Antífona de Entrada:
Senhor, tudo está em vosso poder, e ninguém pode resistir à vossa vontade. Vós fizestes todas as coisas: o céu, a terra, e tudo o que eles contêm; sois o Deus do universo! (Est 1, 9. 10-11)

Oração do Dia:
Ó Deus eterno e todo-poderoso, que nos concedeis no vosso imenso amor de Pai mais do que merecemos e pedimos, derramai sobre nós a vossa misericórdia, perdoando o que nos pesa na consciência e dando-nos mais do que ousamos pedir. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (Is 5, 1-7)


Leitura do Livro do Profeta Isaías


1Vou cantar para o meu amado o cântico da vinha de um amigo meu: Um amigo meu possuía uma vinha em fértil encosta. 2Cercou-a, limpou-a de pedras, plantou videiras escolhidas, edificou uma torre no meio e construiu um lagar; esperava que ela produzisse uvas boas, mas produziu uvas selvagens.

3Agora, habitantes de Jerusalém e cidadãos de Judá, julgai a minha situação e a de minha vinha. 4O que poderia eu ter feito a mais por minha vinha e não fiz? Eu contava com uvas de verdade, mas por que produziu ela uvas selvagens?

5Pois agora vou mostrar-vos o que farei com minha vinha: vou desmanchar a cerca, e ela será devastada; vou derrubar o muro, e ela será pisoteada. 6Vou deixá-la inculta e selvagem: ela não será podada nem lavrada, espinhos e sarças tomarão conta dela; não deixarei as nuvens derramar a chuva sobre ela. 7Pois bem, a vinha do Senhor dos exércitos é a casa de Israel, e o povo de Judá, sua dileta plantação; eu esperava deles frutos de justiça — e eis a injustiça; esperava obras de bondade — e eis a iniquidade.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 79)


R. A vinha do Senhor é a casa de Israel.


— Arrancastes do Egito esta videira, e expulsastes as nações para plantá-la; até o mar se estenderam seus sarmentos, até o rio os seus rebentos se espalharam. R.

— Por que razão vós destruístes sua cerca, para que todos os passantes a vindimem, o javali da mata virgem a devaste, e os animais do descampado nela pastem? R.

— Voltai-vos para nós, Deus do universo! Olhai dos altos céus e observai. Visitai a vossa vinha e protegei-a! Foi a vossa mão direita que a plantou; protegei-a, e ao rebento que firmastes! R.

— E nunca mais vos deixaremos, Senhor Deus! Dai-nos vida, e louvaremos vosso nome! Convertei-nos, ó Senhor Deus do universo, e sobre nós iluminai a vossa face! Se voltardes para nós, seremos salvos! R.

 


Segunda Leitura (Fl 4, 6-9)


Leitura da Carta de São Paulo aos Filipenses


Irmãos: 6Não vos inquieteis com coisa alguma, mas apresentai as vossas necessidades a Deus, em orações e súplicas, acompanhadas de ação de graças. 7E a paz de Deus, que ultrapassa todo o entendimento, guardará os vossos corações e pensamentos em Cristo Jesus. 8Quanto ao mais, irmãos, ocupai-vos com tudo o que é verdadeiro, respeitável, justo, puro, amável, honroso, tudo o que é virtude ou de qualquer modo mereça louvor.

9Praticai o que aprendestes e recebestes de mim, ou que de mim vistes e ouvistes. Assim, o Deus da paz estará convosco.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Assista a Santa Missa pela internet ou TV. Sugestões:



R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Eu vos escolhi, foi do meio do mundo, a fim de que deis um fruto que dure. Eu vos escolhi, foi do meio do mundo. Amém! Aleluia, Aleluia! (Cf. Jo 15-16) R.


