Primeira Leitura (Rm 1,16-25)


Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos.

Irmãos, 16eu não me envergonho do Evangelho, pois ele é uma força salvadora de Deus para todo aquele que crê, primeiro para o judeu, mas também para o grego. 17Nele, com efeito, a justiça de Deus se revela da fé para a fé, como está escrito: O justo viverá pela fé.

18Por outro lado, a ira de Deus se revela, do alto do céu, contra toda a impiedade e iniquidade dos homens que em sua iniquidade oprimem a verdade. 19Pois o que de Deus se pode conhecer é manifesto aos homens: Deus mesmo lhos manifestou.

20Suas perfeições invisíveis, como o seu poder eterno e sua natureza divina, são claramente conhecidas através de suas obras, desde a criação do mundo. Assim, eles não têm desculpa 21por não ter dado glória e ação de graças a Deus como se deve, embora o tenham conhecido. Pelo contrário, enfatuaram-se em suas especulações, e seu coração insensato se obscureceu: 22alardeando sabedoria, tornaram-se ignorantes 23e trocaram a glória do Deus incorruptível por uma figura ou imagem de seres corruptíveis: homens, pássaros, quadrúpedes, répteis. 24Por isso, Deus os entregou com as paixões de seus corações a tal impureza, que eles mesmos desonram seus próprios corpos. 25Trocaram a verdade de Deus pela mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amém.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Responsório (Sl 18)


— Os céus proclamam a glória do Senhor!

— Os céus proclamam a glória do Senhor!

— Os céus proclamam a glória do Senhor, e o firmamento, a obra de suas mãos; o dia ao dia transmite esta mensagem, a noite à noite publica esta notícia.

— Não são discursos nem frases ou palavras, nem são vozes que possam ser ouvidas; seu som ressoa e se espalha em toda a terra, chega aos confins do universo a sua voz.


Evangelho (Lc 11,37-41)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 37enquanto Jesus falava, um fariseu convidou-o para jantar com ele. Jesus entrou e pôs-se à mesa.38O fariseu ficou admirado ao ver que Jesus não tivesse lavado as mãos antes da refeição. 39O Senhor disse ao fariseu: “Vós fariseus, limpais o copo e o prato por fora, mas o vosso interior está cheio de roubos e maldades. 40Insensatos! Aquele que fez o exterior não fez também o interior? 41Antes, dai esmola do que vós possuís e tudo ficará puro para vós”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Cuidemos e purifiquemos o nosso interior

“Vós fariseus, limpais o copo e o prato por fora, mas o vosso interior está cheio de roubos e maldades. Insensatos! Aquele que fez o exterior não fez também o interior” (Lucas 11,39-40).

Todos os dias, procuramos fazer a higiene do nosso corpo, tomar um banho, nos limpar, nos purificar. E caprichamos, muito mais, cuidando da nossa face e nos purificando para ficarmos limpos e bonitos. Isso é importante e necessário, mas não podemos cair na hipocrisia farisaica de nos preocuparmos apenas com o exterior, apenas limpar o prato por fora, apenas olhar o que está na aparência, porque estamos cometendo um engano conosco, estamos nos enganando e vivendo no mundo das aparências que, de verdade, é o mundo em que vivemos.

Aquele que fez o exterior, que nos deu esse corpo e toda a beleza da existência, não foi Ele também que fez o nosso interior? Por isso, precisamos caprichar mais ainda, voltarmos ao nosso interior para limpar, purificar e renovar o que está dentro de nós.

Deixamos escondido dentro do nosso coração tantas coisas que nos fazem mal, porque não nos dedicamos em purificar o nosso interior. A grande arte da vida é quem se propõe a ser o artesão do seu coração, aquele que se propõe, a cada dia, a purificar a sua própria alma.


Iremos nos preocupar menos com toda a aparência externa, quando cuidarmos mais do nosso interior

É isto que a graça de Deus realiza em nós, ela nos purifica e nos renova por dentro e por fora. Iremos nos preocupar menos com rugas, com cabelo e com toda a aparência externa quando cuidarmos mais do nosso interior.

Como é importante deixar o interior harmonizado e em paz. O primeiro passo é reconhecer nossos limites e pecados, e, reconhecendo nossos limites e pecados, combatê-los. O segundo passo necessário é assumir aquilo que entrou em nós, o que veio de fora.

