Primeira Leitura (Hb 3,7-14)


Leitura da Carta aos Hebreus


Irmãos, 7escutai o que declara o Espírito Santo: “Hoje, se ouvirdes a sua voz, 8não endureçais os vossos corações, como aconteceu na provocação, no dia da tentação, no deserto,9onde vossos pais me tentaram, pondo-me à prova, 10embora vissem as minhas obras, durante quarenta anos.


Por isso me irritei com essa geração e afirmei: sempre se enganam no coração e desconhecem os meus caminhos. 11Assim jurei na minha ira: não entrarão no meu repouso”. 12Cuidai, irmãos, que não se ache em algum de vós um coração transviado pela incredulidade, levando-o a afastar-se do Deus vivo. 13Antes, animai-vos uns aos outros, dia após dia, enquanto ainda se disser “hoje”, para que nenhum de vós se endureça pela sedução do pecado 14— pois tornamo-nos companheiros de Cristo, contanto que mantenhamos firme até o fim a nossa confiança inicial.


Responsório (Sl 94)


— Oxalá ouvísseis hoje a sua voz: não fecheis os vossos corações.


— Oxalá ouvísseis hoje a sua voz: não fecheis os vossos corações.


— Vinde adoremos e prostremo-nos por terra, e ajoelhemos ante o Deus que nos criou! Porque ele é o nosso Deus, nosso Pastor, e nós somos o seu povo e seu rebanho, as ovelhas que conduz com sua mão.


— Oxalá ouvísseis hoje a sua voz: “Não fecheis os corações como em Meriba, como em Massa, no deserto, aquele dia, em que outrora vossos pais me provocaram, apesar de terem visto as minhas obras”.


— Quarenta anos desgostou-me aquela raça e eu disse: “Eis um povo transviado, seu coração não conheceu os meus caminhos!” E por isso lhes jurei na minha ira: “Não entrarão no meu repouso prometido!”


Evangelho (Mc 1,40-45)


— O Senhor esteja convosco.


— Ele está no meio de nós.


— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.


— Glória a vós, Senhor.


Naquele tempo, 40um leproso chegou perto de Jesus, e de joelhos pediu: “Se queres, tens o poder de curar-me”. 41Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele, e disse: “Eu quero: fica curado!” 42No mesmo instante, a lepra desapareceu, e ele ficou curado.


43Então Jesus o mandou logo embora, 44falando com firmeza: “Não contes nada disso a ninguém! Vai, mostra-te ao sacerdote e oferece, pela tua purificação, o que Moisés ordenou, como prova para eles!” 45Ele foi e começou a contar e a divulgar muito o fato. Por isso, Jesus não podia mais entrar publicamente numa cidade: ficava fora, em lugares desertos. E de toda parte vinham procurá-lo.


Homilia: Deus age em nós por meio das virtudes da fé e da humildade

Deus nos concede a fé e a humildade, virtudes necessárias para andarmos sempre no Seu caminho

“Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele, e disse: “Eu quero: fica curado!” (Marcos 1,41).

Acompanhamos a esse leproso que se aproxima de Jesus, e duas virtudes tomam conta do coração daquele homem. A primeira delas é a humildade de reconhecer a sua fragilidade, a sua lepra; reconhecer aquilo que estava nele. A segunda virtude é a fé, pois humildemente ele professa a sua fé. Ele exclama “Senhor, se queres, tens o poder de curar-me”. E Jesus disse: “Eu quero: fica curado!”.

Quando somos humildes e quando temos fé, a graça de Deus age em nós e nos liberta, purifica, restaura; a graça de Deus nos renova. Podemos ter fé, mas não temos a humildade. Fé e orgulho; fé e soberba não produzem frutos.

Podemos ter humildade, graça essa mais que necessária, pois o Reino do Céus é dos humildes, mas o humilde precisa ter, também, a fé. Ter confiança e fé em Jesus. Saber que é Ele quem cuida de nós, pois podemos até sermos humildes, mas se somos aqueles humildes negativos, pessimistas, desanimados, sem esperança, sem confiança, nos entregamos à prostração, sem saber que rumo tomar na vida.

Humildemente reconhecemos as nossas situações, misérias, fragilidades; os nossos pecados, erros, limites. Reconhecemos as coisas que não deram certo, mas humildemente tenhamos fé e confiança n’Ele. Não tiremos o nosso olhar d’Ele. Não tiremos de Jesus a nossa confiança, porque sabemos tudo o que Ele pode fazer por nós. É n’Ele que colocamos o nosso coração.

