Antífona de Entrada:
É Deus quem me ajuda, é o Senhor quem defende a minha vida. Senhor, de todo o coração hei de vos oferecer o sacrifício e dar graças ao vosso nome, porque sois bom (Sl 53,6.8).

Oração do Dia:
Ó Deus, sede generoso para com os vossos filhos e filhas e multiplicai em nós os dons da vossa graça, para que, repletos de fé, esperança e caridade, guardemos fielmente os vossos mandamentos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (Mq 6,1-4.6-8)


Leitura da Profecia de Miquéias.

1Ouvi o que diz o Senhor: “Levanta-te, convoca um julgamento perante os montes e faze com que as colinas ouçam tua voz”.

2Ouvi, montes, as razões do Senhor em juízo, escutai-o, fundamentos da terra; a pendência do Senhor é com seu povo, ele disputa em juízo contra Israel. 3“Povo meu, que é que te fiz? Em que te fui penoso? Responde-me. 4Eu te retirei da terra do Egito e te libertei da casa de servidão, e pus à tua frente Moisés, Aarão e Maria”.

6“Que oferta farei ao Senhor, digna dele, ao ajoelhar-me diante do Deus altíssimo? Acaso oferecerei holocaustos e novilhos de um ano? 7Acaso agradam ao Senhor carneiros aos milhares e torrentes de óleo? Porventura ofertaria eu o meu primogênito, por um crime meu, o fruto do meu sangue pelos pecados da minha vida?” 8Foi-te revelado, ó homem, o que é o bem, e o que o Senhor exige de ti: principalmente praticar a justiça e amar a misericórdia, e caminhar solícito com teu Deus.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 49)


R. A todo homem que procede retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.


— Reuni à minha frente os meus eleitos, que selaram a Aliança em sacrifícios! Testemunha o próprio céu seu julgamento, porque Deus mesmo é juiz e vai julgar. R.

— Eu não venho censurar teus sacrifícios, pois sempre estão perante mim teus holocaustos; não preciso dos novilhos de tua casa nem dos carneiros que estão nos teus rebanhos. R.

— Como ousas repetir os meus preceitos e trazer minha Aliança em tua boca? Tu que odiaste minhas leis e meus conselhos e deste as costas às palavras dos meus lábios! R.

— Diante disso que fizeste eu calarei? Acaso pensas que eu sou igual a ti? É disso que te acuso e repreendo e manifesto essas coisas aos teus olhos. R.

— Quem me oferece um sacrifício de louvor, este sim é que me honra de verdade. A todo homem que procede retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus. R.


Aleluia, aleluia, aleluia.
Oxalá ouvísseis hoje a sua voz: Não fecheis os corações como em Meriba! (Sl 94,8).


Evangelho (Mt 12,38-42)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 38alguns mestres da Lei e fariseus disseram a Jesus: “Mestre, queremos ver um sinal realizado por ti”. 39Jesus respondeu-lhes: “Uma geração má e adúltera busca um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, a não ser o sinal do profeta Jonas. 40Com efeito, assim como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim também o Filho do Homem estará três dias e três noites no seio da terra. 41No dia do juízo, os habitantes de Nínive se levantarão contra essa geração e a condenarão, porque se converteram diante da pregação de Jonas. E aqui está quem é maior do que Jonas. 42No dia do juízo, a rainha do Sul se levantará contra essa geração, e a condenará, porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. E aqui está quem é maior do que Salomão”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Deus se faz presente no coração humilde e sincero

“Uma geração má e adúltera busca um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, a não ser o sinal do profeta Jonas” (Mateus 12,39).

Que triste a geração que é má e adúltera! Uma geração que é conduzida por aquilo que é mau: maus comportamentos, maus exemplos e, sobretudo, uma geração que não se abre para o bem e para a graça.

Jesus está falando da Sua geração, e a geração d’Ele estende-se por nós, porque, muitas vezes, somos uma geração muito má, muito indiferente. Essa geração tanto se opõe para a graça de Deus que vive o verdadeiro adultério espiritual ou o adultério da graça.

Não correspondemos à fidelidade daquilo que nós mesmos acreditamos, que é a Palavra de Deus em nós, e vivemos profundas contradições. Falamos do amor, mas promovemos o ódio; queremos acolher, mas dispersamos. Ou seja, não basta ser uma geração que crê em Jesus, que frequenta a Igreja e conhece as Leis e os Mandamentos. É preciso se converter do mal que, muitas vezes, permeia o nosso coração.

