Antífona de entrada

O Senhor é a força de seu povo, fortaleza e salvação do seu Ungido. Salvai, Senhor, vosso povo, abençoai vossa herança e governai para sempre os vossos servos. (Sl 27, 8-9)

Oração do dia

Senhor, nosso Deus, dai-nos por toda a vida a graça de vos amar e temer, pois nunca cessais de conduzir os que firmais no vosso amor. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura (Jó 38, 1. 8-11)


Leitura do Livro de Jó


1O Senhor respondeu a Jó, do meio da tempestade, e disse: 8“Quem fechou o mar com portas, quando ele jorrou com ímpeto do seio materno, 9quando eu lhe dava nuvens por vestes e névoas espessas por faixas; 10quando marquei seus limites e coloquei portas e trancas, 11e disse: ʽAté aqui chegarás, e não além; aqui cessa a arrogância de tuas ondas?ʼ”

Salmo Responsorial (Sl 106)


R. Dai graças ao Senhor, porque ele é bom, porque eterna é a sua misericórdia!


Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia.


— Os que sulcam o alto-mar com seus navios, para ir comerciar nas grandes águas, testemunharam os prodígios do Senhor e as suas maravilhas no alto-mar. R.

— Ele ordenou, e levantou-se o furacão, arremessando grandes ondas para o alto; aos céus subiam e desciam aos abismos, seus corações desfaleciam de pavor. R.

— Mas gritaram ao Senhor na aflição, e ele os libertou daquela angústia. Transformou a tempestade em bonança, e as ondas do oceano se calaram. R.

— Alegraram-se ao ver o mar tranquilo, e ao porto desejado os conduziu. Agradeçam ao Senhor por seu amor e por suas maravilhas entre os homens! R.


Segunda Leitura (2Cor 5, 14-17)


Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios


Irmãos: 14O amor de Cristo nos pressiona, pois julgamos que um só morreu por todos, e que, logo, todos morreram. 15De fato, Cristo morreu por todos, para que os vivos não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. 16Assim, doravante, não conhecemos ninguém conforme a natureza humana. E, se uma vez conhecemos Cristo segundo a carne, agora já não o conhecemos assim. 17Portanto, se alguém está em Cristo, é uma criatura nova. O mundo velho desapareceu. Tudo agora é novo.

R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Um grande profeta surgiu, surgiu e entre nós se mostrou, é Deus que seu povo visita, seu povo, meu Deus visitou. (Lc 7, 16) R.

Evangelho (Mc 4, 35-41)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Marcos 

R. Glória a vós, Senhor.


V. 35Naquele dia, ao cair da tarde, Jesus disse a seus discípulos: “Vamos para a outra margem!” 36Eles despediram a multidão e levaram Jesus consigo, assim como estava, na barca. Havia ainda outras barcas com ele. 37Começou a soprar uma ventania muito forte e as ondas se lançavam dentro da barca, de modo que a barca já começava a se encher. 38Jesus estava na parte de trás, dormindo sobre um travesseiro. Os discípulos o acordaram e disseram: “Mestre, estamos perecendo e tu não te importas?” 39Ele se levantou e ordenou ao vento e ao mar: “Silêncio! Cala-te!” O ventou cessou e houve uma grande calmaria. 40Então Jesus perguntou aos discípulos: “Por que sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?” 41Eles sentiram um grande medo e diziam uns aos outros: “Quem é este, a quem até o vento e o mar obedecem?”

Sobre as Oferendas

Acolhei, ó Deus, este sacrifício de reconciliação e louvor, e fazei que, purificados por ele, possamos oferecer-vos um coração que vos agrade. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão

Todos os olhos, ó Senhor, em vós esperam e vós lhes dais no tempo certo o alimento. (Sl 144, 15)

Ou:


Eu sou o Bom Pastor, e dou a vida por minhas ovelhas, diz o Senhor. (Jo 10, 11. 15)

Depois da Comunhão

Renovados pelo Corpo e Sangue do vosso Filho, nós vos pedimos, ó Deus, que possamos receber um dia, resgatados para sempre, a salvação que devotamente estamos celebrando. Por Cristo, nosso Senhor.

Homilia do dia 20/06/2021
Acalmemos o nosso coração para encontrarmos a direção

“Ele se levantou e ordenou ao vento e ao mar: ‘Silêncio! Cala-te!’ O vento cessou e houve uma grande calmaria” (Marcos 4,39).

