Antífona de Entrada:
Senhor, tudo está em vosso poder, e ninguém pode resistir à vossa vontade. Vós fizestes todas as coisas: o céu, a terra, e tudo o que eles contêm; sois o Deus do universo! (Est 1, 9. 10-11)

Oração do Dia:
Ó Deus eterno e todo-poderoso, que nos concedeis no vosso imenso amor de Pai mais do que merecemos e pedimos, derramai sobre nós a vossa misericórdia, perdoando o que nos pesa na consciência e dando-nos mais do que ousamos pedir. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (Gl 1, 13-24)


Leitura da Carta de São Paulo aos Gálatas


Irmãos, 13certamente ouvistes falar como foi outrora a minha conduta no judaísmo, com que excessos perseguia e devastava a Igreja de Deus 14e como progredia no judaísmo mais do que muitos judeus de minha idade, mostrando-me extremamente zeloso das tradições paternas. 15Quando, porém, aquele que me separou desde o ventre materno e me chamou por sua graça 16se dignou revelar-me o seu Filho, para que eu o pregasse entre os pagãos, não consultei carne nem sangue 17nem subi, logo, a Jerusalém para estar com os que eram apóstolos antes de mim. Pelo contrário, parti para a Arábia e, depois, voltei ainda a Damasco. 18Três anos mais tarde fui a Jerusalém para conhecer Cefas e fiquei com ele quinze dias. 19E não estive com nenhum outro apóstolo, a não ser Tiago, o irmão do Senhor. 20Escrevendo estas coisas, afirmo diante de Deus que não estou mentindo. 21Depois, fui para as regiões da Síria e da Cilícia. 22Ainda não era pessoalmente conhecido das Igrejas da Judeia que estão em Cristo. 23Apenas tinham ouvido dizer que “aquele que, antes, nos perseguia, está agora pregando a fé que, antes, procurava destruir”. 24E glorificavam a Deus por minha causa.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo responsorial (Sl 138)


R. Conduzi-me no caminho para a vida, ó Senhor!


— Senhor, vós me sondais e conheceis, sabeis quando me sento ou me levanto; de longe penetrais meus pensamentos, percebeis quando me deito e quando eu ando, os meus caminhos vos são todos conhecidos. R.

— Fostes vós que me formastes as entranhas, e no seio de minha mãe vós me tecestes. Eu vos louvo e vos dou graças, ó Senhor, porque de modo admirável me formastes! Que prodígio e maravilha as vossas obras! R.

— Até o mais íntimo, Senhor, me conheceis; nenhuma sequer de minhas fibras ignoráveis; quando eu era modelado ocultamente, era formado nas entranhas subterrâneas. R.


R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Feliz quem ouve e observa a palavra de Deus! (Lc 11, 28) R.


Evangelho (Lc 10, 38-42)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Lucas 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo, 38Jesus entrou num povoado, e certa mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa. 39Sua irmã, chamada Maria, sentou-se aos pés do Senhor, e escutava a sua palavra. 40Marta, porém, estava ocupada com muitos afazeres. Ela aproximou-se e disse: “Senhor, não te importas que minha irmã me deixe sozinha, com todo o serviço? Manda que ela me venha ajudar!” 41O Senhor, porém, lhe respondeu: “Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. 42Porém, uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Paremos para escutar a Palavra do Senhor

“Sua irmã, chamada Maria, sentou-se aos pés do Senhor, e escutava a sua palavra” (Lucas 10,39).

 

Quando Jesus vai à Betânia, vai à casa dos seus amigos; e a casa de seus amigos é, justamente, a casa de Marta, Maria e Lázaro. É interessante a forma como Jesus é recebido quando chega nessa casa de amigos.

Há aquele amigo que está ocupado com suas tarefas e obrigações e já sabe que Jesus é de casa, então, Jesus entra e a pessoa continua fazendo aquilo que são as suas obrigações e, depois, dá atenção para o Senhor.

Marta, na verdade, é a figura de cada um de nós demasiadamente atarefado e ocupado com obrigações, trabalhos, responsabilidades, e não são poucas as nossas ocupações, os nossos trabalhos, não é pouco dizermos: “Estou muito atarefado”.

E realmente temos as nossas tarefas, os nossos trabalhos, ocupações e responsabilidades. Às vezes, as 24 horas do dia não são suficientes para fazermos tudo o que temos de fazer. Mas aqui, cuidado! Porque o excesso de tarefas, o centralizar em nossas obrigações a razão de viver, vai tirando a nossa vida do eixo da graça, vai tirando a nossa vida do seu próprio sentido existencial. Se não temos tempo para Deus e para o nosso próximo, estamos vivendo uma vida ativista, mas não estamos vivendo uma vida na graça.


Se você que ser uma pessoa íntima e próxima de Deus, pare para escutar a Sua Palavra

Primeiro, se não temos tempo para nos sentarmos aos pés do Senhor para escutá-Lo, podemos fazer todo o trabalho para Deus: pregar, evangelizar, cuidar da minha casa, mas preciso escutá-Lo.

