Antífona de Entrada:
Simeão disse a Maria: Teu filho será causa de queda e de ressurreição para muitos. Ele será sinal de contradição e teu coração será transpassado como por uma espada. (Lc 2, 34-35)

Oração do Dia:
Ó Deus, quando o vosso filho foi exaltado, quisestes que sua Mãe estivesse de pé, junto à cruz, sofrendo com ele. Dai à vossa Igreja, unida a Maria na paixão de Cristo, participar da ressurreição do Senhor. Que convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (Hb 5, 7-9)


Leitura da Carta aos Hebreus


7Cristo, nos dias de sua vida terrestre, dirigiu preces e súplicas, com forte clamor e lágrimas, àquele que era capaz de salvá-lo da morte. E foi atendido por causa de sua entrega a Deus. 8Mesmo sendo Filho, aprendeu o que significa a obediência a Deus por aquilo que ele sofreu. 9Mas, na consumação de sua vida, tornou-se a causa de salvação eterna para todos os que lhe obedecem.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 30)


R. Salvai-me pela vossa compaixão, ó Senhor Deus!


— Senhor, eu ponho em vós minha esperança; que eu não fique envergonhado eternamente. Porque sois justo, defendei-me e libertai-me; apressai-vos, ó Senhor, em socorrer-me! R.

— Sede uma rocha protetora para mim, um abrigo bem seguro que me salve! Sim, sois vós a minha rocha e fortaleza; por vossa honra, orientai-me e conduzi-me! R.

— Retirai-me desta rede traiçoeira, porque sois o meu refúgio protetor! Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito, porque vós me salvareis, ó Deus fiel! R.

— A vós, porém, ó meu Senhor, eu me confio, e afirmo que só vós sois o meu Deus! Eu entrego em vossas mãos o meu destino; libertai-me do inimigo e do opressor! R.

— Como é grande, ó Senhor, vossa bondade, que reservastes para aqueles que vos temem! Para aqueles que em vós se refugiam, mostrando, assim, o vosso amor perante os homens. R.

 



Sequência (Esta sequência pode ser proclamada de modo facultativo, integralmente, ou na forma abreviada, a partir da estrofe: ó Santa Mãe)

De pé a mãe dolorosa,
Junto da cruz, lacrimosa,
Via Jesus que pendia.

No coração transpassado
Sentia o gládio enterrado
De uma cruel profecia.

Mãe entre todas bendita,
Do filho único, aflita,
À imensa dor assistia.

E, suspirando, chorava,
E da cruz não se afastava,
Ao ver que o filho morria.

Pobre mãe, tão desolada,
Ao vê-la assim transpassada,
Quem de dor não choraria?

Quem na terra há que resista,
Se a mãe assim se contrista
Ante uma tal agonia?

Para salvar sua gente,
Eis que seu filho inocente
Suor e sangue vertia.

Na cruz por seu pai chamando,
Vai a cabeça inclinando,
Enquanto escurece o dia.

Faze, ó mãe, fonte de amor,
Que eu sinta em mim tua dor,
Para contigo chorar.

Faze arder meu coração,
Partilhar tua paixão
E teu Jesus consolar.

[VERSAO BREVE]

Ó santa mãe, por favor,
Faze que as chagas do amor
Em mim se venham gravar.

O que Jesus padeceu
Venha a sofrer também eu,
Causa de tanto penar.

Ó dá-me, enquanto viver,
Com Jesus Cristo sofrer,
Contigo sempre chorar!

Quero ficar junto à cruz,
Velar contigo a Jesus,
E o teu pranto enxugar.

Virgem mãe tão santa e pura,
Vendo eu a tua amargura,
Possa contigo chorar.

Que do Cristo eu traga a morte,
Sua paixão me conforte,
Sua cruz possa abraçar!

Em sangue as chagas me lavem
E no meu peito se gravem,
Para não mais se apagar.

No julgamento consegue
Que às chamas não seja entregue
Quem soube em ti se abrigar.

Que a santa cruz me proteja,
Que eu vença a dura peleja,
Possa do mal triunfar!

Vindo, ó Jesus, minha hora,
Por essas dores de agora,
No céu mereça um lugar.

R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Feliz a Virgem Maria, que sem passar pela morte, do martírio ganha a palma, ao pé da cruz do Senhor! R.


Evangelho (Jo 19, 25-27)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo João 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo, 25perto da cruz de Jesus estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. 26Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, este é o teu filho”. 27Depois disse ao discípulo: “Esta é a tua mãe”. Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Ou:


Evangelho (Lc 2, 33-35)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Lucas 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo, 33o pai e a mãe de Jesus estavam admirados com o que diziam a respeito dele. 34Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe de Jesus: “Este menino vai ser causa tanto de queda quanto de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição. 35Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações. Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Coloquemos no colo de Maria todas as nossas dores

“Perto da cruz de Jesus estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena” (João 19,25).

Hoje, celebramos Nossa Senhora das Dores. A Senhora das Dores, a Virgem Mãe, é aquela que acompanha o seu Filho em todos os momentos. Não pense que a dor de Maria se resume apenas ao momento da cruz quando seu Filho foi pregado nela. 