Ouvimos tantas coisas negativas, guardamos rancores, ressentimentos e mágoas, coisas que nos fazem muito mal e não podemos ir acumulando, guardando e deixando que aquilo oprima a nossa alma e o nosso interior, porque, muitas vezes, ficamos azedos, amargos, vamos ficando com sentimentos depressivos e tornando a nossa vida muito depreciativa, quando não procuramos purificar o nosso interior.

Que Deus entre em nós e esteja em nós para nos lavar e nos purificar a cada dia.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Memória de Santa Teresa d’Ávila, Virgem e Doutor da Igreja
Todos conhecemos Santa Teresa d’Ávila como uma grande mística dos séculos passados, uma mulher única, forte e privilegiada, envolta numa aura quase misteriosa de visões e fenômenos extraordinários. O que muitos ignoram, porém, é que a própria Teresa fez questão de ensinar que pouco ou quase nada valem esses “sinais exteriores”, porque a santidade está nem em fazer milagres, nem em rezar muitos Terços, nem em saber muita teologia: a santidade é a meta de um caminho — o mesmo para todos — de perfeição no amor e na amizade, íntima e sincera, com Aquele que habita, silencioso, no mais íntimo de nossas almas. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta terça-feira, dia 15 de outubro, e alimentemo-nos hoje com o pão da doutrina espiritual de Santa Teresa de Jesus, Virgem e Doutor da Igreja!



Santo do Dia:

Santa Teresa de Ávila (Santa Teresa de Jesus)

Com grande alegria lembramos, hoje, da vida de santidade daquela que mereceu ser proclamada “Doutora da Igreja”: Santa Teresa de Ávila (também conhecida como Santa Teresa de Jesus). Teresa nasceu em Ávila, na Espanha, em 1515 e foi educada de modo sólido e cristão, tanto assim que, quando criança, se encantou tanto com a leitura da vida dos santos mártires a ponto de ter combinado fugir com o irmão para uma região onde muitos cristãos eram martirizados; mas nada disso aconteceu graças à vigilância dos pais.

Aos vinte anos, ingressou no Carmelo de Ávila, onde viveu um período no relaxamento, pois muito se apegou às criaturas, parentes e conversas destrutivas, assim como conta em seu livro biográfico.

Certo dia, foi tocada pelo olhar da imagem de um Cristo sofredor, assumiu a partir dessa experiência a sua conversão e voltou ao fervor da espiritualidade carmelita, a ponto de criar uma espiritualidade modelo.

Foi grande amiga do seu conselheiro espiritual São João da Cruz, também Doutor da Igreja, místico e reformador da parte masculina da Ordem Carmelita. Por meio de contatos místicos e com a orientação desse grande amigo, iniciou aos 40 anos de idade, com saúde abalada, a reforma do Carmelo feminino. Começou pela fundação do Carmelo de São José, fora dos muros de Ávila. Daí partiu para todas as direções da Espanha, criando novos Carmelos e reformando os antigos. Provocou com isso muitos ressentimentos por parte daqueles que não aceitavam a vida austera que propunha para o Carmelo reformado. Chegou a ter temporariamente revogada a licença para reformar outros conventos ou fundar novas casas.

Santa Teresa deixou-nos várias obras grandiosas e profundas, principalmente escritas para as suas filhas do Carmelo : “O Caminho da Perfeição”, “Pensamentos sobre o Amor de Deus”, “Castelo Interior”, “A Vida”. Morreu em Alba de Tormes na noite de 15 de outubro de 1582 aos 67 anos, e em 1622 foi proclamada santa. O seu segredo foi o amor. Conseguiu fundar mais de trinta e dois mosteiros, além de recuperar o fervor primitivo de muitas carmelitas, juntamente com São João da Cruz. Teve sofrimentos físicos e morais antes de morrer, até que em 1582 disse uma das últimas palavras: “Senhor, sou filha de vossa Igreja. Como filha da Igreja Católica quero morrer”.

No dia 27 de setembro de 1970 o Papa Paulo VI reconheceu-lhe o título de Doutora da Igreja. Sua festa litúrgica é no dia 15 de outubro. Santa Teresa de Ávila é considerada um dos maiores gênios que a humanidade já produziu. Mesmo ateus e livres-pensadores são obrigados a enaltecer sua viva e arguta inteligência, a força persuasiva de seus argumentos, seu estilo vivo e atraente e seu profundo bom senso. O grande Doutor da Igreja, Santo Afonso Maria de Ligório, a tinha em tão alta estima que a escolheu como patrona, e a ela consagrou-se como filho espiritual, enaltecendo-a em muitos de seus escritos.

Santa Teresa de Ávila, rogai por nós!