Primeira Leitura (Sb 13,1-9)


Leitura do Livro da Sabedoria.

1São insensatos por natureza todos os homens que ignoram a Deus, os que, partindo dos bens visíveis, não foram capazes de conhecer aquele que é; nem tampouco, pela consideração das obras, chegaram a reconhecer o Artífice. 2Tomaram por deuses, por governadores do mundo, o fogo e o vento, o ar fugidio, o giro das estrelas, a água impetuosa, os luzeiros do dia. 3Se, encantados por sua beleza, tomaram estas criaturas por deuses, reconheçam quanto o seu Senhor está acima delas: pois foi o autor da beleza quem as criou. 4Se ficaram maravilhados com o seu poder e a sua atividade, concluam daí quanto mais poderoso é aquele que as formou: 5de fato, partindo da grandeza e da beleza das criaturas, pode-se chegar a ver, por analogia, aquele que as criou. 6Contudo, estes merecem menor repreensão: talvez se tenham extraviado procurando a Deus e querendo encontrá-lo. 7Com efeito, vivendo entre as obras dele, põem-se a procurá-lo, mas deixam-se seduzir pela aparência, pois é belo aquilo que se vê! 8Mesmo assim, nem a estes se pode perdoar: 9porque, se chegaram a tão vasta ciência, a ponto de investigarem o universo, como é que não encontraram mais facilmente o seu Senhor?


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Responsório (Sl 18)


— Os céus proclamam a glória do Senhor!

— Os céus proclamam a glória do Senhor!

— Os céus proclamam a glória do Senhor, e o firmamento, a obra de suas mãos; o dia ao dia transmite esta mensagem, a noite à noite publica esta notícia.

— Não são discursos nem frases ou palavras, nem são vozes que possam ser ouvidas; seu som ressoa e se espalha em toda a terra, chega aos confins do universo a sua voz.


Evangelho (Lc 17,26-37)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 26“Como aconteceu nos dias de Noé, assim também acontecerá nos dias do Filho do Homem. 27Eles comiam, bebiam, casavam-se e se davam em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca. Então chegou o dilúvio e fez morrer todos eles. 28Acontecerá como nos dias de Ló: comiam e bebiam, compravam e vendiam, plantavam e construíam. 29Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma, Deus fez chover fogo e enxofre do céu e fez morrer todos. 30O mesmo acontecerá no dia em que o Filho do Homem for revelado. 31Nesse dia, quem estiver no terraço, não desça para apanhar os bens que estão em sua casa. E quem estiver nos campos não volte para trás. 32Lembrai-vos da mulher de Ló. 33Quem procura ganhar a sua vida vai perdê-la; e quem a perde vai conservá-la. 34Eu vos digo: nesta noite, dois estarão numa cama; um será tomado e o outro será deixado. 35Duas mulheres estarão moendo juntas; uma será tomada e a outra será deixada. 36Dois homens estarão no campo; um será levado e o outro será deixado”. 37Os discípulos perguntaram: “Senhor, onde acontecerá isso?” Jesus respondeu: “Onde estiver o cadáver, aí se reunirão os abutres”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Estejamos preparados para o encontro com o Senhor

Eles comiam, bebiam, casavam-se e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca. Então, chegou o dilúvio e fez morrer todos eles” (Lucas 17,27).

As pessoas perguntam quando Jesus virá, quando será o fim do mundo, quando, definitivamente, o Senhor estará para sempre no meio de nós. E Jesus nos dá os sinais, Ele mesmo nos alerta que, assim como nos dias de Noé em que todos viviam a sua vida sem preocupações, sem cuidarem, sem vigiar e quando entraram na barca da salvação, o dilúvio veio e levou a todos que estavam vivendo as suas tarefas e obrigações, porém, não estavam em Deus. Não importa o dia e nem a hora, não importa se vamos morrer hoje, amanhã ou daqui a cem anos. Precisamos viver hoje como se fosse o último dia da nossa vida, como se hoje fôssemos ao encontro do Senhor.

Eu sei que todos nós suplicamos demais para prolongar a nossa vida, para chegarmos a uma idade idosa e, só depois que não tiver mais jeito, então, morrermos. Não dá para esperar e dizer que vai ser assim. Seremos como as virgens imprevidentes, imprudentes que não abasteciam o óleo da lâmpada e não estavam vigilantes e nem preparadas. Aqui não é a cultura do medo da morte ou medo da tragédia, mas é para estarmos sempre preparados.

Estamos vendo crianças morrerem ainda crianças, assim também acontece com adolescentes, jovens e adultos. Nós não queremos e nem Deus quer que seja assim, mas são tantos incidentes, acidentes, tantas coisas imprevistas... São tantas situações complexas do mundo em que vivemos.