Se gerar a vida de Jesus foi uma alegria plena para Maria, também significou dores. Desde o momento em que ela concebeu até a incompreensão de José; a perseguição que o Menino sofreu logo ao nascer – primeiro, por não ter lugar para nascer; depois que nasceu, por ter que fugir para o Egito, porque Herodes queria matá-Lo. A dor da incompreensão quando o Menino se perdeu no templo.

As dores de Maria, no entanto, não são dores que significam negação ou distância de Deus, pelo contrário, são dores redentoras e salvadoras. As dores de Maria são as nossas dores assumidas e levadas para a graça de Deus. Por isso, nenhum de nós sofre sozinho, Deus sofre e caminha conosco, está ao nosso lado. A cruz e a dor não são negação de Deus, mas presenças d'Ele nos momentos mais delicados e difíceis da nossa vida, para termos a certeza de que não estamos sozinhos.

Maria guardava todas as coisas no seu coração e vivia com intensidade até o que não compreendia, porque tudo levava para o coração de Deus.


Maria caminha conosco, está ao nosso lado, em nossas dores, na via-sacra da nossa vida

Não estamos sozinhos em nossas dores e sofrimentos, de forma alguma, e não sofremos porque Deus não está conosco. Podemos até estar distantes de Deus por opção, por falta de compreensão ou humildade, mas Deus nunca nos deixa sozinhos, jamais sofremos sozinhos.

Jamais estamos sozinhos, porque temos essa Mãe amorosa, aquela que está aos pés da cruz vendo cada gota de sangue do seu Filho ser derramado. Primeiro, derramou-se no chão, nas ruas de Jerusalém quando Ele foi maltratado e rejeitado. Ali estava o coração da Mãe, pulsando, mas ela estava firme aos pés da cruz ao acompanhar toda a Via-sacra e a Paixão do seu Filho.

Ela caminha conosco, está ao nosso lado, em nossas dores, na via-sacra da nossa vida, nas incompreensões e em tudo aquilo que passamos. A Virgem silenciosa não é conformada com a dor, mas sabe colocar no coração de Deus tudo aquilo que nos faz sofrer, mas, muitas vezes, não compreendemos.

Coloquemos no colo de Maria a dor de cada dia, a nossa agonia, porque ela sofre e caminha conosco, e quer conosco também levar tudo ao colo do Pai.

Nossa Senhora das Dores, rogai por nós!

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Memória de Nossa Senhora das Dores

A piedade cristã sempre associou a Virgem Maria à paixão de seu Filho. Os Evangelhos no-la apresentam aos pés da cruz, e os olhos da fé permitem descobrir, no silêncio do seu Coração Imaculado, as dores e angústias que só uma alma verdadeiramente amante de Deus poderia experimentar diante do espetáculo, ao mesmo tempo divino e atroz, do sacrifício do Calvário. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta terça-feira, 15 de setembro, e peçamos a Cristo, nosso Redentor, que nos associe aos compadecimentos de sua Mãe Santíssima, para que aprendamos a amá-lO de verdade e a detestar sinceramente o que Ele, com sua cruz, veio destruir: o pecado, a indiferença e a ingratidão ao seu amor.





Santo do Dia:

Nossa Senhora das Dores

"Quero ficar junto à cruz, velar contigo a Jesus e o teu pranto enxugar!"

Assim, a Igreja reza a Maria neste dia, pois celebramos sua compaixão, piedade; suas sete dores cujo ponto mais alto se deu no momento da crucificação de Jesus. Esta devoção deve-se muito à missão dos Servitas – religiosos da Companhia de Maria Dolorosa – e sua entrada na Liturgia aconteceu pelo Papa Bento XIII.

A devoção a Nossa Senhora das Dores possui fundamentos bíblicos, pois é na Palavra de Deus que encontramos as sete dores de Maria: o velho Simeão, que profetiza a lança que transpassaria (de dor) o seu Coração Imaculado; a fuga para o Egito; a perda do Menino Jesus; a Paixão do Senhor; crucificação , morte e sepultura de Jesus Cristo.

Nós, como Igreja, não recordamos as dores de Nossa Senhora somente pelo sofrimento em si, mas sim, porque também, pelas dores oferecidas, a Santíssima Virgem participou ativamente da Redenção de Cristo. Desta forma, Maria, imagem da Igreja, está nos apontando para uma Nova Vida, que não significa ausência de sofrimentos, mas sim, oblação de si para uma civilização do Amor.

Nossa Senhora das Dores, rogai por nós!


Oração sobre as Oferendas:
Acolhei, Deus de misericórdia, estas preces e oferendas em vosso louvor, na festa da Virgem Maria, que nos destes por mãe compassiva quando estava de pé junto à cruz. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
Vós, que participais dos sofrimentos do Cristo, alegrai-vos, para que, ao manifestar-se a sua glória, vossa alegria não tenha limites. (1Pd 4, 13)

Oração depois da Comunhão:
Ó Deus, tendo recebido o sacramento da eterna redenção, nós vos pedimos humildemente que, recordando as dores de Nossa Senhora, completemos em nós, para o bem da Igreja, o que falta à paixão do Cristo. Que vive e reina para sempre.