para esta terra.

7Ouve, porém, esta palavra que eu digo aos teus ouvidos e aos ouvidos de todo o povo: 8Os profetas que existiram antigamente, antes de mim e antes de ti, profetizaram sobre guerras, aflições e peste para muitos povos e reinos poderosos; 9mas o profeta que profetiza paz, esse somente será reconhecido como profeta, que em verdade o Senhor enviou, quando sua palavra for verificada”.

10Então o profeta Ananias retirou o jugo do pescoço do profeta Jeremias e quebrou-o; 11e disse Ananias, na presença de todo o povo: “Isto diz o Senhor: Deste modo quebrarei o jugo de Nabucodonosor, rei da Babilônia, dentro de dois anos, livrando dele o pescoço de todos os povos”.

E foi-se pelo seu caminho o profeta Jeremias. 12Depois que o profeta Ananias havia retirado o jugo do pescoço do profeta Jeremias, dirigiu-se novamente a palavra do Senhor a Jeremias:

13“Vai dizer a Ananias: Isto diz o Senhor: Quebraste um jugo de madeira, mas em seu lugar farás um de ferro. 14Isto diz o Senhor dos exércitos, Deus de Israel: Pus um jugo de ferro sobre o pescoço de todas estas nações, para servirem a Nabucodonosor, rei da Babilônia, e lhe serão de fato submissas; além disso, dei-lhe também os animais do campo”.

15Disse ainda o profeta Jeremias ao profeta Ananias: “Ouve, Ananias, não foste enviado pelo Senhor, e contudo fizeste este povo confiar em mentiras. 16Isto diz o Senhor: Eis que te farei partir desta terra; morrerás este ano, pois pregaste a infidelidade contra o Senhor”. 17Naquele ano, no sétimo mês, morreu o profeta Ananias.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 118)


R. Ensinai-me a fazer vossa vontade!


— Afastai-me do caminho da mentira e dai-me a vossa lei como um presente! Não retireis vossa verdade de meus lábios, pois eu confio em vossos justos julgamentos! R.

— Que se voltem para mim os que vos temem e conhecem, ó Senhor, vossa Aliança! Meu coração seja perfeito em vossa lei, e não serei, de modo algum, envergonhado! R.

— Espreitam-me os maus para perder-me, mas continuo sempre atento à vossa lei. R.

— De vossos julgamentos não me afasto, porque vós mesmo me ensinastes vossas leis. R.


R. Aleluia, aleluia, aleluia.
V. O homem não vive somente de pão, mas vive de toda palavra da boca de Deus. R.


Evangelho (Mt 14,22-36)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Mateus. 

— Glória a vós, Senhor.

Depois que a multidão comera até saciar-se, 22Jesus mandou que os discípulos entrassem na barca e seguissem, à sua frente, para o outro lado do mar, enquanto ele despediria as multidões. 23Depois de despedi-las, Jesus subiu ao monte, para orar a sós. A noite chegou, e Jesus continuava ali, sozinho. 24A barca, porém, já longe da terra, era agitada pelas ondas, pois o vento era contrário. 25Pelas três horas da manhã, Jesus veio até os discípulos, andando sobre o mar. 26Quando os discípulos o avistaram, andando sobre o mar, ficaram apavorados, e disseram: “É um fantasma”. E gritaram de medo. 27Jesus, porém, logo lhes disse: “Coragem! Sou eu. Não tenhais medo!” 28Então Pedro lhe disse: “Senhor, se és tu, manda-me ir a teu encontro, caminhando sobre a água”. 29E Jesus respondeu: “Vem!” Pedro desceu da barca e começou a andar sobre a água, em direção a Jesus. 30Mas, quando sentiu o vento, ficou com medo e começando a afundar, gritou: “Senhor, salva-me!” 31Jesus logo estendeu a mão, segurou Pedro, e lhe disse: “Homem fraco na fé, por que duvidaste?” 32Assim que subiram na barca, o vento se acalmou. 33Os que estavam na barca, prostraram-se diante dele, dizendo: “Verdadeiramente, tu és o Filho de Deus!”

34Após a travessia desembarcaram em Genesaré. 35Os habitantes daquele lugar reconheceram Jesus e espalharam a notícia por toda a região. Então levaram a ele todos os doentes; 36e pediam que pudessem, ao menos, tocar a barra de sua veste. E todos os que a tocaram, ficaram curados.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: O medo enfraquece a nossa fé em Deus

“E gritaram de medo. Jesus, porém, logo lhes disse: ‘Coragem! Sou eu. Não tenhais medo!’” (Mateus 14,27-28).

Quando a noite chega, o pavor já toma conta do coração humano diante da escuridão. Mais do que o pavor da escuridão, há as águas impetuosas que se movimentam de um lado para outro. E quando as coisas saem daquele parâmetro comum do que estamos acostumados, o medo já nos bate à porta; preocupamo-nos, agitamo-nos, assustamo-nos, porque não sabemos lidar com o diferente nem com os ventos contrários.