Estamos todos nós andando, vivendo nos mares agitados da vida. Estamos todos nós nesta barca do viver, caminhando em direção à eternidade, mas basta ver que tem hora que os ventos se agitam e as ondas se revoltam e tudo isso vira um embrulho dentro de nós. As coisas se tornam confusas, nós nos tornamos perdidos no meio de tanta agitação que perdemos a direção do coração.

Agitações nós sempre teremos; problemas, dificuldades, tribulações e aflições são componentes da existência humana. Quando você olha para Jesus, ali no fundo do barco descansando, parece que é um Jesus indiferente aos problemas e aos dramas, mas, pelo contrário, é que Jesus mesmo dormindo parece que está vendo o que está acontecendo.

É que nós achamos que na vida é assim também: “Onde está Deus que não está vendo o que nós estamos passando?”, “Onde está Deus que não está olhando a pandemia e as endemias, os dramas todos da vida humana?”. Deus está aqui no meio de nós, primeiro, para deixar que o coração se acalme e se volte para Ele.


Só com o coração calmo e sereno é que Deus pode nos dar a direção

Não sei se você já percebeu, mas em meio às situações de desastres na vida, seja um incêndio, uma calamidade, a maior dificuldade é orientar quem está desesperado, tanto que a frase que mais usamos é: “Se acalma”. É porque desesperado não dá para guiar uma pessoa.

Na vida, aquilo que nós escutamos e falamos para os outros que estão em situação de desespero, precisamos ouvir isso todos os dias: “Acalme o seu coração”, porque só com o coração calmo e sereno é que Deus pode nos dar a direção, é que a mão de Deus pode, de fato, nos conduzir.

Eu fico olhando um acidente que, muitas vezes, acontece aqui e acolá no mundo, muitas vezes, é mais fácil salvar uma criança, um bebê do que o adulto, porque o adulto se desespera. A criança não sabe o que está acontecendo, então, ela fica ali e você vem e retira.

O desespero nos perde, nos faz, de fato, perder a direção e apressar ou puxar as coisas negativas para a vida. Por isso, a ordem de Jesus: “Silêncio! Cala-te!”, que Ele deu ao vento, Ele está dando aos nossos pensamentos, aos nossos sentimentos, às nossas emoções. Porque são as nossas emoções que estão se agitando, são os nossos sentimentos que estão nos perturbando, os nossos pensamentos que estão aflorados demais.

É preciso colocar ordem na casa, é preciso colocar ordem no interior para não sermos tomados pelo pavor. A graça de Deus que nos direciona quer trazer paz e luz, mesmo em meio a qualquer angústia que passamos nesta vida.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco

“Ainda não tendes fé?”

No Evangelho deste domingo, vemos os discípulos tratando Jesus simplesmente como um “mestre”. Quando Ele acalma a tempestade, porém, os discípulos percebem que não estão diante de um homem qualquer, pois até o vento e o mar lhe obedecem. Também hoje, é ponto pacífico para os que são do mundo: Jesus é um grande “líder espiritual”. Mas quantos estão dispostos a reconhecer o seu poder e aceitá-lo como Senhor e Salvador?




Santo do dia 20/06/2021

Bem-aventuradas Teresa, Mafalda e Sancha

Teresa, Mafalda e Sancha, filhas de Dom Sancho I e da Rainha Dulce, eram portuguesas.

Teresa, a primogênita, nasceu em 1177. Desde cedo, muito bem educada, sentiu o chamado à vida religiosa, mas, conforme o costume do tempo, acabou sendo dada em casamento com o Rei Afonso e tornou-se Rainha de Lion. Por diversos motivos, o casamento foi nulo. Ela voltou para casa e entrou para a vida religiosa. Afonso não gostou e armou uma guerra contra o pai de Teresa e contra Portugal. Ela, já no convento, consumiu-se na intercessão. Um exemplo a seguir de despojamento e de busca da vontade de Deus.

Mafalda teve momentos parecidos com o de Teresa. Casou-se  com Henrique I, mas este faleceu e ela retornou para casa, despojando-se de seus bens e entrando para a vida religiosa. Viveu a total dependência de Deus.

Sancha: uma jovem que não se casou como acontecera com suas irmãs. Fundou um convento da Ordem Cisterciense em Coimbra, onde viveu as regras com fidelidade até sua morte.

No ano de 1705, as três irmãs portuguesas foram beatificadas.

Que sigamos o exemplo dessas mulheres de oração, que buscaram a vontade de Deus.

Bem-aventuradas Teresa, Mafalda e Sancha, rogai por nós!