Primeira Leitura (Cl 3,12-17)


Leitura da Carta de São Paulo aos Colossenses.

Irmãos, 12vós sois amados por Deus, sois os seus santos eleitos. Por isso, revesti-vos de sincera misericórdia, bondade, humildade, mansidão e paciência, 13suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos mutuamente, se um tiver queixa contra o outro. Como o Senhor vos perdoou, assim perdoai vós também.

14Mas, sobretudo, amai-vos uns aos outros, pois o amor é o vínculo da perfeição. 15Que a paz de Cristo reine em vossos corações, à qual fostes chamados como membros de um só corpo. E sede agradecidos. 16Que a palavra de Cristo, com toda a sua riqueza, habite em vós. Ensinai e admoestai-vos uns aos outros com toda a sabedoria. Do fundo dos vossos corações, cantai a Deus salmos, hinos e cânticos espirituais, em ação de graças. 17Tudo o que fizerdes, em palavras ou obras, seja feito em nome do Senhor Jesus Cristo. Por meio dele dai graças a Deus, o Pai.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Responsório (Sl 150)


— Louve o Senhor tudo o que vive e que respira.

— Louve o Senhor tudo o que vive e que respira.

— Louvai o Senhor Deus no santuário, louvai-o no alto céu de seu poder! Louvai-o por seus feitos grandiosos, louvai-o em sua grandeza majestosa!

— Louvai-o com o toque da trombeta, louvai-o com a harpa e com a cítara! Louvai-o com a dança e o tambor, louvai-o com as cordas e as flautas!

— Louvai-o com os címbalos sonoros, louvai-o com os címbalos de júbilo! Louve a Deus tudo o que vive e que respira, tudo cante os louvores do Senhor!


Evangelho (Lc 6,27-38)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, falou Jesus aos seus discípulos: 27“A vós que me escutais, eu digo: Amai os vossos inimigos e fazei o bem aos que vos odeiam, 28bendizei os que vos amaldiçoam, e rezai por aqueles que vos caluniam. 29Se alguém te der uma bofetada numa face, oferece também a outra. Se alguém te tomar o manto, deixa-o levar também a túnica.

30Dá a quem te pedir e, se alguém tirar o que é teu, não peças que o devolva. 31O que vós desejais que os outros vos façam, fazei-o também vós a eles. 32Se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Até os pecadores amam aqueles que os amam. 33E se fazeis o bem somente aos que vos fazem o bem, que recompensa tereis? Até os pecadores fazem assim. 34E se emprestais somente àqueles de quem esperais receber, que recompensa tereis? Até os pecadores emprestam aos pecadores, para receber de volta a mesma quantia. 35Ao contrário, amai os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai sem esperar coisa alguma em troca. Então, a vossa recompensa será grande, e sereis filhos do Altíssimo, porque Deus é bondoso também para com os ingratos e os maus.

36Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso. 37Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados. 38Dai e vos será dado. Uma boa medida, calcada, sacudida, transbordante será posta no vosso colo; porque com a mesma medida com que medirdes os outros, vós também sereis medidos”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Façamos o bem aos nossos inimigos

Amai os vossos inimigos e fazei o bem aos que vos odeiam, bendizei os que vos amaldiçoam, e rezai por aqueles que vos caluniam” (Lucas 6,26-27).

Vivemos na sociedade da vingança, e sabemos que, nesta sociedade, as pessoas procuram revidar aquilo que receberam. Se o outro me fez o mal, eu preciso também fazer o mal a ele, muitas vezes, nem é pelos atos, mas é pelo desejo e pela vontade.

Quantos males estão rondando a nossa cabeça, os nossos sentimentos e afetos, porque são marcas que os outros deixaram em nós, mas não nos desfizemos delas; pelo contrário, nós as alimentamos, cultivamos, deixamos elas crescerem em nós e estamos expostos em nossas emoções, fragilizados por dentro e por fora com mágoas, ressentimentos, rancores e sentimentos de ódio. Isso vai mexendo por dentro, e do nosso inconsciente à nossa consciência estamos soltando vingança.

