Primeira Leitura (1Rs 10,1-10)


Leitura do Primeiro Livro dos Reis.

Naqueles dias, 1a rainha de Sabá, tendo ouvido falar – para a glória do Senhor – da fama de Salomão, veio prová-lo com enigmas. 2Chegou a Jerusalém com numerosa comitiva, com camelos carregados de aromas, e enorme quantidade de ouro e pedras preciosas. Apresentou-se ao rei Salomão e expôs-lhe tudo o que tinha em seu pensamento.

3Salomão soube responder a todas as suas perguntas: para ele nada houve tão obscuro que não pudesse esclarecer. 4Quando a rainha de Sabá viu toda a sabedoria de Salomão, a casa que tinha construído, 5os manjares da sua mesa, os cortesãos sentados em ordem à mesa, as diversas classes dos que o serviam e suas vestes, os copeiros, os holocaustos que ele oferecia no templo do Senhor, ficou pasmada e disse ao rei:

6“Realmente era verdade o que eu ouvi no meu país a respeito de tuas palavras e de tua sabedoria! 7Eu não queria acreditar no que diziam, até que vim e vi com os meus próprios olhos, e reconheci que não me tinham dito nem a metade. Tua sabedoria e tua riqueza são muito maiores do que a fama que chegara aos meus ouvidos. 8Feliz a tua gente, felizes os teus servos que gozam sempre da tua presença e que ouvem a tua sabedoria! 9Bendito seja o Senhor, teu Deus, a quem agradaste, que te colocou sobre o trono de Israel, porque o Senhor amou Israel para sempre, e te constituiu rei para governares com justiça e equidade”.

10Depois, ela deu ao rei cento e vinte talentos de ouro e grande quantidade de aromas e pedras preciosas. Nunca mais foi trazida tanta quantidade de aromas como a que a rainha de Sabá deu ao rei Salomão.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Responsório (Sl 36)


— O justo tem nos lábios o que é sábio.

— O justo tem nos lábios o que é sábio.

— Deixa aos cuidados do Senhor o teu destino; confia nele, e com certeza ele agirá. Fará brilhar tua inocência como a luz, e o teu direito, como o sol do meio-dia.

— O justo tem nos lábios o que é sábio, sua língua tem palavras de justiça; traz a Aliança do seu Deus no coração, e seus passos não vacilam no caminho.

— A salvação dos piedosos vem de Deus; ele os protege nos momentos de aflição. O Senhor lhes dá ajuda e os liberta, defende-os e protege-os contra os ímpios, e os guarda porque nele confiaram.


Evangelho (Mc 7,14-23)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Marcos.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 14Jesus chamou a multidão para perto de si e disse: “Escutai todos e compreendei: 15o que torna impuro o homem não é o que entra nele vindo de fora, mas o que sai do seu interior. 16Quem tem ouvidos para ouvir ouça”.

17Quando Jesus entrou em casa, longe da multidão, os discípulos lhe perguntaram sobre essa parábola. 18Jesus lhes disse: “Será que nem vós compreendeis? Não entendeis que nada do que vem de fora e entra numa pessoa pode torná-la impura, 19porque não entra em seu coração, mas em seu estômago e vai para a fossa?” Assim Jesus declarava que todos os alimentos eram puros.

20Ele disse: “O que sai do homem, isso é que o torna impuro. 21Pois é de dentro do coração humano que saem as más intenções, imoralidades, roubos, assassínios, 22adultérios, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo. 23Todas estas coisas más saem de dentro e são elas que tornam impuro o homem”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: A cada dia precisamos purificar a alma e o coração

“O que torna impuro o homem não é o que entra nele vindo de fora, mas o que sai do seu interior. Quem tem ouvidos para ouvir ouça” (Mc 7,15-16)

 

Nós estamos, tantas vezes, ligados nas coisas que estão vindo de fora! É verdade que tem muita coisa de fora que entra em nós, mas o problema não é o que está lá fora, o problema é o que entrou em nós.

Eu sei que a preocupação para os fariseus, segundo a Palavra, é com a questão de comer carne ou não comer, comer as coisas com as mãos puras ou com as mãos impuras. Não, não é a impureza ligada às questões higiênicas – estas têm de ser cuidadas como questões de higiene, de saúde pública –, que Jesus está falando nem é a isso que Ele está se referindo, mas ao fato de nós nos preocuparmos com todos os preceitos externos, e não cuidarmos do essencial, que é o coração, aquilo que nós precisamos fazer a cada dia, purificar a alma e o coração.

