Antífona de Entrada:
Vinde, benditos de meu Pai, diz o Senhor. Em verdade vos digo: tudo o que fizestes ao menor dos meus irmãos, foi a mim que o fizestes. (Mt 25, 34.40)

Oração do Dia:
Ó Deus, inflamastes São Maximiliano Kolbe, presbítero e mártir, com amor à Virgem Imaculada e lhe destes grande zelo pastoral e dedicação ao próximo. Concedei-nos, por sua intercessão, que trabalhemos intensamente pela vossa glória no serviço do próximo, para que nos tornemos semelhantes ao vosso Filho até a morte. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (Ez 16,1-15.60.63)


Leitura da Profecia de Ezequiel

1A palavra do Senhor foi-me dirigida nestes termos: 2“Filho do homem, mostra a Jerusalém suas abominações. 3Dirás: Assim fala o Senhor Deus a Jerusalém: Por tua origem e nascimento és do país de Canaã. Teu pai era um amorreu e tua mãe uma hitita. 4E como foi o teu nascimento? Quando nasceste, não te cortaram o cordão umbilical, não foste banhada em água, nem esfregada com salmoura nem envolvida em faixas.

5Ninguém teve dó de ti, nem te prestou algum desses serviços por compaixão. Ao contrário, no dia em que nasceste, eles te deixaram exposta em campo aberto, porque desprezavam a tua vida. 6Então, eu passei junto de ti e vi que te debatias no próprio sangue. E enquanto estavas em teu sangue, eu te disse: Vive! 7Eu te fiz crescer exuberante como planta silvestre. Tu cresceste e te desenvolveste, e chegaste à puberdade. Teus seios se firmaram e os pelos cresceram; mas estavas inteiramente nua. 8Passando junto de ti, percebi que tinhas chegado à idade do amor. Estendi meu manto sobre ti para cobrir tua nudez. Fiz um juramento, estabelecendo uma aliança contigo — oráculo do Senhor — e tu foste minha.

9Banhei-te na água, limpei-te do sangue e ungi-te com perfume. 10Eu te revesti de roupas bordadas, calcei-te com sandálias de fino couro, cingi-te de linho e te cobri de seda. 11Eu te enfeitei de joias, coloquei braceletes em teus braços e um colar no pescoço. 12Eu te pus um anel no nariz, brincos nas orelhas e uma coroa magnífica na cabeça. 13Estavas enfeitada de ouro e prata, tuas vestimentas eram de linho finíssimo, de seda e de bordados. Eu te nutria com flor de farinha, mel e óleo. Ficaste cada vez mais bela e chegaste à realeza. 14Tua fama se espalhou entre as nações por causa de tua beleza perfeita, devido ao esplendor com que te cobri — oráculo do Senhor. 15Mas puseste tua confiança na beleza e te prostituíste graças à tua fama. E sem pudor te oferecias a qualquer passante. 60Eu, porém, me lembrarei de minha aliança contigo, quando ainda eras jovem, e vou estabelecer contigo uma aliança eterna. 63É para que te recordes e te envergonhes, e na tua confusão não abras mais a boca, quando eu te houver perdoado tudo o que fizeste, — oráculo do Senhor Deus”.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Is 12,2-4.5-6)


R. Acalmou-se a vossa ira e enfim me consolastes.


— Eis o Deus, meu Salvador, eu confio e nada temo; o Senhor é minha força, meu louvor e salvação. Com alegria bebereis no manancial da salvação.R.

— E direis naquele dia: “Dai louvores ao Senhor, invocai seu santo nome, anunciai suas maravilhas, dentre os povos proclamai que seu nome é o mais sublime. R.

— Louvai cantando ao nosso Deus, que fez prodígios e portentos, publicai em toda a terra suas grandes maravilhas! Exultai cantando alegres, habitantes de Sião, porque é grande em vosso meio o Deus Santo de Israel!” R.


R. Aleluia, aleluia, aleluia.
V. Acolhei a palavra de Deus não como palavra humana, mas como mensagem de Deus, o que ela é, em verdade! (1Ts 2, 13) R.


Evangelho (Mt 19,3-12)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Mateus 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo, 3alguns fariseus aproximaram-se de Jesus, e perguntaram, para o tentar: “É permitido ao homem despedir sua esposa por qualquer motivo?” 4Jesus respondeu: “Nunca lestes que o Criador, desde o início, os fez homem e mulher? 5E disse: ‘Por isso, o homem deixará pai e mãe, e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne?’ 6De modo que eles já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, o homem não separe”.

7Os fariseus perguntaram: “Então, como é que Moisés mandou dar certidão de divórcio e despedir a mulher?” 8Jesus respondeu: “Moisés permitiu despedir a mulher, por causa da dureza do vosso coração. Mas não foi assim desde o início. 9Por isso, eu vos digo: quem despedir a sua mulher — a não ser em caso de união ilegítima — e se casar com outra, comete adultério”. 10Os discípulos disseram a Jesus: “Se a situação do homem com a mulher é assim, não vale a pena casar-se”.

11Jesus respondeu: “Nem todos são capazes de entender isso, a não ser aqueles a quem é concedido. 12Com efeito, existem homens incapazes para o casamento, porque nasceram assim; outros, porque os homens assim os fizeram; outros, ainda, se fizeram incapazes disso por causa do Reino dos Céus. Quem puder entender entenda”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Promovamos o amor e a união conjugal

“‘Por isso, o homem deixará pai e mãe, e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne?’ De modo que eles já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, o homem não separe” (Mateus 19,5-6).

Esses dias, alguém me disse que o casamento está em crise, que a união do homem e da mulher está em crise. Não acredito que o casamento esteja em crise, mas acredito que o amor entra em crise.