Quando Jesus exalta Maria porque ela escolheu a melhor parte e a melhor parte jamais lhe será tirada, é porque, na verdade, a única coisa que vai nos restar é o Senhor, o resto tudo mais será tirado de nós. Tudo mesmo: trabalho vai passar, empregos vão passar, oportunidades irão embora, as coisas materiais que cuidamos... Tudo isso vai passar; não permaneceremos com nada. Mas quando o Senhor é a nossa maior riqueza, ninguém pode tirá-Lo de nós.

Não podemos deixar de considerar como tempo mais precioso da nossa vida, o tempo que paramos para escutar o Senhor, para nos sentarmos aos pés d’Ele para ouvi-Lo. Escutamos todo mundo, escutamos fofocas, redes sociais, rádio, televisão, os barulhos todos que estão dentro de nós e, por isso, somos essas pessoas tão bagunçadas, desorientadas, desnorteadas porque tem barulhos de mais gritando dentro de nós.

Que beleza parar para escutar o Senhor! Esse deve ser o exercício mais importante da nossa vida! Se você que ser uma pessoa íntima e próxima de Deus, pare para escutar a Sua Palavra. Maria o fez, sentou-se aos Seus pés e a Palavra penetrou na sua vida e, por isso, ela é bem-aventurada.

Que a nossa vida também seja marcada pela bem-aventurança e pela felicidade que é verdadeira. Porque a felicidade maior é escutar o Senhor falando a nós por meio da Sua Palavra.

Deus abençoe você!   

 

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Onde está o nosso foco?

A grande diferença entre as irmãs Marta e Maria não é, como às vezes se pensa, entre a vida ativa, de um lado, e a contemplativa, de outro, já que ambas são dignas e necessárias a todo santo, ainda que em doses diversas. Na verdade, o que faz Marta ser docemente repreendida e Maria, justamente elogiada, é o foco que falta à primeira e sobeja na segunda: foco naquele “único necessário” que não nos será tirado, ao contrário das muitas panelas entre as quais, agitados, tanto nos preocupamos. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta terça-feira, dia 6 de outubro, e venha ser parte da nossa família!





Santo do Dia:

São Bruno

Hoje lembramos o santo que se tornou o fundador da Ordem dos Cartuxos, considerada a mais rígida de todas as Ordens da Igreja, e que atravessou a história sem reformas.

Filho de família nobre de Colônia (Alemanha), nasceu em 1032. Quando alcançou idade, foi chamado pelo Senhor ao sacerdócio, e se deixou seduzir. Amigo e admirado pelo Arcebispo de Reims, Bruno, inteligente e piedoso, começou a dar aulas na escola da Catedral desse local, até que, já cinquentenário e cônego, amadureceu na inspiração de servir a uma Ordem religiosa.

Após curto estágio num mosteiro beneditino, retirou-se a uma região chamada Cartuxa com a aprovação e bênção de São Hugo, Bispo de Grenoble, o qual lhe ofereceu um lugar. Isto se deu graças a um sonho que São Hugo teve. Neste sonho, apareciam-lhe sete estrelas que caíam aos seus pés para, logo em seguida, levantarem-se e desaparecerem no deserto montanhoso. Após este sonho, o Bispo recebeu a visita de Bruno que estava acompanhado por seis companheiros monges. Ao ver os sete varões, o Bispo Hugo reconheceu imediatamente neles as sete estrelas do sonho e concedeu-lhes as terras onde São Bruno iniciou a Ordem gloriosa da Cartuxa com o coração abrasado de amor por Jesus e pelo Reino de Deus. Com os monges companheiros, observava-se absoluto silêncio, com vista ao aprofundamento na oração e à meditação das coisas divinas, ofícios litúrgicos comunitários, obediência aos superiores, trabalhos agrícolas, transcrição de manuscritos e livros piedosos.

Quando um dos discípulos de São Bruno tornou-se Papa (Urbano II), teve ele que obedecer ao Vigário de Cristo, já que o queria como assessor; porém, recusou ser Bispo e, após pedir com insistência ao Sumo Pontífice, conseguiu voltar à vida religiosa, quando juntamente com amigos de Roma fundou no sul da Itália o Mosteiro de Santa Maria da Torre, onde veio a falecer no dia 6 de outubro de 1101.

Suas últimas palavras foram: “Eu creio nos Santos Sacramentos da Igreja Católica, em particular, creio que o pão e o vinho consagrados na Santa Missa são o Corpo e Sangue verdadeiros de Jesus Cristo”.


São Bruno, rogai por nós!


Oração sobre as Oferendas:
Acolhei, ó Deus, nós vos pedimos, o sacrifício que instituístes e, pelos mistérios que celebramos em vossa honra, completai a santificação dos que salvastes. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
Bom é o Senhor para quem confia nele, para aquele que o procura. (Lm 3, 25)

Ou:


Embora sendo muitos, nós formamos um só corpo, porque participamos de um mesmo pão e de um mesmo cálice. (Cf. 1Cor 10-17)

Oração depois da Comunhão:
Possamos, ó Deus onipotente, saciar-nos do pão celeste e inebriar-nos do vinho sagrado, para que sejamos transformados naquele que agora recebemos. Por Cristo, nosso Senhor.