Antífona de Entrada:
Eu sou a salvação do povo, diz o Senhor. Se clamar por mim em qualquer provação eu o ouvirei e serei seu Deus para sempre. (Cf. Sl 36, 39. 40)

Oração do Dia:
Ó Pai, que resumistes toda a lei no amor a Deus e ao próximo, fazei que, observando o vosso mandamento, consigamos chegar um dia à vida eterna. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Primeira Leitura (Pr 21, 1-6. 10-13)


Leitura do Livro dos Provérbios


1O coração do rei nas mãos do Senhor é como água corrente; ele o dirige para onde quer. 2O homem pensa que o seu caminho é sempre reto, mas é o Senhor quem sonda os corações. 3Praticar a justiça e o direito é mais agradável ao Senhor do que os sacrifícios. 4Olhar arrogante e coração orgulhoso, a lâmpada dos malvados não é senão o pecado. 5Os projetos do homem aplicado produzem abundância, mas todos os apressados só alcançam indigência. 6Tesouros adquiridos com língua mentirosa são ilusão passageira dos que procuram a morte. 10A alma do malvado deseja o mal, ele olha sem piedade para o seu próximo. 11Quando se castiga o zombador, aprende o imbecil, e quando o sábio é instruído, ele adquire mais saber. 12O justo observa a casa do ímpio e leva os ímpios à desgraça. 13Quem tapa os ouvidos ao clamor do pobre, também há de clamar, mas não será ouvido.


— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 118)


R. Guiai-me, Senhor, no caminho de vossos preceitos!


— Feliz o homem sem pecado em seu caminho, que na lei do Senhor Deus vai progredindo! R.

— Fazei-me conhecer vossos caminhos, e então meditarei vossos prodígios! R.

— Escolhi seguir a trilha da verdade, diante de mim eu coloquei vossos preceitos. R.

— Dai-me o saber, e cumprirei a vossa lei, e de todo o coração a guardarei. R.

— Guiai meus passos no caminho que traçastes, pois só nele encontrarei felicidade. R.

— Cumprirei constantemente a vossa lei; para sempre, eternamente a cumprirei! R.


R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.
V. Feliz quem ouve e observa a palavra de Deus! (Lc 11, 28) R.


Evangelho (Lc 8, 19-21)


V. O Senhor esteja convosco.

R. Ele está no meio de nós.


V. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo  segundo Lucas 

R. Glória a vós, Senhor.


V. Naquele tempo, 19a mãe e os irmãos de Jesus aproximaram-se, mas não podiam chegar perto dele, por causa da multidão. 20Então anunciaram a Jesus: “Tua mãe e teus irmãos estão aí fora e querem te ver”. 21Jesus respondeu: “Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a Palavra de Deus, e a põem em prática”.


— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.


Homilia: Ouçamos e pratiquemos a Palavra de Deus

“Jesus respondeu: ‘Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a Palavra de Deus, e a põem em prática’” (Lucas 8,21).

Os parentes de Jesus não conseguiam se aproximar d’Ele, mas alguns deles queriam uma proximidade física. Achamos que a proximidade física é a mais importante, é claro que, fisicamente, queremos estar próximos de pessoas que queremos bem. Você conhece alguém que, fisicamente, esteve mais próximo de Jesus do que a Virgem Maria? Alguém, neste mundo, trouxe Jesus no seu ventre, carregou por nove meses, amamentou, cuidou, criou, amou, pegou no colo, cuidou quando era menino, deu banho, viu Ele crescer e se transformar no homem que nós amamos, o Mestre Jesus?

Então, a proximidade física Maria já tinha, e mais ainda, a proximidade da intimidade com a verdade de Jesus. É essa que Jesus está apresentando para aqueles que estão ouvindo. “Não adianta estarem aqui somente me vendo”, a advertência era para eles. A advertência é também para nós, porque até podemos receber a Eucaristia, podemos até estar na Missa todos os dias, podemos até participar de muitos grupos de Igreja, mas não é isso que cria intimidade com Jesus, não é isso que cria identidade familiar com Ele.

O que cria intimidade familiar com Jesus é, primeiro, ouvir a Sua Palavra. Sabemos que ouvir não é uma coisa simples, é preciso dedicação para ouvir. Como escutamos muito pouco aquilo que é a verdade.


Não passemos um dia sequer sem ouvir a Palavra de Deus, meditá-la, ruminá-la, deixar que ela ilumine a nossa vida

Nossos ouvidos estão muito soltos e seduzidos por tantos barulhos que estão à nossa volta. Para ouvir a Palavra de Deus é preciso se abstrair ou se purificar de tantos barulhos para nos colocarmos na sintonia da Palavra.