A crise do amor é um sinal de rever as coisas do jeito que estão, porque o amor é a dimensão mais profunda da dimensão humana. Ninguém vive sem amar, mas existe um amor que une o homem à mulher. Que beleza é esse amor! Por favor, não pare aqui no negativo! Primeiro, contemple o que é autêntico e positivo, contemple aquilo que é o sonho de Deus, o desígnio e alento de Deus, do qual Ele nunca desistiu.

Deus formou a família humana pela união do homem com a mulher. Dessa união maravilhosa, onde duas pessoas se tornam uma só carne, não perdem a identidade individual, o homem é o homem, a mulher é a mulher, cada um com seu ser e agir.

Essa união com Deus misteriosa – quando digo “união misteriosa” não é de mistério, de uma coisa incompreensível, mas é de uma coisa muito profunda e bela. É divino esse encontro de almas no casamento, é muito sagrado! Como precisamos trabalhar cada vez mais a nossa espiritualidade conjugal, precisamos cada vez mais fortalecer o nosso casamento.

Trabalhemos para que a graça de Deus promova o amor e a união conjugal

Sei que alguns querem exaltar os problemas, aquilo que não deu certo, mas aquilo que não deu certo, muitas vezes, foi porque não se valorizou o que era certo, não cuidou do que era correto. Sei que por “n” motivos há casamentos que nem deveriam ter existido ou não têm condição de seguir adiante. É preciso cuidar de cada caso como cada caso, mas não transformar os casos que não deram certo em regras para a vida.

A regra é essa: “O que Deus uniu, o homem não separe”. Por isso, não promovamos o divórcio, a separação de casais, não promovamos que um esteja contra o outro. Promovamos o amor e a união.

Luto por um casal até as últimas consequências. Nunca a separação é a primeira solução, nunca as coisas que não estão dando certo são o motivo da separação.  Sou testemunha, porque já trabalhei para unir tantos casais que estavam se separando por coisas pequenas, mas a cabeça estava tão atormentada, que aquilo se tornou grande demais e até impossível. Mas, com a graça de Deus, com a maturidade humana que vamos colocando em um e outro, com a força do diálogo e do amor, tudo é possível rever, recomeçar e refazer.

Existe a turma do “Separa que é melhor”, “Não deu certo para mim, também não vai dar certo para o outro”. Não caminhemos sobre essa via. É óbvio que se há situações onde não há mais jeito, vamos trabalhar para ajudar. Se é preciso recomeçar, que se recomece, mas ninguém pode recomeçar sem primeiro tentar o que quis.

Trabalhemos para que a graça de Deus promova o amor e a união conjugal.

Deus abençoe você!

karina
Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Memória de São Maximiliano Maria Kolbe

Mártir da caridade e da família, São Maximiliano Maria Kolbe é prova cabal de que, nos braços da Imaculada, é possível viver com a pureza dos anjos e a coragem de heróis da fé. Sim, a castidade é possível, e não há virtude mais viril nem mais própria de um coração masculino do que o domínio de si pela mais pura castidade! Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta quinta-feira, dia 14 de agosto, e recorramos hoje com grande confiança ao patrocínio de São Maximiliano, cujas virtudes devemos não só admirar como imitar.





Santo do Dia:

São Maximiliano Maria Kolbe

Raimundo Kolbe nasceu em 1894, na Polônia, numa família operária que o introduziu no seguimento de Cristo e, mais tarde, ajudou-o entrar para a família franciscana, onde tomou o nome de Maximiliano Maria.

Ao ser mandado para terminar sua formação em Roma, Maximiliano, inspirado pelo seu desejo de conquistar o mundo inteiro a Cristo por meio de Maria Imaculada, fundou o movimento de apostolado mariano chamado 'Milícia da Imaculada'. Como sacerdote foi professor, mas em busca de ensinar o caminho da salvação, empenhou-se no apostolado através da imprensa e pôde, assim, evangelizar em muitos países, isto sempre na obediência às autoridades, tanto assim que deixou o fecundo trabalho no Japão para assumir a direção de um grande convento franciscano na Polônia.

Com o início da Segunda Grande Guerra Mundial, a Polônia foi tomada por nazistas e, com isto, Frei Maximiliano foi preso duas vezes, sendo que a prisão definitiva, ocorrida em 1941, levou-o para Varsóvia, e posteriormente, para o campo de concentração em Auschwitz, onde no campo de extermínio heroicamente evangelizou com a vida e morte. Aconteceu que diante da fuga de um prisioneiro, dez pagariam com a morte, sendo que um, desesperadamente, caiu em prantos:

"Minha mulher, meus filhinhos! Não os tornarei a ver!". Movido pelo amor que vence a morte, São Maximiliano Maria Kolbe dirigiu-se ao Oficial com a decisão própria de um mártir da caridade, ou seja, substituir o pai de família e ajudar a morrer os outros nove e, foi aceita, pois se identificou: "Sou um Padre Católico".

A 10 de Outubro de 1982, o Papa João Paulo II canonizou este seu compatriota, já beatificado por Paulo VI em 1971.

São Maximiliano Maria Kolbe, rogai por nós!


Oração sobre as Oferendas:
Nós vos apresentamos, ó Deus, as nossas oferendas, e vos suplicamos que, a exemplo de são Maximiliano Kolbe, aprendamos a oferecer-vos a nossa vida. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
Não há maior prova de amor que dar a vida pelos amigos, diz o Senhor. (Jo 15, 13)

Oração depois da Comunhão:
Restaurados na mesa do vosso Filho, humildemente vos pedimos, ó Deus, que sejamos inflamados no mesmo amor que são Maximiliano Kolbe recebeu deste convívio. Por Cristo, nosso Senhor.