Que bom que nós tomamos banho! Há pessoas que tomam mais de um banho por dia, dois, três... Lavam-se muito! E que beleza, lavem-se mesmo, tomem banho mesmo, vivam uma higiene física tão necessária! Mas quem dera que tivéssemos o mesmo cuidado com o nosso espírito, com a nossa alma e o nosso coração, porque o que está estragando as relações humanas, o que está estragando o convívio humano são as impurezas que saem de dentro de nós.

É dentro de nós que saem as agressões, é dentro do nosso coração que saem as amarguras, os azedumes, as palavras torpes, pesadas e duras. É dentro de nós que saem mentiras, acusações, impurezas, todas elas. Sim, então, é do nosso interior que nós precisamos cuidar em primeiro lugar. Nós não podemos descuidar do nosso coração, porque quando a gente não cuida do nosso coração, as coisas vão tomando direções erradas.


Toda e qualquer renovação começa no nosso próprio coração

Permita-me dizer a você: qualquer pessoa que quer discutir uma relação, seja a relação conjugal, a relação na amizade, a pessoa parte para discussão externa. Primeiro, para escutar o outro, para acusá-lo, para dizer que o outro é o problema. Não, está errado. Toda e qualquer renovação começa no coração, porque, às vezes, vamos conversar com o outro com o coração já armado, que vem das mentes, das fantasias, das coisas que estão machucadas, das situações que não estão resolvidas dentro de nós; e aí, realmente, não se constrói paz, nada se renova, nada, realmente, chega à concórdia, porque estamos todos nós armados, bem munidos de acusações, de chateações, de mágoas, de reclamações para fazer a respeito dos outros.

O que nós precisamos é purificar o que está dentro de nós. Só consegue promover a paz e a reconciliação aquele que tem o coração puro. E não caiamos no puritanismo da visão mundana, caiamos no coração puro, renovado das falsas intenções, das hipocrisias. Tiremos do nosso coração todo espírito de deboche que nos faz sentir melhores que os outros. Purifiquemos o nosso coração da soberba, do orgulho, do egoismo, do individualismo.

Quando purificamos o coração, nós conseguimos, de verdade, construir novas relações ou renovar o que está ao nosso lado.

Não é que vem de fora que nos estraga, mas é o que sai de dentro que nós não renovamos.

Deus abençoe você!

 

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


A maldade vem da alma, não do corpo

Embora esteja superada a controvérsia de Nosso Senhor com os judeus acerca da impureza ou não dos alimentos, ela nos auxilia a refletir sobre o fato de que o mal tem sua origem no espírito, e não na matéria. É da alma, pois, e não do corpo, que partem tanto o pecado quanto o amor. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta quarta-feira, dia 12 de fevereiro, e meditemos sobre nossa batalha espiritual na luta contra o demônio e na vivência do amor a Deus e aos irmãos.





Santo do Dia:

Santa Eulália

Virgem e mártir, viveu no século III em Barcelona. Educada e muito bem formada pela sua família cristã, desde pequena ela buscou o relacionamento com Deus e a fuga do pecado. Era uma pessoa muito sociável, gostava de brincar com as amigas da mesma idade, mas sempre fugia da vaidade.

Santa Eulália amava Jesus Cristo acima de tudo e O amou em todos os momentos, inclusive na dor. Aconteceu que, por parte do terrível Deocleciano, a perseguição aos cristãos chegou na Espanha. Os pais da santa decidiram viajar para fugir dessa perseguição, mas Eulália foi até o governador a fim de denunciar, com a sua pouca idade, a injustiça que estava sendo cometida contra os cristãos. O governador, diante daquela ousadia, quis que ela apostatasse da fé, ou seja, que adorasse outros deuses para que ficasse livre do sofrimento. No entanto, ela deixou claro que o seu Senhor, o Rei dos reis, o Senhor de todos os dominadores, é Jesus Cristo.

O ódio daquele governador e a maldade contra uma menina, fez com que ela fosse queimada com ferro e fogo, mas, durante tanto sofrimento, o seu testemunho era este: “Agora, vejo em mim as marcas da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo”.

Para nós, hoje, ela é um exemplo de ousadia. Com pouca idade, com muito amor e uma fé adulta, não renunciou a Jesus em meio ao sofrimento. Ela morreu queimada, mas antes, cheia do fogo de Deus. Por isso, se encontra na glória a interceder por todos nós para que a nossa vida cristã busque, constantemente, a santidade na alegria e na paz, mas também no sofrimento e na perseguição. É momento de reconhecer que a nossa força é o Espírito Santo.

Santa Eulália, rogai por nós!