Evangelho (Mt 21, 33-43)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Mateus 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo, Jesus disse aos sumos sacerdotes e aos anciãos do povo: 33“Escutai esta outra parábola: Certo proprietário plantou uma vinha, pôs uma cerca em volta, fez nela um lagar para esmagar as uvas, e construiu uma torre de guarda. Depois, arrendou-a a vinhateiros, e viajou para o estrangeiro. 34Quando chegou o tempo da colheita, o proprietário mandou seus empregados aos vinhateiros para receber seus frutos. 35Os vinhateiros, porém, agarraram os empregados, espancaram a um, mataram a outro, e ao terceiro apedrejaram.

36O proprietário mandou de novo outros empregados, em maior número do que os primeiros. Mas eles os trataram da mesma forma. 37Finalmente, o proprietário enviou-lhes o seu filho, pensando: ‘Ao meu filho eles vão respeitar’.

38Os vinhateiros, porém, ao verem o filho, disseram entre si: ‘Este é o herdeiro. Vinde, vamos matá-lo e tomar posse da sua herança!’ 39Então agarraram o filho, jogaram-no para fora da vinha e o mataram. 40Pois bem, quando o dono da vinha voltar, o que fará com esses vinhateiros?”

41Os sumos sacerdotes e os anciãos do povo responderam: “Com certeza mandará matar de modo violento esses perversos e arrendará a vinha a outros vinhateiros, que lhe entregarão os frutos no tempo certo”.

42Então Jesus lhes disse: “Vós nunca lestes nas Escrituras: ‘A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular; isto foi feito pelo Senhor e é maravilhoso aos nossos olhos?’

43Por isso, eu vos digo: o Reino de Deus vos será tirado e será entregue a um povo que produzirá frutos”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Produzamos bons frutos para o Reino de Deus

“Por isso, eu vos digo: o Reino de Deus vos será tirado e será entregue a um povo que produzirá frutos” (Mateus 21,43).

Começamos a reflexão deste Evangelho dominical com essa sentença final de Jesus. Ele está dizendo que, se não produzirmos frutos, o Reino de Deus será tirado de nós e entregue a um povo que produza frutos. O Reino de Deus não é estéril, ele produz mais e mais frutos. 

A partir da própria parábola dos vinhateiros desonestos, que simplesmente pegaram aquilo que era para eles cuidarem, pois aquela vinha pertencia ao proprietário, quando esse mandou seus emissários para prestarem conta de como estava a vinha, aqueles vinhateiros desprezaram, espancaram e até mataram alguns, apedrejaram outros, enfim, desprezaram os enviados do proprietário para não prestarem conta a ele. Por fim, o proprietário enviou também o seu próprio filho e disseram: “Vamos matá-lo logo porque é o filho e, assim, tomaremos posse de tudo”.

A parábola que Jesus está contando é muito dura e cruel porque está nos contando uma tragédia. Os vinhateiros estavam matando os enviados do proprietário da vinha e, depois, matando o próprio filho dele.

Quando olhamos para a história e, sobretudo, para a história da Salvação, saibamos que foi o que fizeram com Deus. Porque quando Deus enviou os seus emissários, profetas, seus sacerdotes, os patriarcas como mandou no Antigo Testamento, eles foram desprezados, muitos foram mortos e ignorados. Mas não é somente no passado, é no presente também; é no presente que a Palavra de Deus é desprezada, que a voz de Deus é ignorada, que os profetas são desprezados.


Podemos produzir frutos, se não ignorarmos nem desprezarmos a presença amorosa de Deus entre nós

Talvez, não queiramos ouvir esse ou aquele profeta e queiramos ouvir o próprio Deus falando a nós. Deus enviou o Seu próprio Filho; e com Ele foram muito mais cruéis porque O mataram.

Não preciso dizer que, nos tempos de hoje, Jesus continua sendo desprezado, ignorado e morto. Não existe pior maneira de matar alguém do que ignorar a sua presença, distorcer, desprezar; e não podemos fazer parte desse grupo ou pensamento homicida.

Os homens tomaram conta do mundo e fazem dele o que querem, desprezam e ignoram a Deus. Em muitas das nossas casas, Deus está sendo ignorado, em muitas das nossas casas nem símbolos religiosos temos mais. Em nossas casas se ouve de tudo, mas não há espaço para ouvir a Palavra de Deus.