Quando o medo começa a tomar conta dos impulsos e dos sentimentos do coração, ele cria fantasias e fantasmas, até da pessoa que está do nosso lado temos medo, vemos nela o que ela não é, e ela começa ser uma caricatura para nós, porque o medo fantasia as realidades.

Por isso, quando Jesus está vindo sobre as águas, eles não veem Jesus, eles veem um fantasma, ficam apavorados, gritam de medo, e é preciso a voz do Mestre ressoar: “Não tenhais medo! Sou eu”.

É preciso deixar ressoar, no fundo da nossa alma, no fundo do nosso coração: “Não tenhais medo”, porque precisamos vencer o medo, o pavor, e permitir que a nossa fé seja cura, não seja simplesmente um escudo para não nos apavorar diante das situações.

Aumentemos a nossa relação de confiança com Jesus, para que nenhum medo seja maior que a nossa fé

A fé tem que nos curar dos fantasmas, das fantasias, dos pavores que fomos acumulando ao longo da vida. Quando entramos para a penumbra da nossa alma, percebemos que há muitos fantasmas escondidos dentro de nós. E eles ressuscitam criando pânico e pavor dentro do nosso coração.

Exorcizemos todos os fantasmas do coração, todos os medos e fantasias da alma, inclusive aqueles que vêm do nosso consciente, até por situações de infância que não resolvemos ao longo da vida. 

O Mestre Jesus vem ao nosso encontro para nos curar, para nos colocar de pé. É de pé que Pedro fica para ir ao encontro de Jesus, mas quando ele vai, o Mestre diz: “Vem, Pedro”. E quando Pedro caminhava em direção a Jesus, sentiu um vento bater n’Ele e ficou com medo.

O medo apavora, destrói até a nossa relação confiante com Deus. O medo nos faz tremer diante de qualquer vento que vem ao nosso encontro. O problema, no entanto, não é o vento nem a tempestade, o problema é o nosso medo que enfraquece a pouca fé que temos; e quando a fé fica enfraquecida, nós desabamos.

Alimentemos a nossa fé, coloquemos a nossa fé em Jesus e, mais do que colocá-la n’Ele, alimentemos a nossa fé com Ele. Aumentemos a nossa relação de confiança com Jesus, para que nenhum medo seja maior que a nossa fé, para que nenhum medo grite dentro de nós mais alto do que a convicção do amor que Deus tem por nós. 

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Pedro sob as águas

São Pedro é como que um “tipo” do fiel cristão e uma “imagem viva” do nosso caminho de conversão: flutua entre os extremos da covardia e do heroísmo de momento, das traições e de devoção superficial, mas consegue, sem desespero nem orgulho, voltar à graça de Cristo e firmar-se no caminho da santidade. Pretende, pela vontade do Mestre, andar sobre as águas, mas o primeiro vento cortado basta para fazê-lo tremer e fraquejar na fé. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta segunda-feira, dia 3 de agosto, e medite conosco mais uma página do santo Evangelho.





Santo do Dia:

Santa Lídia

Uma antiga tradição cristã a respeito do culto aos santos demonstra que Santa Lídia foi uma das primeiras santas a ser venerada dentro da fé católica.

Lídia era uma prosélita, ou seja, uma pagã convertida ao judaísmo. Veio da Grécia asiática e instalou-se para o seu comércio em Filipos, porto do Mar Egeu.

Fez-se cristã pelo ano de 55, quando São Paulo evangelizava essa região. São Lucas, que andava com o Apóstolo, contou este episódio: "...Filipos, que é a cidade principal daquele distrito da Macedônia, uma colônia (romana). Nesta cidade nos detivemos por alguns dias. No sábado, saímos fora da porta para junto do rio, onde pensávamos haver lugar de oração. Aí nos assentamos e falávamos às mulheres que se haviam reunido. Uma mulher, chamada Lídia, da cidade dos tiatirenos, vendedora de púrpura, temente a Deus, nos escutava. O Senhor abriu-lhe o coração, para atender às coisas que Paulo dizia" (At 16,12-14).

As formalidades da canonização levam frequentemente muitos anos. Foram, porém, curtíssimas ao tratar-se de Santa Lídia. Foi Barónio (+ 1607) que, em 1586, com sua própria autoridade, a introduziu no Martirológio romano, cuja revisão lhe estava entregue.

Santa Lídia, rogai por nós!


Oração sobre as Oferendas:
Dignai-vos, ó Deus, santificar estas oferendas e, aceitando este sacrifício espiritual, fazei de nós uma oferenda eterna para vós. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
Vós nos destes, Senhor, o pão do céu, que contém todo sabor e satisfaz todo paladar (Sb 16,20).

Oração depois da Comunhão:
Acompanhai, ó Deus, com proteção constante os que renovastes com o pão do céu e, como não cessais de alimentá-los, tornai-os dignos da salvação eterna. Por Cristo, nosso Senhor.