Quando falamos mal de alguém, é porque aquele alguém nos fez mal. Quando desejamos o mal ao outro, é porque aquele outro, de alguma forma, nos incomoda. Se alguém me incomoda, não me faz bem, se alguém me prejudicou, desejou mal, ou se há pessoas que, realmente, me querem mal, eu preciso dar o que eu tenho de melhor para eles.


A quem não nos quer bem, a quem nos fez o mal e nos prejudicou, nós temos uma resposta: amor de Deus em nossos corações

O melhor que eu tenho é o amor de Deus que está em mim. Eu não tenho inimigos, mas eu tenho certeza que há pessoas que não me querem. O que eu tenho para dar para elas? O meu amor.

O amor tem que ser algo verdadeiro e concreto, porque, inclusive, o amor nos protege e nos fortalece, por isso a Palavra de Deus é ordem: fazer o bem a quem nos odeia. E nós, muitas vezes, temos aquele desejo até de fazer o mal para alguém. Só o fato de falar mal de uma pessoa já estamos fazendo o mal. Nas minhas orações, eu oro por quem não me quer bem, por quem já me prejudicou, por quem me prejudica, apesar de não perder muito tempo com isso.

Precisamos ser concretos em nossa espiritualidade, e a espiritualidade do seguidor de Jesus é a espiritualidade do amor, mas não é um amor reservado às pessoas que estão a nossa volta e com as quais temos afinidade. O amor é para com todos.

É verdade que podemos nutrir afetos muito mais sublimes por quem é mais próximo de nós, mas não podemos negar o nosso amor a outros que não nos amaram, porque o amor de Deus está em nós.

Não é fácil amar, pois o amor é um desafio. No entanto, ele é a maior resposta da nossa fé. Não há fé sem amor, e o amor que não é nutrido pela fé, logo se desanima, torna-se um amor hipócrita, porque a fé injeta em nós o dom do amor aos inimigos. A quem não nos quer bem, a quem nos fez o mal e nos prejudicou, com quem não nos damos bem, nós temos uma resposta: o amor de Deus em nosso coração.

Oremos, rezemos e pratiquemos o amor.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Memória do Santíssimo Nome de Maria
Com todas as medulas do nosso coração, ó Maria, nós vos invocamos, como filha muito amada de Deus! É tanta a virtude e tamanha a excelência do vosso nome, que os próprios céus se alegram ao ouvi-lo, a terra se enche de gozo, os anjos festejam, tremem de horror os demônios e se turba e confunde o inferno inteiro. É, pois, tão grande a força do vosso nome, ó bendita Virgem Maria, que ele, só, tem o poder de penetrar admiravelmente a dureza do coração humano. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta quinta-feira, 12 de setembro, e celebre conosco a memória do santíssimo nome de Maria, segunda Eva, nossa Mãe segundo a graça!



Santo do Dia:

São Nilo, fundou um mosteiro em Grottaferrata

Neste dia mergulhamos na história de São Nilo, onde encontramos um exemplar cristão que viveu no sul da Itália e no fim do primeiro milênio. Nilo, chamado o Jovem, fazia parte de uma nobre família de origem grega, por isso foi considerado o último elo entre a cultura grega e a latina.

Era casado e funcionário do governo de Constantinopla, com o nascimento de uma filha, acabou viúvo e depois descobriu sua vocação à vida monástica, segundo a Regra de São Basílio. Após várias mudanças acabou se fixando em Monte Cassino, perto da famosa abadia beneditina.

Seu testemunho atraiu a muitos, tendo assim a felicidade de fundar vários mosteiros no Sul da Itália, com o cotidiano pautado pelo trabalho e oração. No trabalho, além da agricultura, transcrevia manuscritos antigos, introduziu um sistema taquigráfico (ítalo-grego) e compôs hinos sacros.

São Nilo realizou várias romarias aos túmulos dos santos Pedro e Paulo, aproveitando para enriquecer as bibliotecas de Roma, até que a pedido de Gregório, Nilo fundou um mosteiro em Grottaferrata, perto de Roma.

Este pacificador da política e guerras da época, teve grande importância para a história da Igreja, e na consolidação da vida monástica. Morreu com noventa e cinco anos de idade, no dia 25 de setembro de 1005.

São Nilo, rogai por nós!