Precisamos cuidar para que o Reino de Deus não seja tirado de nós e seja dado para quem produz frutos, porque podemos produzir frutos, se não ignorarmos nem desprezarmos a presença amorosa de Deus entre nós.  

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Como produzir os frutos que Deus espera de nós?

Na parábola dos vinhateiros homicidas, Deus é o proprietário de uma vinha que, no tempo da colheita, deve dar os seus frutos. Essa vinha é a Igreja, e os frutos que Ele espera receber de nós são os frutos maduros do amor, de quem uniu a sua vontade humana à divina. Mas como devemos trabalhar para que nossa vida frutifique? Como adequar nosso querer ao de Deus? É o que Pe. Paulo Ricardo explica, através de três lições bem práticas, na homilia deste domingo.





Santo do Dia:

São Francisco de Assis

Francisco nasceu em Assis, na Úmbria (Itália) em 1182. Jovem orgulhoso, vaidoso e rico, que se tornou o mais italiano dos santos e o mais santo dos italianos. Com 24 anos, renunciou a toda riqueza para desposar a "Senhora Pobreza".

Aconteceu que Francisco foi para a guerra como cavaleiro, mas doente ouviu e obedeceu a voz do Patrão que lhe dizia: "Francisco, a quem é melhor servir, ao amo ou ao criado?". Ele respondeu que ao amo. "Porque, então, transformas o amo em criado?", replicou a voz. No início de sua conversão, foi como peregrino a Roma, vivendo como eremita e na solidão, quando recebeu a ordem do Santo Cristo na igrejinha de São Damião: "Vai restaurar minha igreja, que está em ruínas".

Partindo em missão de paz e bem, seguiu com perfeita alegria o Cristo pobre, casto e obediente. No campo de Assis havia uma ermida de Nossa Senhora chamada Porciúncula. Este foi o lugar predileto de Francisco e dos seus companheiros, pois na Primavera do ano de 1200 já não estava só; tinham-se unido a ele alguns valentes que pediam também esmola, trabalhavam no campo, pregavam, visitavam e consolavam os doentes. A partir daí, Francisco dedica-se a viagens missionárias: Roma, Chipre, Egito, Síria... Peregrinando até aos Lugares Santos. Quando voltou à Itália, em 1220, encontrou a Fraternidade dividida. Parte dos Frades não compreendia a simplicidade do Evangelho.

Em 1223, foi a Roma e obteve a aprovação mais solene da Regra, como ato culminante da sua vida. Na última etapa de sua vida, recebeu no Monte Alverne os estigmas de Cristo, em 1224.

Já enfraquecido por tanta penitência e cego por chorar pelo amor que não é amado, São Francisco de Assis, na igreja de São Damião, encontra-se rodeado pelos seus filhos espirituais e assim, recita ao mundo o cântico das criaturas. O seráfico pai, São Francisco de Assis, retira-se então para a Porciúncula, onde morre deitado nas humildes cinzas a 3 de outubro de 1226. Passados dois anos incompletos, a 16 de julho de 1228, o Pobrezinho de Assis era canonizado por Gregório IX.

São Francisco de Assis, rogai por nós!


Oração sobre as Oferendas:
Acolhei, ó Deus, nós vos pedimos, o sacrifício que instituístes e, pelos mistérios que celebramos em vossa honra, completai a santificação dos que salvastes. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
Bom é o Senhor para quem confia nele, para aquele que o procura. (Lm 3, 25)

Ou:


Embora sendo muitos, nós formamos um só corpo, porque participamos de um mesmo pão e de um mesmo cálice. (Cf. 1Cor 10-17)

Oração depois da Comunhão:
Possamos, ó Deus onipotente, saciar-nos do pão celeste e inebriar-nos do vinho sagrado, para que sejamos transformados naquele que agora recebemos. Por Cristo, nosso Senhor.