Primeira Leitura (At 15,1-6)


Leitura dos Atos dos Apóstolos.

1Naqueles dias, chegaram alguns da Judéia e ensinavam aos irmãos de Antioquia, dizendo: “Vós não podereis salvar-vos, se não fordes circuncidados, como ordena a Lei de Moisés”. 2Isto provocou muita confusão, e houve uma grande discussão de Paulo e Barnabé com eles. Finalmente, decidiram que Paulo, Barnabé e alguns outros fossem a Jerusalém, para tratar dessa questão com os apóstolos e os anciãos.

3Depois de terem sido acompanhados pela Comunidade, Paulo e Barnabé atravessaram a Fenícia e a Samaria. Contaram sobre a conversão dos pagãos, causando grande alegria entre todos os irmãos.

4Chegando a Jerusalém, foram recebidos pelos apóstolos e os anciãos, e narraram as maravilhas que Deus tinha realizado por meio deles. 5Alguns dos que tinham pertencido ao partido dos fariseus e que haviam abraçado a fé levantaram-se e disseram que era preciso circuncidar os pagãos e obrigá-los a observar a Lei de Moisés. 6Então, os apóstolos e os anciãos reuniram-se para tratar desse assunto.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Responsório (Sl 121)


— Que alegria, quando me disseram: Vamos à casa do Senhor!

— Que alegria, quando me disseram: Vamos à casa do Senhor!

— Que alegria, quando ouvi que me disseram: “Vamos à casa do Senhor!” E agora nossos pés já se detêm, Jerusalém, em tuas portas.

— Jerusalém, cidade bem edificada num conjunto harmonioso; para lá sobem as tribos de Israel, as tribos do Senhor.

— Para louvar, segundo a lei de Israel, o nome do Senhor. A sede da justiça lá está e o trono de Davi.


Evangelho (Jo 15,1-8)


— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 1“Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. 2Todo ramo que em mim não dá fruto ele o corta; e todo ramo que dá fruto, ele o limpa, para que dê mais fruto ainda. 3Vós já estais limpos por causa da palavra que eu vos falei. 4Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira, assim também vós não podereis dar fruto, se não permanecerdes em mim.

5Eu sou a videira e vós os ramos. Aquele que permanece em mim e eu nele, esse produz muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. 6Quem não permanecer em mim, será lançado fora como um ramo e secará. Tais ramos são recolhidos, lançados no fogo e queimados. 7Se permanecerdes em mim e minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes e vos será dado. 8Nisto meu Pai é glorificado: que deis muito fruto e vos torneis meus discípulos.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Quando permanecemos em Cristo, produzimos muitos frutos

Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que em mim não dá fruto ele o corta; e todo ramo que dá fruto, ele o limpa, para que dê mais fruto ainda” (João 15,1-2).

Jesus é a videira verdadeira, aquela onde estamos unidos e vamos n’Ele produzir frutos. Precisamos deixar que o Pai regue essa videira, para que, permanecendo em Cristo, possamos produzir frutos.

Há uma coisa importante: o verbo essencial que precisamos, hoje, guardar em nosso coração é justamente: permanecer. Precisamos permanecer em Deus, não basta estarmos uma vez ou outra com o Senhor, estarmos uma vez ou outra na igreja, rezando de vez em quando. Permanecer n’Ele quer dizer ter o Espírito n’Ele em nós e o nosso espírito estar n'Ele, pois Ele nos mantêm vigilantes, atentos, ligados e conectados em Deus.

Como é importante essa conexão do nosso humano com o divino, que é Deus! Essa conexão, essa comunicação, não pode ser interrompida, porque o que dá a vida de Deus em nós é nossa comunhão com Ele, é nossa ligação com Ele, é permanecermos n’Ele.

É preciso um esforço para permanecer. O esforço de regar, cuidar e alimentar. Então, primeiro, cuidar da nossa relação com Deus, cuidar para que vivamos nossas práticas devocionais, práticas de oração, mas, acima de tudo, alimentar essas práticas com uma vida oracional concreta.

Não abra mão da Palavra de Deus, não abra mão de se alimentar dela, de regar seu coração dia a dia, cultivando uma intimidade com o Senhor por meio da Sua Palavra.

Vamos dar frutos em Deus quando permitirmos que Ele não só cuide de nós, mas também possa podar o nosso coração

Não só deixe o Senhor regar, mas deixe também, como diz a Palavra de Deus, Ele podar seu coração. Quem cuida de árvores sabe o quanto é importante podá-las primeiro, porque tem aqueles galhos que estão soltos, aqueles galhos que não servem para mais nada, sobretudo, podar para que o fruto possa aparecer e realmente vingar.

Vamos dar frutos em Deus quando permitirmos que Ele não só cuide de nós, mas pode o nosso coração, pode as más inclinações que estão nascendo em nós, aquele ciúmes, aquele mal ressentimento ou mágoa. Que o Senhor possa podar aquele comportamento que não estamos prestando atenção, mas está atrapalhando a nossa relação com Deus, a nossa vida de comunhão com os irmãos.

É graça sermos podados por Deus, sermos corrigidos por Ele, porque é sendo corrigidos por Ele que nós permanecemos n’Ele, e o Seu amor só cresce em nós.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
fb.com/padrerogeramigo

Santo do Dia:

Santa Rita de Cássia, conhecida como Santa dos Impossíveis

Nasceu na Itália, em Cássia, no ano de 1381. Seu grande desejo era consagrar-se à vida religiosa. Mas, segundo os costumes de seu tempo, ela foi entregue em matrimônio para Paulo Ferdinando.

Tiveram dois filhos, e ela buscou educá-los na fé e no amor. Porém, eles foram influenciados pelo pai, que antes de se casar se apresentava com uma boa índole, mas depois se mostrou fanfarrão, traidor, entregue aos vícios. E seus filhos o acompanharam.

Rita então, chorava, orava, intercedia e sempre dava bom exemplo a eles. E passou por um grande sofrimento ao ter o marido assassinado e ao descobrir depois que os dois filhos pensavam em vingar a morte do pai. Com um amor heroico por suas almas, ela suplicou a Deus que os levasse antes que cometessem esse grave pecado. Pouco tempo mais tarde, os dois rapazes morreram depois de preparar-se para o encontro com Deus.

Sem o marido e filhos, Santa Rita entregou-se à oração, penitência e obras de caridade e tentou ser admitida no Convento Agostiniano em Cássia, fato que foi recusado no início. No entanto, ela não desistiu e manteve-se em oração, pedindo a intercessão de seus três santos patronos – São João Batista, Santo Agostinho e São Nicolas de Tolentino – e milagrosamente foi aceita no convento. Isso aconteceu por volta de 1441.

Seu refúgio era Jesus Cristo. A santa de hoje viveu os impossíveis de sua vida se refugiando no Senhor. Rita quis ser religiosa. Já era uma esposa santa, tornou-se uma viúva santa e depois uma religiosa exemplar. Ela recebeu um estigma na testa, que a fez sofrer muito devido à humilhação que sentia, pois cheirava mal e incomodava os outros. Por isso teve que viver resguardada.

Morreu com 76 anos, após uma dura enfermidade que a fez padecer por 4 anos. Hoje ela intercede pelos impossíveis de nossa vida, pois é conhecida como a “Santa dos Impossíveis”.

Santa Rita de Cássia, rogai por nós!