A maldade maior é não reconhecer a graça de Deus presente no meio de nós. As pessoas vivem buscando sinais e o sinal é, geralmente, aquilo que Deus nos dá e nos concede, aquilo que eu vejo e toco. Converta o seu coração, porque o Reino de Deus não é aquilo que vemos, no sentido material, que os olhos podem avistar.


Quanto mais simples, humilde e silencioso for o coração, mais ele tocará no Reino de Deus

O Reino de Deus é viver com profundidade a nossa dimensão espiritual, é encontrar a presença de Deus em todas as coisas, inclusive nas coisas negativas que, muitas vezes, acontecem a nós e não sabemos ler e enxergar, não sabemos perceber onde a Palavra de Deus quer nos conduzir.

Muitas vezes, instrumentalizamos Deus e a Palavra d’Ele em favor dos nossos interesses. A primeira coisa: o silêncio de Deus para acalmar os nossos barulhos e as nossas inquietações. Quer encontrar a vontade de Deus? Silencie a alma e o coração.

A segunda coisa: Deus se faz presente naquele que O busca de coração sincero e humilde. Quantas manifestações amorosas de Deus no meio de nós, mas os humildes de coração é que podem tocar e ver.

A terceira coisa: não nos tornarmos aquelas pessoas que vivem de propaganda, de propagar que viu isso e aquilo. Não vemos nada, não vemos anjo aparecer, Nossa Senhora aparecer. Não viva dessas ilusões.

Aquilo que Jesus disse a Tomé é preciso que seja dito a nós a cada dia: “Felizes os que creem sem terem visto!” (João 20,29). Vemos Deus no meio de nós pelos sinais da graça e do amor, pela paixão do Reino e não por ilusões e fantasias que muitos criam para manter pessoas dependentes e teleguiadas.

O Reino de Deus é muito simples, e ele acontece na Palavra de Deus, nos Sacramentos e, óbvio, nas pessoas que buscam ter uma vida mística de oração, mas sem levar as coisas para o espetáculo, porque Deus é simples. Quanto mais simples, humilde e silencioso for o coração, mais ele tocará no Reino de Deus.

Deus abençoe você!   

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo
Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


Cristo, o novo Jonas

No tempo do primeiro Jonas, investido da missão de pregar a um povo pagão o arrependimento a que Deus quer conduzir todos os povos, os ninivitas caíram em si e deram frutos dignos de penitência. Os judeus, porém, por sua perfídia e pertinácia, se recusaram a obedecer a Cristo, o novo Jonas, muito superior ao primeiro e infinitamente maior do que Salomão em sua sabedoria, por ser o mesmo Deus que fizera seu o povo de Israel. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta segunda-feira, dia 20 de julho, e medite conosco mais uma página do santo Evangelho.





Santo do Dia:

Santo Aurélio

A Igreja da África, durante os anos de 392 até 429, foi agraciada com o governo santo do primeiro Bispo de Cartago, que santificou-se tornando seu povo também santo. Santo Aurélio nasceu no século IV e desde diácono se destacava pela caridade, zelo, pureza de vida e pelo culto da Liturgia.

O grande Aurélio esteve como Bispo responsável por toda uma região e todos o chamavam - por respeito - de "Santo Papa Aurélio". Não possuía grandes dotes intelectuais, porém, na Providência Divina, tinha grande amizade com o sábio e Bispo de Hipona: Santo Agostinho. Unido ao Doutor da Graça, pôde combater a autossuficiência do Pelagianismo e outras heresias que encontraram a condenação no seu tempo.

Muito do que sabemos hoje de Santo Aurélio foi o próprio Santo Agostinho quem informou, pois este admirava a prudência, a piedade e a humildade deste pastor e pai, que tudo fazia pela salvação das almas e pureza da doutrina cristã. Santo Aurélio passou da Igreja militante, para a Igreja triunfante pouco tempo antes de Santo Agostinho, isto em 429.

Santo Aurélio, rogai por nós!


Oração sobre as Oferendas:
Ó Deus, que no sacrifício da cruz, único e perfeito, levastes á plenitude os sacrifícios da antiga aliança, santificai, como o de Abel, o nosso sacrifício, para que os dons que cada um trouxe em vossa honra possam servir para a salvação de todos. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
O Senhor bom e clemente nos deixou a lembrança de suas grandes maravilhas. Ele dá o alimento aos que o temem (Sl 110,4s).

Oração depois da Comunhão:
Ó Deus, permanecei junto ao povo que iniciastes nos sacramentos do vosso reino, para que, despojando-nos do velho homem, passemos a uma vida nova. Por Cristo, nosso Senhor.