Ouvir a Palavra de Deus é a missão principal de um discípulo de Jesus, debruçar-se sobre a Palavra, deixar que ela penetre em nossos ouvidos. Uma vez que a escutamos, é preciso praticá-la. E, muitas vezes, apanhamos nas duas lições: ouvimos pouco e praticamos menos ainda.

Não vamos praticar na integridade da Palavra, se não a ouvirmos; e se não ouvirmos a Palavra, é óbvio que não seremos os bons discípulos que seguem o Mestre Jesus. Por isso, nos aproximemos do Senhor e da Sua Palavra. Não passemos um dia sequer sem ouvir a Palavra de Deus, meditá-la, ruminá-la, sem deixar que ela ilumine a nossa vida.

Pratiquemos, pois é assim que, de verdade, criamos intimidade com o Mestre Jesus.

Deus abençoe você!

Pe. Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Facebook/padrerogeramigo

Seja um apoiador do Pocket Terço: apoia.se/pocketterco


O parentesco da fé divina

O que mais conta, na grande família de Deus, que é o Corpo místico de seu Filho encarnado, não são tanto os laços de sangue que nos unem uns aos outros como os vínculos sobrenaturais da fé, que nos tornam realmente filhos de Abraão. Filhos, sim, não porque dele descendamos segundo a carne, mas porque o imitamos ao crer no mesmo Deus em que ele acreditou, fazendo-nos herdeiros das mesmas promessas que lhe foram feitas e tornando-nos dignos, de certa forma, do mesmo elogio que fez Santa Isabel à Mãe do nosso Salvador: “Bem-aventurada és tu que creste”. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta terça-feira, 22 de setembro, e ponhamos em ato a fé que nos faz irmãos em Cristo, membros da mesma família divina!





Santo do Dia:

São Maurício e companheiros mártires

Roma é chamada de 'Cidade Eterna', onde encontramos a Cátedra de São Pedro, ocupada pelo atual Papa Francisco.

Roma é considerada pelos católicos como sinal visível do Sacramento Universal da Salvação, a Igreja; porém, para que isto ocorresse, muitos mártires deram a vida para "comprarem" com o sangue a vitória do Cristianismo sobre o Império Romano, que em 381 dobrou os joelhos diante do verdadeiro Deus e verdadeiro homem: Jesus Cristo.

São Maurício e companheiros faziam parte da tropa dos valentes guerreiros e mártires do Senhor, que estiveram envolvidos no massacre da Legião Tebana. O imperador Diocleciano, precisando combater as tropas que ameaçavam o Império no Oriente, foi ao amigo Maximiano para que o mesmo organizasse um forte exército. Tendo feito progresso, o imperador mandou que o exército parasse para descansar e oferecer sacrifícios aos deuses em sinal de agradecimento.

Imediatamente os soldados cristãos se opuseram a tal ordem: "Somos teus soldados e não menos servidores de Deus. Sabemos perfeitamente a nossa obrigação como militares, mas não nos é lícito atraiçoar o nosso Deus e Senhor. Estamos prontos a obedecer a tudo que não contrarie a lei de Jesus Cristo."

Começaram a matar parte deste grupo e o oficial Maurício com seus companheiros foram os que mais se destacaram pois acolheram, por amor e fé em Jesus Cristo, a palma do martírio, dando assim, o mais perfeito testemunho.

Providencialmente, ou seja, como sinal da grande fidelidade destes cristãos, o local à beira do Rio Ródano ficou conhecido como Martigny, nome que deriva de mártir. Este fato ocorreu por volta do ano 286, e é certo que no século seguinte foi elevada uma basílica no lugar da execução e que, no ano 520, Sigismundo, rei da Borgonha, construiu lá um mosteiro que subsiste ainda e deu origem à cidade de São Maurício na Suíça.

São Maurício e companheiros, rogai por nós!


Oração sobre as Oferendas:
Acolhei, ó Deus, nós vos pedimos, as oferendas do vosso povo, para que possamos conseguir por este sacramento o que proclamamos pela fé. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona de Comunhão:
Os vossos mandamentos vós nos destes, para serem fielmente observados. Oxalá seja bem firme a minha vida em cumprir vossa vontade e vossa lei! (Sl 118, 4-5)

Ou:


Eu sou o bom pastor: conheço minhas ovelhas e minhas ovelhas me conhecem, diz o Senhor. (Jo 10, 14)

Oração depois da Comunhão:
Ó Deus, auxiliai sempre os que alimentais com o vosso sacramento para que possamos colher os frutos da redenção na liturgia e na vida. Por Cristo, nosso Senhor.