Antífona de Entrada:
Meus Deus, vinde libertar-me, apressai-vos, Senhor, em socorrer-me. Vós sois o meu socorro e o meu libertador; Senhor, não tardeis mais (Sl 69,2.6).

Oração do Dia:
Manifestai, ó Deus, vossa inesgotável bondade para com os filhos e filhas que vos imploram e se gloriam de vos ter como criador e guia, restaurando para eles a vossa criação e conservando-a renovada. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (Jr 31,1-7)


Leitura do Livro do Profeta Jeremias.

1“Naquele tempo, diz o Senhor, serei Deus para todas as tribos de Israel, e elas serão meu povo”. 2Isto diz o Senhor: “Encontrou perdão no deserto o povo que escapara à espada; Israel encaminha-se para o seu descanso”.

3O Senhor apareceu-me de longe: “Amei-te com amor eterno e te atraí com a misericórdia. 4De novo te edificarei, serás reedificada, ó jovem nação de Israel; de novo teus tambores ornarão as praças e sairás entre grupos de dançantes. 5Hás de plantar vinhas nos montes de Samaria; os cultivadores hão de plantar e também colher.

6Virá o dia em que gritarão os guardas no monte Efraim: ‘Levantai-vos, vamos a Sião, vamos ao Senhor, nosso Deus’. 7Isto diz o Senhor: Exultai de alegria por Jacó, aclamai a primeira das nações; tocai, cantai e dizei: ‘Salva, Senhor, teu povo, o resto de Israel’”.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Jr 31,10-13)


R. O Senhor nos guardará qual pastor a seu rebanho.


— Ouvi, nações, a palavra do Senhor e anunciai-a nas ilhas mais distantes: “Quem dispersou Israel vai congregá-lo, e o guardará qual pastor a seu rebanho!” R.

— Pois, na verdade, o Senhor remiu Jacó e o libertou do poder do prepotente. Voltarão para o monte de Sião, entre brados e cantos de alegria afluirão para as bênçãos do Senhor. R.

— Então a virgem dançará alegremente, também o jovem e o velho exultarão; mudarei em alegria o seu luto, serei consolo e conforto após a guerra. R.


R. Aleluia, aleluia, aleluia.
V. Um grande profeta surgiu entre nós e Deus visitou o seu povo, aleluia (Lc 7,16). R.


Evangelho (Mt 15,21-28)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Mateus. 

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 21Jesus retirou-se para a região de Tiro e Sidônia. 22Eis que uma mulher cananeia, vindo daquela região, pôs-se a gritar: “Senhor, filho de Davi, tem piedade de mim: minha filha está cruelmente atormentada por um demônio!” 23Mas, Jesus não lhe respondeu palavra alguma. Então seus discípulos aproximaram-se e lhe pediram: “Manda embora essa mulher, pois ela vem gritando atrás de nós”.

24Jesus respondeu: “Eu fui enviado somente às ovelhas perdidas da casa de Israel”. 25Mas, a mulher, aproximando-se, prostrou-se diante de Jesus, e começou a implorar: “Senhor, socorre-me!” 26Jesus lhe disse: “Não fica bem tirar o pão dos filhos para jogá-lo aos cachorrinhos”. 27A mulher insistiu: “É verdade, Senhor; mas os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos!” 28Diante disso, Jesus lhe disse: “Mulher, grande é a tua fé! Seja feito como tu queres!” E desde aquele momento sua filha ficou curada.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: A fé nos faz lutar pelo que acreditamos

“A mulher insistiu: ‘É verdade, Senhor; mas os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos!’. Diante disso, Jesus lhe disse: ‘Mulher, grande é a tua fé! Seja feito como tu queres!’. E desde aquele momento sua filha ficou curada” (Mateus 15,27-28).

Olho para o coração dessa mãe que não sofre por ela, mas pela filha, e o sofrimento da filha é duas vezes maior no coração da mãe, porque a mãe encarna em si tudo aquilo que o filho está passando, vivendo, sentindo e sofrendo. A mãe diz em si: “Meu filho, como queria estar no seu lugar!”.

Toda mãe quer sofrer no lugar do filho, porque não aguenta ver seu filho sofrer. Essa mulher não foi implorar por ela, mas pela sua filha que estava sendo cruelmente atormentada por um demônio. Ela foi atrás de Jesus, porque somente Ele podia trazer a libertação de que a sua filha precisava.

Jesus estava primeiro ocupado com as ovelhas de Israel, aqueles a quem Ele veio em primeiro lugar, mas é importante dizer que Jesus não veio somente para a casa de Israel. Ele veio para todos, inclusive para nós, mas Ele quis, primeiro, os da própria casa.   