Aconteça o que acontecer não vamos desanimar ou desesperar, pois só tem desespero quem não confia e chega ao limite da desconfiança, por isso se desespera. Aconteça o que acontecer, coloquemos sempre o nosso coração em Jesus.  

Mas, muitas vezes, nós somos pessoas de muita fé, falamos a nós mesmos: “Nossa! Eu confio em Jesus, falo de Jesus”. Porém, somos tomados por uma arrogância, por um orgulho, uma soberba terrível, e não vemos a graça de Deus acontecer em nós, na nossa vida, naquilo que fazemos, porque temos a fé, mas temos a humildade, isto é, se humilhar, não temos a humildade de ver a nossa miséria. Pois humilde é aquele que mergulha na sua miséria humana, toca nela e se coloca totalmente dependente de Deus. O humilde não se faz melhor do que os outros; não se faz o mais importante; não confia em si próprio. Não é não ter autoconfiança, o problema está com o excesso dela; é achar que somos “o senhor” deste mundo. Quando reconhecemos que Jesus é o Senhor e somos o Seus humildes servos, a graça de Deus age em nós.

Que Deus nos conceda a fé e a humildade necessárias para andarmos sempre no Seu caminho.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
fb.com/rogeraraujo.cn

Santo do Dia:

Santo Antão, exemplo de castidade, de obediência e pobreza

Pai do monaquismo cristão, Santo Antão nasceu no Egito em 251 e faleceu em 356; viveu mais de cem anos, mas a qualidade é maior do que a quantidade de tempo de sua vida, pois viveu com uma qualidade de vida santa que só Cristo podia lhe dar. Com apenas 20 anos, Santo Antão havia perdido os pais; ficou órfão com muitos bens materiais, mas o maior bem que os pais lhe deixaram foi uma educação cristã. Ao entrar numa igreja, ele ouviu a proclamação da Palavra e se colocou no lugar daquele jovem rico, o qual Cristo chamava para deixar tudo e segui-Lo na radicalidade. Antão vendeu parte de seus bens, garantiu a formação de sua irmã, a qual entrou para uma vida religiosa.

Enfim, Santo Antão foi passo a passo buscando a vontade do Senhor. Antão deparou-se com outra palavra de Deus em sua vida: “Não vou preocupeis, pois, com o dia de amanhã. O dia de amanhã terá as suas preocupações próprias. A cada dia basta o seu cuidado”(Mt 6,34). O Espírito Santo o iluminou e ele abandonou todas as coisas para viver como eremita. Sabendo que na região existiam homens dedicados à leitura, meditação e oração, ele foi aprender. Aprendeu a ler e, principalmente a orar e contemplar. Assim, foi crescendo na santidade e na fama também.

Sentiu-se chamado a viver num local muito abandonado, num cemitério, onde as pessoas diziam que almas andavam por lá. Por isso, era inabitável. Ele não vivia de crendices; nenhum santo viveu. Então, foi viver neste local. Na verdade, eram serpentes que estavam por lá e , por isso, ninguém se aproximava. A imaginação humana vê coisas onde não há. Santo Antão construiu muros naquele lugar e viveu ali dentro, na penitência e na meditação. As pessoas eram canais da providência, pois elas lhe mandavam comida, o pão por cima dos muros; e ele as aconselhava. Até que, com tanta gente querendo viver como Santo Antão, naquele lugar surgiram os monges. Ele foi construindo lugares e aqueles que queriam viver a santidade, seguindo seus passos, foram viver perto dele. O número de monges foi crescendo, mas o interessante é que quando iam se aconselhar com ele, chegavam naquele lugar vários monges e perguntavam: “Onde está Antão?”. E lhes respondiam: “Ande por aí e veja a pessoa mais alegre, mais sorridente, mais espontânea; este é Antão”.

Ele foi crescendo em idade, em sabedoria, graça e sensibilidade com as situações que afetavam o Cristianismo. Teve grande influência junto a Santo Atanásio no combate ao arianismo. Ele percebeu o arianismo também entre os monges, que não acreditavam na divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo. Antão também foi a Alexandria combater essa heresia. Santo Antão viveu na alegria, na misericórdia, na verdade. Tornou-se abade, pai, exemplo para toda a vida religiosa. Exemplo de castidade, de obediência e pobreza.

Santo Antão, rogai por nós!