O que podemos fazer é vivermos a espiritualidade da vigilância, do cuidado, da responsabilidade com nossos atos e atitudes. Temos de ser aquela noiva que está esperando o noivo chegar e não se descuida porque ele atrasou e não chegou. Estamos sempre indo ao encontro do Senhor, porque Ele está sempre vindo ao nosso encontro.


O importante é estarmos preparados a cada dia, para que o Senhor venha ao nosso encontro em cada dia da nossa vida

Eu devo dormir a cada dia como se dormisse nos braços de Deus e acordasse na presença d’Ele. Por isso, precisamos nos vigiar a cada dia naquilo que fazemos. Não significa que vamos deixar de comer e beber, as pessoas não vão deixar de se casar; mas não podemos viver de qualquer jeito, levar a vida e dizer: “Olha, eu vou me converter lá na frente. Eu vou me arrepender desse pecado na hora da morte”. Nem sabemos quando ela chega ou quando iremos ao encontro do Senhor e quando Ele virá ao nosso. O importante é estarmos preparados a cada dia, para que o Senhor venha ao nosso encontro em cada dia da nossa vida.

Eu sei que cedemos muito à cultura do improviso, vamos improvisando e na hora damos um jeito. Assim como nos dias de Ló comiam e bebiam, mas quando menos esperaram, a tragédia veio. A mulher de Ló ainda olhou para trás, por isso, virou uma estátua de sal, porque não vai dar tempo de olhar para trás e nem correr para resolver isso e aquilo. O importante é que a nossa vida esteja resolvida, cuidada, administrada e arrumada a cada dia. Não deixe para arrumar a sua cama só quando chegar alguém para visitar a sua casa e olhar o seu quarto, deixe a sua cama arrumada todos os dias, porque toda hora Jesus está conosco, a Sua presença está na nossa vida.

Assim como devemos arrumar a nossa cama, arrumemos também o nosso coração, porque ele é o lugar da morada de Deus.

Deus abençoe você!


karina
Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


“Não olheis para trás”
O dia do juízo acontecerá como nos dias de Ló, de forma repentina e “inesperada”: os que estiverem apegados a este mundo, metidos em seus assuntos terrenos e esquecidos de Deus, perderão não só a própria vida, mas também aquilo que tanto amaram nesta terra. Nós, porém, não devemos sequer olhar para trás: referindo tudo a Deus, fora do qual nada tem valor, atiremo-nos em direção à meta, ao prêmio celeste ao qual Ele nos chama em Cristo Jesus. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta sexta-feira, dia 15 de novembro, e peçamos a Deus a graça de amá-lo sobre todas as coisas e de nada amar que não seja por Ele e para Ele.



Santo do Dia:

Santo Alberto Magno, administrador do Reino de Deus

Celebramos neste dia a santidade de um grande santo da nossa Igreja, o qual foi digno de ser intitulado de Magno (Grande). Nascido na Alemanha em 1206, numa família militar que desejava para Alberto a carreira militar ou administrativa.

Soldado do Senhor e administrador do Reino de Deus, devotíssimo da Virgem Maria, Santo Alberto optou pelos desejos do coração de Deus, por isso depois de estudar ciências naturais em Pádua e Paris entrou na família Dominicana em 1223, a fim de mergulhar nos estudos, santidade e apostolado. Como consequência da sua crescente adesão ao Reino, foram aumentando os trabalhos na “vinha do Senhor”, por isso na Ordem Religiosa foi superior provincial e mais tarde, nomeado pelo Papa, Bispo de Ratisbona, num tempo em que somente um santo e sábio poderia estabelecer a paz entre os povos e cidades, como de fato aconteceu.

Santo Alberto Magno era um apaixonado e vocacionado ao magistério (teve como discípulo São Tomás de Aquino); foi dispensado do Episcopado, para na humildade e pobreza continuar lecionando, pregando e pesquisando e dominando com tranquilidade os assuntos sobre mecânica, zoologia, botânica, meteorologia, agricultura, física, tecelagem, navegação e outras áreas do conhecimento, os quais inseriu no seu caminho de santidade: “Minha intenção última, escrevia, está na ciência de Deus”. Suas obras escritas encheram 38 grossos volumes e com o testemunho impregnou toda a Igreja de santidade e exemplo de quem soube viver com equilíbrio e graça a fé que não contradiz a razão. Entrou no Céu em 1280, proclamado Doutor da Igreja e Patrono dos cultores das ciências naturais.

Santo Alberto Magno, rogai por nós!