A fé é insistente, faz-nos ir atrás do que acreditamos, não do que queremos, mas d'Aquele que pode nos dar

Não adianta querer levar a Palavra de Deus para o mundo inteiro, mas não a levar para dentro da sua casa. Que incoerência! Que inconsistência e falta de sentido! Entendendo que essa era a Sua primeira missão, Jesus até estranha, porque a mulher era siro-fenícia, não fazia parte do povo de Israel, por isso Jesus usa um provérbio muito comum para os judeus: “Não convém tirar aquilo que é do dono para servir aos cães. Não posso tirar o pão dos filhos, para jogá-los aos cachorrinhos”.

Aliás, Ele usa a expressão carinhosa “cachorrinhos”, porque, na cultura judaica, aqueles que não eram judeus eram cães. A fé dessa mulher era impressionante. “É verdade, se não cabe tirar o pão dos filhos, os cachorrinhos comem as migalhas. Senhor, dê-me as migalhas, para mim elas são suficientes. Dê-me o tempo que estiver sobrando, dê me o que restar, mas o que o Senhor me der será mais do que necessário para a minha filha.”

A fé dessa mulher impressionou o próprio Jesus, e o fez até abaixar a cabeça. Assim é a fé: não é desespero, é busca confiante e apaixonante. A fé é insistente, faz-nos ir atrás do que acreditamos, não do que queremos, mas d'Aquele que pode nos dar.

O mais importante não era aquilo que ela queria, mas aquilo que Jesus podia lhe dar. E ela tinha certeza que Jesus podia fazer algo pela filha dela.

Mãe, você pode acreditar que Jesus pode fazer pelos seus filhos. Que a sua fé seja grande! Não desanime, seja confiante, seja retumbante no coração de Deus. Brigue pelas migalhas, pelo pão e pela graça de Deus que lhe é de direito. O amor de Deus jamais há de lhe faltar!

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Festa da Dedicação da Basílica de Santa Maria Maior

Segundo conta a tradição, no século IV, em pleno mês de agosto, um dos mais quentes do ano na cidade de Roma, a Virgem Maria teria aparecido sobre o monte Esquilino e, como por milagre, feito nevar somente ali, apesar dos rigores do estio, para indicar o seu desejo de que lhe fosse erigida e especialmente dedicada uma igreja naquele lugar. Foi assim que surgiu a Basílica de Santa Maria Maior, também conhecida como Nossa Senhora das Neves, em cujos átrios se conservam as relíquias do presépio. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta quarta-feira, dia 5 de agosto, e medite conosco, por ocasião desta festa, sobre o mistério da santíssima Encarnação do Verbo de Deus.





Santo do Dia:

Santo Apolinário

Neste mesmo dia em que comemoramos a dedicação da Basílica de Santa Maria Maior em Roma, lembramos com alegria da vida de santidade do mais antigo Bispo de Ravena: Santo Apolinário.

Nascido no Séc. I numa família pagã, foi convertido por Deus em Roma, através da pregação do apóstolo São Pedro.

No tempo de Apolinário o paganismo e sincretismo estavam dominando todo o Império e, por isso, todo evangelizador corria grandes riscos de vida. Com a missão indicando a evangelização do Norte da Itália, foi ele edificar a Igreja de Ravena, a qual tornou-se na Itália, depois de Roma, pólo do Cristianismo.

Por causa de Jesus Cristo e do Seu Reino, lutou contra as tentações, permaneceu fiel, com coragem sofreu e suportou até mesmo as torturas como confessor e, mais tarde, o martírio. Conta-nos a história que diante do Édito de Milão em 313, a Igreja Católica adquiriu liberdade religiosa e com isso pôde livremente evangelizar o Império Romano, assim como venerar seus santos; é deste período que encontramos em Ravena grande devoção ao Santo Bispo do qual celebramos hoje, herói da nossa fé.

Santo Apolinário, rogai por nós!


Oração sobre as Oferendas:
Dignai-vos, ó Deus, santificar estas oferendas e, aceitando este sacrifício espiritual, fazei de nós uma oferenda eterna para vós. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
Vós nos destes, Senhor, o pão do céu, que contém todo sabor e satisfaz todo paladar (Sb 16,20).

Oração depois da Comunhão:
Acompanhai, ó Deus, com proteção constante os que renovastes com o pão do céu e, como não cessais de alimentá-los, tornai-os dignos da salvação eterna. Por Cristo, nosso Senhor.